Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Brasil Surf Pro"

Halley Batista faz a festa com os campeões brasileiros de 2011 na Praia da Joaquina

17 de dezembro de 2011 1
Foto Fabio Minduim/Divulgação

O cometa Halley voou na Joaquina. Foto Fabio Minduim/Divulgação

Dia de decisão e título brasileiro de surfe na famosa praia da Joaca, em Florianópolis. Com sol forte e boas ondas, o público conheceu, na manhã deste sábado, os melhores atletas de 2011 e os vencedores da última etapa do Brasil Surf Pro. Tomas Hermes conquistou a coroa, com ajuda do amigo Willian Cardoso, enquanto estava na areia. Já Diana Cristina garantiu o titulo na semifinal. Nas disputas pela etapa quem levou a melhor foram o pernambucano Halley Batista e a paraibana Diana Cristina.

A briga do titulo brasileiro estava entre Tomas Hermes e Messias Felix. O catarinense já estava fora da competição e dependia do resultado de Messias para se tornar o melhor competidor do ano. Campeão brasileiro em 2009, Messias foi derrubado nas quartas de final por Willian Cardoso. O campeão Brasileiro falou sobre a ajuda do amigo e companheiro de viagem Willian Cardoso.

- Eu sabia que o Willian ia fazer o máximo, ele disse que eu não precisava me preocupar. Estou sem palavras. Ontem quando eu perdi minha bateria, ele me abraçou e disse pela parte dele que eu podia relaxar. Ele estava tranqüilo e ia fazer o máximo por mim. O Messias é um grande atleta, mas Willian conhece bem as ondas da Joaquina. Estou muito feliz, agora quero relaxar e me dedicar ao circuito internacional em 2012 – comemora Tomas.

Foto Fabio Minduim/Divulgação

Tininha levou a etapa para não deixar dúvida sua superioridade. Foto Fabio Minduim/Divulgação

Diana Cristina conquistou o título brasileiro na primeira bateria do dia. Ela disputou a semifinal contra a carioca Gabriela Teixeira e venceu a bateria, alcançando 3720 pontos, suficiente para se isolar das outras atletas e garantir a coroa.

- Esse foi um dos melhores anos pra mim. Treinei bastante. Desde a etapa da Barra, quando a Juliana venceu, sabia que essa conquista ia ser difícil. Fiquei dois anos na briga por esse titulo, comecei 2011 bem, venci o Petrobras (divisão de acesso) cinco vezes, faltava o brasileiro da elite – explica Tininha.

Foto Fabio Minduim/Divulgação

Campeões de 2011. Foto Fabio Minduim/Divulgação

O maior e mais importante campeonato do país também teve as decisões da última etapa do ano. O Brasil Surf Pro distribui um milhão de reais em premiação, nas cinco etapas de 2011. Em Florianópolis quem se deu bem foi o pernambucano Halley Batista, que faturou 25 mil reais. Diana Cristina ganhou nove mil. Nas semifinais, do masculino, Halley Batista levou a melhor sobre Renato Galvão. O paulista, ex-campeão brasileiro, liderou a bateria, mas o pernambucano virou no último minuto. Em seguida, Willian Cardoso ganhou do cearense André Silva com um placar apertado: 10,67 x 10,10

A final foi emocionante. Uma bateria excelente com quatro ondas acima de oito e sequência de aéreos. Em uma das manobras de Halley, o adversário aplaudiu de dentro da água.
– Estou muito feliz com essa vitória, nunca ganhei uma etapa do Brasil Surf Pro. Estou com a minha família aqui. Meus irmãos e minha noiva. Estou tremendo de frio (por causa da água gelada) e de emoção. Maracaípe vai comemorar – empolga-se o campeão Halley.

Uma das semifinais femininas foi entre Diana Cristina e a carioca Gabriela Teixeira. Juliana Quint, que era uma das candidatas ao título brasileiro, perdeu para Suelen Naraísa.
Na final feminina, um duelo de campeãs: Suelen, bicampeã brasileira, em 2009 e 2010, contra Tininha, campeã desse ano. A paraiabana achou difícil competir com a ubatubense, mas não decepcionou.
– Melhor impossível. Estou super feliz. Suelen usou tática da marcação, a bateria foi difícil, mas estou bem. Agora to mais tranqüila, minha mãe estava quase enfartando vendo a transmissão pela internet. Vou descansar e comemorar com a família – empolga-se Tininha.

Foto Fabio Minduim/Divulgação

Pódio masculino. Foto Fabio Minduim/Divulgação

Campeonato Verde

Para fechar o ano bem, o maior campeonato verde do mundo realizou três grandes ações no encerramento da competição. Uma expedição ecológica pela Lagoa da Conceição, um café da manhã com as lideranças ambientais da região, além da devolução ao mar de tartarugas recuperadas pelo Projeto Tamar. A Plataforma Surfe Petrobras Pelas Florestas termina deixando um grande legado para o litoral brasileiro.

Sucesso dentro da Plataforma ambiental, a iniciativa “surfista verde” empolgou os competidores. Tomas Hermes, além de campeão brasileiro ganhou o título Surfista verde. O catarinense conquistou oito notas no critério e excelente, em 2011, e contribui com o plantio de 40 mudas. Ao longo do ano o desempenho dos atletas rendeu o plantio de 430 árvores pelo país.

- Acho bom saber que estou colaborando com o meio ambiente. Fiquei sabia que ia poder monitorar árvores com o meu nome, ver crescendo , é muito bom, divertido. Esse projeto é legal, bom para os surfe como para outros esportes. É um incentivo bacana – empolga-se Tomas.

Nessa iniciativa cada onda surfada que receber nota igual ou acima de oito corresponderá ao plantio de cinco árvores. Entre a neutralização das emissões de CO2 do evento e as mudas de Surfista verde, a estimativa é que mais de 5000 árvores sejam plantadas.



Foto Fabio Minduim/Divulgação

Tomas comemora. Foto Fabio Minduim/Divulgação




Final masculino
Halley Batista PE   17.93 a 16.17 Willian Cardoso SC
Final feminino:
Diana Cristina PB 11.27 a 7.67 Suelen Naraisa SP

Resultado da quinta etapa
Masculino:

1º Halley Batista – PE 1.000 pontos/ R$ 25 mil
2º Willian Cardoso – SC 860 pontos/ R$ 12 mil
3º André Silva – CE 730 pontos/ R$ 7 mil
3º Renato Galvão SP – 730 pontos/ R$ 7 mil
5º Saulo Junior SP – 610 pontos/ R$ 4.650
5º Messias Félix CE  – 610 pontos/ R$ 4.650
5º Alandreson Martins BA – 610 pontos/ R$ 4.650
5º Marco Polo SC – 610 pontos/ R$ 4.650

Feminino:

1º – Diana Cristina PB – 1.000 pontos/ R$ 9 mil
2º – Suelen Naraísa SP – 860 pontos/ R$ 4.500
3º – Juliana Quint SC – 730 pontos/ R$ 3.500
3º -  Gabriela Teixeira RJ – 730 pontos/ R$ 3.500
5º – Susã Leal – SC – 610 pontos/ R$ 2.175
5º – Tais de Almeida RJ – 610 pontos/ R$ 2.175
5º – Claudia Gonçalves SP – 610 pontos/ R$ 2.175
5º – Nathalie Martins – PR 610 pontos/ R$ 2.175

Ranking brasileiro em 2011
Masculino

1º 2610 Tomas Hermes SC
2º 2410 Simão Romão  RJ
3º 2400 Halley Batista  PE
3º 2400 Odirley Coutinho SP
5º 2360 Jano Belo  PB
6º 2340 Messias Felix  CE
7º 2310 Renato Galvão SP
8º 2260 Flavio Nakagima SP
9º 2160 Bruno Galini  BA
10º 2030 Alan Jones  RN
11º 2020 Krystian Kymmerson ES
12º 2010 Marcio Farney CE
13º 2000 Franklin Serpa BA
13º 2000 Alex Ribeiro  SP
15º 1930 André Silva  CE
16º 1910 Hizunome Bettero SP
16º 1910 Tanio Barreto  AL

Feminino
1º 3860 Diana Cristina  PB
2º 3320 Juliana Quint  SC
3º 2930 Suelen Naraisa SP
4º 2690 Gabriela Leite  SC
4º 2690 Claudia Gonçalves SP
6º 2680 Gabriela Teixeira RJ
7º 2580 Tais de Almeida RJ
8º 2360 Tita Tavares  CE
9º 2290 Luana Coutinho SP
10º 2220 Nathalie Martins PR
10º 2220 Bruna Queiroz SP

Com informações de Fernanda Villas-Boas, da Media Guide Comunicação

Willian Cardoso garante título para Tomas Hermes

17 de dezembro de 2011 0


Foto Fabio Minduim/Divulgação

Parceria dentro e fora da água! Foto Fabio Minduim/Divulgação

Se em 2010 foi a vez de Jean da Silva pagar o churrasco para Tomas Hermes, desta vez o surfista da Barra Velha vai ter que pagar o churrasco para o amigo Willian Cardoso. Na manhã deste sábado, dia 17, na Praia da Joaquina, Willian venceu o cearense Messias Felix por 14,37 a 10,83 e derrubou o último candidato ao título que ainda estava “vivo” na última etapa do Brasil Surf Pro. Messias saiu na frente, mas o surfista de Balneário Camboriú botou muita pressão nas manobras para virar o placar. No último minuto, Messias ainda tentou um aéreo para voltar a liderar, mas a onda não ofereceu a condição para o complemento da manobra.

Com isso, o catarinense Tomas Hermes faturou o título brasileiro de 2011, e trouxe o caneco pelo segundo ano consecutivo para Santa Catarina. Atual número 63 do ranking unificado da ASP, Tomas já adiantou que irá conversar com os patrocinadores para ver o que irá fazer em 2012. A ideia é priorizar o circuito mundial da divisão de acesso para buscar uma vaga na elite. Tomas não gostou do que ouviu sobre as mudanças que estão por acontecer no circuito brasileiro, com a mudança de formato, diferente da ASP, e a abertura para mais surfistas.

Foto Fabio Minduim

Tomas comemora o título. Foto Fabio Minduim

- Estou respirando mais aliviado. Mas posso dizer que foi tenso. Tire um caminhão de peso das costas. Mas é legal que a galera de SC tá sempre se ajudando. Ano passado, tirei alguns atletas do último evento que concorriam com o Jean (da Silva) e agora o Willian me ajudou – disse.


Diana Cristina é a surfista profissional número 1 do Brasil

17 de dezembro de 2011 0
Foto Edu Cavalcanti

Tininha tem dominado o surfe feminino no Brasil. Foto Edu Cavalcanti

A paraibana Diana Cristina, 21 anos, conquistou na manhã deste sábado, na Praia da Joaquina, o título do circuito brasileiro de surfe profissional, o Brasil Surf Pro 2011. Para conquistar o título, Tininha teve que vencer a semifinal contra a carioca Gabriela Teixeira, por13.10 a 10.06, na bateria que abriu as disputas neste sábado.

Garantida na final, Tininha ainda assistiu a eliminação da catarinense Juliana Quint na segunda semifinal, diante da bicampeã brasileira, a paulista Suelen Naraísa. Vice-líder do ranking, Juliana precisava torcer pela eliminação de Tininha na semi e vencer o evento para ficar com o título brasileiro. Mas a catarinense não conseguiu imprimir seu ritmo e acabou derrotada por 9.50 a 5.07

A final acontece após a realização das baterias de quartas de final do masculino que estão em andamento. A competição deve se encerrar neste sábado, apontando também o novo campeão brasileiro no masculino.

Messias Felix adia definição do circuito brasileiro de surfe 2011

16 de dezembro de 2011 0


Foto Edu Cavalcanti

Se levar a etapa, Messias Felix garante o segundo título brasileiro do ano. Foto Edu Cavalcanti.


O campeão brasileiro de 2009 e campeão do Brasil Tour de 2011, Messias Felix, é o único que ainda pode tirar o título do catarinense Tomas Hermes no ranking, na briga pelo título brasileiro de surfe profissional 2011. Nesta sexta-feira, em ondas de meio e um metro na Praia da Joaquina, o cearense bateu o carioca Leandro Bastos na última bateria das oitavas de final e adiou a definição do título para este sábado, quando a competição reinicia com as quartas de final. Messias precisa vencer o evento para chegar aos 2.730 pontos e superar a pontuação de Tomas – 2.610, de acordo com o speed ranking do Brasil Surf Pro.

Todos os outros candidatos ao título acabaram eliminados, antes da bateria de Messias. O paulista Flávio Nakagima foi o primeiro, ao ser derrotado por apenas 0,10 por Marco Polo. Com o resultado, o catarinense pode ter atingido a classificação para elite do surfe nacional em 2012, após amargar o ano inteiro a condições  de trialista. Depois, na terceira bateria, foi a vez de Odirley Coutinho dar adeus, ao ser derrotado pelo baiano voador Alandreson Martins. No duelo seguinte, Tomas acabou eliminado pelo ex-campeão brasileiro Renato Galvão. Jano Belo foi o último candidato a perder as chances de título após ser batido pelo cearese André Silva.

Entre os catarinenses, a esperança de título da etapa fica com Marco Polo e com Willian Cardoso, que eliminou o paulista Alex Ribeiro. Jean da Silva acabou derrotado por Halley Batista na segunda bateria.

Resultados desta sexta-feira

Masculino
Oitavas de Final (2º= 9º-500pts $3000)

B1 – Marco Polo SC  12.97 a 12.87 Flavio Nakagima SP
B2 – Halley Batista PE 13.66 x 4.43 Jean da Silva SC
B3 – Alandreson Martins BA 11.63 a 8.34 Odirley Coutinho SP
B4 – Renato Galvao SP 12.00 a 11,34 Tomas Hermes SC
B5 – Saulo Junior SP 13.17 a 12.87 Franklin Serpa BA
B6 – Andre Silva CE 12.37 a 11.00 Jano Belo PB
B7 – Willian Cardoso SC 14.67 a 9.97 Alex Ribeiro SP
B8 – Messias Felix CE 15.67 a 8.40 Leandro Bastos RJ 8.40

Quartas de final (2º = 5º)
B1 – Marco Polo SC x Halley Batista PE
B2 – Alandreson Martins BA x Renato Galvão SP
B3 – Saulo Júnior SP x André Silva CE
B4 – Willian Cardoso SC x Messias Félix CE

Feminino
Quartas de final (2º = 5º-610pts $2175)

B1 – Diana Cristina PB 16.00 a 9.84 Susan Leal SC
B2 – Gabriela Teixeira RJ 9.67 a 6.50 Tais de Almeida RJ
B3 – Suelen Naraisa SP 10.43 a 6.33 Claudia Goncalves SP
B4 – Juliana Quint SC 12.74 a 6.67 Nathalie Martins PR

Semifinal
B1 – Diana Cristina PB x Gabriela Teixeira RJ
B2 -  Suelen Naraísa SP x Juliana Quint SC

Tomas Hermes faz o dever de casa

15 de dezembro de 2011 0
Fabio Minduim/Brasil 1

Tomas Hermes andou nas esquerdas do inside da Joaca. Foto: Fabio Minduim/Brasil 1

Líder do ranking, o catarinense Tomas Hermes fez o dever de casa e carimbou a classificação para as oitavas de final da última etapa do Brasil Surf Pro, que define os campeões brasileiros da temporada 2012. O surfista da Barra Velha fez sua estreia diante de um embalado Neco Padaratz e usou da estratégia para vencer o duelo com a nota mais alta do evento até o momento, um 9,70.

Com a vitória, Tomas eliminou diretamente dois concorrentes aos título: o paulista Renato Galvão, que será seu adversário nas oitavas, e o cearense Marcio Farney, que ainda faz sua estreia pela terceira fase na manhã desta sexta. O vice-líder do ranking, o carioca Simão Romão, e o paulista Hizunomê Bettero já haviam sido eliminados em baterias anteriores. Simão aliás, perdeu para um Marco Polo inspirado, que chegou a somar 9,1, naquela que talvez tenha sido a melhor bateria do dia, tanto em surfe, como na qualidade das ondas. Após a vitória, o catarinense cumprimentou Simão, que não disfarçou o abatimento por ter desperdiçado a chance de lutar pelo título brasileiro.

-Fiquei me sentindo um pouco mal por tirar ele da briga do título, mas também brigo para me manter na elite. Estou lisonjeado por ter feito duas notas acima de oito – justificou Marco Polo.
Mais tarde, encontrei Simão, que já estava mais tranquilo em relação ao resultado:
- Faz parte do jogo – disse.

Foto Fabio Minduim/Brasil 1

Simão e Marco Polo após a bateria vencida pelo catarinense. Foto Fabio Minduim/Brasil 1

Agora são seis os concorrentes de Tomas ao título: Odirley Coutinho, Flávio Nakagima e Jano Belo, que passaram suas baterias, além de Messias Felix, Krystian Kimmerson e Bruno Galini que fazem a estreia ainda pela terceira fase logo na abertura do dia. O potiguar Alan Jones, que também buscava a coroa, acabou eliminado na bateria seguinte a vitória de Hermes, em duelo com Saulo Júnior.
Após vencer Neco, Tomas falou um pouco sobre a estratégia decisiva para a vitória:

- Fiquei olhando bastante e vi que o Renato (Galvão) surfou boas ondas e conseguiu notas melhores no inside. Sabia que a bateria ia ser difícil, contra um bicampeão mundial. O Neco conhece bem o mar na Joaquina. Mas escolhi priorizar os aéreos, e depois que fiz o 9 (9,6), fiquei mais tranquilo – contou.

Tomas tem sido pouco visto nos bastidores do evento. Acompanhado da namorada, tem preferido ficar no conforto do quarto do hotel, com vista para as ondas, ao invés do convívio na área dos atletas. Nesta quinta-feira, ele chegou na praia acompanhado da namorada, com duas pranchas a tiracolo, sem fazer alarde, e preferiu as dunas para observar a bateria entre Renato Galvão e Ricardo Ferreira, que antecedeu a sua:

- Estou procurando ficar mais reservado, relaxado, um pouco fora da área de competição. No Rio cheguei na expectativa de ser campeão e perdi de cara. Então to tentando ficar distante do pensamento de líder do ranking – explica Tomas Hermes, dispensando o uso do speed ranking para calcular as chances de título.

Além da continuidade da competição masculino, a sexta-feira ainda terá a disputa feminina, com a possibilidade de título nos pés de Diana Cristina. Para isso basta vencer a disputa contra a catarinense Susã Leal na abertura das quartas de final. Em caso de vitória, Tininha chegaria aos 3.590 pontos, mesma pontuação máxima obtida por Juliana Quint em caso de título da etapa. Porém, Tininha vence no desempate feito pela melhor campanha em 2010.

Resultados
1ª Marco Polo 14,10 x 12,5 Simão Romão
2ª Flavio Nakagima 12,17 x 9,5 Gustavo Fernades
3ª Halley Batista 12,6 x 8,87 Tanio Barreto
4ª Jean da Silva 8,47 x 6,10 Itim Silva
5ª Odirley Coutinho 17,03 x 9,3 Robson Santos
6ª Alandreson Martins 12,64 x 9,43 Hizunome Bettero
7ª Renato Galvão 11,47 x 11,00 Ricardo Ferreira
8ª Tomas Hermes 16,7 x 11,63 Neco Padaratz
9ª Saulo Junior 12,50 x 10,96 Alan Jones
10ª Franklin Serpa 14,83 x 10,73 David do Carmo
11ª Jano Belo 8,94 x 8,43 Danilo Costa
12ª Andre Silva 10,03 x 5,17 Heitor Pereira

Programação de sexta -feira
Primeira chamada: 8h

8h30min – Masculino
Complemento da terceira fase

13ª Bruno Galini x Willian Cardoso
14ª Krystian Kymmerson x Alex Ribeiro
15ª Messias Felix x Rudá Carvalho
16ª Marcio Farney x Leandro Bastos

Oitavas de Final (Baterias já formadas)

1ªMarco Polo x Flavio Nakagima
2ª Jean da Silva x Halley Batista
3ª Odirley Coutinho  x Alandrerson Martins
4ª Tomas Hermes x Renato Galvão
5ª Saulo Junior x Franklin Serpa
6ª Jano Belo x Andre Silva

Feminino
Quartas de Final

Diana Cristina x Susan Leal
Tais de Almeida x Gabriela Teixeira
Suelen Naraisa x Claudia Goncalves
Juliana Quint x Natalie Martins

Marco Polo derruba Simão Romão na Joaca

15 de dezembro de 2011 0

Os primeiros candidatos ao título brasileiro de surfe profissional 2011 entraram na água nesta quinta-feira, na Praia da Joaquina, em Florianópolis. Em ondas de meio a um metro foram realizadas as oito baterias da segunda fase e cinco da terceira fase, até a paralisação, às 14h, devido a maré seca.

O destaque até o momento fica para a classificação do catarinense Marco Polo para as oitavas de final em um confronto muito acirrado com o carioca Simão Romão, até então vice-líder do ranking. Com a derrota logo na primeira bateria da terceira fase por 14,10 a 13,57, Simão deu adeus a chance de conquistar o título nacional. Em seguida, o paulista Flávio Nakagima  se garantiu na briga pelo título ao superar o ex-campeão brasileiro Gustavo Fernandes.

O atual campeão brasileiro, o catarinense Jean da Silva também se garantiu nas oitavas de final após bater o cearense Itim Silva. Outro candidato ao título que continua na briga é o paulista Odirley Coutinho. O surfista de Ubatuba já foi três vezes vice-campeão brasileiro e chegou a colocar em combinação o paulista Robson Santos. A competição foi paralisada por duas horas após a vitória de Odirley devido as condição do mar, influenciadas pela maré seca.

As disputas serão retomadas a partir das 16h, com as próximas sete baterias. Entre elas está o confronto entre os catarinenses Tomas Hermes e Neco Padaratz, na oitava bateria da terceira fase. Tomas é o atual líder do ranking e favorito ao título, mas Neco vem embalado após a vitória na primeira bateria do dia, pela segunda fase, quando marcou 14 pontos para avançar em primeiro lugar, seguido do paulista Ricardo Ferreira. Já os catarinenses Tiago Bianchini e Marthen Pagliarini acabaram eliminados na terceira bateria da segunda fase, diante dos paulistas David do Carmo e Alex Ribeiro. Outro atleta local que deu adeus a competição foi Diego Rosa.

Tininha e Juliana abrem a decisão do Brasil Surf Pro

14 de dezembro de 2011 0
Foto Fabio Minduim

Tininha surfou a vontade nas esquerdas da Joaca. Foto Fabio Minduim

A decisão do título brasileiro de surfe começou nesta quarta, dia 14, na Praia da Joaquina, em Florianópolis, e o grande destaque foi a paraibana Diana Cristina, favorita ao título brasileiro e dona da melhor onda do dia, com 9,33, e do maior placar do dia, com 18 pontos. O evento começou com as oito baterias da primeira fase do masculino e as quatro da primeira fase do feminino.

Diana Cristina, a Tininha, 21 anos, abriu a decisão pelo título brasileiro, e deixou a paulista Claudia Gonçalves e a cearense Tita Tavares brigando pelo segundo lugar na bateria. Tininha estava à vontade nas ondas de meio a um metro no inside da Joaca e depois de abrir com uma nota 7,50, somou 8,67 e trocou a primeira nota pela esquerda que valeu 9,33, totalizando 18 pontos. Tininha saiu da praia com a sensação de dever cumprido depois de passar pela decepção de ser eliminada de cara no Rio e aberto caminho para a catarinense Juliana Quint ameaçar o posto de número um.

- Treinei muito forte depois da etapa do Rio. Estava engasgada. Fiquei um pouco doente, mas não desanimei. Sabia do meu potencial. Estou com uma prancha nova, menor, que me deu sorte. Se o mar continuar assim vou ficar com ela até o final – contou a atleta, que trocou a 5’9 por 5’7.

Foto Fabio Minduim

Juliana Quint com seu cutback marca registrada. Foto Fabio Minduim

Na área dos atletas, Tininha acompanhou as outras três baterias. As atenções ficaram voltadas para a catarinense Juliana Quint. Com a família na beira da praia representada pelo pai, Ricardo, o afilhado Mateus e a irmã Fernanda, a catarinense não decepcionou. Dominou a disputa e fez a dobradinha estadual com Susã Leal para despachar as paulistas Camila Cássia e Luana Coutinho.

DEMOCRACIA NO PALANQUE

Enquanto a bateria de Juliana se definia e adiava uma possível definição do título feminino para sexta-feira, dia 16, os atletas se reuniam para definir a sequência da competição. O temor era de que a ondulação não pudesse segurar tempo suficiente para realização do evento com boas ondas até o domingo. O prova incompleta de Geribá, em Búzios, ainda era lembrada. Então, o presidente da Abrasp, Marcelo Andrade, foi buscar a resposta com os atletas.

Um grupo não se importava em cair ainda na tarde desta quarta-feira, enquanto outro – que tinha conhecedores do pico como Diego Rosa e Tiago Bianchini – queria cair na manhã de sábado, apostando na bancada da Joaca, e observando a deterioração do mar no início da tarde com o auge da maré cheia e a influência do vento, cada vez mais forte. Após uma nova análise das previsões de ondulação, a direção acatou o pedido e a segunda fase masculina se inicia às 8h desta quinta-feira com a primeira chamada. Após a segunda fase, a direção também decidiu colocar os cabeças de chave na água, com a terceira fase. Será a vez dos candidatos ao título. São 12, liderados pelo catarinense Tomas Hermes.  O feminino volta na sexta-feira.

PRIMEIRA FASE MASCULINA

Antes de tudo isso, rolaram as disputas pela primeira fase do masculino. Nove catarinenses participaram do primeiro round, mas apenas cinco avançaram: Tiago Bianchini, Neco Padaratz, Willian Cardoso, Marco Polo e Marthen Pagliarini. Cada um vive um momento diferente no surfe competição. Bianchini acaba de ser campeão catarinense profissional e quinto colocado no Brasil Tour, em um ano de redenção pessoal. Neco voltou para a casa após tantos anos correndo circuito, morando nos EUA. Estava instigado para voltar para a água e correr a segunda fase, mostrando a mesma disposição de sempre.

Willian retornou do Havaí, após a batalha pela vaga na elite que resultou na condição de alternate, ou seja, a possível participação em diversas etapas do ASP World Tour 2012. Veio e venceu a bateria em dobradinha com Tiago Bianchini. Vice-campeão catarinense, Polo está completando um ano de retorno ao cenário nacional, correndo as etapas do BSP desde a fase inicial. Marthen ainda está buscando seu espaço, mas este ano já brigou pelo título catarinense profissional e correu etapas da perna europeia. Sem patrocínio, agora está em “voo solo” precisando de apoio.

Juliana Quint e Simão Romão vencem etapa e aquecem disputa do título do Brasil Surf Pro

06 de novembro de 2011 0


Foto: Fabio Minduim EM2

Juliana venceu e evitou o título antecipado de Tininha. Foto: Fabio Minduim Brasil 1


O carioca Simão Romão e a catarinense Juliana Quint foram os grandes campeões da quarta etapa do circuito brasileiro de surfe profissional, o Brasil Surf Pro, encerrado neste domingo, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Os resultados colocaram fogo na luta pelo título da temporada 2011, que será definidfo na Praia da Joaquina, entre os dias 14 e 19 de dezembro. Simão assumiu a segunda colocação do ranking masculino, atrás do catarinense Tomas Hermes, e Juliana se aproximou da líder, a paraibana Diana Cristina, a Tininha.

As vitórias de Domingo

Na disputa onda a onda, a carioca Taís de Almeida não conseguiu superar a catarinense que, após a eliminação da paulista Cláudio Gonçalves, era a única surfista que poderia tirar o título antecipado da ainda líder Diana Cristina. Juliana não deu chances para a pressão e fez bonito nas ondas cariocas vencendo por 13.16 pontos a 8.00.

- Estou aqui desde domingo treinando e procurei não pensar em resultado. Todo mundo estava falando que eu poderia disputar o título com a Tininha (Diana Cristina), mas eu não gosto muito de expectativa. Foquei em cada bateria, me concentrei em surfar bem e o resultado veio. Eu ganhei uma final aqui em 2006 e quando cheguei vi que o mar estava parecido. Me deu ainda mais motivação para me superar. Agora é voltar para Santa Catarina, treinar muito e entrar com tudo para decidir o título em casa – analisou a catarinense.


Foto: Fabio Minduim EM2

Simão Romão vem com tudo para buscar o título na Joaquina. Foto: Fabio Minduim Brasil 1


Na primeira semifinal masculina, Simão Romão e Jano Belo protagonizaram uma disputa emocionante. Com bons aéreos dos dois lados, Jano liderava o duelo até o final, mas Simão não desistiu e, em sua última onda, conseguiu um 7.50 para virar a bateria. No somatório geral, o carioca passou com 15.23 pontos, contra 14.94 do paraibano, que vivia a expectativa de se tornar líder do ranking, mas parou na terceira colocação. Depois, entraram no mar, o cearense Pablo Paulino e o paulista Renato Galvão. O paulista levou a melhor ao fazer 12.33 pontos a 11.83.

Na grande final masculina, Simão não deu chances para Renato e abriu vantagem logo no início, com um 7.43 e um 7.20. Perto do fim da bateria, o paulista conseguiu arrancar um 9.0, a melhor onda do dia, e quase virou. No somatório geral, Simão saiu campeão com 14,63 pontos a 14.23.

- Foi inesquecível. É a primeira vez que eu conquistei a primeira colocação numa etapa do Brasil Surf Pro. Quero agradecer a minha mulher e meu filho, que me deram apoio. Entro na etapa de Santa Catarina com muita garra. Gosto das ondas da Joaquina e estou focado em conquistar o título – afirmou Simão.

O Brasil Surf Pro 2011 é uma iniciativa da Petrobras e da Skol com patrocínio da Hawaiian Dreams (HD), apoio da Oi Futuro, dos canais SporTV e Multishow e da TV Jam. O campeonato conta com recursos da Lei Federal de Incentivo ao Esporte, organização da ABRASP, realização e produção Brasil1 Esporte e MaxSports. A etapa do Rio de Janeiro contou também com o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro, da Federação de Surfe do Estado do Rio de Janeiro (Feserj), da Associação de Surfe da Barra da Tijuca (ASBT) e do Jornal O Globo.




Foto: Fabio Minduim Brasil 1

Juliana no alto do pódio na Barra da Tijuca. Foto: Fabio Minduim Brasil 1





Resultado da quarta etapa
Masculino:

1º Simão Romão RJ – 1.000 pontos/ R$ 25 mil
2º Renato Galvão SP – 860 pontos/ R$ 12 mil
3º Jano Belo PB – 730 pontos/ R$ 7 mil
3º Pablo Paulino CE – 730 pontos/ R$ 7 mil
5º Alex Ribeiro SP – 610 pontos/ R$ 4.650
5º Diego Rosa SC – 610 pontos/ R$ 4.650
5º Krystian Kymmerson ES – 610 pontos/ R$ 4.650
5º Igor Moraes RJ – 610 pontos/ R$ 4.650

Feminino:
1º Juliana Quint SC – 1.000 pontos/ R$ 9 mil
2º Taís de Almeida RJ – 860 pontos/ R$ 4.500
3º Suelen Naraísa SP – 730 pontos/ R$ 3.500
3º Gabriela Leite SC – 730 pontos/ R$ 3.500
5º Claudia Gonçalves SP – 610 pontos/ R$ 2.175
5º Gabriela Teixeira RJ – 610 pontos/ R$ 2.175
5º Camila Cássia SP – 610 pontos/ R$ 2.175
5º Marina Werneck SC – 610 pontos/ R$ 2.175






Foto: Fabio Minduim Brasil 1

Foto: Fabio Minduim Brasil 1






Como ficou o ranking
Masculino:

1 2510 Tomas Hermes SC
2 2410 Simão Romão RJ
3 2260 Jano Belo PB
4 2230 Messias Felix CE
5 2180 Odirley Coutinho SP

Feminino:
1 3360 Diana Cristina PB
2 3200 Juliana Quint SC
3 2690 Gabriela Leite SC
4 2680 Suelen Naraisa SP
5 2420 Tais de Almeida RJ
Com informações da Media Guide Comunicação, assessoria de Imprensa do Brasil Surf Pro

Confirmado: Joaquina é palco da final do Brasil Surf Pro

05 de novembro de 2011 0


Foto Fabio Minduim/Brasil 1

Juliana Quint pode assumir liderança do ranking. Foto Fabio Minduim/Brasil 1


Confirmado. Agora não tem mais volta. O responsável pela conta do Brasil Surf Pro da empresa Brasil 1, Luis Conde, chegou neste sábado para acompanhar os dois últimos dias de competição da penúltima etapa do circuito brasileiro de surfe profissional, na Barra de Tijuca, e bateu o martelo: entre os dias 14 a 18 dezembro, a Joaquina irá apontar os novos campeões brasileiros, no masculino e feminino, de 2011.

Conversei com o presidente da Fecasurf, Fred Leite, que fez contato com o presidente da Abrasp, Marcelo Andrade, e a confirmação foi feita. Para Fred, é uma vitória da principal federação do país, que tem 25 anos de tradição na organização de competições, e só em 2011 realizou 70 eventos, dos quais 10 de porte grande, como as campeonatos Pro Júnior, as oito etapas do circuito Oceano de Surfe Amador e o circuito profissional, o Oakley SC Pro.

- Depois de muita briga com São Paulo e Rio de Janeiro, conseguimos a etapa, a Abrasp abonou nossa tradição na realização de campeonatos, sempre com parceiros patrocinadores. Mas também destaco a ajuda imprescíndivel do secretário ((do Estado de Esportes Turismo e Cultura) Cesar Souza Júnior e do prefeito Dario Berger que garantiram o apoio necessário para atendermos as exigências da organização _ explicou Fred.

Como será bem no início da temporada de verão, o Brasil Surf Pro vai incrementar a economia local. Estima-se que só em hospedagens com o pessoal que trabalha no evento serão gastos R$ 20 mil, fora atletas e familiares. Ainda tem os restaurantes da Joaca, que abrem ao meio-dia e à noite, e também irão faturar. E será o início do verão, ou seja, um belo presente para Floripa.

Disputa do título em casa

Com isso, os catarinenses Tomas Hermes e Juliana Quint garantiram a torcida de casa para lutarem pelos títulos brasileiros de 2011. Tomas foi eliminado prematuramente na terceira fase, nesta penúltima etapa, e ainda pode ser ultrapassado pelo paraibano Jano Belo, que está entre os quatro semifinalistas da etapa carioca (Renato Galvão, Pablo Paulino e Simão Romão são outros três) e ocupa a sétima posição no ranking.

Mas com certeza, nas ondas da Joaquina, Tomas poderá lutar pelo título com grandes chances de conquista e conseguir o bicampeonato inédito para Santa Catarina (Jean da Silva foi o primeiro catarinense a levantar o caneco, no ano passado).

Juliana Quint, que neste sábado derrotou Gabriela Leite, em um duelo catarinense pelas semifinais, e assegurou lugar na final, pode chegar na Joaquina na condição de líder se vencer a quarta etapa. Mas a surfista sabe que terá uma disputa difícil com a também paraibana Diana Cristina, a Tininha, que perdeu logo na estreia na Barra da Tijuca e estará mordida para levar o título de 2011 após três vitórias nas três primeiras etapas.

Uma cutucada e a Joaquina pode voltar no páreo

26 de outubro de 2011 0
Foto: Fabio Minduim BSP

Tomas Hermes busca o título da temporada. Foto: Fabio Minduim BSP

E não é que a Praia da Joaquina pode voltar a sediar a última etapa do Brasil Surf Pro 2011? Nesta quarta-feira à tarde, fazendo algumas ligações, recebi a notícia de que a Secretaria de Esportes, Cultura e Turismo já autorizou a liberação de R$ 80 mil para realização da etapa do circuito brasileiro de surfe profissional.

A informação foi passada pelo diretor do Seitec (departamento da secretaria de Esportes que analisa os pedidos de liberação de recursos do Fundesporte), Gustavo Miroski, que rebateu algumas críticas feitas no post anterior, mas que concordou com outras e ainda forneceu subsídios que cristalizam a inveja de “representantes do esporte”  em relação aos eventos da Fecasurf.

Vamos aos fatos descritos por Miroski:

- A Fecasurf já recebeu este ano mais recursos do que nos anos anteriores. Em 2009 foram R$ 425 mil, e 2010, R$ 530 mil. Os valores descriminados são os seguintes:

Quiksilver Pro Júnior (Itajaí)  – R$ 40 mil; Mormaii Pro Júnior (Ferrugem) – R$ 30 mil; Oakley Pro Júnior (Campeche) – R$ 30 mil; Supersurf Internacional (Imbituba) – R$ 400 mil; calendário de eventos e manutenção de sede R$ 200 mil ; Floripa Pro Surfing (Latino-Americano de Surfe) – R$ 120 mil.

O total é de R$ 820 mil.

- O projeto inscrito no Seitec para receber recursos do Fundesporte para a etapa do Brasil Surf Pro sofreu uma série de restrições e até um parecer negativo do Conselho Estadual de Esportes. O projeto solicitava R$ 150 mil, mas com as restrições, ficou em R$ 80 mil.

“O apoio está sendo dado” – concluiu Miroski.

Sem resposta do sr. Luis Conde, responsável pela conta Brasil Surf Pro na empresa de eventos e entretenimento Brasil 1, busquei auxílio da assessoria de imprensa do evento. Conde está em viagem (na Alemanha) e só ele poderá falar sobre o assunto. Mas obtive a informação de que, apesar do site oficial do evento apontar Maresias como palco do última etapa, a negociação com a Fecasurf ainda não está descartada.

O presidente da Fecasurf, Fred Leite, também fez contato para informar que os recursos do governo do Estado haviam sido liberados e que a prefeitura também irá auxiliar com alguns itens como instalação de banheiros químicos, palanque, internet e outras necessidades exigidas pela organização.

Fred também garantiu que ainda busca apoio  junto a Abrasp para confirmar a Joaca como última etapa, e colocou algumas questões que jogam contra: os custos reduzidos para realizar o evento em São Paulo ou no Rio em relação a Santa Catarina; e o interesse da empresa promotora de fazer a etapa junto com um evento especial (de aéreos), e a comodidade da Abrasp em relação a questão, já que o contrato com a Brasil 1 está no fim.