Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Filmes"

Woody Allen mais uma vez

29 de novembro de 2010 33

Fui assistir ao novo filme do Woody Allen, “Você vai conhecer o homem dos seus sonhos”, que não traduz literalmente o título original “You will meet a tall dark stranger“, ou seja, “Você vai conhecer um estranho moreno e alto”, que serve como metáfora para a morte. O cineasta empacou nessa temática: a vida não tem significado e, cedo ou tarde, crau. Por mim, ele pode empacar nesse tema à vontade. Compartilho com ele o fascínio por essa busca infrutífera pelo sentido da vida. Caso a gente aceitasse de fato que esse sentido inexiste, quase a totalidade dos nossos problemas desapareceriam.

No entanto, não saí deslumbrada do cinema. Achei o filme agradável, que é o mínimo que se pode achar de um filme de Woody Allen. É leve, despretensioso, e de uma graça muito sutil, muito mesmo, quase imperceptível. Gostei, mas não gamei, como costumo gamar em quase todos os outros. O filme do primeiro semestre, “Tudo pode dar certo”, achei bastante superior. O problema foi o roteiro? Não sei. Tenho impressão de que o elenco não foi bem escolhido, ainda que muitos críticos digam que é justamente o que salva o filme. Naomi Watts é bonitinha, mas não brilha. Antonio Banderas não diz a que veio, totalmente insosso. Anthony Hopkins, que é um ator extraordinário, parece não ter tido tempo suficiente para absorver o papel que lhe deram.

Josh Brolin não convence como escritor fracassado, e Freida Pinto é a indiana lindinha que foi revelada em “Quem quer ser um milionário”, mas num papel ínfimo que não lhe permite nenhum grande momento. As duas melhores atuações são de Gemma Jones como uma sexagenária em crise e Lucy Punch como garota de programa. Você não conhece a maioria deles? Toque aqui, eu também não conhecia.

Na saída do cinema, ouvi um comentário de uma espectadora: “Que maravilha!”. Sendo eu uma fã absoluta de Woody Allen, me deu saudade de mim mesma, eu é que costumava dizer essa fala, mas o fato é que não achei uma maravilha. Óbvio que tempo perdido tampouco foi, Woody Allen sempre encanta pelo despojamento, pela classe, pela trilha sonora e pela direção extremamente naturalista, mas “Você vai conhecer o homem dos seus sonhos” não matou minha abstinência habitual: fiquei ainda mais ansiosa pelo seu próximo filme.

————

Mudando totalmente de assunto e me permitindo compartilhar com vocês minha vaidade, segue o link para a leitura do texto que o Tony Belotto postou em seu blog na revista Veja. Quem tem amigos, tem tudo.

http://veja.abril.com.br/blog/cenas-urbanas/cenas/quem-tem-medo-de-martha-medeiros/

Beijos!

Sex and the city 2

03 de junho de 2010 29

Olá!

Pois é, fui falar mal do Sex and the City 2 antes de assistir e não deu outra: gostei! Acho que é a velha história da reversão de expectativa. Fui esperando nada e… bom, o filme está longe de ser tudo, claro. Mas me diverti. Foi mais ou menos como folhear uma revista: moda, decoração, viagens e o papo de sempre: como encontrar soluções pessoais pra ter uma vida mais legal. A parte fashion me irrita um pouco: quem é que iria pro meio do deserto de salto alto? Quem usaria aqueles vestidos estilosos para fazer compras num mercado de rua? Quem usaria aquele megachapéu dentro de um avião? E o que são aquelas ombreiras de gladiadora da Samantha na noite do karaokê? Mas não dá pra querer realismo de Sex and The City, as locações servem apenas de passarelas para as meninas (sejamos gentis) desfilarem seus modelos de grife. E tem o Marrocos, né? As filmagens foram feitas todas lá. O aeroporto é o de Marrakesh, o hotel em que Carrie janta com o ex-namorado também é em Marrakesh… aliás, eu conheci!!! Chama-se Amanjena, um hotel deslumbrante, exclusivíssimo, afastado do centro, silencioso, discreto, perfeito para vips que não querem ser incomodados – o que estava longe de ser o meu caso, fui de xereta, apenas para almoçar. Disseram na época que a Hillary Clinton estava hospedada lá. Se estava, pediu o almoço no quarto ou foi comer um cuscuz no mercado, porque no restaurante não pintou. Enfim, ver na telona o deserto, os camelos, o souk (mercado) e tudo mais me fez relembrar a belíssima viagem que fiz em novembro  passado, e me deu a maior vontade de retornar…

*

Calma, madame. Aterrisa.

*

Uma das discussões do filme, sem grandes aprofundamentos, é sobre relacionamentos a distância. A agora casadíssima Carrie (Sarah Jessica Parker) e seu Mr. Big pensam em se conceder dois dias off por semana, ou seja, cada um no seu canto, fazendo suas coisas, para encarar os outros cinco dias com mais saudade e disposição. Carrie não está muito satisfeita com a proposta, até que ela tem uma conversa com um empregado do hotel que diz que só vê a esposa de três em três meses e acha que está tudo bem assim, ao menos os reencontros são maravilhosos. Isso faz ela reconsiderar…  Muita gente pede que eu escreva sobre esse assunto, e nunca escrevi, mas a verdade é que já vivi isso, e estou vivendo de novo. Namoro há quatro anos um homem que, em função do seu trabalho, passa temporadas fora do Rio Grande do Sul. Já morou no interior de Santa Catarina, de São Paulo, de Minas Gerais, do Rio de Janeiro, e a gente sempre fez malabarismo para se encontrar. Nos víamos de 15 em 15 dias, às vezes de 20 em 20. Depois ele passou um bom tempo aqui em Porto Alegre e agora teve que assumir um trabalho longe de novo: mais três meses fora, e o malabarismo voltou. É bom pra relação? É ruim?

*

No nosso caso, não chega a ser um sufoco. Não somos casados, cada um tem seu apartamento, seu trabalho, sua rotina. A distância nos possibilita ter mais tempo livre, e não há como negar, a saudade potencializa os reencontros, a gente passa a dar mais valor para os momentos em que estamos juntos e não perdemos tempo com picuinhas cotidianas. Mas claro, tem um preço. Pra quem é muito ciumento, pode ser uma complicação. E nem sempre é possível estar junto em momentos especiais, como aniversários de amigos, ou mesmo para assistir aos jogos da Copa. Mesmo hábitos banais se tornam raros de ser compartilhados. Como ir ao cinema, por exemplo.

*

Você já passou por uma experiência assim?

*

Beijos!!

Entrevista

27 de maio de 2010 14

Olá, people.

Passei rapidinho aqui para me despedir, amanhã cedo voarei para Goiânia, e às 17h estarei participando do seminário “Só para Mulheres”, será um bate-papo informal. Pra quem não pode estar em Goiânia, deixo aqui postado uma entrevista minha que acaba de ser colocada no ar pela revista Domínios, é só clicar no link:

E deixo também uma dica de filme: O Preço da Traição, mais uma tradução preguiçosa e clichê, pois o título original é apenas “Chloe”. Filme erótico na medida, com a excelente Julianne Moore, minha atriz predileta já faz algum tempo. O final é meio bizarro, mas é um thriller interessantíssimo. Vale conferir. Ainda deve estar em cartaz nos cinemas do Brasil.

Volto logo, beijos!

http://www.revistadominios.com.br/default.asp?pagina=dm146&revista=cotidiano

Homem de Ferro

15 de maio de 2010 18

Sou louca pelos filmes do Woody Allen, não é segredo pra ninguém, e não foi diferente com Tudo pode dar certo, gostei do começo ao fim (aliás, que monólogo no início do filme!). Em 90 minutos de projeção, está ali resumido o que entendo por sanidade mental: a aceitação da nossa total falta de controle sobre o destino e o bom humor para enfrentar nossas próprias contradições. Porém, gostar de Woody Allen não faz de mim uma intelectualóide xarope, e a prova disso é que ontem me esbaldei assistindo Homem de Ferro 2, com o espetacular Robert Downey Jr – que acaba de assumir o primeiro posto entre meus atores favoritos. Não que eu seja muito chegada a filmes de ação, não sou. Mas como já havia gostado do primeiro Homem de Ferro, fui conferir a continuação e me deliciei com os diálogos rápidos e inteligentes, com a participação sarcástica de Mickey Rourke, com as eletrizantes cenas gravadas num fictício GP de Mônaco, com a trilha sonora recheada de AC/DC (sonzeira que não ouço normalmente, mas que casou superbem com a montagem) e ainda o prazer de ouvir o clássico do The Clash… should I stay  or should I go?

*

Taí uma pergunta que anda martelando minha cabeça: should I stay or should I go? Detalhes nos próximos capítulos.

*

Dia 28 de maio estarei em Goiânia, e terça próxima, dia 18, estarei no Rio participando do evento “Leitura em Ação”. Segue o release que está circulando na rede. Beijos!

Martha Medeiros é a convidada do
Ciclo Leitura em Ação no CCAC
A Ação da Cidadania realiza no dia 18 de maio, terça-feira, mais um encontro do ciclo Leitura em Ação, desta vez com a presença da escritora Martha Medeiros, poeta e cronista de O Globo. Leitura de textos feita pela própria autora, debate e sorteio de livros autografados estão incluídos na programação do evento, que acontece às 18:30h, no Centro Cultural Ação da Cidadania (RJ), e tem como tema Vozes femininas na literatura: cotidiano em verso e prosa”. A entrada é gratuita.
Entre os textos lidos, estão algumas das poesias publicadas nos livros “Cartas Extraviadas” e “Poesia Reunida”, e mais as crônicas “O Grito”, “Desejo que desejes”, “A minha felicidade não é sua”, “A importância de perder peso”, “Vai, vai, vai viver” e “O que mais você quer”, entre outras.
Idealizado com o objetivo de difundir a literatura brasileira contemporânea e formar novos leitores, o ciclo tem como público-alvo as lideranças da Ação da Cidadania e alunos da rede pública de ensino, mas está aberto ao público em geral. Serão 10 encontros, realizados mensalmente sob a curadoria da escritora e pesquisadora Suzana Vargas (Estação das Letras).
Além da formação de platéia para a leitura, o ciclo Leitura em Ação complementa e integra o projeto Espaços de Leitura, criado e desenvolvido pela Ação da Cidadania com a implantação de bibliotecas móveis em comunidades pobres do país. Com capacidade para armazenar de 150 a 200 volumes, elas são abastecidas com os livros doados à campanha Natal sem Fome dos Sonhos.
Esta segunda edição do ciclo foi iniciada em abril deste ano e teve como convidados os escritores Zuenir Ventura e Ruy Castro. Inserido na atual política de incentivo à leitura da Ação da Cidadania, como forma de inclusão social, o projeto conta com o patrocínio da Oi e da Secretaria Estadual de Cultura do Rio de Janeiro, através da Lei de Incentivo à Cultura, e o apoio cultural da Oi Futuro.
SERVIÇO:
Ciclo Leitura em Ação
Data: 18 de maio de 2010 (terça-feira)
Horário: 18:30h
Local: Centro Cultural Ação da Cidadania – Av. Barão de Tefé, 75 – Saúde – RJ – Telefone: 2233-7460
Entrada franca – 300 lugares
Leitura de textos, debate e sorteio de livros, com a presença da escritora Martha Medeiros