Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "ASP World Tour"

Miguel Pupo garante a sétima vaga brasileira no ASP World Tour 2014

11 de dezembro de 2013 0
Miguel Pupo se garantiu em Pipe. Foto ASP/Cestari

Miguel Pupo se garantiu em Pipe. Foto ASP/Cestari

O paulista Miguel Pupo, 22 anos, garantiu sua permanência entre os top-34 do ASP World Tour nos tubos de 6 pés da terça-feira no maior palco do esporte no Havaí. A vaga foi confirmada com a vitória sobre o australiano Josh Kerr, 29, na terceira fase do Billabong Pipe Masters.

Com isso, o Brasil terá sete representantes no WCT 2014, um a mais que neste ano. Já estavam classificados os paulistas Adriano de Souza, 25 anos, Gabriel Medina, 19, Filipe Toledo, 18, o catarinense Alejo Muniz, 23, o carioca Raoni Monteiro, 31, e o potiguar Jadson André, 23, que retorna ao grupo de elite depois de um ano fora.

- Estou tremendo até agora, a bateria com certeza foi uma das mais longas da minha vida e estou muito feliz por ter conseguido minha vaga para o ano que vem – disse Miguel Pupo.

- Eu consegui pegar um tubo muito bom em Pipeline, mas aqui no Havaí qualquer onda pode sair uma nota alta. Quando faltavam 10 minutos, eu sabia que muita coisa poderia acontecer ainda. Quando faltavam 5 minutos, eu nem sabia mais o que pensar e fiquei ali só torcendo pra não dar mais onda. Está difícil de ver quando entra a série, porque o swell (ondulação) está mais de norte indo pra Off The Wall (outra praia vizinha), então eu ficava soprando pra ir pra lá (risos). Ouvi quando faltavam 30 segundos, nossa, fechei os olhos, quando abri faltavam 10 segundos e acabou felizmente, mas foram os minutos mais longos da minha vida.

Entre os cinco surfistas que batalhavam por vagas no WCT 2014 no Billabong Pipe Masters, só Miguel Pupo confirmou seu nome. Ele já tinha assumido o último lugar na lista dos 22 primeiros do ranking que são mantidos na elite, quando ganhou o duelo brasileiro da segunda fase no domingo com o catarinense Alejo Muniz. Mas precisava passar mais uma bateria para se garantir de vez, sem depender dos resultados de ninguém. E fez isso surfando um lindo tubo nas esquerdas de Pipeline que valeu nota 9,07 e a vitória sobre Josh Kerr por 14,67 a 9,76 pontos.

Slater, mestre em Backdoor. Foto ASP/Kirstin

Slater, mestre em Backdoor. Foto ASP/Kirstin

Depois ele teve que encarar Kelly Slater brigando pelo título mundial e Sebastian Zietz com chances de bicampeonato na Tríplice Coroa Havaiana. Slater deu o seu segundo show do dia, surfando tubos para a esquerda em Pipeline e principalmente para a direita no Backdoor, para já colocar seu nome entre os oito melhores do campeonato.

Mas Miguel Pupo tem outra chance de classificação para as quartas de final contra o francês Jeremy Flores no último duelo da repescagem. Quem vencer vai enfrentar o defensor do título do Billabong Pipe Masters e atual campeão mundial, Joel Parkinson.

DERROTAS BRASILEIRAS

Mais dois brasileiros competiram na terça-feira, só que ambos foram barrados na terceira fase e ficaram em 13º lugar na etapa final do ASP World Tour 2013 no Havaí. Gabriel Medina chegou a liderar sua bateria por 38 minutos, até o havaiano John John Florence pegar um tubo incrível e virar o placar para 16,23 a 14,00 pontos com o 9,83 recebido nessa onda. Adriano de Souza também perdeu para um havaiano, Sebastian Zietz, numa bateria fraca de ondas boas. A maior nota foi 7,77 do defensor do título da Triple Crown of Surfing, que venceu por 13,77 a 9,17 pontos.

Mineirinho foi o quinto melhor surfista do mundo nos dois últimos anos, chegou a liderar o WCT 2013 com a vitória no Rip Curl Pro Bells Beach e o vice-campeonato no Billabong Rio Pro, mas termina em 13º lugar no ranking com a derrota na estreia em Pipeline. Em seguida vem Gabriel Medina em 14º e o estreante Filipe Toledo em 15º, que ainda podem ser ultrapassados por Sebastian Zietz e Jeremy Flores. Já Miguel Pupo saiu da zona do rebaixamento para o vigésimo lugar, podendo subir até 17º se vencer o Billabong Pipe Masters, o que seria inédito para o Brasil no ASP World Tour.

Parko. Foto ASP/Kirstin

Parko. Foto ASP/Kirstin

TÍTULO MUNDIAL

Na terça-feira também começou a disputa do título mundial em Pipeline e especialmente no Backdoor, com Kelly Slater, 41 anos, levando a decisão para o último dia da etapa que fecha a temporada 2013 e a Tríplice Coroa Havaiana na ilha de Oahu. Ele foi o melhor do dia e venceu as duas baterias que disputou com os maiores placares da terceira e da quarta fase, surfando tubos profundos principalmente nas direitas do Backdoor.

Slater já estreou com imbatíveis 17,66 pontos contra o australiano Mitch Crews, depois fez 17,56 para ganhar a terceira vaga nas quartas de final do havaiano Sebastian Zietz e do único brasileiro que passou da terceira fase, Miguel Pupo. Nesta rodada ninguém é eliminado e Pupo terá outra chance de avançar contra o francês Jeremy Flores na repescagem que ficou para abrir o último dia do Billabong Pipe Masters no Havaí.

Para Slater colecionar o seu 12º troféu de melhor surfista do mundo no ASP Tour 2013, a única possibilidade é ganhar mais uma coroa de Pipe Masters e Mick Fanning não chegar nas semifinais. Só que o australiano não consegue isso desde 2005, quando ficou em segundo lugar na final contra o havaiano Andy Irons (in memoriam). Já Slater vem chegando nas fases decisivas desde 2008, da sua última vitória em Banzai Pipeline. Em 2009 foi vice-campeão contra o australiano Taj Burrow e ficou em terceiro nas semifinais em 2010, 2011 e 2012.

Mick Fannning. Foto ASP/Kirstin

Mick Fannning. Foto ASP/Kirstin

ÚLTIMA VAGA NO WCT 2014

Mick Fanning passou fácil pelo havaiano Kaimana Jaquias em sua estreia no Billabong Pipe Masters na terça-feira, mas depois foi batido pelo também australiano Yadin Nicol na primeira rodada classificatória para as quartas de final. Nicol surfou um tubo fantástico para ganhar a segunda nota 10 do Pipe Masters esse ano e mandar o líder do ranking para a repescagem. Ele é o único que ainda pode entrar no grupo dos top-34 para o WCT 2014, mas para tirar a vaga do americano Brett Simpson também precisa da vitória no Havaí como Slater para vencer o título mundial.

QUARTAS DE FINAL DO BILLABONG PIPE MASTERS:
1ª: Yadin Nicol (AUS) x vencedor da 1ª bateria da Quinta Fase
2ª: John John Florence (HAV) x vencedor da 2 bateria da Quinta Fase
3ª: Kelly Slater (EUA) x vencedor da 3ª bateria da Quinta Fase
4ª: Joel Parkinson (AUS) x vencedor da 4ª bateria da Quinta Fase

QUINTA FASE – REPESCAGEM – (2º=9º lugar – US$ 12.000 e 4.000 pontos):
1ª: Mick Fanning (AUS) x C. J. Hobgood (EUA)
2ª: Julian Wilson (AUS) x Nat Young (EUA)
3ª: Kai Otton (AUS) x Sebastian Zietz (HAV)
4ª: Jeremy Flores (FRA) x Miguel Pupo (BRA)

Yadin Nicol busca a última vaga. Foto ASP/Kirstin

Yadin Nicol busca a última vaga. Foto ASP/Kirstin

Resultados do dia
QUARTA FASE – (2º e 3º=Repescagem):
1ª: 1-Yadin Nicol=14.83, 2- C.J. Hobgood=11.84, 3-Julian Wilson=3.96
2ª: 1-John John Florence=16.37, 2-Nat Young=14.00, 3-Mick Fanning=11.51
3ª: 1-Kelly Slater=17.56, 2-Sebastian Zietz=14.50, 3-Miguel Pupo=11.17
4ª: 1-Joel Parkinson=14.77, 2-Jeremy Flores=12.57, 3-Kai Otton=7.60

TERCEIRA FASE – (2º=13º lugar – US$ 8.500 e 1.750 pontos):
1ª: Yadin Nicol (AUS) 12.66 (8,33) x 12.66 (6,33) Taj Burrow (AUS)
2ª: C. J. Hobgood (EUA) 11.33 x 7.13 Fredrick Patacchia (HAV)
3ª: Julian Wilson (AUS) 12.33 x 8.33 Patrick Gudauskas (EUA)
4ª: Nat Young (EUA) 14.87 x 12.40 Bede Durbidge (AUS)
5ª: John John Florence (HAV) 16.23 x 14.00 Gabriel Medina (BRA)
6ª: Mick Fanning (AUS) 15.63 x 6.27 Kaimana Jaquias (HAV)
7ª: Miguel Pupo (BRA) 14.67 x 9.76 Josh Kerr (AUS)
8ª: Sebastian Zietz (HAV) 13.77 x 9.17 Adriano de Souza (BRA)
9ª: Kelly Slater (EUA) 17.66 x 3.30 Mitch Crews (AUS)
10ª: Kai Otton (AUS) 14.33 x 10.96 Adam Melling (AUS)
11ª: Jeremy Flores (FRA) 17.10 x 11.67 Michel Bourez (TAH)
12ª: Joel Parkinson (AUS) 13.56 x 7.33 Dusty Payne (HAV)

TOP-22 DO ASP TOUR – ranking atualizado após a quarta fase do Billabong Pipe Masters:
01: Mick Fanning (AUS) – 53.100 pontos na quinta fase
02: Kelly Slater (EUA) – 49.350 nas quartas de final
03: Joel Parkinson (AUS) – 47.150 nas quartas de final
04: Jordy Smith (AFR) – 43.150
05: Taj Burrow (AUS) – 42.900
06: Julian Wilson (AUS) – 39.750 na quinta fase
07: Kai Otton (AUS) – 39.600 na quinta fase
08: Nat Young (EUA) – 38.000 na quinta fase
09: Josh Kerr (AUS) – 36.100
10: C. J. Hobgood (EUA) – 34.650 na quinta fase
11: Michel Bourez (TAH) – 33.000
12: John John Florence (HAV) – 32.350 nas quartas de final
13: Adriano de Souza (BRA) – 31.750
14: Gabriel Medina (BRA) – 25.000
15: Filipe Toledo (BRA) – 24.400
16: Adrian Buchan (AUS) – 24.200
17: Sebastian Zietz (HAV) – 23.150 na quinta fase
18: Jeremy Flores (FRA) – 23.000 na quinta fase
19: Fredrick Patacchia (HAV) – 18.450
20: Miguel Pupo (BRA) – 17.250 na quinta fase
21: Bede Durbidge (AUS) – 16.200
22: Matt Wilkinson (AUS) – 15.950
————Outros brasileiros:
29: Alejo Muniz (BRA) – 10.250 pontos
33: Raoni Monteiro (BRA) – 7.500
35: Willian Cardoso (BRA) – 6.200
38: Heitor Alves (BRA) – 1.750

Por João Carvalho – Assessoria de Imprensa da ASP South America

One & Only: Filipe Toledo

27 de novembro de 2013 0

ASP faz os cálculos para Mick Fanning conquistar seu terceiro título mundial no Rip Curl Pro Portugal

07 de outubro de 2013 1
Fanning pode levantar o caneco em Peniche. Foto Cestari/ASP

Fanning pode levantar o caneco em Peniche. Foto Cestari/ASP

A partir de 9 de outubro, começa o prazo de realização do Rip Curl Pro Portugal, última etapa da perna europeia do ASP World Tour 2013 e o australiano Mick Fanning pode garantir o seu terceiro título de campeão da ASP. A entidade máxima do surfe profissional já fez os cálculos que podem garantir o caneco de 2013 para o mais bem sucedido dos “Coolie Kids’. Outros quatro surfistas estão na briga: Kelly Slater, Jordy Smith, Taj Burrow e Joel Parkinson. Mas apenas Fanning pode ser campeão nas ondas do pico conhecido como Supertubes, em Peniche, Portugal.

Os cálculos da ASP:

Se Fanning vencer o evento:
- Slater precisa chegar na semifinal para levar a decisão do título para o Pipe Masters, no Havaí.air antes
- Smith, Taj e Parko estarão fora da briga

Se Fanning for o segundo colocado:
- Slater precisa no mínimo da 9ª colocação para levar a decisão para o Pipe Masters, no Havaí.
- Smith precisa vencer o evento para levar a decisão do título para o Pipe Masters, no Havaí.
- Taj e Parko estarão fora da briga.

Se Fanning parar nas semifinais em Pòrtugal:
- Slater precisa no mínimo da nona colocação para levar a decisão para a última etapa
- Smith, Taj e Parko precisam vencer o evento para levar a decisão para o Havaí.

Se Fanning parar nas quartas de final ou cair antes em Portugal:
- A decisão do título vai para o Havaí, e mesmo com um 25º em Portugal, Slater pode ainda vencer no Havaí.

Além da briga pela decisão do título, a batalha para se qualificar para a elite em 2014 estará aberta. Com apenas mais dois eventos na temporada, a promessa é de uma competição dramática em Portugal.

A Magicseaweed, que faz a previsão das ondas para o Rip Curl Pro Portugal, está prevento a chegada de uma ondulação com ondas de 4 a 6 pés (1,5 a 2 metros) bem no dia de abertura da janela de espera para realização do evento em Portugal. Para mais informaçõers acesse www.aspworldtour.com

Brasucas abrem o Rip Curl Pro Bells Beach nesta terça-feira

26 de março de 2013 0

O line up da famosa Bells Beach. Foto ASP/Kirstin

O prazo para realização do Rip Curl Pro começa nesta terça-feira à noite, horário do Brasil, quarta-feira na Austrália, e os candidatos a tocar o sino da vitória já estão escalados para estrear nas ondas geladas de Bells Beach, no Sul da Austrália. A etapa é valida como segunda do circuito mundial masculino e terceira do feminino e o Brasil estreia logo na primeira bateria.

Entre os homens, o paulista Gabriel Medina e o carioca Raoni Monteiro estão escalados para enfrentar o australiano Matt Wilkinson em busca da primeira vaga direta para a terceira fase. A cearense Silvana Lima também abre a competição das meninas contra a norte-americana Courtney Conlogue e a australiana Laura Enever.

A “tempestade brasileira” segue desfalcada do paulista Miguel Pupo, mas conta com o catarinense Willian Cardoso, alternate da elite, que foi escalado na terceira bateria do Rip Curl Pro, diante dos australianos Taj Burrow e Kieren Perrow. Na sétima bateria, Adriano de Souza e Alejo Muniz enfrentam o português Tiago Pires, com quem dividiram a casa em Margaret River. Filipe Toledo fecha a apresentação dos brasileiros no 10º confronto da primeira fase, contra o taitiano Michel Bourez e o australiano Bede Durbidge.A previsão das condições do mar aponta para ondas de 2 a 3 pés, subindo um pouco à tarde. Se a direção de prova optar pelo início da competição, você pode assistir ao vivo pelo site www.live.ripcurl.com

Rip Curl Pro Bells Round 1 – (1º=terceira Fase / 2º e 3º=repescagem):

1ª: Gabriel Medina (BRA), Matt Wilkinson (AUS), Raoni Monteiro (BRA)
2ª: Julian Wilson (AUS), Kai Otton (AUS), Patrick Gudauskas (EUA)
3ª: Taj Burrow (AUS), Kieren Perrow (AUS), Willian Cardoso (BRA)
4ª: Mick Fanning (AUS), Sebastian Zietz (HAV), Oney Anwar (IDN)
5ª: Joel Parkinson (AUS), Brett Simpson (EUA), Jack Perry (AUS)
6ª: Kelly Slater (EUA), Adam Melling (AUS), Jacob Willcox (AUS)
7ª: Adriano de Souza (BRA), Alejo Muniz (BRA), Tiago Pires (PRT)
8ª: Josh Kerr (AUS), Damien Hobgood (EUA), Dusty Payne (HAV)
9ª: Jeremy Flores (FRA), Travis Logie (AFR), Nat Young (EUA)
10ª: Michel Bourez (TAH), Bede Durbidge (AUS), Filipe Toledo (BRA)
11ª: Owen Wright (AUS), Adrian Buchan (AUS), Glenn Hall (IRL)
12ª: Jordy Smith (AFR), C. J. Hobgood (EUA), Kolohe Andino (EUA)

Rip Curl Womens Pro Round 1(1ª=terceira fase / 2ª e 3ª=repescagem):

1ª: Courtney Conlogue (EUA), Laura Enever (AUS), Silvana Lima (BRA)
2ª: Stephanie Gilmore (AUS), Alana Blanchard (HAV), Sage Erickson (EUA)
3ª: Tyler Wright (AUS), Malia Manuel (HAV), Nikki Van Dijk (AUS)
4ª: Carissa Moore (HAV), Paige Hareb (NZL), Sofia Mulanovich (PER)
5ª: Sally Fitzgibbons (AUS), Bianca Buitendag (AFR), Rebecca Woods (AUS)
6: Coco Ho (HAV), Lakey Peterson (EUA), Pauline Ado (FRA)

ATENÇÃO: as baterias ainda estão sujeitas à alterações até o início do campeonato

Com informações de João Carvalho – Assessoria de Imprensa da ASP South America – joao@aspsouthamerica.com.br

Filipe Toledo garante vaga no ASP World Tour 2013

03 de setembro de 2012 0

Voando alto com Filipinho. Foto Aquashot/ASP

O paulista Filipe Toledo e o irlandês Glen Hall são as novidades na elite do surfe mundial em 2013. Quem garante é o manager dos eventos Prime e Star da ASP, o australiano Al Hunt, em declaração publicada na última edição da revista eletrônica semana veiculada pela ASP no último dia 28 de agosto. De acordo com Hunt, com mais dois eventos Prime (Haleiwa e Sunset, no Havaí) e duas etapas 6 estrelas (Açores e Ilhas Canárias) pela frente, os surfistas que ultrapassarem a marca dos 14 mil pontos estarão “seguros” para o corte que indica os 10 classificados pelo ranking unificado da ASP.

Aos 17 anos, filho de peixe (o pai Ricardo Toledo, foi bicampeão brasileiro), Filipinho tem mostrado surfe de gente grande para se encaixar aos novos critérios de julgamento que privilegiam as manobras aéreas. O paulista venceu o evento cinco estrelas disputado em Lacanau, na França, e foi vice-campeão do seis estrelas da Virgínia, nos Estados Unidos, vencido pelo catarinense Jean da Silva, 27 anos.

Glen Hall entocado na Cacimba do Padre, em Fernando de Noronha. Foto Daniel Smorigo

Por sinal, depois de Filipinho, Jean é o primeiro brasileiro que aparece na lista dos prováveis classificados para a elite em 2013. Seguindo os cálculos de Al Hunt, faltariam 1.260 pontos ( para o catarinense atingir os 14 mil pontos necessários para a classificação à elite. Willian Cardoso, alternate do ASP World Tour em 2013, também está bem próximo da vaga. Nesta terça-feira começa o penúltimo evento seis estrelas do ano – Sata Airlines Azores Pro – com mais 3.500 pontos oferecidos para o campeão. Os surfistas que chegarem às quartas de final do evento já garantirão 1.560 pontos no ranking.

Os 10 classificados pelo ranking unificado no momento:

16º Glenn Hall, IRL 18,525
18º Filipe Toledo, BRA 16,405
20º Nat Young,  EUA 14,160
24º Jean da Silva, BRA 12,740
25º Matt Wilkinson,  AUS 12,550
26º Nathan Yeomans, EUA 12,454
27º Sebastien Zietz, HAV 12,430
28º Willian Cardoso,  BRA 12,320
29º Kolohe Andino, EUA 12,261
30º Patrick Gudauskas, EUA 12,180
Próximos brasileiros:
38º Tomas Hermes, BRA 10,260
39º Alex Ribeiro, BRA 10,120
40º Wiggolly Dantas, BRA 9,793
43º Hizunome Bettero, BRA 9,310
50º Raoni Monteiro, BRA 8,150

Cloudbreak se apresenta no Volcom Fiji Pro

03 de junho de 2012 0

Mitch Coleborn mandou Slater para a repescagem. Foto ASP/Kirstin

As Ilhas Fiji retornaram ao calendário do ASP World Tour em alto estilo. Tubos de seis a oito pés (2,5 metros) nas esquerdas de Cloudbreak, na ilha de Tavarua, definiram os classicados para o terceiro round da quarta etapa do circuito mundial. Entre eles, três brasileiros: o paulista Adriano de Souza, o catarinense Alejo Muniz e o cearense Heitor Alves. Gabriel Medina, Raoni Monteiro, Miguel Pupo e Willian Cardoso, que substitui o contundido Jadson André nesta etapa, perderam e vão ter que encarar a repescagem.

A estreia do Brasil foi em dose dupla no quarto confronto do domingo e Adriano de Souza surfou o melhor tubo da bateria para derrotar o australiano Bede Durbidge e o catarinense Willian Cardoso por 10,60 pontos nas duas notas computadas. Mineirinho ocupa a quarta posição no ranking e está na briga direta pela liderança com mais oito surfistas que têm chances matemáticas de tirar o primeiro lugar de Joel Parkinson em Fiji.

Mineirinho mostra consistência no Tour. Foto ASP/Kirstin

O retorno de Kelly Slater não foi dos melhores. Ele e o australiano Kai Otton caíram para a repescagem por Mitch Coleborn, um dos wildcards da etapa. Slater liderou quase toda a bateria, mas o australiano Mitchel Coleborn surfou o melhor tubo do dia e entrou na briga com uma nota 9,27. Nos segundos finais, o aussie achou outro tubo para receber nota 8,10 e se tornar o recordista absoluto da primeira fase com 17,37 pontos.

Na disputa seguinte, Joel Parkinson confirmou o favoritismo em sua primeira defesa da liderança do ranking ao colocar os adversários em combinação – o carioca Raoni Monteiro e o convidado das Ilhas Fiji, Isei Tokovu. Miguel Pupo perdeu para o campeão do Billabong Rio Pro na Barra da Tijuca, o havaiano John John Florence, com o também paulista Gabriel Medina ficando em último na vitória do francês Jeremy Flores.

Alejo Muniz se garantiu na terceira fase. Foto ASP/Robertson

O cearense Heitor Alves ganhou uma bateria em um momento ruim do mar. As ondas fechavam rápido e Julian Wilson e Kolohe Andino caíram para a repescagem. Já o catarinense Alejo Muniz achou um tubaço para fechar a primeira fase com vitória do Brasil no domingo de esquerdas de mais de dois metros de altura quebrando na rasa bancada de corais de Cloudbreak. Os 15,27 pontos que ele computou para derrotar o taitiano Michel Bourez e o australiano Adam Melling ficaram em quinto lugar na lista dos maiores placares do Volcom Fiji Pro 2012.

- As ondas estão muito bonitas hoje e estou muito feliz por vencer a bateria – disse Alejo Muniz.

- Eu não tive um começo muito bom nesta temporada, mas consegui um resultado muito bom em casa no Brasil e espero que eu possa continuar avançando baterias para melhorar minha posição no ranking. Como é minha primeira vez aqui, quero surfar muito mais essas ondas, ganhar o maior número de baterias que eu puder – completou.

Gabriel Medina tem a segunda chance na repescagem. Foto ASP/Robertson

LÍDERES NA REPESCAGEM

Entre os concorrentes pela ponta do ranking, além de Kelly Slater, outros dois tropeçaram na estreia e terão que enfrentar uma rodada extra: o número 5 Taj Burrow e o 3, Josh Kerr, que chegou a contundir o tornozelo e é dúvida para o duelo contra Taylor Knox. O adversário de Burrow é Willian Cardoso na segunda bateria da repescagem, que será aberta por Kelly Slater e o local de Fiji, Isei Tokovu.

Serão quatro confrontos diretos entre Brasil e Austrália na repescagem. No sexto, Gabriel Medina enfrenta Yadin Nicol. O sétimo será um desafio entre os dois vencedores das etapas do ASP World Prime realizadas no Brasil este ano, entre Miguel Pupo e Matt Wilkinson. E na última bateria, Raoni Monteiro pega o vice-campeão nas esquerdas de Itaúna, Kai Otton.

Joel defendeu com autoridade a liderança no ranking. Foto ASP/Kirstin

Round 2 – Repescagem 25º lugar – US$ 7.000 e 500 pontos:
1ª: Kelly Slater (EUA) x Isei Tokovu (FJI)
2ª: Taj Burrow (AUS) x Willian Cardoso (BRA)
3ª: Josh Kerr (AUS) x Taylor Knox (EUA)
4ª: Julian Wilson (AUS) x Patrick Gudauskas (EUA)
5ª: Michel Bourez (TAH) x Fredrick Patacchia (HAV)
6ª: Gabriel Medina (BRA) x Yadin Nicol (AUS)
7ª: Miguel Pupo (BRA) x Matt Wilkinson (AUS)
8ª: Adrian Buchan (AUS) x Kieren Perrow (AUS)
9ª: Tiago Pires (PRT) x Kolohe Andino (EUA)
10ª: Brett Simpson (EUA) x Travis Logie (AFR)
11ª: Bede Durbidge (AUS) x Adam Melling (AUS)
12ª: Kai Otton (AUS) x Raoni Monteiro (BRA)

Round 1 – (1º=3ª fase/2º e 3º= repescagem):
B1: 13.67=Jordy Smith (AFS), 7.67=Fredrick Patacchia (HAV), 3.67=Brett Simpson (EUA)
B2: 12.33=C. J. Hobgood (EUA), 8.86=Patrick Gudauskas (EUA), 6.10=Josh Kerr (AUS)
B3: 11.00=Damien Hobgood (EUA), 10.16=Taylor Knox (EUA), 4.17=Taj Burrow (AUS)
B4: 10.60=Adriano de Souza (BRA), 7.10=Bede Durbidge (AUS), 2.93=Willian Cardoso (BRA)
B5: 17.37=Mitchel Coleborn (AUS), 13.50=Kelly Slater (EUA), 13.27=Kai Otton (AUS)
B6: 15.93=Joel Parkinson (AUS), 8.33=Raoni Monteiro (BRA), 2.23=Isei Tokovu (FJI)
B7: 14.87=Owen Wright (AUS), 11.50=Tiago Pires (POR), 10.26=Yadin Nicol (AUS)
B8: 15.66=Mick Fanning (AUS), 4.90=Matt Wilkinson (AUS), 2.00=Adrian Buchan (AUS)
B9: 15.37=John John Florence (HAV), 11.73=Miguel Pupo (BRA), 6.33=Kieren Perrow (AUS)
B10: 8.70=Heitor Alves (BRA), 6.70=Julian Wilson (AUS), 5.67=Kolohe Andino (EUA)
B11: 13.80=Jeremy Flores (FRA), 7.50=Travis Logie (AFS), 6.00=Gabriel Medina (BRA)
B12: 15.27=Alejo Muniz (BRA), 9.70=Michel Bourez (TAI), 9.97=Adam Melling (AUS)

Top 22 do ASP World Title Race 2012 – após três etapas:

1º: Joel Parkinson (AUS) – 19.700 pontos
2º: Mick Fanning (AUS) – 18.250
3º: Josh Kerr (AUS) – 18.200
4º: Adriano de Souza (BRA) – 17.200
5º: Taj Burrow (AUS) – 15.750
5º: John John Florence (HAV) – 15.750
7º: Jordy Smith (AFR) – 15.700
8º: Kelly Slater (EUA) – 13.700
9º: Jeremy Flores (FRA) – 12.250
10º: Owen Wright (AUS) – 12.150
11º: Julian Wilson (AUS) – 9.700
12º: Michel Bourez (TAH) – 8.500
13º: Adrian Buchan (AUS) – 7.450
13º: Tiago Pires (PRT) – 7.450
15º: Heitor Alves (BRA) – 6.250
15º: Brett Simpson (EUA) – 6.250
15º: C. J. Hobgood (EUA) – 6.250
15º: Miguel Pupo (BRA) – 6.250
19º: Alejo Muniz (BRA) – 6.200
19º: Kai Otton (AUS) – 6.200
21º: Travis Logie (AFR) – 5.250
21º: Bede Durbidge (AUS) – 5.250
Outros brasileiros:
23º: Raoni Monteiro (BRA) – 4.000 pontos
29º: Gabriel Medina (BRA) – 2.750
29º: Jadson André (BRA) – 2.750
36º: Willian Cardoso (BRA) – 500

Com informações de João Carvalho – Assessoria de Imprensa da ASP South America

Qual o melhor air reverse de Kelly Slater?

14 de abril de 2012 0

A australiana Surfing Life reuniu as duas notas 10 do norte-americano Kelly Slater obtidas com aéreos reverses muito altos e perguntou, qual a melhor onda? O primeiro 10 com o air reverse foi conquistado do Quiksilver Pro New York, no ano passado. Este ano, Slater repetiu a cena na final do Rip Curl Pro Bells Beach, vencido pelo australiana Mick Fanning. Assista ao vídeo e tira suas próprias conclusões. Na minha modesta opinião, o aéreo em Bells era mais difícil e foi mais alto!

Adriano de Souza lidera o ranking mundial da ASP

05 de abril de 2012 0
Foto ASP Robertson

Mineiro defende a liderança na repescagem em Bells. Foto ASP Robertson

O paulista Adriano de Souza é o único brasileiro na disputa do título do Rip Curl Pro na Austrália. Com a eliminação de Taj Burrow na terceira fase, ele também passou a liderar o ranking mundial e enfrenta o australiano Josh Kerr na briga por uma vaga nas quartas de final nesta sexta-feira. Mineirinho ganhou o primeiro duelo da quinta-feira de ótimas ondas de  quatro a seis pés em Bells Beach, mas depois foi batido por Owen Wright na primeira rodada classificatória para as quartas de final.

Ele chegou muito perto da segunda vitória no dia na onda que surfou no minuto final e quase repetiu o feito da sua primeira bateria, quando conseguiu uma virada sensacional sobre o australiano Yadin Nicol nos últimos segundos. Contra Owen Wright e o havaiano John John Florence, Adriano também teve a chance, acertou o aéreo 360 como primeira manobra e seguiu mandando batidas e rasgadas até o fim da onda. Só que precisava de 7,98 pontos e recebeu nota 7, com a primeira vaga direta para as quartas de final ficando com Owen Wright.

MARÉ SECA

As ondas na maré seca da tarde da quinta-feira apresentaram as melhores condições da semana em Bells Beach. No entanto, pela manhã, o grande intervalo entre as séries prejudicou as disputas em várias baterias. Adriano de Souza ainda pegou uma direita salvadora no final do primeiro duelo do dia para despachar Yadin Nicol, mas no terceiro o potiguar Jadson André não achou nada de ondas contra o australiano Owen Wright.

Foto ASP Robertson

Owen Wright se garantiu nas quartas. Foto ASP Robertson

O mesmo aconteceu com Taj Burrow, que defendia a liderança do ranking mundial e competiu numa das baterias mais fracas de ondas da quinta-feira. Ele praticamente não surfou durante os 30 minutos do confronto com Kai Otton, que seguiu em frente. Com a derrota do australiano, Adriano de Souza assumiu a ponta na corrida pelo título da temporada, mas ainda pode ser ultrapassado na Austrália. Ele vai tentar se manter na frente, principalmente porque a próxima etapa é o Billabong Rio Pro no Brasil, onde venceu ano passado derrotando o próprio Taj Burrow na Barra da Tijuca.

As longas calmarias quase vitimaram também o 11 vezes campeão mundial na terceira fase. Mas, Slater é Slater! Depois de Nic Muscroft conseguir uma nota 9,5, Kelly quebrou sua prancha, pegou outra e encontrou uma onda na contagem regressiva para o término da bateria. Ele atacou forte o lip e finalizou com um aéreo rodando incrível a onda que valeu nota 9,23 e a vitória por 17,00 x 16,30 pontos. De tarde, ele derrotou Josh Kerr e o francês Jeremy Flores totalizando 18,50 pontos para confirmar seu nome nas quartas de final.

Foto ASP Kirstin

Slater é Slater. Foto ASP Kirstin

NOVOS RECORDES

Os outros dois que já se garantiram foram os australianos Joel Parkinson e Mick Fanning, finalistas do Rip Curl Pro no ano passado e grandes destaques da quinta-feira em Bells Beach. O defensor do título, Joel Parkinson, fechou a terceira fase quebrando todos os recordes do campeonato. Ele igualou a nota 9,87 recebida por Yadin Nicol na quarta-feira, mas atingiu 18,94 pontos com o 9,27 da sua segunda melhor onda.

Antes disso, Mick Fanning havia aumentando o maior placar do evento para 18,46 pontos na vitória sobre o carioca Raoni Monteiro pela manhã. E na quarta fase, ele fez 18,20 contra Kai Otton e C. J. Hobgood na briga pela vaga direta para as quartas de final. C. J. chegou nesta fase graças a uma virada sobre o paulista Gabriel Medina nos últimos segundos. Ele acertou tudo na onda e ganhou nota 8,93 para vencer por 16,70 x 15,60 pontos.

BRASILEIROS ELIMINADOS

Gabriel Medina, Raoni Monteiro e Jadson André terminaram em 13.o lugar no Rip Curl Pro, com cada um recebendo 8.500 dólares e 1.750 pontos no ranking do ASP World Title Race 2012. Já o cearense Heitor Alves, o catarinense Alejo Muniz e o paulista Miguel Pupo não venceram nenhuma bateria em Bells Beach e ficaram em 25.o lugar com o prêmio mínimo de 7.000 dólares e 500 pontos.

Quinta fase – Repescagem – 1º=Quartas de Final / 2º=9º lugar – US$ 11 mil e 4.000 pts:

1ª: Jeremy Flores (FRA) x John John Florence (HAV)
2ª: Adriano de Souza (BRA) x Josh Kerr (AUS)
3ª: Kai Otton (AUS) x Brett Simpson (EUA)
4ª: Jordy Smith (AFR) x C. J. Hobgood (EUA)

Quarta fase – 1º=Quartas de Final / 2º e 3º=Repescagem:

1ª: 15.87=Owen Wright (AUS), 15.00=John John Florence (HAV), 14.93=Adriano de Souza (BRA)
2ª: 18.50=Kelly Slater (EUA), 13.10=Josh Kerr (AUS), 12.94=Jeremy Flores (FRA)
3ª: 18.20=Mick Fanning (AUS), 14.07=Kai Otton (AUS), 10.83=C. J. Hobgood (EUA)
4ª: 17.27=Joel Parkinson (AUS), 15.60=Jordy Smith (AFR), 7.00=Brett Simpson (EUA)

Terceira fase – 13º lugar – US$ 8.500 e 1.750 pontos:

1ª: Adriano de Souza (BRA) 12.33 x 9.60 Yadin Nicol (AUS)
2ª: John John Florence (HAV) 13.97 x 9.63 Matt Wilkinson (AUS)
3ª: Owen Wright (AUS) 13.77 x 7.17 Jadson André (BRA)
4ª: Josh Kerr (AUS) 15.17 x 9.07 Tiago Pires (POR)
5ª: Jeremy Flores (FRA) 14.10 x 12.83 Bede Durbidge (AUS)
6ª: Kelly Slater (EUA) 17.00 x 16.30 Nic Muscroft (AUS)
7ª: Kai Otton (AUS) 11.83 x 6.54 Taj Burrow (AUS)
8ª: Mick Fanning (AUS) 18.46 x 15.20 Raoni Monteiro (BRA)
9ª: C. J. Hobgood (EUA) 16.70 x 15.60 Gabriel Medina (BRA)
10ª: Jordy Smith (AFR) 15.53 x 10.96 Travis Logie (AFR)
11ª: Brett Simpson (EUA) 15.54 x 12.53 Damien Hobgood (EUA)
12ª: Joel Parkinson (AUS) 18.94 x 17.37 Fredrick Patacchia (HAV)

Quarta fase Feminino – Repescagem – 1ª=Quartas de Final / 2ª=9º lugar – US$ 5.000 e 4.000 pts:

1ª: Paige Hareb (NZL) x Sarah Mason (NZL)
2ª: Stephanie Gilmore (AUS) x Laura Enever (AUS)
3ª: Courtney Conlogue (EUA) x Coco Ho (HAV)
4ª: Sofia Mulanovich (PER) x Lakey Peterson (EUA)

Terceira fase – 1ª=Quartas de Final / 2ª e 3ª=Repescagem:

1ª: 16.74=Tyler Wright (AUS), 14.50=Sarah Mason (NZL), 14.00=Laura Enever (AUS)
2ª: 18.30=Malia Manuel (HAV), 17.50=Stephanie Gilmore (AUS), 10.34=Paige Hareb (NZL)
3ª: 17.64=Carissa Moore (HAV), 12.60=Coco Ho (HAV), 5.86=Sofia Mulanovich (PER)
4ª: 15.90=Sally Fitzgibbons (AUS), 15.20=Lakey Peterson (EUA), 14.93=Courtney Conlogue (EUA)

Por João Carvalho – Assessoria de Imprensa da ASP South America

Raoni Monteiro vai na raça

01 de fevereiro de 2012 0
ASP Kirstin

Raoni já foi nota 10 em Teahupoo. Foto: ASP Kirstin

Na terça-feira postei aqui o release do encerramento do Grussaí Surf Pro, com vitória do surfista profissional Jorge Spanner. Nas declarações após o campeonato, Spanner relatou que corre as competições há cinco anos sem patrocínio e encontrou motivação na vitória na primeira etapa do estadual carioca.

Bom, isso não é novidade, o carioca Simão Romão também está aí para ser exemplo dessa dificuldade que o surfe competição tem enfrentado nos últimos anos. Mas hoje, outro carioca, Raoni Monteiro, usou o twitter para comunicar que está sem patrocínio e co-patrocínio. Mas Raoni está classificado para o WT!  

Tudo bem que a nova geração brazuca chegou para abalar os acordos comerciais também diante do apelo do momento, mas é difícil encarar o WT sem o mínimo de apoio. Espero que o Raoni supere esse momento – e já tem o Hang Loose pela frente, onde foi o único a fazer três finais seguidas -  e possa ter resultados que despertem a atenção das poucas marcas de surfe que investem no surfe competição.

Twitter
RaoniMonteiro1 RAONI MONTEIRO
Gostaria de informar a todos q eu Raoni Monteiro estou começando o ano de 2012 classificado p o WT sem patrocinio nem co patrocinio!!!


Melhores momentos do Billabong Pipe Masters

11 de dezembro de 2011 0

Para quem não viu, vale a pena conferir as imagens do Billabong Pipe Masters que rolou em três dias com um swell épico no primeiro dia, – 12 a 15 pés. No começo, domínio total dos havaianos, mas quem levou a melhor foi o australiano Kieren Perrow, vice-campeão no ano passado. Detalhe é que Perrow precisava de um ótimo resultado para se manter na elite do surfe mundial. Foi o segundo ano consecutivo que o campeonato é decidido por surfistas de fora do Havaí, apesar do domínio mostrado quando o mar estava casca grossa, na quinta-feira, primeiro dia de competição. O melhor brasileiro na prova foi Gabriel Medina, eliminado por Perrow nas quartas de final.