Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Pegadinha em La Plata

04 de julho de 2011 3

Contando desde o momento em que saímos do hotel, até pegar o táxi para a estação de ônibus, a fila para comprar as passagens, a fila para entrar no ônibus e, é claro, a viagem até La Plata, foram duas horas para chegar até o estádio. Os 60 quilômetros que separam Buenos Aires da cidade sede da primeira partida da Seleção Brasileira pareciam intermináveis, embora a viagem de ida tenha sido bem tranqüila, especialmente para os três turistas de Floripa que estão na Argentina justamente para isso: acompanhar a Copa América.

Banners de boas vindas recebiam os torcedores ao redor do Estádio

Diferentemente do que aconteceu na Copa da África, foi difícil encontrar algum responsável pela organização do torneio “mais importante da América do Sul” nos arredores do Estádio. Aquela tropa de voluntários que vimos no Mundial da FIFA não se faz presente aqui e causa bastante transtorno aos turistas. O principal problema é a falta de informação, especialmente depois do jogo, já de noite e fazendo muito frio, onde os torcedores precisam caminhar cerca de dois quilômetros até a estação de ônibus e, chegando lá, ainda é preciso ficar uma hora na fila para conseguir entrar no ônibus. Isso se você já tiver comprado o bilhete, que é outra lenda…

Torcedores chegando ao estádio

Outro ponto negativo que nos chamou a atenção foi a falta de interatividade com os torcedores dentro do estádio. Na hora da escalação, o telão poderia tranquilamente mostrar as fotos dos jogadores (na África do Sul eles apresentavam o jogador perfilado, em formato de vídeo, e cada um fazia uma pose ou simplesmente abanava para a câmera – parecido com o que a Globo começou a fazer no Brasileirão deste ano). Em tempos de tanta tecnologia, não existe desculpa para não fazê-lo.

Por falar em telão, faltou mostrar os replays dos lances e o tempo de jogo. Quem não marca no relógio, fica dependendo da boa vontade do juiz apontar para o quarto árbitro e indicar quantos minutos ainda restam de sofrimento. Sim, porque a partida foi sofrível e o frio colaborou para deixá-la ainda mais gelada.

E por falar em interatividade, uma musiquinha antes e depois do jogo não faria mal a ninguém, evitando aquele silêncio mórbido de um verdadeiro cemitério de elefantes.

Estádio lotado para Brasil x Venezuela

Outra coisa que faltou, mas não pode faltar sob hipótese alguma foram as lojas oficiais dentro do Estádio. Não tem jeito: turista gosta de levar uma lembrancinha pra casa. Nem que seja um chaveiro, para dizer pra todo mundo que esteve lá e guardar de recordação.

Quanto à segurança, ok. O bairro onde fica localizado o estádio é meio “punk”, se é que vocês me entendem, mas o grande número de policiais nas imediações passam uma certa tranqüilidade para quem não é da região.

No entanto, a revista para entrar no estádio foi falha. Se por um lado eles nos avisam que é proibido entrar com comida e bebida no campo, vimos muita gente comendo coisa que trouxeram de casa. Na nossa frente havia um casal “misto” (ele, argentino; ela, brasileira), bebendo whisky(!). Ainda bem que eles compartiram conosco e todo mundo se aqueceu.

Caminhão e inflável da bola oficial da Copa América

Para finalizar, vale destacar algumas ações de marketing realizadas pelos patrocinadores oficiais do torneio. A Canon oferecia impressão de fotos grátis para os torcedores. A Nike colocou um caminhão adesivado estilo “trio elétrico” bem na entrada do Estádio com os principais jogadores sulamericanos patrocinados por ela. Já a Quilmes fez uma discreta ação com promotores, mas nada de cerveja grátis pra galera… Uma pena!

Promotores da Canon ofereciam impressão de fotos

Inflável e peça promocional da Quilmes

De bom mesmo só o estádio, muito bonito, e o cachorro que invadiu o campo e nos proporcionou boas risadas em meio a um jogo tão irritante de se ver…

Um abraço e até a próxima!

Thiago Brasil

Comentários (3)

  • Mário Machado diz: 4 de julho de 2011

    Meu presidente,

    Uma pena não interagirem com a torcida. Acho que é o hábito de lidar com a torcida de clube que faz a festa por si só. Excelente cobertura. Parabéns nessa nova empreitada.

    Abs,

  • osvaldo alberto diz: 5 de julho de 2011

    PO CARA!!!! NADA DE BOM? NEM SEQUER O TEU BRASIL BRASILEIRO? NÃO SEI QUE ESTAS A FAZER NESSA CIDADE?
    PEGA POR FAVOR O PROXIMO PINGUIM E VOLTA PARA FLORIPA!!! ASSISTE OS JOGOS NA TV OU VAI A QUALQUER UM DOS ESTADIOS (ORLANDO O RESSACADA) E CURTE O NOSSO BRASILEIRÃO QUE ESTA OTIMO E ALEM TEM DE TODO: ONIBUS SEM FAZER FILA, BRAHMA DE GRAÇA, TELÃO PARA VER AS JOGADAS, RELOGIOS INDICANDO O TEMPO DE JOGO E VARIAS EXQUISITICES MAIS INCLUINDO UMA SIMPATISSIMA POLICIA. PO CARA!!!!

  • thiago_mansur diz: 6 de julho de 2011

    Osvaldo, o que o autor quis dizer eh que se esperava mais por se tratar de um evento internacional… só isso!

Envie seu Comentário