Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Barraco global

06 de maio de 2010 36

Ontem uma pessoa me perguntou por que não estou no twitter, por que não tenho facebook, por que não abro um perfil no orkut e por que não uso MSN. E não fez todas essas perguntas por curiosidade. Senti em sua voz um tom de cobrança, como se o fato de eu ter optado em passar ao largo dessas ferramentas fosse algo prepotente de minha parte, como se eu estivesse me exibindo, me achando. O que é uma contradição, porque tudo o que eu não estou a fim é de ficar ainda mais exposta do que já fico através das crônicas. Mas assim é a vida, não se pode andar na contramão. O fato é que nem que eu quisesse eu teria tempo para ficar atualizando isso tudo. Vejam o blog. Bem que eu tentei, mas reconheço que ele não cumpre o prometido. Não consigo fazer as entrevistas que eu gostaria de postar, não faço tantos comentários sobre livros e filmes como deveria, não coloco fotos, e quando apareço – e tenho aparecido menos do que era pra ser - é para um papo muito rápido. A verdade é que minha vida deu uma acelerada nesse último ano, o número de compromissos e viagens a trabalho aumentou, tenho tido algumas propostas para projetos paralelos que me tomam tempo para realizar. E ainda por cima não tem chovido ideia nem para as crônicas. O mundo é repetitivo, e eu tenho sido também. Com essa overdose de informações, tudo já nasce com cara de notícia de ontem.

*

Não acontece com você, de vez em quando, de sentir uma nostalgia de uma época em que tudo era mais misterioso, incógnito, secreto, inatingível? Eu tenho sentido uma certa tontura com tanta gente falando ao mesmo tempo. E esse “tanta gente” me inclui. Eu não tenho tanto assim pra dizer. Eu não tenho opinião sobre tudo. Eu acho que andamos intoxicados por tantos “eus”.

*

Taí uma ideia pra crônica.

*

Considere o texto acima um desabafo, uma reflexão e um pedido de desculpas.

*

Hoje, em vez de se dedicar a blogs, twitters e facebooks, tire 20 minutos para ouvir uma palestra da escritora Isabel Allende, cujo link estou postando abaixo. Veja como é bacana ver uma mulher defender o direito de outras mulheres, e fazer isso com muito bom humor e comoção ao mesmo tempo. Ouça a voz emocionada dela, repare no seu informalismo mesmo diante de uma plateia de intelectuais, leia no rosto dela como ela acredita no que está dizendo. O mundo virtual tem coisas boas, lógico. Uma delas é poder compartilhar com vocês esse vídeo.

Bom final de semana e até a próxima!

Comentários (36)

  • Laís diz: 16 de maio de 2010

    Oi Martha!
    Sempre leio seu blog, hoje resolvi comentar. Acabei de ver o video sobre a Isabel Allende.. achei o video muito bom, concordo com tudo o que ela diz. Obrigada por proporcional atraves do seu blog essas informações.
    Outra coisa, eu e uma amiga vivemos compartilhando as suas crônicas, no meu aniversario ela me deu o teu livro: Divã.
    O livro está otimo, mas o filme é muiiiiito bom tb!

    Bom… so passei pra te dizer essas coisas. Suas cronicas são otimas, o teu trabalho é DEZ!
    Parabens!

  • Andressa Collet diz: 6 de maio de 2010

    Querida Martha,
    também estou resistindo ao pedido de entrar no Twitter, visto que o Orkut me foi apresentado desde sempre, entrei no Facebook para maior contato com colegas italianos e no LinkedIn (sim! tem ainda esse social network pra contatos profissionais em nìvel internacional), e me vejo saturada. Sendo que ainda quero viabilizar um site para artigos. Aiuto! … diriam os italianos pedindo ajuda… O mundo corre e parece que nao estou sendo àgil pra acompanhar!

  • Aranda lima diz: 6 de maio de 2010

    Olá Martha…Nem acreditei qd vi na caixa de e-mails um e-msil enviado por vc. Fiquei crazy!!! Aff..fiquei até nervosa. Bom, adorei q vc tenha respondido e mais ainda adorei a SINCERIDADE. Suuuper obrigada. Bj grande e krinhoso.

  • Jéssica Pacheco Donato diz: 7 de maio de 2010

    Maravilhoso!

  • Silvia Mara Silveira da Rocha diz: 6 de maio de 2010

    Oi Martha!
    Recebi essa palestra por email e fiquei fascinada. Amo cada livro dela, mas ao vê-la falar fiquei ainda mais apaixonada.
    Amo seu trabalho também. Suas crônicas são nossos “eus”, nos libertam, nos emocionam. Mas aqui, no blog, a proximidade da verdade é ainda mais latente. Não preocupe-se com a, suposta, falta de atualização. A vida real não é tão programada e por isso tudo é tão mágico.
    Beijos

  • vera diz: 7 de maio de 2010

    Querida Martha:
    Temos muito em comum:tbm sou cronista e poeta(quando tenho inspiração e tempo)e tenho uma afinidade de idéias incrível com vc. Não encontro tempo para aderir a tantas ferramentas eletrônicas,nem blog tenho. Escrever para jornais e revistas, ser mãe, esposa, psicóloga,mulher já está de bom tamanho,e ainda consegue me deixar em débito comigo. Mas nunca com a leitura de suas deliciosas mensagens no blog.Parabéns por todo o seu sucesso, mesmo sem o que te cobraram.Beijo grande.

  • rafael pacheco diz: 7 de maio de 2010

    boa, mas acho que as ferramentas são de cunhos diferentes, e vai de acordo com cada um, acho importante telas.
    bjo ..

  • Carolina diz: 7 de maio de 2010

    Obrigada, Martha, por tua clareza e lucidez!Falamos demais, ouvimos d menos!
    Estamos tão em falta d conteúdo,q qndo encontramos alguém q fala com sentido queremos em todos os lugares e mais e mais! Adoro tuas crônicas, livros…etc! Obrigada por compartilhar teus pensamentos, o blog é um instrumento d contato direto, fico pensando se na época do Drummond pudessemos comentar com ele nossas opiniões,como seria?
    Certo q nos sentimos import e menos invisíveis podendo dialogar c quem pensa e atua…

  • Clarissa diz: 7 de maio de 2010

    Eu e um amigo comentamos um dia desse: “chique mesmo é não ter Orkut”. Beijos!!

  • Fleur diz: 7 de maio de 2010

    Eu tenho saudade, mesmo, é do tempo em que as palavras eram escritas por inteiro, as pessoas se olhavam nos olhos e se cumprimentavam nas ruas, e a educação de alguém não era vista como segundas intenções. Do tempo em que roupas eram cortadas e costuradas, e não tiras mínimas coladas num pedacinho da bunda. Do tempo em que artista era quem contribuía com a arte, e não quem apareceu no BBB.

  • Luana diz: 8 de maio de 2010

    Martha, simplesmente AMO seus textos…na verdade quando pego um texto seu para ler já sei que vou gostar, porque em todos encontro algo meu, uma parte minha que parece que foi decifrada pelas tuas palavras. Incrível esse teu “poder”, tua sensibilidade, experiência e simplicidade conseguem traduzir os mais enigmáticos sentimentos que habitam o ser humano.
    Me sinto tua amiga quando leio as crônicas, os livros..parece que estamos batendo um papo…
    Parabéns pelo teu trabalho!

  • Shayane Azevedo diz: 9 de maio de 2010

    Fato tipico, sempre quando encontro uma Zero hora em algum lugar, vou diretamente pras tuas colunas, por que nelas eu encontro um refugio de todas aquelas noticias iguais, de toda aquela tragédia, teus textos colorem um pouco o meu dia.Eu pretendo fazer jornalismo, tenho apenas 17 anos, não sou lá a pessoa que melhor escreve na minha idade, longe disso,eu quero colorir o dia das pessoas.Obrigada pelos teus textos que me inspiram,dê uma o no meu blog se tiver um tempo.Abraço.

  • Roselaine diz: 8 de maio de 2010

    Vc merece todo esse reconhecimento ! consegue ser tao boa quanto sidney sheldon!!! bjs! tdo de melhor p/ vc!

  • Adriana Rübenich diz: 8 de maio de 2010

    Martha, assisti ontem Doidas no Teatro do Leblon, adorei!! Os atores estão ótimos e o roteiro ficou muito bom, costurando vários textos seus do livro. Parabéns!! Beijos da sua conterranea!!

  • Luiz diz: 9 de maio de 2010

    É justamente por isso que não gosto de você como escritora e cronista. Como alguém que tem tão pouco a dizer ocupa tanto espaço na mídia? Muita gente por aí tem MUITO a dizer e está na penumbra. Se fosse eu, teria vergonha e pedia um período sabático para tentar me reciclar.

  • Cristina diz: 7 de maio de 2010

    Bom dia Martha, vc tem razão. São tantas notícias amontoadas, tantos “eus” literalmente fora do armário, tantos acontecimentos que ainda não puderam ser digeridos. Fico pensando em como ainda assim a gente fica sem assunto, sem vontade de se expreessar. Sentindo canseira deste monte de nada! Só espero não ficar sem o seu blog, suas crônicas e seus livros. A leitura deles é uma viagem ao agradável. Muito obrigada! Abraço carinhoso, Cristina

  • Angela Mafra de Moraes diz: 7 de maio de 2010

    Querida Marta: não se preocupe em se desculpar por não acompanhar esta “modernidade” que nos “obriga” a ser o que os outros esperam, a estar 24h por dia ligados. Se passarmos uma semana, num local bem tranquilo, sem ligacao com o mundo, quando voltarmos, tudo estará como foi deixado, nada é tão urgente quanto ter que viver apenas. Bj

  • Gustavo Quadra diz: 7 de maio de 2010

    Concordo com você com essa exposição virtual…Tenho orkut para manter amizades distante um pouco mais perto (o MSN serve para isso tb), tenho familiares aí no Sul….rs
    Quanto ao blog, ahhh, vc não tem que ser metódica no aqui, aqui vc faz o que quiser, escreve o que tem para hoje…Não precisa se chicotear por isso. Adoro esse bate-papo informal virtual e o público agradece!

  • Lígia Pazetti diz: 8 de maio de 2010

    Martha,
    Amo os seus textos e achei o máximo o seu desabafo aqui no blog. É engraçado como as pessoas só sabem cobrar e dar palpites, sendo que só você sabe o que é o melhor pra você.
    Eu tenho 24 anos, ainda sou nova,
    mas quando era adolescente ficava horas e horas no MSN conversando. Agora nem tenho mais paciência pra internet. Entro, respondo os emails, scraps, leio uns blogs que acompanho, mas não é mais aquela mesma paixão sabe?
    Agora prefiro gastar o meu tempo
    com coisas mais reais.

  • Gladis Helena diz: 11 de maio de 2010

    Ah Martha não se cobre tanto,sinal de sabedoria ficar sem escrever por alguns dias se ñ há nada para dizer.No entanto ñ desista do espaço já que como disse uma das leitoras:o mundo anda tão árido,as notícias tão tristes e ruins(dá ibope)pelo menos aqui no teu blog sempre podemos ler ou reler coisas positivas,que nos fazem pensar,sorrir,sonhar e acreditar.
    bjão

  • Carlos Santos diz: 16 de maio de 2010

    Me encontrei.
    Quando toda a boiada vai para um sentido, eu vou para o sentido contrário da boiada.
    No meio em que vivo, fui pioneiro em possuir objetos de desejo: tive a primeira calculadora digital, o primeiro relógio digital, a primeira câmara fotográfica digital (não falo câmera como todos falam).
    Até o momento não consegui utilidade para o telefone celular, não tenho.
    Orkuts e assemelhados, nem pensar.
    Será que é para não acompanhar a boiada ou para me sentir superior.
    Fico em dúvidas.

  • veridiana bervig da silva diz: 8 de maio de 2010

    Martha, te acho uma mulher para lá de inteligente e sensacional, porque têm um tipo de inteligência rara. Sempre brinco que quando crescer quero ser parecida contigo. beijão da tua fã.
    veri

  • Nathi Hecz diz: 9 de maio de 2010

    Oi, minha flor! Não te cobra tanto em relação ao blog. É um presente termos esse meio de contato contigo, te admiro por ter topado esse desafio. Escreva o que tem vontade! Quando der pra postar entrevistas/fotos/dicas,ótimo, mas se não, tudo bem! Relaxa =). Tu te exibindo e te achando?! Tudo o que não faz. Tá óótimo com o blog e o e-mail – além das crônicas e oportunidades de te ver pessoalmente. Nem te estressa. Assim que der assisto ao vídeo, tá?! Semana de simulado, ui. Feliz Dia das Mamães!

  • Auci diz: 13 de maio de 2010

    Obrigada a voce, Martha..s sempre!

  • Lenita diz: 11 de maio de 2010

    Achei esse vídeo bárbaro..assim como o outro que vc postou há alguns dias.
    Espero que eles continuem aparecendo ehehe
    bjs

  • Sandra Maria Florencio Lima diz: 7 de maio de 2010

    Olá Martha !!
    Descobri você através da minha irmã Suely, adoreiiiiiii seu jeito de escrever sobre o cotidiano das mulheres de forma leve, realista,reflexivo e engraçado.
    A primeira crônica que li foi Merly Strep chorai por nós, folheando aleatóriamente o livro Topless sem a pretensão de lê-lo naquele momento, nossa, que surpresa boa, fiquei logo sua fã.Depois veio Divã e outros virão.
    Continue sempre assim.

  • Anita diz: 7 de maio de 2010

    Martha!
    Concordo contigo:tudo está tão claro, tão revelado, que ninguém quer mais saber o que há nos bastidores.Tenho um orkut mais por insistência do emu filho, mas twiter, msn, facebook, nem pensar..Que atire as pedras quem nunca se sentiu espionada…
    Isabel Alende:amo, sou fãzona.Dela li tudo que me caiu nas mãos, desde A casa dos espíritos,Eva Luna, Paula até A Soma dos Dias, biografia recheada de sinceros depoimentos.Adoro!
    Lindo dia das mães prá ti!

  • evangelina roca diz: 7 de maio de 2010

    Martha, concordo contigo em genero e numero… Realmente não há tempo para atender bem tanta demanda… Minha vida pessoal não é tão agitada quanto a tua, sou mais velha e sou aposentada porém…. o corpo e a mente necessitam um tempo para elaborar as ideias; é com tanta ferramenta eletrônica a disposição, corremos o perigo de usa las só para mandar e receber besteiras… A eletrônica na nossa mão é maravilhosa e a uso para tudo q necessito…. porém o meu tempo continua sendo-o muito mais! Bj!

  • Silvia Amélia Doria diz: 9 de maio de 2010

    Martha, você tem o dom de colocar sob a forma da palavra escrita (e bem escrita) muitos dos meus pensamentos e sentimentos nunca compartilhados. Por isso, me sinto tão sua cúmplice e tão feliz por ter esta sintonia com uma pessoa que admiro tanto. Você foi cirúrgica ao falar da “tontura” em ouvir “tanta gente falando ao mesmo tempo” e que andamos “intoxicados por tantos `eus`”. Tenho refletido muito sobre isso ultimamente… E obrigadíssima por sugerir o vídeo da Isabel Allende. Um bálsamo. Bj.

  • Luana diz: 7 de maio de 2010

    Martha, eu admiro muito seu trabalho, seus livros e crônicas são espetaculares. A pouco vi o vídeo e achei muito interessante, ela é uma mulher de fibra mesmo, apaixonada que luta por um mundo bom, quase perfeito. Gostaria de comentar sobre o livro Mulheres de aço e de flores de Fabio de Melo que fala sobre mulheres e Deus, alguns trechos são fantáticos, principalmente o da Primavera. Aí vai uma sugestão diante tantas que acomponho no seu blog. Um grande abraço.

  • eloisa helena martins rodrigues diz: 6 de maio de 2010

    Comprendi bem sua mensagem, acho. E para comemorar o Dia das Mães, o vídeo foi e será propagado! Obrigada Martha, mulher maravilhosa!
    Elô

  • Bruna Lopes diz: 7 de maio de 2010

    Oi Martha, acompanho teu blog sempre que posso, e o video da Isabel Allende é maravilhoso. :D
    Deixa eu te falar, tu podias trazer a peça Doidas e Santas pra macapá né?
    Adoro teus textos, teus livros, você é a melhor de todas! :D
    beijinhos!

  • Helaine Póvoa diz: 7 de maio de 2010

    É, Martha, o mundo virtual tem coisas bacanas, sim, mas sinto no ar um certo exagero, uma exposição além do razoável. Pra quê tanto desespero em se exibir, em expor intimidades para o mundo? Prefiro sempre o recolhimento e a garantia da minha privacidade. Também sou cobrada por não estar no twitter, por não ter facebook e nem orkut e por não usar o MSN. Pra mim, basta o e-mail. Tenho mais o que fazer, como ler e reler seus livros, por exemplo. Beijos!

  • Olga diz: 8 de maio de 2010

    Ah, Martha, dou o maior valor a você, só o esforço de fazer o blog pra nos atualizar sobre a sua agenda já é muito mais do que eu espero de uma escritora de sucesso assim como você.

    Deixa esses credores sem futuro para lá! Nos que te adoramos de verdade, queremos mais é que você continue a nos deliciar com seus livros!

    Bjo grande.

  • Thayane Sobral Cardoso diz: 8 de maio de 2010

    Querida Martha, adoro seu jeito de escrever, seja aqui no blog ou em seus livros. Você escreve com paixão e isso me encanta demais.
    Obrigada por compartilhar esse vídeo da maravilhosa Isabel Allende.
    Continue enriquecendo nossas vidas!SOU SUA FÃ!

  • Alfredo diz: 19 de maio de 2010

    Isabel Allende é uma bruxa poderosa, uma fêmea abençoada, filha de um idealista que
    morreu lutando. Quanta verdade e quanta sabedoria ela tem no coração, por herança e por si mesma, e pelas mulheres mágicas da sua família. Li “La casa de los espíritus” e fiquei impressionado com a força do seu texto. Uma feiticeira dessa região encantada, abaixo da linha do Equador. Enquanto houver mulheres assim nós homens estaremos salvos!
    Que venha o matriarcado. Quero ser o zangão dessas abelhas-rainhas.

Envie seu Comentário