Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Campeão olímpico da Star morre em treino para America's Cup

10 de maio de 2013 0

AFP PHOTO / DON EMMERT

Nesta quinta-feira, dia 9, o campeão olímpico britânico Andrew Simpson, 36 anos, morreu na Baía de Sãop Francisco (EUA) após um acidente durante o treino do barco sueco da equipe AC72. Ouro em Pequim 2008 e prata em Londres 2012 na classe Star, ao lado de Iain Percy. Juntos, eles eram os principais adversários da dupla brasileira formada por Robert Scheidt e Bruno Prada, bronze em Londres 2012.

O velejador teria ficado preso por 10 minutos embaixo do catamarã de 72 pés que capotou perto de Treasure Island. O britânico foi resgatado, mas as tentativas de reanimação não deram resultado. Simpson deixa a esposa Leah e um filho, Freddie.

Andrew estava há seis meses nos Estados Unidos e era um dos 11 tripulantes do AC 72 Artemis. Os outros foram resgatados com vida pelo barco Oracle Racing. Não é o primeiro acidente fatal em treinos para a tradicional regata que chega a sua 34ª edição. Em 1999, Martin Wizner, do barco espanhol Spanish Challenge morreu ao ser atingido por um pedaço quebrado do barco.

A equipe Artemis, através do chefe executivo Paul Cayard se pronunciou após a tragédia:

- A equipe está abalada com o que aconteceu.  Nosso sentimentos para a esposa e sua família – disse o lendário capitão.

De acordo com a guarda-costeira americana, no momento do acidente, às 13h15min locais, os ventos sopravam acima do normal.  A guarda costeira Jeannie Crump disse que a causa do acidente de quinta-feira não era clara. O presidente executivo da America’s Cup Stephen Barclay disse que as autoridades estavam investigando, mas ainda era muito cedo para responder a perguntas sobre a segurança dos barcos na Baía de San Francisco.

- Obviamente, um catamarã é mais propenso a emborcar do que um monocasco – disse ele.
Se os barcos estão seguros ou inseguros, não vamos especular sobre essas coisas.Os catamarãs são muito mais rápidos do que as tradicionais corvetas que, historicamente, concorreram ao troféu, mas têm-se revelado difícil de lidar.

Bandeira da Artemis a meio mastro durante coletiva do CEO Paul Cayard. Foto Alexis Cuarezma/Getty Images/AFP

Envie seu Comentário