Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Crônicas de amores e balas perdidas da Nação Zumbi

06 de junho de 2014 0
Foto Vitor Salerno, Divulgação

Foto Vitor Salerno, Divulgação

Apenas Nação Zumbi. É assim que a banda de Recife se apresenta no seu oitavo álbum e interrompe um silêncio de sete anos dos estúdios, onde se volta para seu interior e compõem 11 faixas inéditas, espécie de crônicas pessoais ou “capítulos de um livro”. No curso dos seus 20 anos, o grupo repete o título do urgente e pesado disco de 2012, mas se aventura em um conceito muito mais limpo, suingado e profícuo. A energia se dilui, mas ainda faz vibrar.

Numa breve passagem no início do ano por Florianópolis, o baterista Pupilo já alertava para a nova direção que o disco apontaria e que ficaria latente em Cicatriz, single lançado em março e que abre o álbum lançado pela gravadora Slap.
Se o antecessor Fome de Tudo, de 2007, trazia uma apetite voraz pelo barulho e pelo discurso, este novo trabalho traz a Nação mais introspectiva, se deixando levar por outros embalos e aspirações. A produção foi encarregada a Kassim e Berna Ceppas, com a contribuição de Mario Caldato Jr., coprodutor de Fome de Tudo, na mixagem de algumas faixas.
_ Em Fome, a banda tocou junta em estúdio. Neste, voltamos a gravar em separado, com cada um contribuindo nas composições dentro de tudo aquilo que nos influenciam, como o cinema, histórias pessoais _ disse à época Pupilo.
Respondendo ao que considera uma evolução natural, a Nação surpreende logo de cara. Bala Perdida, a segunda faixa, chama pela sagacidade da letra no relato de um encontro quase fatal com um tiro que expressa a dúvida “se foi por querer”. O guitarrista Lúcio Maia é o catalizador destas veredas sonoras, puxando para a surf music, a psicodelia, o post-rock, o reggae, o bolero e o metal. Defeito Perfeito cria a primeira sensação de surpresa aos ouvidos dos fãs mais tradicionais: um soundsystem jamaicano, fritado em efeitos e regido pela vozes de Jorge Du Peixe e de Lula Lira _ filha do saudoso Chico Science, o fundador da banda. A sequência traz uma outra parceria, com a cantora Marisa Monte dividindo a voz com Du Peixe em A Melhor Hora da Praia, um arroubo de romantismo e clima de luau.
Os tambores não se calam, e tocam mais alto a partir da metade do disco, onde desperta a expertise do jogo de palavras: a ansiedade contemporânea expressa na fantástica Novas Auroras (“Ontem você quis o amanhã/Hoje você quer o depois”), as paixões idealizadas em Nunca Te Vi (“Nunca te vi sempre te amei/Vivo da promessa de encontrar você”) e o excesso de zelo na divertida Cuidado (“Tome cuidado com o seu cuidado em ter cuidado”). É ao tratar dos amores frívolos e trágicos em Foi de Amor e na incendiária Pegando Fogo que a clássica Nação dá as caras em um trovejar de guitarras e tambores. Nesta nova alvorada depois de sete anos, a Nação Zumbi ainda mantém acesa a chama para fazer arder a cena pop.

Envie seu Comentário