Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Primavera... quase.

03 de julho de 2012 3

Essa manhã de inusitada primavera esmaga qualquer possibilidade de escurecer a alma. Vejo os brotos e exulto secretamente com todos os nascimentos. Quieto, bem quieto, atravesso ruas dentro de mim em busca da melhor paisagem para me sentir. Há pulsações que não alcanço e as devolvo ao mistério. Tenho fragilidades, mas tenho também vocação para construir pontes, vastos espaços por onde caminho ao crepúsculo. Habito a poesia para me salvar. Lá fora há um movimento que não me seduz. Apenas olho e volto a adormecer do lado de dentro. Enquanto isso, os deuses se divertem semeando alegria e dor entre os passantes. Um instante. Uma eternidade. Bebo serenamente o tempo que me espreita. Aprendo a partir. Talvez.

Abraços,    Gil

Comentários (3)

  • Rejane Romani Reh diz: 3 de julho de 2012

    Meu caro amigo,
    Como o tempo exterior influencia nosso estado de ânimo!
    A clausura do inverno me faz bem, mas não há quem não ame esse calorzinho de agora.
    Oswald de Andrade dizia que há poesia na dor, na flor, no beija-flor, no elevador… Que tenhamos essa sensibilidade sempre pulsante dentro de nós.
    abraços

  • Fátima diz: 3 de julho de 2012

    Oi, Gil!
    Lindo demais teu texto de hoje!!! Ele me fez lembrar as palavras do poeta e escritor Mario Quintana:“Minha vida está nos meus poemas, meus poemas são eu mesmos, nunca escrevi uma vírgula que não fosse uma confissão.”
    Beijos, Fátima

  • ANA MARIA CANUTO diz: 4 de julho de 2012

    Não quero ser redundante, mas já estou sendo: você consegue tirar poesia das pedras brutas, de um toco seco, de um graveto, enfim, de absolutamente tudo.

Envie seu Comentário