Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Artes Visuais"

Paulo Govêa e as impressões na América

16 de junho de 2014 1

gôvea

Nosso craque das tintas, o grafiteiro e artista Paulo Govêa, de Floripa, mandou lembranças de Nova York (EUA), onde se manteve ausente do ziriguidum futebolístico no Brasil para uma temporada de imersão e pesquisa artística. Lá, ele vem deixando rastros, em telas e nos murais dos espaços urbanos, como na fachada de uma antiga fábrica em Newark (New Jersey), hoje um espaço de criação e vivência onde estão instalados artistas, fotógrafos, estilistas, músicos e skatistas.

gêvea1

Daqui para qualquer lugar: onde quer chegar Daza?

12 de junho de 2014 1

 

Foto Carlos Rocha, Divulgação

Foto Carlos Rocha, Divulgação

Aqui vai a íntegra da resenha publicada nesta quinta-feira no Variedades  sobre Daza, novo álbum do Dazaranha. Lobo abaixo do texto vai o álbum para você ouvir na íntegra e tirar suas próprias conclusões.

Para tentar entender o que aconteceu com Daza, o esperado novo álbum de estúdio do Dazaranha depois de sete anos de hiato, eu parto do final: Som de Tamborim, a última das 11 faixas. O samba de autoria de Moriel Costa _ e principal letrista do grupo _ dá uma dimensão da salada de referências que se transformou o trabalho e que causou certa estranheza a quem o ouve. Tecnicamente é o melhor disco já produzido da banda, mas como identidade característica de conjunto não faz frente às obras que o antecederam.
O risco foi presumido. O Dazaranha se reuniu há dois anos para gravar o trabalho e lapidou o presente repertório a partir de um setlist inicial de 50 composições. Como resultado do conhecido assembleísmo da banda, surgiu a ideia de aproveitar as contribuições individuais de seus integrantes, incluindo músicas de trabalhos paralelos, como de Moriel Costa, Chico Martins e Gazu. O que aparentemente pode soar como um “cozidão”, para seus membros foi uma homenagem à forma como o convívio de 22 anos os influenciou individualmente, trazendo isso para o espectro do conjunto e falar sobre vidas e amores. Há acertos, como em Dizem que Só (já gravada pela banda Tijuquera e que está no recente álbum solo de Moriel), que ganhou uma levada nobre e suave, A Vida é pra Viver, Fé Menina _ ambas de Chico Martins _ e na surpreendente batucada de Som do Tamborim (este de um outro projeto de Moriel que ainda está por vir). Em outros casos não funciona, a exemplo de Se Você For, também de Chico. A música já é conhecida pela versão da cantora catarinense de axé Diana Dias, que vem impregnada de uma batida linha pop dos anos 80 e que já não encontra mais ressonância nem nas FMs de hoje.
A urgente Caminho Reto e o reggae Rastaman, de Gazu, até resgata o vigor do punch roqueiro e regional do DNA do grupo, mas peca diante de um vocal esquisito. Aliás, o que aconteceu com a voz de Gazu? Um componente determinante na identidade sonora da banda, mas que está completamente descaracterizada. Na tentativa de aliviar o sotaque marcante, perdeu a força. Isso fica latente nas duas melhores canções do disco: Pelo Mar e Céu Azul, ambas de autoria do baterista J.C. Basañez. Aliás, justo ele, o integrante mais recente do grupo, é o autor das faixas que mais se identificam com a atmosfera das letras sagazes e assim preservam a tradição de assegurar pelo menos dois bons hits em cada trabalho.
Pelo Mar está entre as melodias e letras mais lindas já compostas pela banda e surge animadora quando abre o CD. Condensa a essência da banda de forma vigorosa: a percussão de Gerry Costa, o violino regente de Fernando Sulzbacher, o baixo, as guitarras nervosas, os metais, berimbau, enfim, aquela psicodelia coletiva, só que mais complexa. A música diz muito sobre o espírito deste disco: “Pelo mar… daqui para qualquer lugar”. Pena que os vocais nadam e morrem antes de chegar na praia, mas ali está o Dazaranha como estamos acostumados a vê-los no palco. É neste ponto que entra uma peça fundamental nesta investida com Daza, o produtor e arranjador catarinense Carlos Trilha, que levou para o estúdio a potência arrepiante dos shows. Trilha foi o responsável pela primazia da produção do disco, contribuindo inclusive com teclados e arranjos em outras faixas.
O Dazaranha tem lastro para correr riscos e é nesta hora que contará com a boa vontade do seu público cativo. Mas pode transgredir mais, de preferência como força coletiva, preservando uma essência que lhe é tão cara _ e o caminho pode estar nas mais de 30 músicas que ficaram para trás. Também é bom vê-los saindo da zona de conforto, ainda que tudo acabe em samba, o que no caso de Som de Tamborim os livrou de uma barca furada.

Para colecionador: Samuel Casal imprime série especial de cards sobre futebol em xilogravura

11 de junho de 2014 0

samuel casal figurnhas1

Nosso chapa Samuel Casal foi escalado pela Nike para criar uma coleção de figurinhas em xilogravura de craques que estarão na Copa do Mundo. Para os colecionadores o material representa uma preciosidade, não só pelo ineditismo pelo uso da técnica das xilos na impressão do material, mas pela verve característica do nobre artista de Florianópolis. Galvão foi até o Rio de Janeiro para colocar a prensa para operar na Casa Fenomenal. A tiragem da série é limitada.

Meninos de Kichute: lageano Luca Amberg resgata a mítica da infância na várzea do Brasil dos anos 70

11 de junho de 2014 0

meninos_kichute_filme

Não é pelo oba-oba da copa, mas eu fiquei muito interessado em assistir Meninos de Kichute, filme do lajeano Luca Amberg, que adaptou o livro do londrinense Márcio Américo. A história se passa na década de 1970, durante a campanha do tricamponato brasileiro no México, onde dois garotos vivem aquele momento mágico do mundial, o ufanismo da época e o sonho de se tornar goleiro da seleção brasileira.

Quem viveu a era do Kichute sabe o valor de meter uma marra nos campinhos de várzea!

Mais uma do programa De Passagem: A batalha dos homens de uma banda só!

11 de junho de 2014 0

Mais um episódio do web programa De Passagem, que eu e o Marco Martins (Vinil Filmes) produzimos para a SIC Radio (no site você assiste a todos os episódios da série). Este especialmente me deixou satisfeito, até porque o tema me é muito caro: as one-man-bands, ou monobandas, um movimento revigorante dentro da cena roqueira underground do país. Quem explica melhor isso são os barões Fabulous Go-Go Boy From Alabama e Chuck Violenza. Aumenta o som e confira aí!

Cor Galeria apresenta novo site e convida para uma passeio

11 de junho de 2014 0

Deixo aqui a sugestão para um passeio pelo site da Cor, das galerias mais bacanas de Floripa, que passou por um upgrade e está tinindo de bom. Já na “entrada” o internauta é recebido pela seleção de artistas e suas respectivas obras que compõe o acervo do espaço, como a alemã Pauline Zenk, além de boas praças da cena local, como Galvão Bertazzi, Driin, Sheilla Liz, Ramon Rodrigues, Flávia Tronca, Alexandre Freire, Viti, Nestor Jr. e Fábio Dudas. O passe livre é por aqui.

Pauline Zenk

Pauline Zenk

Galvão

Galvão

Ramon Rodrigues

Ramon Rodrigues

Sheilla Liz

Sheilla Liz

SIC Radio lança novo site e aplicativo exclusivo

10 de junho de 2014 0

sic

Já visitou a nova casa da SIC Radio? Então não faça cerimônia e seja muito bem-vindo no novo site da latinha sonora online de Floripa que entrou. A nova plataforma também conta com e um aplicativo para IOS e Android que você baixa aqui. A partir disso, a radio vai unir todo o seu conteúdo subversivo: dos programas diários para ouvir em streaming ao blog e os episódios do web programa De Passagem.  Visita, ouça, veja e apareça nesta terça-feira à noite, no Uai de Minas (Rua Bocaiúva, Centro de Floripa) para o convescote de lançamento que reunirá toda a patota de programadores da SIC, além dos “shows de bolso” de Gustavo Cabeza e da folkband Balcony.

Fundação Badesc exibe documentário sobre o ativista Vilson "Neto" Steffen

09 de junho de 2014 0

Vilson “Neto” Steffen foi um estimado ativista e educador que adotou a Barra da Lagoa ainda na década de 1970 como o laboratório para difundir a sua pioneira proposta de educação libertária em contato com a natureza. Morreu em 2010 e até hoje é celebrado por aquela comunidade. Virou também tema de um filme, o documentário Naufrágio, que será exibido hoje, às 19h, na Fundação Cultural Badesc, em Florianópolis.

A direção é dos antropólogos e documentaristas Alex Vailati e Matias Godio, sendo o primeiro um italiano que também se radicou na Ilha de Santa Catarina. No filme, eles reconstroem a trajetória do popular Neto a partir do acervo de fotografias do protagonista, além de entrevistas com amigos, alunos, moradores da Barra e até de integrantes do histórico grupo Engenho.

Grife lança catálogo com moradores de rua e cenário de indigência na Capital

09 de junho de 2014 7

sharke marca21

Se fosse pelo simples intuito de vender, a Sharkle, marca independente de streetwear de Florianópolis, vestiria belos e saudáveis modelos em cenários de deslumbre ensolarado da cidade, mas a ideia do catálago de estreia foi justamente transgredir e transitar para além da fronteira do politicamente correto. A grife levou ao pé da letra o sentido do gênero (moda de rua) e pegou moradores de rua na Capital como modelos.

Até aí tudo bem, mas a grife radicaliza ao retratar seus protagonistas em situações reais do seu cotidiano, na indigência, em seus sombrios refúgios e até consumindo drogas como crack e injetáveis. As únicas intervenções são as camisetas _ cujas estampas foram concebidas por artistas fora do eixo das galerias e escolas de design _ e os registros são documentais e chocantes. O propósito do polêmico ensaio se traduz no seu título (The Unseen and Urforgiven), sugerindo um estilo de vida não-comercial, mas real: aquele que não se vê e não se perdoa. As fotos são de Alexandre França, Eduardo Valente e Marcelo Oriano Jr. (tem mais por aqui)

sharke marca11

sharke marca3

sharke marca4

sharke marca51sharke marca6

 

Busto de Eike Batista some da Praça XV. Quem pensou em bronze, levou argila!

06 de junho de 2014 6
O Bustox de Eike Batista. Foto Marcos Favero, Divulgação

O Bustox de Eike Batista. Foto Marcos Favero, Divulgação

O busto do empresário Eike Batista sumiu da Praça XV, no Centro de Florianópolis. O Bustox foi instalado em março passado pelo ERRO Grupo em uma intervenção de protesto contra o descaso com a memória cultural da cidade. A imagem repousava justo sobre o pedestal destinado ao pintor Victor Meirelles, cuja reprodução em bronze foi roubada junto com as de outras duas personalidades homenageadas ( José Boiteux e Jerônimo Coelho) no ano passado _ mistério até hoje sem solução.
Sabe aquela história do “santo dos pés de barro”? Pois é, tal qual a fortuna do Eike, o busto também era de argila.