Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Teatro a artes plásticas

26 de setembro de 2010 25

Antes de partir, deixo aqui alguns comentários prometidos. Fui assistir à peça In on It e gostei bastante. Não é uma peça fácil – sempre que há metalinguagem, a coisa fica mais elaborada, mas o que curti foi testemunhar o ofício de dois grandes atores, e ver o quanto o bom teatro é capaz de se comunicar com recursos mínimos, e ainda assim criar um universo. No palco, duas cadeiras, um casaco que passa de um ator para o outro, e a luz. A iluminação ajuda a contar a história. In on It é um laboratório, dois atores à procura de uma cena, de uma conexão e de uma explicação pra vida. Simples assim, complicado assim. Mas fascinante.

*

Cada vez mais me irrita a necessidade que a plateia tem de rir de qualquer coisa. Quando fui ver Maria do Caritó, com Lilia Cabral, tinha uma moça ao meu lado que ria absolutamente por nada, ria quando Lilia entrava em cena em silêncio, ria de coisas sem graça alguma, ria porque ela saiu de casa com essa intenção: se não rir, é sinal de que não se divertiu, e a noite estará perdida. É verdade que algumas coisas nos fazem rir a valer, mas existe o riso silencioso, o riso cerebral, o riso interno, que é uma manifestação menos escrachada do humor. Mas sinto que as pessoas não se contentam em achar graça em particular, elas precisam gargalhar em voz alta, mesmo quando a graça não é tão explícita. Aconteceu de novo em In on It. Gente forçando. Marcando presença com um riso tipo: “foi pra isso que eu saí de casa”. É uma coisa que me enerva: transformar a arte em circo.

*

Ontem fui prestigiar o lançamento do livro de Heloisa Crocco, Topomorfose. Que tarde agradável. O estúdio da Heloisa fica às margens do Guaíba, e peço licença aos não moradores de Porto Alegre para explicar: a capital do Rio Grande do Sul, essa cidade onde vivo, tem uma zona sul e uma zona norte muito delimitadas, sendo que a zona sul é quase outro país, às vezes fico inclinada a levar meu passaporte quando vou atravessar pro lado de lá. O estúdio da Heloísa fica no estrangeiro, e cada vez mais tenho apreciado esse lado da cidade, tão mais conectado com a natureza. A palavra-chave do trabalho da Heloisa é justamente “natureza”. Sua matéria-prima é a madeira, e é impressionante o que ela consegue fazer com lascas, vísceras de troncos, sulcos, folhas, sementes, tudo que vem da terra. Cada vez mais, a natureza tem sido a minha religião.

*

Obrigada pelos elogios à entrevista com Roberto D´Avila, Também fiquei bastante satisfeita com o resultado. Quem quise assistir (ou rever), é só acessar o site: http://www.tvbrasil.org.br/conexaorobertodavila/

*

Estou fazendo a mala para partir amanhã de manhã cedíssimo (cedo mesmo, tenho que estar às 5h da manhã no aeroporto, ainda bem que acordar com as galinhas não é um problema pra mim). Estou tentando fazer a mala mais enxuta do mundo, sou boa nisso, mas é New York, caramba. Temos espetáculos agendados, o que exige uma certa compostura indumentária. E infelizmente a previsão é de muita chuva essa semana. E está fazendo calor de dia e frio à noite. Mala enxuta nessas condições, complica. É preciso estar preparado para as intempéries. Mas vou dar um jeito. Menos bagagem, sempre! Em todas as circunstâncias da vida.

*

Agora sim, tchau. Vou num pé e volto no outro. Num piscar de olhos estarei de volta.

Beijos!

Comentários (25)

  • Priscila diz: 26 de setembro de 2010

    Moro na zona sul e ela foi muito bem descrita por ti, praticamente um lado “praia” da cidade de porto alegre. Sou apaixonada por olhar da janela o por do sol no guaiba. PAZ. Obrigada e parabéns pelo teu sucesso no país inteiro.

  • Dodora Pereira diz: 26 de setembro de 2010

    Faça uma boa viagem e leve a mala mais enxuta que puder, e olhe se não comprar outra lá, mesmo sem querer ficamos consumista. Sei que deve ter muitas dicas, mas se quiser comer uma noite bem depois que sair do teatro vá no restaurante “Carmine’s”, lindo de se ver e ambiente bem novaiorquino (donos italianos), e peça de sobremesa Tiramisu. Fica na 44, perto da brodway, bem pertinho do teatro que está o Rei leão, não me lembro mais o nome do teatro. Beijos e boa viagem!!!!

  • Gustavo Quadra diz: 26 de setembro de 2010

    Martha, entrei aqui por entrar, como sempre, e nem acreditei que tinha outro post! rsrs
    Gente, vc tem bolas de cristal. Fiquei p da vida quando fui ver a peça com a Ana Beatriz Nogueira que a plateia tava rindo muito, tinha um cara que ria exatamente assim: de tudo! Estava me irritando, fiquei pensando que eu que era um velho chato que ão ria das coisas. Soltei uns dois risos sim, aqueles inseguráveis, gostosos de dar. De resto, fiquei avaliando as palavras saindo da boca da atriz…
    Que bom que tem gente achando que as pessoas estão rindo demais! rsrs

    Beeeijão e agora sim: boa viagem!

  • Lígia Pazetti diz: 26 de setembro de 2010

    Martha,

    Dizem que New York é realmente incrivel, quem sabe, um dia eu não tenho a chance de
    conhecer também este lugar.
    Boa viagem.
    Bjos

  • viviane diz: 26 de setembro de 2010

    Marta:
    calma Marta.
    A frase “Cada vez mais me irrita a necessidade que a plateia tem de rir de qualquer coisa.” é policialesca.Intimidatória.Seja mais flexível.Os jornalistas querem pautar tudo.são fiscais da moralidade.De comportamento.Os lornalistas no cotidiano decidem até se as mulheres devem gostar menos de homens de cabelos brancos.Que bom que as pessoas riem de qualquer coisa.Senti um certo ranço e mau-humor no texto.Pega leve Marta.Estava do teu lado na peça.E se tu imaginaste porque ri “de qualquer coisa”…tu irías te divertir.É que no noite anterior vi estrlas a noite toda.Eu disse a noite toda!Eu sei que muitos (a) cronistas do cotidiano não entendendem isto.Mas acontece…..(rsrs).Beijos

  • Marco Severo diz: 26 de setembro de 2010

    Não consegui rever a entrevista pelo link que você postou. Acho que ainda não está disponível por lá.

    De qualquer forma, pela enésima vez, faça uma vez viagem ESTUPENDA, Martha. Leve-se e traga-se de volta como você sempre foi pra gente: dona de seu tempo e atemporal.

    Kisses and hugs (pra você ir treinando o seu inglês hehehe)

    Marco.

  • Laura - diz: 26 de setembro de 2010

    Reconheceu você,quis chamar a sua atenção e chamou,pena que
    pro lado negativo e lhe incomodando,né…

  • Juliana Amaral diz: 26 de setembro de 2010

    Oi Martha, to aqui em NY tb, me avisa se posso encontrar voce. se nao for te atrapalhar e se voce precisar de qualquer dica me avisa tb, vc tem meu email.

    Beijos no coracao

    Juliana Amara

  • Chiara diz: 26 de setembro de 2010

    Boa Viagem Martha!

  • Leninha Ramos diz: 27 de setembro de 2010

    Boa Viagem, Queridaaaaaa!!!!
    Divirta-se.
    beijosss da Leninha

  • cristina brasil diz: 27 de setembro de 2010

    Amiga,
    eu me lembro da fulana que ria a esmo… Meu DEUS…. e pior que isso, mal educada. Iamgina se todos resolvessem rir assim?
    Enfim, muita coisa para este povo aprender.
    Sua elegância ensina.
    Beijo e muito linda viagem! Esqueci de te ligar.
    Como eu estou egoísta!
    Beijo lindo!
    Cristina

  • Marta Martinez diz: 27 de setembro de 2010

    Martha,

    Vi a sua entrevista no Conexão e achei 10. Super natural, realista, lúcida e transparente.
    Também assisti a peça DOIDAS & SANTAS. Além do trabalho maravilhoso do elenco, e em especial da Cissa, me reconheci em vários trechos do texto, da peça. É por isso que adoro o seu trabalho : pq quase sempre, você escreve aquilo que sinto, penso, reflito. Obrigada por suas palavras. Boa viagem !!!
    bjs.

  • Gabi diz: 27 de setembro de 2010

    Muito, muito… Sua fan!

  • Marco Severo diz: 28 de setembro de 2010

    Uma hora dessas a Martha já deve estar curtindo MUUUUITO por Nova York. Será que ela já lembrou da gente, hein? Sinceramente? Espero que não. É o momento dela ser egoísta e se desligar total. Hehehe Aproveita aí, Martha! Estamos todos mandando AQUELA super vibe pra você!

  • Tiago diz: 28 de setembro de 2010

    Seguinte acho que existem algumas profissões que não mereciam férias, jornalistas e escritores, na minha opinião não se encaixam neste rol, entretanto para a regra valer deve haver uma exceção, assim se eu pudesse a proibiria de sair de férias… Porque? simples para que o blog fosse sempre atualizado a intervalos pequenos de tempo a nós não ficássemos órfãos…

  • Washington Luiz diz: 28 de setembro de 2010

    Oi Martha, sou um grande admirador seu e queria receber críticas suas a respeito das coisas que escrevo, como faço para que Você conheça? tem um poema inspirado no seu texto “o mulherão”
    beijos!

  • Camila Branco diz: 28 de setembro de 2010

    Também assisti a peça In on It aqui em Sao Paulo e adorei!! Concordo plenamente quanto a sua crítica sobre esse pessoal que ri por qualquer coisa!! é realmente muito chato, tira atenção dos outros. Normalmente esse povo não está acostumado assistir peças e seu humor é pouco refinado (já que riem por tudo). Sou estudante de teatro e percebo claramente os diferentes tipos de público.
    Que vc aproveite muito NYC, meu grande sonho é conhecer essa cidade!!

    Abraços;

  • Jéssica Loiane diz: 28 de setembro de 2010

    Boa viagem Martha!
    Sou sua fã!
    Obrigada por tudo!
    Abraço

  • Hanny Binder diz: 30 de setembro de 2010

    Obrigada por fazer dos meus dias melhores!!
    De todo o meu coração, você é incrível!

    A maneira como você escreve me acalma, me ajuda, me motiva, me faz pensar…=]

    Beijossss

  • Fernanda diz: 1 de outubro de 2010

    Oi, Martha! Publicamos a entrevista que fizemos com você para o nosso Blog, o Blog da Eclectic. Está tendo uma ótima repercussão. Obrigada pela atenção e disposição conosco. Foi ótimo o contato! Conte sempre. Mil beijos, Fernanda Moreira http://www.eclectic.com.br/blog

  • Vilson diz: 1 de outubro de 2010

    Oi Martha!
    Não consegui assistir a sua entrevista, acho que não colocaram no site ainda… Alguém conseguiu?
    esga21@hotmail.com
    Abraços!!!

  • Roberta Becker diz: 2 de outubro de 2010

    Oi Martha,
    Sou sua ” mega fã”.
    Sou gaúcha, mas atualmente moro em SP e leio sempre “vc” hehe.
    Estou finalizando meu MBA em Gestão Estratégica de Projetos na FGV e escolhi o tema “Análise do Setor de Moda Brasileira na exportação, identificando a presença da gestão de projetos em casos de sucesso e de insucesso.”
    Gostaria, muito, muito, muito de ter um comentário seu sobre o tema, sobre seu conhecimento das empresas de moda que estão se internacionalizando.Será que vc teria como me ajudar????
    Muito Obrigada e Parabéns pelo seu trabalho.

    PS:Coloquei este post aqui pq não achei outra forma de entrar em contato com vc mas podes apagá-lo.

  • Katia diz: 2 de outubro de 2010

    Olá Marta!
    Boa viagem! Sou sua fã! Já li um livro seu de crônicas: DOIDAS E SANTAS, mas a peça ainda não tive a oportunidade de ver. Além do filme DIVÃ, que amei de paixão! E li algumas crônicas suas que circulam por emails. Sempre dou uma olhadinha aqui mas é a primeira vez que comento e pra discordar ( a chata-risos) Porque sou atriz e achei curiosa a sua observação sobre os expectadores que riem muito na platéia. É claro que nós atores tb nos surpeendemos com uma risada num momento descabido, mas na maioria das vezes vemos a isso como uma forma de interação da platéia, uma resposta, um incentivo, um estímulo, uma aprovação. Quando o expectador reage dessa maneira, ele nada mais quer que se comunicar com os atores, é como se ele dissesse: “Eu to adorando, vão em frente!” E não necessariamente “estou achando engraçado”, visto que o riso é a forma mais provável de se comunicar com os atores durante a encenação. Os atores percebem a platéia até na respiração, mas a grande magia do teatro, da interpretação ao vivo é exatamente essa troca com a platéia e o riso é sem dúvida a mais alegre e feliz delas. Pense nisso e pergunte aos seus amigos atores o que eles acham, sem dúvida daria uma crônica bem interessante. Todo sucesso do mundo pra vc!!!! Vc é muito talentosa!
    Bjs
    Kátia

  • Vilson diz: 4 de outubro de 2010

    Oi Martha!
    Estou aqui novamente. Gosto muito de ler seu blog e de ver o que as pessoas, que também a acompanham aqui, postam a cada publicação sua…
    Bem, o que queria dizer é que achei muito bacana o que a Katia, que é atriz, postou aqui, pois ela discorda da sua opnião quanto ao riso exagerado na platéia. Digo isso por que gosto muito de como você pensa e é justamente quando eu encontro um ponto em que “debato” com você pontos de vistas diferentes a respeito de um assunto que percebo claramente que o que mais me fascina em você é seu grande talento em instigar os seus leitores, imagino que seja muito mais comprometida com a “provocação”, com a possibilidade de gerar movimentos, de desafiar-nos a um posicionamento próprio quanto a sua pauta. Por vezes me parece que você nos pergunta: como você se sente em relação a isso? Narcisicamente falando, é poder reconhecer a nossa própria crítica a partir de seus textos e constatar o quão estimulante é a nossa (que atrevimento…rsrsrs) Martha (não, não estou te chamando de guaraná cerebral). Um abraço bem apertado!!!
    Vilson

  • Ana Maria Medrado Dias diz: 4 de outubro de 2010

    Sou diretora do Cam- Centro de Atualização da Mulher que funciona em Ipanema.E´um curso de cultura geral e para mulheres.Nossa empresa existe há 28 anos e gostaria de fazer uma palestra evento com vc.Quem devo procurar?

    Acho que seria muito interessante ter esse contato com vc.O Rio de Janeiro te aprecia demais.

    Aguardo notícias
    atenciosamente
    Ana maria medrado Dias

Envie seu Comentário