Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "aniversário"

Aos 70 anos Chico Buarque ainda arrasta um bonde para a sua seleção

16 de junho de 2014 1
Vitor Teixeira, 13/9/2013

Vitor Teixeira, 13/9/2013

Chico Buarque fará 70 anos nesta quinta-feira (19/6) e se há alguma dúvida sobre se o bardo ainda bate o bolão ela caiu por terra quando eu ouvi de uma garota que “brigaria até com a minha mãe por ele” _ e vice-versa. Com o Brasil entrando em campo nesta terça-feira pela Copa do Mundo, sei que ele me permitirá falar de futebol, sua outra paixão, além das musas, cantadas em prosa e verso em dezenas de canções ao longo destas cinco décadas de carreira. Então escalamos uma seleção de composições com nomes de mulheres, todas grandes sucessos _ e que rendem pelo menos dois nomes completos, fora a legião de fãs que independente das gerações sonham em entrar para o seu “time”.

* A Rita (1965): Que “levou meu sorriso. No sorriso dela, meu assunto”

* Carolina (1967): “Carolina, nos seus olhos fundos, guarda tanta dor, a dor de todo esse mundo”

* Januária (1967): “Toda gente homenageia Januária na janela”. Especialmente Chico que compôs a música em em homenagem à tela homônima que ganhou do pinto Di Cavalcanti

* Ana de Amsterdam (1973): Ela apareceu impetuosa em Chico Canta se autoproclamando “da cama, da cana, fulana, sacana”

* Ligia (1974): “teus olhos castanhos me metem mais medo que um dia de sol” e não é por menos que ela está no disco chamado Sinal Fechado

* Geni e o Zepelim (1978): A maldita Geni “rainha dos detentos, das loucas e dos desatentos” virou sucesso em a Ópera do Malandro

* Terezinha (1978): Outro hit inspirado de a Ópera do Malandro

* Mas aí eu vou pedir licença para um repeteco de Terezinha, na gag fantástica de Os Trapalhões

* Angélica (1981): Angélica é Zuzu Angel, a estilista e ativista que foi uma das figuras centrais da luta contra a repressão durante o ditadura militar no Brasil. A mulher ” que só queria embalar o meu filho/que mora na escuridão do mar” diz respeito a batalha de Zuzu para ter o paradeiro do filho, Stuart Angel Jones, preso e desaparecido político.

* Luiza (1979): “Por ela é que eu faço bonito/Por ela é que eu faço o palhaço”. A sortuda em questão é Luísa, uma das filhas de Chico.

* Beatriz (1983): Um dos hits mais tocados até hoje, a canção que integra o álbum O Grande Circo Místico, inspirou também uma peça catarinense em 2012 interpretada pela atriz Margarida Baird.

* Iolanda (1984): Não por menos é até hoje a música de Chico mais executada nas rádios, festas, players e em shows. Muitas mulheres até trocariam de nome só para ouvir tamanha declaração de amor.

Tommy, a ópera rock do The Who, celebra 45 anos e o Led Zeppelin deve muito a este disco

23 de maio de 2014 1

who-tommy-big

Tommy, álbum da banda inglesa The Who, faz 45 anos nesta sexta-feira (23/5), como nos lembra o bondoso músico Domingos Longo. Esta é a primeira das duas óperas rock da banda. O guitarrista Pete Townshend compôs a obra sobre a história do menino Tommy Walker que ficou surdo, mudo e cego após testemunhar a morte do pai pelo amante da mãe, embarcando numa jornada solitária até vir a se tornar uma espécie de messias. Ele reconheceu, anos mais tarde, que passagens autobiográficas permeiam a trama do protagonista, como situações de abuso e abandono.

O quarto álbum do The Who foi um sucesso comercial _ sendo levado aos cinemas em 1975 pelo diretor Ken Russel _ , mas foi um tormento para a banda que quase se dissolveu diante das intermináveis sessões, de gravações, intervalos e as crises de Townshend. Foi neste período que o baterista Keith Moon e o baixista John Entwistle andaram ensaiando com o guitarrista Jimmy Page o esboço de uma nova banda, mas acabaram desembarcando para finalizar Tommy. Desse ensaio ficou só o nome que batizou o grupo liderado por Page em 1969: Led Zeppelin. Sugestão de Keith que dizia que a banda era tão pesada como um “zepelim de chumbo” e que não iria decolar.

 

A trilha de hoje: Um salve pelos 25 anos do Disintegration (The Cure)

05 de maio de 2014 0

Só para não deixar passar em branco o aniversário de 25 anos de um dos mais influentes álbuns da década de 80: Disintegration, do The Cure. A celebração, que pautou os playlists nas redes sociais foi no dia 2 de maio.

Cinegrafista Zé Rogério Jesus foi o autor do flagrante dos cartazes pró-Hitler em Itajaí

22 de abril de 2014 0

A foto dos cartazes em alusão ao aniversário de Adolf Hitler e que foram espalhados pelo Centro da cidade de Itajaí é de autoria do cinegrafista Zé Rogério, da RIC TV Record. Recebi a foto de uma amigo da cidade, na manhã de segunda-feira por meio de uma outra rede social. Postei no meu blog e a repliquei por aqui. Nesta terça-feira, um dia após a publicação, tomei conhecimento da autoria do registro, por intermédio do jornalista e editor de conteúdo para internet do grupo RIC em Santa Catarina, Alexandre Gonçalves. Aqui retifico a procedência da foto, ainda que tardiamente e peço desculpas pelo lapso.

"Homenagem" em aniversário de Adolf Hitler assusta itajaienses

21 de abril de 2014 64

neo

Foto: José Rogério Jesus, RIC TV Record

Um amigo de Itajaí ficou assombrado ao se deparar com cartazes homenageando o aniversário de Adolf Hitler, ocorrido no domingo (20/4). As peças trazem a assinatura de White Front (algo como “Frente Branca”) e foram coladas em postes no Centro da Cidade. Nos cartazes, a imagem do líder nazista com a mensagem: “Heróis não morrem. Parabéns Führer”. A existência de um suposto grupo ou de simpatizantes do nazi-fascismo é algo novo e intrigante para aquela comunidade.

 

Disco de estreia dos Rolling Stones chega aos 50 anos hoje

16 de abril de 2014 1

stones album

Desde 2012 que os Rolling Stones celebram os 50 anos de carreira: seja pelo primeiro encontro da formação original ao primeiro show em 1962. Mas pode-se tomar também como um marco The Rolling Stone, o primeiro álbum completo, lançado em 16 de abril de 1964 pela gravadora Decca _ aquela que havia rejeitado os Beatles anos antes. Mas nas 12 faixas, apenas em uma, Tell Me (You’re Coming Back), é assinada pela dupla Mick Jagger/Keith Richards, que viria a rivalizar na sequência com outra parceria genial: John Lennon/Paul McCartney. As demais são canções de mestre do blues e do rock, como Bobby Troup (Route 66), Willie Dixon (I Just Want to Make Love to You), Jimmy Reed (Honest I Do) e Chuck Berry (Carol).

Quem fez a bondade de nos lembrar desse notório aniversariante foi o chapa e wikepédia do rock Domingos Longo.

The Smiths (1984): 30 anos fazendo a diferença

20 de fevereiro de 2014 0

the smiths

O título do post é um trocadilho com  What Difference Does It Make?, single que antecipou ao mundo o que a banda de Manchester estava prestes a apresentar com seu álbum de estreia The Smiths, que comemora 30 anos hoje. Um discaço que a história provou que não só fez como ainda faz muita diferença. O IdeaFixa traz a história curiosa da relação do álbum com Andy Warhol. Não que o célebre artista tenha agido direta e deliberadamente no surgimento da banda, como fez com Velvet Underground e os Rolling Stontes, mas a ponte se faz  a foto da capa do seminal disco com a uma imagem do modelo, michê, ator e pupilo Joe Dallesandro.

A folia com Paris Hilton em Floripa vai custar de R$ 200 a R$ 500

11 de fevereiro de 2014 3

paris-hilton-cry

Um amigo próximo jogou no ar a pergunta: “Mas quem quer ver a Paris Hilton, minha gente?” E quem não? A socialite, empresária, aspirante a atriz homemade e locomotiva de baladas mundo afora estará em Floripa no Carnaval para comemorar seus 33 anos bem vividos a convite da Posh, em Jurerê Internacional. A exclusiva balada vai ceder as picapes para a milionária americana pilotar o “play/pause” na pista d festa Save The Cake no dia 28 de fevereiro. A vinda da mina à Ilha já foi cantada em outros verões, mas esta será a primeira vez que a bacana passará pela “Beverly Hills catarinense”.  Claro, vai ter bolo e velinhas para ela assoprar. Paris se encarregará de abrir a programação da folia momesca e eletrônica no Music Park, mas para brincar no “entourage” da moça não será nada barato. A vinda dela só foi oficializada na tarde de segunda-feira, mas os ingressos, que custam R$ 200 (feminino) e R$ 500 (masculinos), já estão no quarto lote do site Blueticket.

 

Aos 90 anos, Salim Miguel surpreende com novo romance, a novela policial Nós

30 de janeiro de 2014 2
Foto Charles Guerra

Foto Charles Guerra

A longa jornada do querido modernista Salim Miguel completa 90 anos hoje. O maior escritor catarinense nos surpreende também com a criativa longevidade e na capacidade de se reinventar, pois está prestes a lançar um livro inédito, a novela policial Nós, ambientada em Brasília e que sairá pela EdUFSC. A obra se somará à sua vasta e imprescindível bibliografia de mais de 30 títulos. O menino que chegou ao Brasil vindo do Líbano aos 3 anos empreendeu uma carreira incrível e revolucionária no jornalismo, na literatura, no teatro e no cinema. Salim é um intelectual marcante na cultura do país, assim como a mulher, a escritora Eglê Malheiros. Um homem que continua a definir o nosso tempo. Viva!

O Cultura DC de sábado traz um providencial artigo da pesquisadora, tradutora e doutora em Literatura Luciana Rassier _ que traduziu com Jean-José Mesguen o romance Primeiro de Abril, Narrativas da Cadeia para a editora parisiense L’Harmattan em 2007.   Luciana ainda revela um tesouro: os manuscritos originais do diário da prisão de Salim, nos primeiros dias do golpe militar de 964, e que serviu de base para a produção, 28 anos depois, de Primeiro de Abril. Uma relíquia resgatada pela família do escritor coincidentemente no curso da celebração dos seus 90 anos.

 

Milk and Honey 30 anos: Despertar criativo ou o último suspiro de John Lennon?

29 de janeiro de 2014 0

nme lennon

Grande capa do semanário inglês New Musical Express (NME) sobre os 30 anos de Milk and Honey, álbum póstumo de John Lennon, lançado em 1984 e composto em parceria com a mulher Yoko Ono poucos meses antes de morrer, em 1980. Seria a continuação de Double Fantasy, o álbum cuja cópia o perturbado Mark Chapman carregava no momento em que assassinou o beatle. A NME crava que Milk and Honey se trata do disco que fez o Lennon acordar do seu sono criativo, ou um último suspiro. Uma reedição do trabalho é aguardada para este ano.