Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de setembro 2008

Há que se esclarecer

30 de setembro de 2008 32

 

O lamentável é que esse tipo de situação, relatada abaixo pelo músico Fábio Dwyer seja reicidente em se tratando da mesma casa e das mesmas figuras da produção do tal espaço. Tipo de situação que não combina em nada com a postura adotada pelo El Divino, pela bandeira que carrega e pelas parcerias que firma. Encaminhei a mesma missiva à assessoria de imprensa da casa e aguardo o retorno. Se o Ely Yabu quiser se pronunciar ele sabe que este espaço está à disposição para os esclarecimentos, só que desta vez estará sujeito também aos comentários. Lembro que neste último sábado, ao fim da festa de 40 anos da ACI, vários presentes reclamaram da forma pouco lisongeira com o qual foram convidados a se retirarem das poltronas para que fosse liberada um curralzinho VIP para os convivas da festa que se seguiu. Enfim, não foi a primeira e rezo para que seja a última vez. Nada dígno com o brilhantismo da festa que marcou quatro décadas de uma das instituições mais respeitadas e atuantes em nosso Estado.

 

“Nova modalidade de desrespeito aos músicos em Florianópolis

Venho por meio desta mensagem narrar alguns fatos revoltantes que aconteceram no último sábado à noite comigo aqui em Floripa. Fui convidado (eu e mais duas bandas para nos apresentarmos na festa de 40 anos da ACI (Associação Catarinense de Imprensa) que ocorreu no El Divino Lounge, na Beira-Mar. Tratava-se de uma boa oportunidade, devido à grande exposição que o evento ofereceria às bandas.

Durante a tarde fomos passar o som, e os problemas com o El Divino começaram logo na chegada, quando funcionários não queriam nos deixar entrar com o equipamento, pois a faxina foi marcada para a mesma hora que a passagem de som. Quando conseguimos entrar e montar o equipamento, ficamos sabendo que estávamos trancados ali, com um funcionário responsável, mas que não tinha as chaves do local. Imagina se alguém passasse mal ou houvesse um incêndio, que divertido seria…

Regulamos nosso som, alto e claro, tudo bem após um longo e cuidadoso soundcheck, para que tudo saísse bem. Quando começamos finalmente nosso show, após as premiações da ACI, uma surpresa: o som estava horrível, baixo e com ruídos que não estavam presentes na passagem de som, e, pelo que me foi relatado por pessoas que estavam na platéia, parece que as caixas de PA (o som para a platéia, diferente do som que escutamos nas caixas de retorno no palco) estavam funcionando com carga bem reduzida. Isso prejudicou enormemente a performance da banda e serviu pra dar aquela “queimada de filme” básica, justamente o oposto do que procurávamos, mas até aí, tudo pode ser relativizado, até a qualidade da banda poderia ser questionada por alguém que não tenha presenciado a passagem de som, etc. O problema realmente começa agora:

Tocamos até meia-noite, sem sabermos que o local onde tocamos (onde se encontrava o antigo palco do Café Cancun) tinha sido vendido aquela noite, já que numa espetacular combinação de ganância, descaso e completa falta de raciocínio lógico, a direção da casa vendeu o espaço para duas festas diferentes na mesma noite: a primeira da ACI privativa, até meia-noite, depois a Festa Mural ou algo que o valha, aberta ao público, cuja área vip era onde estavam os equipamentos da banda. Enquanto começávamos a desmontar o palco, os equipamentos da banda começam a desaparecer; primeiro some uma guitarra PRS -quem é guitarrista sabe o duro que a gente tem que dar pra conseguir uma dessas! O dono da guitarra estava desesperado, e quando fui ajudar a procurar a guitarra dele e ficar de olho na minha própria guitarra, vejo um rapaz que até então eu não conhecia saindo do palco com minha guitarra nas costas. Voei em cima dele e arranquei-a do seu ombro perguntando quem ele era e onde estava a outra guitarra. Ele, um rapazinho que atende pelo nome de Alemão e parece ser uma espécie de sub-gerente falou que estava tudo `no depósito` (sem sequer nos explicar onde era!) e tínhamos DEZ MINUTOS para desmontar tudo (um processo que quem já passou por isso, numa casa do tamanho do El Divino, sabe que leva na melhor das hipóteses pelo menos uma hora e meia) e CRUZAR A PISTA DE DANÇA, COM MAIS DE 500 PESSOAS COM TODO O EQUIPAMENTO DO PALCO! Uma bateria de grande porte (mais de 12 peças), caixas de retorno pesadas, mesa de som, 4 amplificadores, baixo, guitarras, etc., cruzar com tudo isso um espaço que uma pessoa não carregando nada já atravessava com bastante dificuldade. Falei que era impossível e o `Alemão` respondeu “Não sou nenhum ignorante, isso é problema de vocês!” Cercado de seguranças pressionando a banda, pedi que os mesmo fizessem um cordão de isolamento para a banda passar e o Alemão falou que não!

O resultado é que, mesmo pedindo licença, com a música alta e o público já animado, não conseguimos passar com o equipamento sem esbarrar em muitas pessoas, que ignorando a situação pensaram que essa decisão estúpida e surreal era idéia da banda. Criou-se um clima bem desagradável contra a banda e quando retruquei perto do tal Alemão que aquilo era um absurdo, a resposta educada que obtive foi: “Vai cuidar dos seus bagulhos, seu palhaço”. Não sou de briga, não gosto de violência, mas cheguei ao meu limite de enfiar a mão na cara deste sujeito. Graças a Deus consegui manter minha cabeça razoavelmente fria para não perder a razão e disse a ele apenas uns desaforos (merecidos). Depois fiquei sabendo que o superior dele, um tal Sr. Ely, administrador do El Divino e, ao que tudo indica, uma das mentes mais brilhantes de Florianópolis, foi quem deu a ordem para nos escorraçar dali, para que vagássemos a área vip em questão de minutos. Daí, o rapaz transferiu para banda um problema administrativo da casa, o que não justifica tanta grosseria.

Não tenho nenhum prazer em ficar aqui para me lamuriando, sei que todos têm seus problemas, outras bandas já passaram e passam diariamente por problemas desagradáveis nos bares e casas noturnas de Florianópolis. Além do já tradicional desvio de cachês, há também a não-transferência integral do couvert artístico aos músicos sob o argumento de que a banda é quem tem que pagar o segurança da casa – como se o garçom devesse receber menos para ajudar a pagar o salário do cozinheiro…

No entanto, imagina-se que uma festa organizada por uma agência de propaganda de destaque, para uma Associação dessa importância em uma casa noturna de luxo da cidade não vá resultar numa situação digna de festa de botequim de quinta categoria. Minha intenção era apenas divulgar para os músicos da cidade, alertando-os para mais uma enorme falta de respeito cometida contra a classe, mas, devido à enorme repercussão e apoio recebido de muitos profissionais sérios da classe, decidi escrever direto para a imprensa, Façam (ou não façam) o que quiserem com essa informação, só gostaria que todos fossem informados.

O nome da banda foi preservado pois não consultei meus companheiros antes de expressar minha indignação, cada um o faz à sua maneira, a minha é esta. Inclusive, como conseqüência desse meu desabafo, me vi na necessidade de me desligar da banda, para não lhes tirarem a liberdade de optar por comprar essa briga ou não. Comprei-a sozinho, porque é o que mandou minha consciência. Alguém disse que a forma como os artistas são tratados reflete a saúde de uma sociedade. Espero que tenhamos dias melhores (e cabeças melhores) pois esta cidade merece.

Fábio Dwyer

Florianópolis, 30 de setembro de 2008″

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

Hoje eu tô pro crime!

30 de setembro de 2008 1

Koostela
Encontro vocês lá no Blues Velvet (Rua Pedro Ivo, Centro) nesta terça, a partir das 22h, para mais uma carnificina no show de calouros da Zuleika. La Gonga hoje estará do jeito que o juri gosta, só ovelhinhas prontas para o abate.!!! Todos lá!

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

We love Toicinho

30 de setembro de 2008 3

Dia 6 de outubro, próxima segunda-feira, todos lá no TAC para conferir o lançamento do doc Sistema da Animação, de Alan Langdon e Guilherme Ledoux. Às 20h o filme será exibido. Depois uma jam em homenagem ao mitolóigico Toicinho Batera, recheada de convivas, dentre eles Nene Batera. Noite histórica, registro dos mais justos!

 

 

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

Aí tem!!!

29 de setembro de 2008 2

Notinha que publico amanhã na Contra, mas solto aqui para uma reflexão coletiva:

“Nossa repórter SCI “Lois Lane” nos trouxe uma constatação assaz reveladora sobre a identidade ou paradeiro da polêmica crítica Aline Valim. Ela encontrou no site Rascunho, de Curitiba, um conto, Pergunte para quem assassinou, de autoria de Aline e que segundo consta no pé do texto fora extraído do seu livro inédito A dança das danações. Coincidência ou não é o mesmo título de um aguardado livro de contos do poeta Marco Vasques, segundo uma reportagem publicada no Caderno Anexo em 2006 e assinada pela jornalista Deluana Buss. Coincidência ou não também, Marco é o único que conhece pessoalmente Aline, que se dizia ser de Criciúma, mas cujo paradeiro passou a ser incerto e não sabido após a encrenca que ela arrumou com a turma do Teatro da Udesc. Agora é aguardar pela noite de autógrafos conjunta de Marco e Aline.”

Poxa Marco e agora? O que é que tu vais explicar para a pobre da Sara  Kane?

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

Sonoridade contemporânea

29 de setembro de 2008 0

Para facilitar, vai o texto que eu publique na Contracapa dia 25. Prestem atenção na programação, acessem o site e não percam esta.

“A organização do Festival de Música Contemporânea Aliança Francesa, que por aqui nos dará o ar da sua graça no período de 1º a 4 de outubro, não poderia ter melhor sorte na escolha de um nome que, embora pouco conhecido entre seus conterrâneos, é uma das maiores referências do gênero no mundo: Jocy de Oliveira. A proeminente compositora brasileira será celebrada no Festival com o lançamento da coleção da Coleção DVD Jocy Oliveira, que reúne seis de suas óperas contemporâneas em sete produções no Brasil e Alemanha, todas compostas no período de 1986 a 2007.
O tema desta primeira edição do Festival de Música Contemporânea será será “Sonoridades diferenciadas para o século 21″, reunindo as mais diversas formas de experimentalismos musicais, da eletroacústica a performance e tradição oral. Serão mostras de vídeo, shows, intervenções artísticas e oficinas que ocorrerão no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC), Fundação Cultural Badesc e Largo da Alfândega. Informações sobre a programação e ingressos no www.affloripa.com.br/festival.

Nesta edição:
_______________________________________________

/// Oficina de Linguagem Musical com* L.C. Csekö (RJ) *

/// Exibição das vídeo óperas contemporâneas de *Jocy de Oliveira (RJ)*

/// Workshop sobre viola com *Ivan Vilela (SP) *

/// Show de lançamento do CD Dez Cordas, de Ivan Vilela (SP)

/// Show com o *Duo Paulo Passos & Joaquim Abreu (RJ)*

/// Lançamento da Coleção DVD Jocy Oliveira + conversa com a artista +
intervenção sonora de Paulo Passos + *Performance interativa de linguagem
musical e multimeios* (músicos convidados + participantes das oficinas +
platéia)

/// Intervenção Musical Urbana com a *Banda Cabaçal dos Irmãos Anicetos (CE)
*

——————————————————————-
*** Ingressos à venda no TAC, no dia do show.
*** Inscrições para a oficina e o workshop devem ser feitas pelo mail
affloripa@affloripa.com.br.
*** Informações: www.affloripa.com.br/festival.

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

Agora convençam o Brüggemann a tirar o "trema"!

29 de setembro de 2008 5

Pois é, nesta segunda, dia do Centenário de Morte de Machado de Assis, o presidente Lula assinará o decreto que estabelece o cronograma de mais uma Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa no Brasil. Alterações que serão implantadas até 2012, de forma gradual. Dentre as mudanças estão o novo emprego do hífen, novas regras de acentuação, a inclusão das letras w, k e y (não confundam com o lubrificante KY!) no idioma e o fim do trema. Sim, caiu por terra o uso daqueles simpáticos pontinhos, mas não para o escritor e articulista aqui do DC Fábio Brüggemann. Ele diz que não aceitará a nova regra, tal qual a revisão ortográfica anterior que mudou o Souza, do nosso poeta simbolista Cruz, para Sousa.

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

Cinema com sopa de butiá!!!!

28 de setembro de 2008 0

Sopinha batizada para celebrar os cinco anos de estimado cineclube Sopão Filmes. Neste domingo, no Pomar das Artes (Rua Antônio Carlos Ferreira, Centro, Capital), Alan Langdon servirá uma seleção etílica de produções independentes locais e nacionais. A partir das 19h30min, com entrada franca e sopa também. Na projeção os filmes Providência _ Como fazer um comercial de cachaça (Equipe Pintô Sujêra, SC), História da cerveja em Santa Catarina (Andreas Peter, SC), Cuidado! (eu sou alcoólatra) _ Clipe da banda Salto Alto (Koostella, SC), É da Raiz (Ângelo Lima, GO) e Seo Chico, Terra e Alma (José Rafael Mamigonian, SC).

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

E o pau segue pegando!

28 de setembro de 2008 1

Divulgação

Os camaradas da banda Califaliza convidam a rapaziada para um fim de tarde hardcore lá na Célula. Neste domingo, a partir das 18h, os chapas fazem as honras da Ilha junto com os camaradas da Encore para receber a Sugar Kane. Barbadinha, precinho camarada e você ainda salvará o seu domingo!

 

Sugar Kane

Califaliza

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

Põe na tela, Gurcius!!!

28 de setembro de 2008 2

Dando seqüência ao já saudoso Floripa Noise, o rock sai do palco para invadir as telas do Museu da Imagem e do Som (no CIC da Capital) a partir deste domingo, com a maratona de filmes e documentários sobre o gênero. Dá tempo, começa às 19h, com entrada na faixa. A Mostra Floripa Noise segue até quinta-feira e tá recheada de coisas boas. Se liga na programação abaixo:

MOSTRA FLORIPA NOISE: Filmes e Documentários de Rock
 
28 de Setembro (domingo)
19:05h – Curupira: Onde o Pai cura e o filho Pira (Kaly, Ramiro e Deborah, 2007, 40`);
19:45h – Eu Sou Um Pequeno Panda (Gurcius Gewdner, 2008, 10`,);
20:00h – Botinada: A Origem do Punk no Brasil (Gastão Moreira, 2007,110`).

29 de Setembro (segunda-feira);
21:10h – Música Livre (Bruno Carboni e Davi Pretto, 2007, 8`);
21:20h – Hated: GG Allin and The Murder Junkies (Todd Philips, 1993, 60`).

30 de Setembro (terça-feira)
20:45h – Vivendo de Rock no Espirito Santo (Mila Neri, 2007, 20`);
21:05h – Psycho Carnival (Cleiner Micceno, 2007, 98)`.

01 de outubro (quarta-feira)
19:15h – Música de trabalho (Daniel Dias, 2003, 80`);
20:35h – Rural Rock Fest 2008 (Antonio Rossa, 2008, 29`);
21:00h – Repolho: Música sem Parar (Silvia Biehl, 2004, 26`);
21:30h – Sons de uma noite de verão: A Retomada do Ska no Brasil (Daniel Pereira e Felipe Machado, 2007, 70`).

02 de outubro (quinta-feira)
19:10h – Montevideo Unde (Martín Recto, 2008, 50`);
20:00h – O Rock Sergipano: Esse Ilustre Desconhecido (Werden Tavares, 2008, 27`);
20:30h – Tschumistock: A Casa do Rock (Rafael Weiss, 2002, 29`);
21:00h – Sistema de Animação: Teaser (Alan Langdon e Guilherme Ledoux, 2008, 7’);
21:10h – Cade Chiva Knevil (Alan Langdon, 2006, 33’).

Local: Museu da Imagem e do Som/MIS – (CIC) – Av. Governador Irineu Bornhausen (Beira Mar Norte), 5600, Florianópolis.
Entrada franca
Curadoria: Plasticine Cineclube e Cérebro

O que rola hoje!

Botinada – A origem do punk no Brasil

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share

Floripa Noise. Ontem e hoje!

27 de setembro de 2008 7

Arte Galvão

Floripa Noise 2008. A paulada continua hoje (informe-se sobre a programação e ouça as bandas aqui) à noite na Célula, a partir das 22h com Pärächämäs, Stuart (que chega), Euthanasia (que vai), Dimitri Pellz, Os Ambervisions e Daniel Belleza & Os Corações em Fúria. Preparem os ouvidos, a segunda noite da primeira edição do festival idealizado pela rapaziada da Insecta – Cultura Independente vem mostrando os caninos. Direto na jugular, promovendo sensações adversas e contagiantes, como a estréia dos camaradas da Stuart, banda blumenauense que radicou-se em Sampa e consegue se estabelecer com méritos no mapa do rock independente nacional. E lançam o novo CD O Teatro que Celebra a Extinção do Inverno, obra das mais carismáticas e bem boladas. Antes assistem também os “caçulas” de Blu, Pärächämäs que vem com uma proposta mais divertida e orquestral. Sugiro que cheguem cedo para ver estes rapazes, vale muito. E aí a noite descarrega seu baú de maldedes com a derradeira apresentação em Floripa do Euthanasia – seguirá para a reserva até o final do ano -, Dimitri Pellz, Os Ambervisios (e sua missa negra) e os glamurosos arrenegados Daniel Belleza & Corações em Fúria. Poderio total.

Ontem, um consistente e barulhento público venceu a água e compareceu à Célula para a estréia do Floripa Noise. Uma confra dígna dos saudosos tempos do Underground, uma pulsação bacana, gente muito fina e arrenegada nos palcos. Logo na entrada a gente já dava de cara com o painel ainda fresco do live paint lucha libre do chileno Hugo e do alemão Avignom. Só não consegui ouvir o Say Hooo!

Levei o Lorde Seben para o apavouro e lá encontramos a catrefada esclarecida do rock da Ilha, enquanto no telão rolava aquelas obras cinematográficas salientes do Zimmer e o pau começava a cantar forte com Gizmo (fazia tempo que eu não via o Carlão empunhando uma guitarra!), Cochabambas (Noventa é o cara e irmão do Chiara!), Kratera, Cassim & Barbária (foi bárbaro mesmo, garotos), O Lendário Chucrobillyman (cada vez sou mais fã desse cara) e os estileiras do Sick Sick Sinners. Vamos combinar, há quanto tempo vocês testemunham tamanha reunião de bons roqueiros. Punk, folk rock, indie, psicodélico, lisérgico, experimental, surf music, rockabilly, heavy, hard core, isso é não é festival, é purificação coletiva! E daqui a pouco estaremos lá para mais essa missa estranha em culto ao Senhor Piedoso Rock and Roll!!

Amém!

Postado por Marcos, Floripa

Bookmark and Share