Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de novembro 2013

Ataque de tubarão faz nova vítima na Austrália

30 de novembro de 2013 0
Zac chegou a ser resgatado, mas não resistiu aos ferimentos. Foto Frank Redward

Zac chegou a ser resgatado, mas não resistiu aos ferimentos. Foto Frank Redward

Um ataque fatal de tubarão, o segundo em uma semana, comoveu a Austrália, neste sábado, 30 de novembro. O bodyboarder Zac Young, 19 anos, morreu após ser atacado nas pernas enquanto surfava em um pico muito frequentado por bodyboarders, em Coffs Harbour (New South Wales), na costa leste da Austrália.

As praias nas imediações de Coffs Harbour permaneciam fechadas neste domingo, enquanto a Guarda Costeira e voluntários da Surf Life Saving estão a procura do tubarão. Local de Port Macquarie, Zac havia ido surfar com três amigos a 100 metros da beira da praia, em um pico conhecido como The Well, em Rickie`s Point. Os amigos viram o momento do ataque e conseguiram puxar Zac para a beira da praia.

- Seus amigos lutaram com o tubarão por um curto período de tempo, então o tubarão soltou e os amigos corajosamente conseguiram levá-lo para a margem. – disse o inspetor de polícia de Coffs Harbour, Joanne Reid, aos repórteres no local.

Zac tinha 19 anos. Foto Reprodução Facebook

Zac tinha 19 anos. Foto Reprodução Facebook

Era a primeira trip de Zac com seus amigos após tirar a carteira de habilitação. O ex-presidente da Associação de Bodyboard de Port Macquarie (ABPM) Jim Rutherford descreveu o adolescente como “o garoto mais legal que você já conheceu”

- Ele era um garoto de muito bom coração. Estava sempre tentando ajudar as pessoas além de ser um bodyboarder talentoso – disse Rutherford.

A presidente da ABPM, Kylee Kay, ficou chocada quando ouviu a notícia.

- Ele estava viajando com Kurt, Shayden e outro garoto local de Port Macquarie. Todos eram bons amigos e excelentes surfistas de Port Macquarie – disse ela.

Segundo ela, centenas de bodyboarders tinham viajado para a área de Coffs Harbour algumas semanas atrás para disputa do campeonato nacional. O adolescente pensava em seguir carreira como fotógrafo e tinha trabalhado no Port Macquarie News, publicado pela Fairfax Media, editora do The Sun-Herald.

Uma porta-voz do governo australiano (DPI) disse que iniciou um plano de resposta a incidentes de tubarão. Ela disse que um biólogo especializado iria viajar até o local para estudar o padrão de ataque e identificar a espécie de tubarão.

- A DPI irá trabalhar com a Polícia de NSW para determinar que medidas devem ser tomadas para minimizar qualquer risco permanente – disse ela.

O ataque é o primeiro fatal em New South Wales desde 2008, quando um bodyboarder de 16 anos foi morto por um tubarão, em North Wall, perto de Ballina. O chefe da equipe de salva-vidas de Coffs Harbour Greg Hackfath declarou à ABC News que os ataques de tubarões são raros no local.

- Eu só lembro, nos 35 anos que eu estive aqui, de dois ataques de tubarão. É muito, muito incomum. Nós não sabemos detalhes de que tipo de tubarão foi, mas pode ser um que tenha vindo de outro local – explicou Greg.

Na semana passada, após o ataque fatal na costa ocidental, o premier australiano da Costa Oeste, Colin Barnett, levantou a hipótese de um abate de tubarões na costa sudoeste.

- Eu não sei se é um sacrifício como tal – e talvez isso significa coisas diferentes para pessoas diferentes, mas eu reconheço que o público está exigindo que os tubarões que habitam áreas populares de banho e surfe sejam eliminados. Eu estou nesse time.

Com informações do SydneyMorning Herald

Israel Salas e Jéssica Becker conquistam os títulos do Circuito Brasileiro de Bodyboard 2013 por antecipação

30 de novembro de 2013 0
Israel Salas é bicampeão. Foto Cbrasb/Divulgação

Israel Salas é bicampeão. Foto Cbrasb/Divulgação

O capixaba Israel Salas e a macaense Jéssica Becker comemoraram nesse sábado, 30, os títulos do Circuito Brasileiro de Bodyboard 2013 por antecipação em Rio das Ostras. Jéssica avançou para as semifinais e conquistou seu primeiro título nacional, enquanto Israel foi eliminado no Round 4, mas viu os principais adversários caírem para soltar o grito de bicampeão na Praia de Costa Azul.

- Esse título é muito emocionante. Após a conquista do ano passado eu senti que podia mais e esse ano foi pra confirmar e coroar todo o trabalho que venho fazendo no Espírito Santo. Quero agradecer muito aos meus patrocinadores e agora meu foco está no circuito mundial no ano que vem. Quero ver seu consigo ir para Pipeline para a abertura da temporada – disse Israel.

- Dedico essa vitória a Deus e a minha família, principalmente a minha esposa e meu filho que estão sempre comigo – encerrou.

Neste segundo dia de disputas, sete atletas chegaram com chances de brigar pelo título, mas um a um foram eliminados. O catarinense Luis Villar era um dos candidatos e acabou caindo no Round 4, assim como Eder Luciano, melhor brasuca no circuito mundial em 2013, com a sexta posição. Agora está em jogo a vitória na última etapa e as brigas por posições entre os tops do ranking brasileiro.

Jéssica teve um ano para não ser esquecido. Foto Cbrasb/Divulgação

Jéssica teve um ano para não ser esquecido. Foto Cbrasb/Divulgação

Entre as mulheres, o cenário foi bem parecido com o do masculino. Após avançar as semifinais, a carioca Jéssica Becker precisou torcer pela derrota da pernambucana Kirtys Montenegro. Durante as disputas do Round 3, a jovem revelação brasileira não conseguiu superar suas adversárias e Jéssica pode comemorar seu primeiro título brasileiro.

- Estou muito feliz, essa é a minha primeira conquista de brasileiro. Agora é manter a concentração na etapa para tentar buscar o título do evento – falou Jéssica, que na última semana sagrou-se campeã estadual do Rio de Janeiro.

Bruno Araujo levanta o público

Além dos campeões nacionais, o segundo dia de competições em Rio das Ostras definiu os finalistas da terceira e última etapa do Circuito Brasileiro. Quem ditou o ritmo da competição foi o local Bruno Araújo. Com duas notas 9.5, as mais altas da competição, o atleta local somou 19.0, e quebrou todos os recordes da competição para levar o público ao delírio.

- Essa foi a melhor bateria da minha vida. Eu tinha feito uma bateria muito boa no Brasileiro de Ipanema, quando tirei uma nota 10, mas isso daqui é especial, por ser em casa. Estou muito motivado e agora quero o título da etapa – explicou o atleta, que se deu ao luxo de descartar uma nota na casa dos 8.0 pontos.

Bruno Araújo levou o público ao delírio. oto Cbrasb/Divulgação

Bruno Araújo levou o público ao delírio. oto Cbrasb/Divulgação

Após as disputas do Round 4, oito atletas avançaram as quartas de final, sendo sete cariocas e apenas um capixaba. Atual campeão brasileiro, Léo Costa teve um duelo acirrado diante do carioca Dionatan Barroso e acabou eliminado da competição por menos de meio ponto de diferença. Na disputa seguinte, Bruno Araujo seguiu com um bom desempenho e venceu Nicholas Bastos.

Na terceira baterias das quartas, Amilton Junior superou seu irmão Ailton Neto e confirmou vaga na semi. Em seguida, Rafael Paes não deu chances a Bruno Invyk e foi mais um atleta local a garantir vaga nas semifinais.

Semifinais definidas no Feminino

Entre as mulheres, apenas quatro atletas seguem na competição e o domínio nas semifinais é capixaba. A pentacampeã mundial e bicampeã do ISA Games Neymara Carvalho chegou com força na competição e colocou-se entre as finalistas após bateria complicada no Round 2. A Pequena Notável foi superada apenas por sua conterrânea Chris Kale.

Na primeira bateria do dia, Jéssica Becker garantiu a primeira posição e avançou para as semifinais ao lado da top do circuito mundial Maira Viana. Nas semifinais, Jéssica encara Neymara e Maira mede forças com Chris Kale.

Categorias amadoras 

Entre os amadores, a decisão pelo título acontece nesse domingo. Na Open, Marco Aurélio (RJ), Bryan Souza (ES), Lucas Viana (RJ), Bruno Cajado (ES), Jonas Silva (RJ), Lucio Santana (RJ), Adejaldo Silva (RJ) e Leonardo Vinco (ES), seguem na disputa.

Já na Sub-16, Gabriel Friman (ES), João Marcos (RJ), Kalã da Hora (RJ), Ronaldo Carvalho (ES), Socrates Santana (RJ), Rubens Matheus (RJ), Carlos Henrique (ES) e Miguel Medina (RJ) são os semifinalistas.

O check in final acontece neste domingo, às 8h30min

Confira os resultados desse sábado:
Profissional Feminino – Round 2:
H5: 1 Jéssica Becker (RJ) 2 Maira Viana (ES) 3 Marilene Fernandez (ES) 4 Yumi Vasconcellos (RJ)
H6: 1 Chris Kale (ES) 2 Neymara Carvalho (ES) 3 Gabriela Gouvea (RJ) 4 Kirtys Montenegro (PE)

Profissional Feminino – Semifinais formadas:
S1: Jéssica Becker (RJ) x Neymara Carvalho (ES)
S2: Chris Kale (ES) x Maira Viana (ES)

Profissional Masculino – Round 4:
H21: 1 Dionatan Barroso (RJ) 2 Nicholas Bastos (RJ) 3 Eder Luciano (SC) 4 Israel Salas (ES)
H22: 1 Bruno Araujo (RJ) 2 Leo Costa (ES) 3 Leandro Chagas (BA) 4 Israel Eduardo (RJ)
H23: 1 Ailton Neto (RJ) 2 Bruno Invyk (RJ) 3 Luis Villar (SC) 4 Helliton Loureiro (ES)
H24: 1 Rafael Paes (RJ) 2 Amilton Neto (RJ) 3 Lucas Nogueira (ES) 4 Valdomiro Mirinho (SP)

Profissional Masculino – Quartas de Final:
Q1: Dionatan Barroso (RJ) 13,40 x 13,10 Leonardo Costa (ES)
Q2: Bruno Araujo (RJ) 13,50 x 12,50 Nicholas Bastos (RJ)
Q3: Ailton Neto (RJ) 11,75 x 11,40 Amilton Junior (RJ)
Q4: Rafael Paes (RJ) 15,50 x 10,0 Bruno Invyk (RJ)

Profissional Masculino – Semifinais formadas:
S1: Dionatan Barroso (RJ) x Bruno Araujo (RJ)
S2: Amilton Neto (RJ) x Rafael Paes (RJ)

Open Masculino – Semifinais formadas:
S1: Marco Aurélio (RJ) x Bryan Souza (ES) x Lucas Viana (RJ) x Bruno Cajado (ES)
S2: Jonas Silva (RJ) x Lucio Santana (RJ) x Adejaldo Silva (RJ) x Leonardo Vinco (ES)

Sub-16 – Semifinais formadas:
S1: Gabriel Friman (ES) x João Marcos (RJ) x Kalã da Hora (RJ) x Ronaldo Carvalho (ES)
S2: Socrates Santana (RJ) x Rubens Matheus (RJ) x Carlos Henrique (ES) x Miguel Medina (RJ)

Com informações de Danilo Caboclo – Assessoria de Imprensa CBRASB

Equipe feminina faz final inédita no Match Race Brasil, no Rio de Janeiro

30 de novembro de 2013 0
Festa do time feminino. Foto Vitor Silva/SSPress.

Festa do time feminino. Foto Vitor Silva/SSPress.

Uma decisão inédita entre homens e mulheres vai marcar a final do Match Race Brasil 2013, neste domingo (1/12), a partir das 10h. De um lado a equipe do Iate Clube do Rio de Janeiro, comandado por Henrique Haddad, o Gigante, que busca o tricampeonato na competição, e de outro, a equipe do Iate Clube Brasileiro, de Niterói, liderada por Juliana Senfft. As disputas, barco contra barco, estão sendo realizadas na raia em frente à praia do Flamengo, no Rio de Janeiro, com veleiros da classe J24.

A vitória da tripulação de Juliana, que ocupa a 12ª colocação no ranking mundial feminino de match race, tirou a chance da sonhada dobradinha da família Haddad na decisão. Na semifinal, em uma melhor de três, o Iate Clube Brasileiro levou a melhor sobre o time do Clube Desportivo da Marinha, de Felipe Haddad, irmão mais novo de Gigante, por 2 a 1. Juliana e cia. já haviam conseguido a primeira vitória do dia sobre o Rio Yacht Club, de Renata Decnop, o que garantiu ao grupo a vaga na semifinal.

- Começamos muito bem o dia e, na semifinal, fomos bastante agressivas durante toda a disputa, já que o vento em torno de 14 nós, favorecia mais a equipe masculina, exigindo muita força física. O Felipe está velejando muito, tem uma equipe entrosada, e não podíamos vacilar em nenhum momento. Largamos na frente nas duas últimas regatas e conseguimos provocar algumas penalidades dos adversários – comemorou Juliana, que pretende impor a mesma tática agressiva para a final, contra o Gigante.

Duelo feminino na raia. Foto Satiro Sodré/SSPress

Duelo feminino na raia. Foto Satiro Sodré/SSPress

Felipe, que saiu da água decepcionado com o resultado por não ter conseguido cumprir a meta de fazer a dobradinha da família Haddad, apenas admitiu que estava “um dia bom para velejar, não muito quente”. Sua próxima competição será a seletiva da classe 470, em janeiro, para integrar a equipe olímpica.

Em busca do tri

Já a equipe de Henrique Haddad, bicampeão do Match Race Brasil (2011 e 2012), não teve dificuldade para superar, na semifinal, o time gaúcho do Veleiros do Sul, de Philipp Grotchmann, por 2 a 0. Na segunda regata, o velejador mostrou toda sua técnica e experiência ao pagar uma penalidade no contorno da bóia de contravento.

- Costumo comparar o match race com um jogo de tabuleiro. É um jogo de estratégia… Você se defende e ataca com estratégia pré-definida. Sabíamos que podíamos pagar a penalidade ao contornar a bóia de contravento. Pagamos o pênalti e saímos na frente para vencer a segunda regata e garantir a vaga na final – explicou.

Apesar de enfrentar um barco feminino na final, Gigante garante que vai manter o mesmo estilo de velejada.

- A gente segue velejando da mesma maneira, na final… Estamos acostumadas a enfrentar as meninas em treinos e vamos manter o mesmo formato. Para a final, se elas vierem com tudo, estarei preparado… Vou usar a experiência para manter a calma e com certeza teremos ótimas regatas neste domingo - assegurou Gigante, que, em 2011, chegou a 23º no ranking mundial de match race, a melhor colocação de um latino-americano na história.

Equipe de Juliana Senftt. Foto Satiro Sodré/SSPress

Equipe de Juliana Senftt. Foto Satiro Sodré/SSPress

A decisão do terceiro lugar será entre as equipes da Marinha e do Veleiros do Sul, também em melhor de três.
Resultados do sábado
Regatas de desempate da fase classificatória
ICB 1 x 0 RYC
VDS 1 x 0 RYC
Fase classificatória
1- Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ), Henrique Haddad – 5 vitórias
2- Clube Desportivo da Marinha(CDM), Felipe Haddad – 4 vitórias
3- Iate Clube Brasileiro (ICB), Juliana Senfft – 3 vitórias
4- Veleiros do Sul (VDS), Philipp Grotchmann – 2 vitórias
5- Rio Yacht Club (RYC), Renata Decnop – 2 vitórias
6- Clube Naval Charitas (CNC), Rafael Pariz – 0 vitória
Semifinais
ICRJ 2 x 0 VDS
CB 2 x 1 CDM
Os times são formados por quatro velejadores. A premiação total é de 100 mil reais, divididos entre os oito primeiros colocados. A equipe campeã recebe 26 mil reais. Está em disputa o troféu de posse transitória Roger Wright.

Alan Adler, campeão da Pro-Am. Foto Satiro Sodré / SSPress

Barco de Alan Adler, campeão da Pro-Am. Foto Satiro Sodré / SSPress

Pro-Am - O tradicional Pro-Am, que reúne velejadores e convidados, foi disputado no final da tarde. A equipe vencedora, comandada pelo campeão mundial de Star, Alan Adler, CEO da IMX, teve como destaque o finalista do Match Race Brasil, Henrique Haddad. O time vice-campeão teve André Mirsk como timoneiro, com ajuda de Philip Grotchmann, do Veleiros do Sul.
O Match Race Brasil 2013 tem o patrocínio de Volvo, Sportv, Lorenzetti e TIM. A promoção é da IMX, com apoios da Marinha do Brasil e do Iate Clube do Rio de Janeiro. O projeto foi viabilizado pela Lei Federal de Incentivo ao Esporte. A realização é da Federação de Vela do Estado do Rio de Janeiro. Mais informações : www.matchracebrasil.com.br

Pódio da Pro-Am. Foto Satiro Sodré / SSPress

Pódio da Pro-Am. Foto Satiro Sodré / SSPress

Com informações de Ary Pereira Jr. – MTb 23297 – ZDL Comunicação

 

Vento fraco cancela regata de HPE na abertura da etapa final da Copa Suzuki Jimny

30 de novembro de 2013 0
Largada da Foto Marcos Méndez/SailStation

Largada para a Volta à Ilha. Foto Marcos Méndez/SailStation

O vento se transformou no principal assunto deste sábado (30) na abertura da quarta etapa da Copa Suzuki Jimny. A entrada do sudoeste acima dos 10 nós (20 km/h) permitiu que os barcos acima de 30 pés (nove metros) largassem às 12h50min para a tradicional Regata Volta à Ilha – Sir Peter Blake. Com a redução da intensidade do vento, os 22 barcos que iniciaram a travessia de 70 quilômetros tinham previsão para a chegada ao Yacht Club de Ilhabela (YCI) entre a noite deste sábado e a madrugada deste domingo.

Porém, o vento que entrou pelo sul da ilha, não chegou ao canal de São Sebastião, impedindo que o percurso da classe HPE e dos barcos com menos de 30 pés fosse montado pela Comissão de Regatas (CR) que aguardou, em vão, até as 15h30min. Os 17 barcos menores não contornam Ilhabela por questão de segurança. À espera do vento, o transatlântico MSC Orchestra fundeou próximo à raia que seria da HPE, inaugurando a temporada de cruzeiros em Ilhabela.

- Depois que dei largada mais ao sul para os barcos maiores, fiquei animado e pensei que logo o vento entraria no canal para organizar a regata de HPE. Mas não foi o que aconteceu. É estranho, mas são fatores que só a natureza pode explicar. A garoa costuma espantar o vento. Vamos ver se amanhã (domingo) entra o leste – analisou o diretor da CR, Cuca Sodré.

Neste domingo as regatas começam às 13h para todas as classes, ORC, RGS, C30 e IRC. A HPE pode correr ter até três largadas.

Suduca e Sessentão. Foto Marcos Méndez/SailStation

Suduca e Sessentão. Foto Marcos Méndez/SailStation

Uma regata a menos no programa do Circuito Ilhabela de Vela Oceânica, pode parecer favorável aos barcos que ocupam as primeiras posições depois de três etapas. Apesar da vantagem na briga pelo título, o comandante do Relaxa Next/Caixa, Maurício Santa Cruz, queria emoção.

- É melhor correr a regata do que ficar esperando pelo vento. Pelo menos serviu para fazermos alguns testes no barco. A vontade de velejar fica acumulada para domingo – considerou Santinha, líder da HPE e que nesta temporada conquistou a medalha de prata nos campeonatos Mundial e Europeu de J24.

A vontade de velejar contida de forma involuntária não está restrita à Santinha. A tripulação do HPE Arthemis, retornando mais cedo ao YCI, aproveitou para antecipar o almoço, mas queriam mesmo é estar na raia.

- Estávamos com muita vontade de competir. Sempre velejo na Represa de Guarapiranga, mas aqui é diferente quando entra aquele ‘sulzão’. Amanhã quero correr três regatas – deseja o comandante do Arthemis, Mark Essle, bicampeão da Semana de Vela de Ilhabela com o veleiro Curupira em 1999 e 2001.

Com informações de Ary Pereira Jr. – MTb 23297 – ZDL Comunicação

Highlights Dia 2 Round dos 96 - Vans World Cup of Surfing

30 de novembro de 2013 0

As esquerdas de Angola

30 de novembro de 2013 0

Willian Cardoso avança em Sunset Beach e segue na briga para entrar na elite do surfe mundial

29 de novembro de 2013 0
Caio Ibelli conquistou a primeira vitória brasuca. Foto ASP/Cestari

Caio Ibelli conquistou a primeira vitória brasuca. Foto ASP/Cestari

Como já é tradição, depois do feriado do Thanksgiving Day, sempre dá altas ondas no Havaí e a sexta-feira amanheceu com séries gigantes de 10-12 pés em Sunset Beach para rolar a segunda fase da Vans World Cup of Surfing. Depois da eliminação do paulista Jessé Mendes logo na segunda bateria, o paulista Caio Ibelli conquistou a primeira vitória brasileira nas ondas de Sunset Beach.

O cearense Heitor Alves e o capixaba Krystian Kymerson fizeram dobradinha na nona bateria e Wiggolly Dantas também avançou para a rodada dos cabeças de chave da Vans World Cup of Surfing com o segundo lugar na oitava bateria. Mas o melhor resultado brasuca do dia foi a classificação do catarinense Willian Cardoso que passou em segundo na bateria vencida pelo havaiano Ezekiel Lau e segue na luta para continuar no G-10 para o WCT 2014. Para completar, o australiano Dion Atkinson, que ocupa o oitavo lugar no G-10, foi eliminado, assim como o francês Marc Lacomare (principal ameaça para Willian) e o americano Conner Coffin, que também estavam na porta do G-10.

Wiggolly Dantas segue na briga. Foto ASP/Cestari

Wiggolly Dantas segue na briga. Foto ASP/Cestari

Já o paranaense Peterson Crisanto conseguiu a classificação na melhor bateria do dia. Com 9.70 na sua melhor onda, Petersinho passou em segundo lugar e só não venceu a bateria porque o sul-africano Beyrick de Vries surfou um tubão e fez a primeira nota 10 do evento. Além de Jessé Mendes, as baixas brasucas foram o baiano Marco Fernandez e o paulista Thiago Camarão. A competição prossegue com as baterias de complemento do Round dos 96 e a participação dos brasucas Ian Gouveia, Tomas Hermes e David do Carmo (os três acabaram eliminados). Para conferir e assistir ao vivo acesse http://www.aspworldtour.com.br/

Vans World Cup Of Surfing
Round dos 96 (3º=65 lugar, 400Pts, U$750/4º=81º lugar, 370Pts, U$500)

H1- 1 Ian Walsh HAV 14.17 2 Hodei Collazo EUK 11.27 3 Charles Martin GLP 9.83 4 Conner Coffin EUA 9.70
H2- 1 Makuakai Rothman HAV 13.53 2 Jay Thompson AUS 13.16 3 Jesse Mendes BRA 11.06 4 Makai McNamara HAV 9.53
H3- 1 Ryan Callinan AUS 14.33 2 Hank Gaskell HAV 10.76 3 Pancho Sullivan HAV 10.60 4 Dion Atkinson AUS 9.43
H4- 1 Carlos Munoz CRI 15.50 2 Ian Gentil HAV 14.23 3 Kalani David HAV 10.97 4 Stu Kennedy AUS 9.23
H5- 1 Caio Ibelli BRA 14.90 2 Frederico Morais POR 14.00 3 Yadin Nicol AUS 8.90 4 Ramzi Boukhiam MAR 3.17
H6- 1 Mitchel Coleborn AUS 13.07 2 Joshua Moniz HAV 10.70 3 Marco Fernandez BRA 10.57 4 Seth Moniz HAV 6.56
H7- 1 Brian Toth PRI 12.87 2 Kaimana Jaquias HAV 12.40 3 Patrick Gudauskas EUA 12.27 4 Cooper Chapman AUS 6.36
H8- 1 Gavin Gillette HAV 15.16 2 Wiggolly Dantas BRA 15.07 3 Chris Ward EUA 10.06 4 Matt Banting AUS 8.86
H9- 1 Heitor Alves BRA 12.77 2 Krystian Kymerson BRA 11.00 3 Dale Staples AFS 10.63 4 Maxime Huscenot FRA 9.00
H10- 1 Torrey Meister HAV 15.33 2 Joan Duru FRA 15.24 3 Alex Smith HAW 12.60 4 Marc Lacomare FRA 12.37
H11- 1 Ezekiel Lau HAV 14.00 2 Willian Cardoso BRA 12.27 3 Keanu Asing HAV 9.50 4 Thiago Camarão BRA 6.53
H12- 1 Kiron Jabour HAV 18.33 2 Wade Carmichael 14.97 3 Davey Cathels AUS 13.33 4 Marcus Hickman HAV 8.16
H13- 1 Beyrick De Vries AFS 17.50 2 Peterson Crisanto BRA 17.03 3 Tom Whitaker AUS 13.43 4 Koa Smith HAV 12.53
H14- 1 Tom Whitaker AUS 15.10 3 Steven Pierson TAH 10.76 2 Olamana Eleogram HAV 14.26 4 Kevin Sullivan HAV 2.17

Seth Moniz fazendo jus ao sobrenome. Foto ASP/Cestari

Seth Moniz foi eliminado, mas fez jus ao sobrenome. Foto ASP/Cestari

Jay Thompson. Foto ASP/Kirstin

Jay Thompson eliminou Jessé Mendes. Foto ASP/Kirstin

Regata mais longa da temporada motiva velejadores na decisão da Copa Suzuki Jimny

29 de novembro de 2013 0
Largada da ORC. Foto Eduardo Grigaitis/Balaio

Largada da ORC. Foto Eduardo Grigaitis/Balaio

Depois de mais de 20 regatas disputadas desde abril, chega o momento decisivo da Copa Suzuki Jimny. Neste sábado (30), são esperados 40 barcos na Regata Volta à Ilha – Sir Peter Blake, tradicional travessia incluída na quarta e última etapa do Circuito Ilhabela de Vela Oceânica. A largada para o percurso de cerca de 40 milhas náuticas (70 km) será ao meio-dia. Os veleiros com menos de 30 pés (nove metros) correm uma prova mais curta no Canal de São Sebastião, a partir das 13h.

A Regata Volta à Ilha, em homenagem ao velejador neozelandês Peter Blake, duas vezes campeão da America’s Cup, abre a etapa decisiva, que terá os quatro últimos dias de disputa na temporada: 30 de novembro e 1º de dezembro e 7 e 8 de dezembro, com sede no Yacht Club de Ilhabela. Além de impor às tripulações o desafio de superar a maior distância de uma prova da competição, a Volta à Ilha oferece uma visão privilegiada das praias e enseadas da costa de Ilhabela voltada para o mar aberto, muitas delas acessíveis apenas por rota marítima.

As dificuldades mescladas às belezas naturais provocam uma emoção única, até nos mais experientes velejadores.

Estou super animado. O lado de fora da ilha possui uma paisagem que raramente temos a oportunidade de contemplar. E o mais importante é que estamos disputando o pódio — relata o bicampeão pan-americano da classe Lightning, Mário Buckup, tático do Maria Preta, terceiro colocado na RGS A após três etapas.

O líder da classe é o Jazz, de Valéria Ravani, seguido pelo Urca, barco da BL3 Escola de Iatismo, comandado por Pedro Rodrigues.

Praia de Castelhanos. Foto Divulgação.

Praia de Castelhanos. Foto Divulgação.

Buckup correu durante toda a temporada, inclusive a Semana de Vela de Ilhabela, com a tripulação do barco do Ubatuba Iate Clube, comandada por Alberto Barreti. Espera agora, encerrar o ano em grande estilo.

Contornar Ilhabela na última etapa do campeonato é uma ótima maneira de concluirmos a nossa campanha oceânica. Cruzar a linha de chegada depois de nove ou dez horas de regata é muito emocionante.

A Volta à Ilha vai reunir as embarcações das classes ORC, RGS, C30 e IRC, enquanto os HPE 25, maior flotilha do campeonato e os menores de 30 pés fazem uma regata barla-sota (percurso demarcado por duas boias). A previsão é de que o vento esteja na direção sul, o que permitiria à Comissão de Regatas montar a largada em frente ao Yacht Club de Ilhabela e fazer a chegada na Ponta das canas, após o contorno da ilha no sentido anti-horário. A intensidade deve ser média, em torno de dez nós (18km/h). No domingo, muda para sueste e a velocidade deve aumentar de acordo com o site Tempo OK.

Pontuação acumulada após três etapas (considerando-se os descartes)

ORC
1º – Tangaroa (James Bellini) – 11 pontos perdidos
2º – Lexus/Chroma (Luiz de Crescenzo) – 17 pp
3º – Orson/Mapfre (Carlos Eduardo S. Silva) – 27 pp

C30
1º – Loyal (Marcelo Massa) – 14 pp
2º – Barracuda (Humberto Diniz) – 27 pp
3º – Caballo Loco (Mauro Dottori) – 39 pp

HPE
1º – Relaxa Next/Caixa (Tomas Mangabeira) – 33 pp
2º – Ginga (Breno Chvaicer) – 41 pp
3º – SER Glass (Marcelo Bellotti) – 50 pp

RGS A
1º – Jazz (Valéria Ravani) – 14 pp
2º – Urca/BL3 (Pedro Rodrigues) – 31pp
3º – Maria Preta (Alberto Barreti) – 34 pp

RGS B
1º – Asbar II (Sergio Klepacz) – 12,5 pp
2º – Suduca (Marcelo Claro) – 18 pp
3º – Kanibal (Martin Bonato) – 22,5 pp

RGS C
1º – Rainha (Leonardo Pacheco) – 11 pp
2º – Ariel (Andreas Kugler) – 20 pp

RGS Cruiser
1º – Boccalupo (Claudio Melaragno) – 12 pp
2º – Cocoon (Luiz Caggiano) – 19 pp
3º – Brazuca (José Rubens Bueno) – 28 pp

Com informações de Ary Pereira Jr. – MTb 23297 – ZDL Comunicação

Irmãos Haddad lideram o primeiro dia de disputas do Match Race Brasil 2013 na Baía de Guanabara

29 de novembro de 2013 0
Felipe x Henrique. Foto Vitor Silva/SSPress

Felipe x Henrique. Foto Vitor Silva/SSPress

Henrique Haddad e o irmão mais novo, Felipe, mantiveram o domínio na abertura da Match Race Brasil, edição 2013, nesta sexta-feira (29), na raia montada em frente à praia do Flamengo. Os dois estão classificados para as semifinais, mas terão de aguardar os adversários que sairão após duas regatas de desempate entre as equipes femininas – Rio Yacht Club e Iate Clube Brasileiro – e o time gaúcho do Veleiros do Sul.

O belo dia de sol e ventos de intensidade média, entre 8 e 12 nós, permitiram que a programação da fase classificatória do Match Race Brasil fosse cumprida integralmente. As 15 regatas previstas confirmaram o favoritismo de Henrique Haddad, de 26 anos, que terminou o dia invicto. Seu irmão Felipe, de 22, teve apenas uma derrota, justamente o para o mais velho, na primeira vez em que se enfrentaram na carreira.

Velejamos muito bem, agora é torcer para que o vento se mantenha como nesta sexta-feira. O Felipe também está muito bem e foi ótimo ganhar dele, o duro seria perder — brincou.

No duelo dos irmãos Haddad, Henrique levou a melhor. Foto Vitor Silva/SSPress

No duelo dos irmãos Haddad, Henrique levou a melhor. Foto Vitor Silva/SSPress

Henrique garantiu que não se preocupa com o resultado deste sábado que definirá quem está classificado para as semifinais.

Nosso time está focado e não estou preocupado em definir adversário. Espero que consigamos vencer e, quem sabe, enfrentar novamente o Felipe na final — completou o melhor velejador brasileiro de match race.

Felipe, por sua vez, admitiu a maior experiência do mais velho.

É uma honra competir de igual para igual com ele, poder colocar em prática tudo que me ensinou. A gente é muito competitivo na água, mas em terra somos parceiros — admitiu.

J24 comandado por Felipe Haddad. Foto Vitor Silva/SSPress

J24 comandado por Felipe Haddad. Foto Vitor Silva/SSPress

Vitórias femininas

Como era previsto, as duas tripulações femininas deram muito trabalho aos homens nesta sexta-feira. Tanto que terminaram o dia com chances de irem para as semifinais, depois de um empate triplo com o Veleiros do Sul, os três com duas vitórias cada. O time comandado por Renata Decnop, que defende o Rio Yacht Club, começou o dia perdendo para as meninas lideradas por Juliana Senfft (Iate Clube Brasileiro), mas recuperou-se ao bater duas tripulações masculinas na parte da tarde, o Charitas (Rafael Pariz) e o Veleiros do Sul (Philipp Grotchmann).

— Começamos sem ritmo e sentimos um pouco na estreia diante do outro time feminino. Depois ganhamos entrosamento e conseguimos as duas vitórias importantes para mantermos as chances de semifinal. Para o sábado, vamos velejar com calma e método e temos todas as condições de seguir adiante — garantiu Renata.

Duelo feminino na Baía de Guanabara. Foto Satiro Sodré / SSPress

Duelo feminino na Baía de Guanabara. Foto Satiro Sodré / SSPress

Ela vai enfrentar no primeiro confronto de desempate a equipe de Juliana Senfft. Quem vencer estará na semifinal e a perdedora define a outra vaga com o Veleiros do Sul. Juliana Senfft começou o dia bem, com vitória sobre Decnop, mas somente garantiu o segundo resultado positivo no final da tarde ao superar o Charitas.

O vento rondou muito durante o dia e nos atrapalhou. Tivemos chance de vencer o time favorito do Gigante, mas acabamos errando em duas manobras, mesmo assim conseguimos bater o Charitas e agora vamos lutar para chegar à semi — analisou.

Os gaúchos do Veleiros do Sul estão acostumados a disputar match race com outro barco, o Elliot 6, tanto que o time foi vice-campeão brasileiro no último domingo, em Porto Alegre. E demoraram um pouco a se entrosar com o J24. No final do dia, conseguiram duas vitórias diante do Charitas e do Iate Clube Brasileiro.

Foi um pouco difícil de nos acostumar com o barco e também com as mudanças do vento. No começo faltou confiança, mas aos poucos fomos nos recuperando e agora o objetivo é garantir a semifinal — explicou o jovem comandante Philipp Grotchmann.

Philipp Grochtmann tenta se adaptar ao J24. Foto Vitor Silva/SSPress

Philipp Grochtmann tenta se adaptar ao J24. Foto Vitor Silva/SSPress

O Clube Charitas, de Niterói, não se classificou, pois não obteve nenhuma vitória.

Classificação:
1- Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ), Henrique Haddad – 5 vitórias
2- Clube Desportivo da Marinha(CDM), Felipe Haddad – 4 vitórias
3- Ryo Yacht Clube (RYC), Renata Decnop – 2 vitórias
4- Veleiros do Sul (VDS), Philipp Grotchmann – 2 vitórias
5- Iate Clube Brasileiro (ICB), Juliana Senfft – 2 vitórias
6- Clube Naval Charitas (CNC) – 0 vitória

Resultados:

ICRJ 1 x 0 VDS ; ICB 1 x 0 RYC ; ICRJ 1 x 0 CNC ; CDM 1 x 0 RYC ; VDS 1 x 0 CNC ; CDM 1 x 0 ICB ; ICRJ 1 x 0 ICB ; CDM 1 x 0 VDS ; RYC 1 x 0 CNC ; ICRJ 1 x 0 CDM ; RYC 1 x 0 VDS ; ICB 1 x 0 CNC ; CDM 1 x 0 CNC ; VDS 1 x 0 ICB e ICRJ 1 x 0 RYC .

Juliana Senfft (ICB). Foto Vitor Silva/SSPress

Juliana Senfft (ICB). Foto Vitor Silva/SSPress

Para o sábado (30), a partir de 10h, estão previstas duas regatas de desempate da fase classificatória. Depois serão disputadas as semifinais, em cruzamento olímpico (1ºx 4 e 2ºx 3º), em melhor de três regatas. Na parte da tarde será realizado o Pro-Am, que reunirá velejadores e convidados. As finais serão no domingo, também a partir de 10h.

Os times são formados por quatro velejadores. A premiação total é de R$ 100 mil, divididos entre os oito primeiros colocados. A equipe campeã recebe R$ 26 mil. Está em disputa o troféu de posse transitória Roger Wright. O Match Race Brasil 2013 tem o patrocínio de Volvo, Sportv, Lorenzetti e TIM. A promoção é da IMX, com apoios da Marinha do Brasil e do Iate Clube do Rio de Janeiro. O projeto foi viabilizado pela Lei Federal de Incentivo ao Esporte. A realização é da Federação de Vela do Estado do Rio de Janeiro. Mais informações : www.matchracebrasil.com.br.

Os J24 emoldurados pelo Corcovado. Foto Satiro Sodré/SS Press

Os J24 emoldurados pelo Corcovado. Foto Satiro Sodré/SS Press

Com informações de Ary Pereira Jr. – MTb 23297 – ZDL Comunicação

Dupla do Veleiros do Sul disputa Mundial de Vela da classe 470 na Austrália

29 de novembro de 2013 0
Geison e Gustavo, já em Melbourne. Foto Gianluca DiFazio

Geison e Gustavo, já em Melbourne. Foto Gianluca DiFazio

Em campanha Olímpica, a dupla da classe 470 do Veleiros do Sul, Geison Mendes e Gustavo Thiesen, chegou a Melbourne, na Austrália, para a disputa da Copa Mundial de Vela, da ISAF (Federação Internacional de Vela). A competição é a segunda etapa da Copa Mundial da ISAF, a primeira foi na China, e as demais ocorrerão nos Estados Unidos, Espanha e França.

A dupla, única do país a competir nesta etapa, prepara o barco para a estreia no campeonato, que se inicia neste sábado e segue até o dia 8.

Já estamos com o barco no qual vamos correr e passamos o dia trabalhando nele. Nossa expectativa é a de ficar entre os cinco primeiros — diz o timoneiro Geison Mendes.

Com informações da Assessoria de Comunicação do Veleiros do Sul – Ane Meira