Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 1 outubro 2009

Se fosse verdade ...

01 de outubro de 2009 0

Propaganda simula vida de James Dean caso ele não tivesse morrido aos 24 anos.

 

 

Postado por Ju Lessa

Filmes em filmes

01 de outubro de 2009 0

Eu sou apaixonada por Meg Ryan. Ela é uma fofa, querida e protagonista de duas das comédias românticas que mais gosto. Harry e Sally – Feitos Um para o Outro (When Harry Met Sally…) e Sintonia do Amor (Sleepless in Seattle) são dois filmes que marcaram época. Sem perder a docilidade do estilo (o jeitinho fofo de Meg jamais deixaria isso acontecer), abordam todas as neuroses e medos presentes nos relacionamento modernos, de uma maneira leve e divertida.


Tarde Demais para Esquecer: tragédia e muito sofrimento

O olhar delicado de Nora Ephron está presente no roteiro do primeiro, dirigido por Rob Reiner em um de seus momentos de inspiração divina, e na direção do segundo. Ambos têm Nova York como um cenário fundamental e a Big Apple está romântica e encantadora nos dois filmes. Mas o principal motivo que me faz amar muito Harry e Sally e Sintonia do Amor é o fato dos dois fazerem referências claras a dois outros filmes pela qual sou apaixonada – e que já entraram na lista dos filmes para chorar.


Harry e Sally: dúvidas e mais dúvidas

Em um dos momentos mais bacanas dos encontros e desencontros do problemático casal Harry (Billy Crystal) e Sally, eles estão em suas respectivas casas, assistindo a um mesmo filme. E qual é o filme? Só podia ser Casablanca. Em meio a conversas e divagações sobre a vida, eles começam a discutir o final do filme e tudo o que levou Ilsa Laszlo a largar Richard Blane, seu grande amor, no aeroporto de Casablanca, para seguir para os Estados Unidos com Victor Laszlo, seu companheiro oficial e, acima de tudo, homem por quem sempre nutriu grande admiração e respeito.


Casablanca: como Ilsa conseguiu deixar Richard?

Sempre que assisto a este cena em Harry e Sally, também começo a pensar em como teria sido a vida se Ilsa tivesse seguido o coração ao invés da razão. Ela conseguiria ser feliz abandonando uma história de luta com Victor para cair nos braços do único homem por quem realmente foi apaixonada? O cotidiano de uma vida sem grandes aventuras em Casablanca, ao lado de Richard, seria suficiente para uma mulher que sempre se arriscou por seus ideais? Será que ela teve seu final feliz ao deixar o seu lado racional e o seu senso de dever falar mais alto? Ou será que o que ela sempre quis era realmente sair de Casablanca com Victor e o que sentia por Richard era só remorso por tê-lo abandonado em Paris? Apesar de amá-lo muito, será que no fundo ela não sabia que seria impossível ter uma vida a dois com Richard? Será…? Será.. ? Será …? Como sou fã de Humphrey Bogart tenho propensão a sempre pensar que Ilsa escolheu errado e que ela teria sido muito feliz ao lado de Richard, embora o sentimento de culpa fosse uma constante na vida de ambos. Mas Casablanca merecia o final que teve.


Sintonia do Amor: Empire States novamente em cena

Sintonia do Amor faz alusões a um dos filmes mais triste do cinema. O Empire States novamente é palco de uma história de amor, agora entre Tom Hanks e Meg Ryan. Mas foi o clássico Tarde de Mais para Esquecer (An Affair to Remember) que serviu de inspiração para o pequeno Jonah ter a magnífica ideia de marcar um encontro entre seu pai e uma de suas pretendentes. No primeiro filme, um segundo de descuido separou por muito tempo Cary Grant e Deborah Kerr, causou uma tragédia, sofrimentos, dúvidas e muitas lágrimas do público. No segundo filme, não há tanta tristeza, apenas uma ansiedade para que, finalmente, o casal de pombinhos se encontre e seja feliz para sempre, junto com o menino fofo que causou todas as confusões. Claro que nenhum ator chega aos pés de Grant, um eterno galã, mas Tom está muito meigo e apaixonante. E o Empire State continua lindo e perfeito no imaginário de pessoas românticas como eu.

Postado por Ju Lessa