Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Resultados da pesquisa por "edital catarinense de cinema"

Destino do prêmio para longa-metragem do Edital Catarinense de Cinema pode ir para a Justiça

13 de fevereiro de 2014 2

O Edital Catarinense de Cinema de 20013 concedeu o prêmio de projeto para longa-metragem ao suspense Quebranto, da Novelo Filmes, mas qual filme levará o dinheiro (no total de R$ 1,1 milhão) é que é o mistério da vez.  A Comissão Permanente de Licitação da Fundação Catarinense de Cultura (FCC) desclassificou ontem o projeto, acatando o recurso da TAC produções, de Itajaí, com base na alegação de que a Novelo Filmes, responsável pelo filme, não teria o tempo mínimo de atividade (três anos) exibido pelo regulamento. A produtora completou três anos em outubro do ano passado, mas o entendimento da comissão era de que a norma valeria para o ato da inscrição, que foi setembro de 2013.

A diretora da Novelo Filmes, Cíntia Domit Bittar, diz que vai recorrer da decisão da FCC, alegando que o edital não fala em “período de inscrição”, mas de “processo de seleção”, e cita o item 12 (“Dos Contemplados”) que trata da fase de apresentação de documentos, cujo prazo encerrou em 31 de janeiro quando a empresa já contabilizava três anos e três meses de atividade legal. Caso não consiga reverter a questão, a Novela pretende recorrer à Justiça para assegurar o prêmio.

Aliás, entre a última edição do Edital Catarinense de Cinema expôs uma situação curiosa, que é a concentração de recursos _ ou premiações _ por uma mesma produtora. Só uma teria ficado com quase 50% dos recursos do último prêmio, que distribuiu pouco mais de R$ 3 milhões. Os proponentes são diferentes, mas todos ligados a mesma empresa. Outro fato escancara a omissão do regulamento do edital passado ao não vedar o uso de parentes em primeiro grau e companheiros (mulher, marido ou namoradas) na mesma premiação.

Vídeo sobre o Underground Bar e nova produção da Novelo Filmes estão entre os premiados do Edital Catarinense de Cinema

17 de janeiro de 2014 4

Saiu a lista dos vencedores do Edital Catarinense de Cinema _ edição 2013/2014. São 30 produções (entre longa-metragem, vídeos, curtas e roteiros) que veremos nas telas entre os próximos meses e anos. A premiação deste ano é de R$ 2,9 milhões, sendo R$ 1,1 milhão para a execução do longa-metragem Quebranto, da Novelo Filmes _ a mesma do premiado curta Qual Queijo Você Quer?. Tem muita coisa interessante, como o projeto Aquela Mistura, dos gurus Fábio Bianchini e Domingos Longo, que trata da história de glórias e dissabores do Undergound Bar, visceral trincheira do rock autoral que operou na Ilha na troca de quarda entre as décadas de 1990 e 2000. O edital vai distribuir R$ 60 mil para cada vídeo (18), R$ 120 mil para curtas (cinco) e R$ 20 mil para seis roteiros de longa-metragem. Veja abaixo a lista completa e acesse o site da Fundação Catarinense de Cultura para mais informações.
* Longa-metragem

1º – Quebranto – Novelo Filmes Produções Audiovisuais Ltda ME
* Pesquisa e desenvolvimento de projeto cinematográfico de longa-metragem

1º – Do Outro Lado da Rua – Douglas Henrique Correia de Almeida

2º – As Mãos – Maria Augusta Vilalba Nunes

3º – Beijos na Neve – Christopher Faust Pereiral

4º – Aventuras de Verão – Luiza da Luz Lins

5º – A Chuva não tem Cor – Marina Moros

6º – Uma Ultima Memória – Valmor Ricardo Reichel
* Vídeo:

1º – Via Postal – Zuleica Campagna

2º – No Fim da Trama – Tatiana Glavam Silveira

3º – Geração Ritalina – Gustavo Aguiar

4º – Mariela vai à praia – Matheus Roberto da Silva de Souza

5º – Valentina – Maria Cristina Brum

6º – Incorrigível Muska – Andrey Kolling Lehnemann

7º – Sal – Danilo da Silva de Mello

8º – Cinemargem – Rodrigo Cárdenas Pires Ferreira Valente Lourenço

9º – Feminino Plural – Claudia Cárdenas Pires Ferreira

10º – Noite Permanente – Pedro Junior Rockenbach

11º – Antonieta – Flavia Person

12º – O Aniversário de Pedro – Alana Domit Bittar

13º – Aquela Mistura – Fabio Bianchini Mattos

14º – Fecha Dourada – Gustavo Oliveira de Souza

15º – Rio da Madre – Mirna Tavares dos Santos

16º – A Fresta – Luana de Amorim Machado

17º – A Manta – Igor Mesquita de Pitta Simões

18º – Grinfia – Gabriéla Bresola
* Curta-Metragem

1º – Buraco de Minhoca – Luiza Guerreiro

2º – Nascida de Asas – Iuri Ilytch Mesquita de Pitta Simões

3º – No(sam)balanço de Orlandivo – William Martins

4º – Anauê – José Henrique Nunes Pires

5º – Esplendidezas – Fabiana Heilmann Penna

Longa-Metragem:

1º – Quebranto – Novelo Filmes Produções Audiovisuais Ltda ME

FCC anunciará vencedores do Edital Catarinense de Cinema no dia 17

03 de janeiro de 2014 0

Sei que muitos não contavam com isso, mas a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) anunciará no dia 17 os vencedores do Edital Catarinense de Cinema 2013/2014. A lista com os contemplados estará no da FCC. Serão distribuídos R$ 2,9 milhões para quatro categorias: longa-metragem (R$ 1,1 milhão), curtas-metragens (R$ 120 mil cada um dos cinco projetos); 18 vídeos de projetos para a produção de audiovisual independente (valor de R$ 60 mil cada); e a elaboração de seis roteiros de longa-metragem (valor de R$ 20 mil cada).

Edital Catarinense de Cinema será retificado e prazo para inscrições é prorrogado para 10 de setembro

08 de agosto de 2013 0

Cinasta Guto Lima altertou o secretário na quarta-feira. Um dos problemas era a obrigatoridade da rúbrica dos proponentes nos envelopes dos projetos _ o que poderia levar à impugnação do edital. Segue o comunicado da FCC:

As inscrições para o Edital Catarinense de Cinema terão prazos prorrogados em 15 dias para alterações no texto do Edital. A decisão foi tomada hoje de manhã pelo secretário de Turismo, Cultura e Esportes, José Roberto Martins, em despacho na Fundação Catarinense de Cultura, que acatou reivindicações da classe do cinema e audiovisual do Estado. A errata com as alterações deverá ser publicada no Diário Oficial até segunda-feira. Com a determinação, a data limite de inscrições que era 26 de agosto, passou para 10 de setembro. O secretário oficializou a criação da Comissão de Organização e Acompanhamento (COA) do Edital, que será presidida pela administradora do Museu da Imagem e do Som (MIS-SC), Cristiane Pedrini Ugolini.

Sai o dinheiro para o Edital Catarinense de Cinema

22 de março de 2013 0

Secretário de Estado do Turismo, Cultura e Esportes, Beto Martins, informa que saiu o dinheiro para pagar o Edital Catarinense de Cinema de 2012, aquele lançado no ano passado, porém não empenhado. Precisava resolver esta pendência para então abrir caminhos para o Edital Elisabete Anderle de Incentivo à Cultura, que será lançado em abril. Com o montante assegurado para o cinema, determinou à Fundação Catarinense de Cultura (FCC) a execução do programa de pagamento para os próximos dias _ 80% (R$ 2,5 milhões) no ato e o restante na conclusão dos projetos. Para o Elisabete Anderle estão previstos R$ 7 milhões.

Edital Catarinense de Cinema: sinal de fumaça para 2013

28 de janeiro de 2013 0

A Fundação Catarinense de Cultura projeta para o primeiro semestre (possivelmente no decorrer de fevereiro) a assinatura dos contratos para os projetos vencedores do Edital Catarinense de Cinema de 2012, em um total de R$ 3 milhões.

Um outro montante de R$ 170 mil está previsto para o acerto das parcelas pendentes de editais anteriores.

ISS das bilheterias dos Cinemas poderia bancar campanha por desaparecidos

18 de julho de 2013 7

Não é pouco o que o município arrecada em Imposto Sobre Serviços (ISS) advindo das bilheterias das salas de cinema na Capital. Recursos que, por exemplo, financiam as ações do Fundo Municipal de Cinema (Funcine), como o seu necessário edital Prêmio Armando Carreirão. E que também poderiam bancar a produção das vinhetas sobre as crianças desaparecidas a serem exibidas nos cinemas, uma obrigação conforme a lei nº 9028. Lei esta patética capenga jurídica e tecnicamente, mas que a administração municipal se vale agora para surfar, levando à  interdição de pelo menos 19 salas da cidade entre terça e quarta-feira.

Jogar a responsabilidade da produção deste material exclusivamente para os cinemas revelou-se uma ação inócua, quando deveria ser uniforme, dentro de uma campanha, com vídeos com atualizações periódicas a partir de um banco de dados único e atualizado. É de responsabilidade do agente público, como preza o princípio constitucional da publicidade dos atos de todos os poderes. Fechar as salas intempestivamente é incorrer no risco de “queimar o filme” de uma iniciativa cujo princípio é relevante.

Na liminar que reabriu as 19 salas interditadas pela Secretaria Executiva de Serviços Públicos, o juiz Hélio do Valle Pereira atenta para inconstitucionalidade da lei “por mais que seja compreensível a preocupação do legislador municipal”. E considerou tal responsabilidade estranha às empresas, uma vez que elas devem ser submetidas ao poder público apenas em ações ligadas às suas atividades: a integridade física dos espectadores e a situação da classificação etária das obras. Sem contar que a dita lei não especifica um formato para as exibições e seu tempo de duração ou periodicidade. Fora os prejuízos econômicos das empresas e o dano coletivo causado pela privação do público ao lazer e à cultura.

Até entre os responsáveis pelas poucas salas que conseguiram cumprir a lei há reclamações das dificuldades para conseguir material. O Cinemark obteve, por exemplo, as imagens disponibilizadas por uma Ong da Capital, mesmo material utilizado pelas salas do Paradigma Cine Arte e do Cinema do CIC.

FAM abre fronteiras com a Venezuela e prestigia estreia catarinense

14 de junho de 2013 0

Ainda que focado no princípio de abrir as fronteiras para a produção cinematográfica sul americana, o Florianópolis Audiovisual Mercosul (FAM) reservou a abertura para prestigiar um filme catarinense _ algo inédito nos 17 anos do evento. Rendas do Ar, da diretora Sandra Alves, estreou na primeira noite do festival, ontem, no Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina.
_ É também o reconhecimento ao cinema catarinense e a luta da categoria pelo edital público para o setor no Estado _ destacou o coordenador-geral do FAM, Antônio Celso dos Santos.
Rendas no Ar foi o vencedor do Prêmio Cinemateca Catarinense (hoje Edital Catarinense de Cinema) de 2009 e fez a sua estreia abrindo a maratona de 82 produções que serão exibidas gratuitamente até o dia 21 de junho. O FAM deste ano também marca a expansão das suas fronteiras geográficas para o cinema da Venezuela. São pelo menos dois longas-metragens e outros oito curtas _ estes reservados a Mostra Novos Olhares.
Segundo Antônio Celso o FAM chega aos 17 no cerne de uma nova agenda política para o audiovisual no país, atraindo para o seu fórum o debate sobre a a obrigatoriedade da aquisição de conteúdo regional e independente pelas tevês pagas. Um caminho que se abriu para fomentar a produção do setor.
_ Se olharmos para trás, chegamos a conclusão de que o FAM é estruturante porque neste nesse período ao menos duas gerações aprenderam a gostar de um outro tipo de cinema, de um novo olhar, regional.
O sábado reserva o grosso da programação inicial do FAM, com as primeiras sessões das mostras Outros Olhares (14h30min), Doc-FAM (16h30min), Curtas Mercosul (19h) e Longas Mercosul (21h) _ com o filme venezuelano Peidra, Papel o Tijera.

Governo lança editais Elisabete Anderle e Catarinense de Cinema 2013 nesta quinta-feira

09 de abril de 2013 1

Toda a pompa e circunstância para a assinatura dos contratos do Prêmio Catarinense de Cinema de 2012, nesta quinta-feira, às 14h30min, no Cinema do CIC. O secretário do Turismo, Cultura e Esportes, Beto Martins, adianta que aproveitará a ocasião para lançar os editais Elisabete Anderle de Incentivo à Cultura e a nova edição do Catarinense de Cinema. Os dois totalizam R$ 10 milhões, sendo que o Elisabete valerá para este ano (R$ 7 milhões) e o cinematográfico será pago no início de 2014. Daí o interesse pela presença do governador (e principal fiador) Raimundo Colombo na cerimônia desta quinta.

Segundo o secretário, o projetado para o Elisabete sofreu uma contingenciamento, por conta da pendência em relação ao edital do cinema que foi lançado no ano passado, porém sem a reserva orçamentária para ser pago. “Não havia como eu fazer qualquer investimento sem antes quitar todas as pendências. De fato eu fui surpreendido com estas dívidas deixadas anteriormente, tanto que vamos pagar também restos do edital de 2010″, comentou.

Martins contabiliza no pacote a garantia do governador Raimundo Colombo da previsão para o Edital Catarinense de Cinema de 2013 (a ser pago em 2014). “Juntando os dois, serão R$ 10 milhões em investimentos”.

Edital Elisabete Anderle fica para abril

14 de março de 2013 0

Lendário edital Elisabete Anderle de Incentivo à Cultura deve sair da gaveta em abril. É o prazo limite que a Secretaria de Estado do Tursimo, Cultura e Esportes trabalha. Não sem antes resolver uma outra pendência urgente: o pagamento do edital Catarinense de Cinema do ano passado. Um está diretamente ligado ao outro, já que dinheiro devido ao cinema sairá do mesmo montante autorizado pelo governador Raimundo Colombo para o Elisabete, que deverá ficar entre R$ 7 milhões e R$ 8 milhões.

Secretário Beto Martins não esconde de ninguém a sua contrariedade ao tomar conhecimento de que o Edital Catarinense de Cinema foi lançado sem o devido empenho para o pagamento dos R$ 3 milhões anunciados. Falou-se em “herança maldita”.