Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2010

Melhores Frases - Parte 4

31 de março de 2010 11

Pegue a manteiga (Go get the butter)– clássica, clássica, clássica.  Frase C.L.Á.S.S.I.C.A.


Com certeza o café da manhã de muitos fãs de Bernardo Bertolucci e Marlon Brando nunca mais foi o mesmo depois da sequência que inclui esta frase. O Último Tango em Paris (Ultimo Tango a Parigi, 1972) é um dos filmes mais famosos do diretor e a cena da manteiga é uma das mais polêmicas do cinema em geral. Devido a esta cena, e a algumas outras, o filme foi censurado em vários países, inclusive no Brasil, aonde só chegou em 1979. O filme foi tão marcante que a própria protagonista, a francesa Maria Schneider, atribuiu vários problemas de sua vida às filmagens do longa (menos, né querida?).

O Último Tango em Paris conta a história de uma paixão destinada ao fracasso entre um norte-americano de meia-idade e uma jovem francesa. O homem está na cidade-luz tentando superar o suicídio de sua esposa e a garota está para se casar com seu noivo. Eles se encontram e vivem um intenso relacionamento, cheio de amarguras, violências emocionais e diálogos densos, muitas vezes sem noção, outras tantas recheados de críticas profundas à humanidade. Talvez tenha sido esta degradação humana que Bertolucci quis deixar evidente em cenas como à da manteiga (para quem não sabe, Marlon Brando usa a manteiga como lubrificante para fazer sexo anal com a jovem). O fato é que muita gente enxerga milhares de significados profundos neste filme (confesso que eu estou um pouco neste time), outros o vêem apenas como um filme erótico e tem aqueles que o odeiam e o acham completamente sem-noção. A grandeza de Bertolucci talvez seja esta: fazer um filme chocante, que pode ser interpretado de diversas maneiras, e conseguir tirar o espectador de seu estado catatônico.

Você me faz querer ser um homem melhor (You make me wanna be a better man)

Jack Nicholson mais uma vez dá vida a um tipo esquisito e apaixonante. Em Melhor é Impossível (As Good As It Gets, 1997), o ranzinza e problemático Melvin Udall (Nicholson) declara com esta frase seu amor a Carol Connelly (Helen Hunt), a garçonete mãe solteira de um filho com sérios problemas respiratórios que o ajuda na missão de levar seu vizinho gay (Greg Kinnear) ao encontro da família. Atuações impecáveis (Nicholson e Helen ganharam os Oscar de Melhores Ator e Atriz), um roteiro bem desenvolvido, diálogos inteligentes, direção exclente pelas mãos de James L. Brooks e uma trilha sonora muito bacana (Hans Zimmer no melhor estilo ‘bossa-nova para americano’) fazem de Melhor É Impossível um filme leve e emocionante, daqueles que a gente sempre vai ter um carinho especial.

Bota na conta do Papa

Capitão Nascimento e companhia dando fim a mais um mau-elemnto. Tropa de Elite é um grande filme. E novamente aquele conjunto de coisas: grandes atores em interpretações maravilhosas, roteiro sensacional, direção ótima. José Padilha matou a pau neste filme que, como de costume no cinema brasileira, tem as favelas cariocas como cenário. Só que neste caso ele inova nos mostrando o ponto de vista de quem é responsável por manter a ordem social numa sociedade partida (isso me lembrou o livro Cidade Partida, de Zuenir Ventura – o blog é de cinema, mas uma ótima dica de leitura). E mais ainda: com muita coragem Padilha colocou o dedo na ferida e mostrou todos os lados de uma guerra que não acaba nunca, sem poupar absolutamente ninguém.

Guerreiros, venham aqui brigar

AMO este filme. Ele é péssimo, terrível, mas é um daqueles clássicos imperdíveis na TV. E de tão bizarro, virou cult (ou de tão cult, virou bizarro).  Os Selvagens da Noite (The Warriors , 1979) é sobre uma gangue de adolescentes de Nova York que é perseguida por todas as outras gangues da cidade após ser acusada injustamente do assassinato de Cyrus, o lider da maior gangue da cidade. E como é o nome da gangue destes jovens? GUERREIROS !!!! Após terem a cabeça a prêmio, eles precisam voltar para o seu bairro, Coney Island, onde estarão novamente seguros (de vez em quando, a boca de uma mulher ao microfone aparece narrando a fuga deles pelos metrôs de NY – BIZARROOOOOO!).

A frase em questão é dita pelo verdadeiro assassino, que matou Cyrus para assumir o poder absoluto sobre todas as gangues de cidade. Ele finalmente foi desmascarado e diz isso aos Guerreiros chamando-os para a grande batalha . O filme ganhou status de cult e influenciou gírias, músicas e ganhou fãs no mundo inteiro (INCLUSIVE EU), apesar de não ter sido um grande sucesso de bilheteria no lançamento.

* Outra cena clássica é quando os Guerreiros lutam contra a gangue dos Baseball Furies (uns caras caracterizados como jogadores de baseball, rostos pintados de vermelho e branco – BIZARRO2!!!!). Mas isso fica para outra sessão ‘remember’!

* Ah sim, e o diretor Walter Hill é também responsável por um dos maiores cláááássicos do anos 80: Ruas de Fogo!

Aboadica Itapema

31 de março de 2010 0

Simplesmente Complicado

E mais eu na fita. Me ouçam aqui !!!!!

Respostas

31 de março de 2010 0

Para Maurício: oi Maurício, tudo bem? Obrigada pela participação. No filme, Santoro é um dos amantes do personagem de Jim Carrey. O seu papel é importante, mas não deve ser tão relevante. Nos cartazes originais não há a imagem dele. Aqui no Brasil devem ter colocado para chamar a atenção do público.

Para Pedro: qual texto você esta se referindo? By the way, acho que o talento de Jim Carrey inquestionável.

Para Rai e Emílio: demorei para responder porque achava que já havia visto este filme mas não me lembrava. Agora lembrei. E realmente vi. Acho até que numa sessão de tarde. O filme é muito fofo. Vou rever para colocar na lista. Valeu a dica!

Para Iuri: obrigada pela dica. Não vi ainda, mas verei o mais breve possível.

Para Isadora: queridaaaaaaa! Não perde Laços de Ternura. É lindo, lindo, lindo. E muuuito triste! Daqueles que a gente adora!

Para Rodrigo: A Lista de Schindler ainda não entrou nesta lista, mas já esteve numa outra de filmes sobre o Holocausto. Mas com certeza merece lugar nas continuações.

MEDO!

31 de março de 2010 2

O monstro Godzilla voltará às telonas em 2012 pelas mãos do estúdio Legendary Pictures e da Warner Brothers, informou a revista Variety. O Legendary Pictures anunciou que conseguiu os direitos sobre a criatura e que se associará à Warner Brothers para produzir e financiar a nova incursão de Godzilla nos cinemas.

O monstro foi o protagonista de dezenas de filmes no Japão depois da Segunda Guerra Mundial. Em 1998, foi lançada a superprodução hollywoodiana “Godzilla”, dirigida por Roland Emmerich. O filme arrecadou cerca de US$ 400 milhões no mundo todo. (EFE)

Filmagens de The Dark Fiels, com De Niro, começaram em NY

30 de março de 2010 0

Dirigido por Neil Burger (O Ilusionista) The Dark Fields, reúne Robert De Niro (O Touro Indomável), Brandley Cooper (Se Beber, Não Case) e Abbie Cornish (Brilho de Uma Paixão) num roteiro de Leslie Dixon (Thomas Crown – A Arte do Crime) e baseado no livro homônimo de Alan Glynn. As filmagens começaram hoje em Nova York e a estreia está prevista para o segundo trimestre de 2011.

Na trama, Eddie (Cooper) é um escritor que nunca emplacou um sucesso, até ter acesso a uma poderosa substância, que lhe permite usar a capacidade total do seu cérebro. Nos dias atuais, onde, notícias e conhecimento, trafegam nas páginas da Internet, nas antenas dos celulares e nas telas das TVs, em velocidade cada vez mais assustadora, ter poder para armazenar e capacidade para relacionar todas elas, será uma grande dádiva. Porém, quando um misterioso magnata (De Niro) entra no cenário Eddie desconfiará que ele não passa de apenas mais uma peça, numa engrenagem muito mais complexa.

O Golpista do Ano – que título lamentável!

30 de março de 2010 3

A Imagem Filmes divulgou o primeiro cartaz nacional do filme O Golpista do Ano. No elenco Jim Carrey, Ewan McGregor e…. Rodrigo Santoro.

No filme, Steven Russell (Carrey) é um policial texano que decide assumir sua homossexualidade. Porém logo ele descobre que, para ser gay, é preciso ter muito dinheiro. Ele passa a realizar diversas trapaças e fraudes, de forma a manter seu alto padrão de vida. Ao ser preso, Steven é levado a uma penitenciária estadual. Lá ele conhece Phillip Morris (Ewan McGregor), seu companheiro de cela, por quem se apaixona. A partir de então Steven passa a fugir e ser preso diversas vezes, sempre agindo em nome de seu amor. O filme é uma adaptação de um livro Houston Chronicle é baseado em fatos reais.

A previsão de estreia no Brasil é 4 de junho. E finalmente. Dificuldades na definição de uma distribuidora nos Estados Unidos – mais especificamente devido a certas cenas picantes entre Jim Carrey e Ewan McGregor – atrasaram por vários meses a estreia por lá. A situação foi tão grave que a produção chegou a cogitar lançar o filme direto em DVD. Ainda bem que tudo foi resolvido a tempo. Ah, o puritanismo norte-americano!

A única coisa deprimente é o título em português. Muitas vezes é necessária uma adaptação no título e até há situações (raras) em que a tradução é melhor que o original. Mas aqui não é o caso. Sinceramente, não entendo porque as distribuidoras, muitas vezes, optam por títulos lamentáveis quando a simples tradução literal seria muito mais interessante. No caso, o título original I Love You Phillip Morris.

Forever After

30 de março de 2010 0

A Paramount divulgou a primeira imagem oficial de Shrek Para Sempre.

FOFO!!!!!!

MTV Movie Awards abre votações na internet

30 de março de 2010 0

A MTV abriu as votações para a escolha dos indicados na 19º edição do MTV Movie Awards, o prêmio anual de cinema do canal que será entregue no dia 6 de junho no teatro Gibson de Los Angeles.

Esta é a segunda vez que a MTV coloca a escolha dos indicados nas mãos da audiência. São 13 categorias, incluindo Melhor luta, Melhor beijo, Melhor vilão e, é claro, Melhor filme.

Os telespectadores podem votar no site da MTV ( http://www.mtv.com) até o dia 9 de abril, quando a urna virtual será aberta mais uma vez, dessa vez para designar os vencedores do Golden Popcorn entre o dia 11 de maio e 5 de junho. O prazo para escolher o Melhor filme continuará aberto até o começo do evento no dia 6 de junho, às 18h local de Los Angeles (23h, Brasília).

EFE

Promoção – Chico Xavier – O Filme

29 de março de 2010 1

O quê? Mas já não teve? Vai ter outra?

A reposta é SIM!!!!

O filme entra em exibição na próxima sexta, dia 2, dia em que o espírita completaria 100 anos.

Então, se você não participou da promo anterior ou participou e não foi   selecionado, tem outra chance agora. O esquema é o mesmo: clique aqui e resposta à pergunta:

Se você pudesse ter contato espiritual com alguém que já partiu, com quem seria? Por quê?

As dez respostas mais criativas ganham um par de ingressos cada. A promoção vale até o dia 6, terça-feira. O resultado será divulgado às 18h do dia 7.

SOBRE O FILME: Baseado no livro As Vidas de Chico Xavier, do jornalista Marcel Souto Maior. O filme descreve a trajetória de Chico Xavier, que viveu 92 anos desta vida terrena desenvolvendo importante atividade mediúnica e filantrópica. Vida conturbada, com lutas e amor. Seus mais de 400 livros psicografados consolaram os vivos, pregaram a paz e estimularam caridade. Fenômeno? Fraude? Os espíritos existem? Para os admiradores mais fervorosos ele foi um santo. Para os descrentes, no mínimo, um personagem intrigante.

Diretor(es): Daniel Filho

Roteirista(s): Marcos Bernstein

Elenco: Nelson Xavier, Tony Ramos, Christiane Torloni, Anselmo Vasconcellos, Carla Daniel, Ana Rosa, Giovana Antonelli, Giulia Gam, Leticia Sabatella, Matheus Costa, Angelo Antonio, Kassia Kiss, Pedro Paulo Rangel, Paulo Goulart, Cássiu Gabus Mendes

Filmes para Chorar – Parte 6

29 de março de 2010 5

Laços de Ternura (Terms of Endearment, 1983) – os altos e baixos do relacionamento entre uma mãe dominadora e sua filha. O filme acompanha três décadas de conflitos, brigas e descobertas amorosas das duas, que no findo se amam muito. Aurora (Shirley MacLaine, em uma atuação magistral que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz) nunca aceitou as escolhas de sua filha, Emma (Debra Winger), que decidiu se casar ainda jovem com Flap (Jeff Daniels) e se dedicar à família. Anos depois, já com três filhos, Emma descobre, quase que ao mesmo tempo, que está com câncer e que seu marido a está traindo – tragédia pouca é bobagem! Por outro lado, Aurora começa a se interessar por um vizinho, o ex-astronauta e paquerador Garrett Breedlove (Jack Nicholson sempre estranho e charmoso).

James L. Brooks, em sua primeira direção e que lhe rendeu um Oscar, abusa no sentimentalismo e faz um filme lindo e emocionante. E nos leva às lágrimas, obviamente. Destaque para as cenas com Shirley MacLaine e Jack Nicholson, verdadeiras aulas de interpretação. Laços de Ternura também ganhou os Oscar de Melhor Filme, Melhor Roteiro Adaptado (baseado num livro de Larry McMurtry e escrito pelo próprio Brooks) e Melhor Ator Coadjuvante, para Jack Nicholson. Aliás, a parceira entre o diretor e Nicholson deu tão certo que se repetiu em 1997 com Melhor É Impossível (As Good as It Gets)  e rendeu ao ator seu terceiro Oscar, o segundo como protagonista.

 

 

Ghost – Do Outro Lado da Vida (Ghost, 1990)

“ Oh, my love, my darling
I’ve hungered for your touch, a long lonely time
And time goes by, so slowly and time can do so much
Are you, still mine?”

E foi assim, com Unchained Melody ao fundo, que Patrick Swayze habitou os sonhos de milhares de mulheres do planeta que assistiram a este filme. Saindo de uma apresentação de teatro, Sam Wheat (Swayze ) é assassinado na frente da sua mulher, Molly Jensen (Demi Moore, em uma de suas melhores atuações). Só que ao invés de partir, espírito de Sam fica na Terra a fim de desvendar o real motivo de sua morte e proteger sua amada. Para isso, ele tem a ajuda de uma médium trambiqueira que se faz passar por médium e acaba descobrindo que realmente consegue se comunicar com os mortos.

Um dos pontos altos do filme é a atuação de Whoopi Goldberg, que até lhe rendeu um Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante – acho que depois de A Cor Púrpura é o único filme com ela que realmente presta (mais um ponto para Patrick Swayze, pois foi ele quem convenceu os produtores de que Whoopi seria perfeita para o papel). O filme também ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original. O diretor Jerry Zucker, que já havia feito o engraçadíssimo Apertem os Cintos… O Piloto Sumiu (atenção, outro para a lista de clássicos sessão da tarde), bem que tentou emplacar outro filme choroso com Lancelot, O Primeiro Cavaleiro, mas depois de Ghost ele não conseguiu mais se superar. Também pudera, só de lembrar Demi Moore com os olhos marejados e Patrick Swayze finalmente dizendo que ama (depois de tantos “Idem”) já me emociono. Imbatível!

 

Vênus (Venus, 2006) – o grande, o magnífico, o fenomenal, o praticamente eterno Peter O’Toole protagoniza esta sensível história sobre amor, envelhecimento e solidão. Maurice (O’Toole) e Ian (Leslie Phillips) são velhos amigos e veteranos atores ingleses. Maurice, apesar da idade avançada, continua trabalhando como ator, mas já sente o peso da sua idade prejudicar sua profissão. A vida de ambos muda quando Jessie (Jodie Whittaker), a sobrinha-neta de Ian, vai morar com ele depois de fazer um aborto. Ian logo perde a paciência com Jessie, que também não faz o menor esforço para agradá-lo. Maurice logo simpatiza com ela e passa a levá-la para conhecer pontos culturais de Londres. Aos poucos ele se apaixona por Jessie, mas precisa lidar com sua condição física de recém-operado da próstata e o gênio irascível dela, que muitas vezes também o maltrata.

Poderia ser a história típica de um homem mais velho que se encanta por uma garota bem mais jovem ao estilo do drama Lolita ou do musical My Fair Lady. Mas o grande achado do filme de Roger Michell é justamente não ter o peso de uma tragédia, nem a leveza superficial de um filme meigo. O roteiro de Hanif Kureishi é sólido, sem nenhum sentimentalismo ou referências ao amor romântico ou sexual. Graças a isso, as seis décadas de diferença de idade entre os dois não causam estramentos s e o foco fica no vazio existencial destas duas pessoas que buscam a si mesmo na figura do outro. Enquanto Maurice precisa de Jessie para sentir vivo, Jessie encontra nele um jeito de sentir especial para alguém. No elenco ainda a magnífica Vanessa Redgrave, como a esposa distante de Maurice.