Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Um palacete na Avenida Júlio de Castilhos

25 de abril de 2014 0

Cartão-postal, provavelmente do início da década de 1930, destaca o palacete e a Igreja Metodista. Foto: acervo pessoal de Maria Helena Balen, divulgação

Para alguns, o antigo palacete do médico Rômulo Carbone. Para outros, a mansão da família De Carli. Para os mais jovens, uma agência do Banco Itaú. As referências para a esquina da Av. Júlio de Castilhos com a Rua Marechal Floriano, defronte ao Hospital Pompéia, são muitas.

Na foto acima, um antigo cartão-postal (provavelmente do início da década de 1930) destaca o extinto casarão, então residência do Dr. Carbone, e a Igreja Metodista. O templo se mantém até hoje, com algumas modificações na escadaria de acesso – na imagem do postal, a Júlio ainda não havia sofrido o rebaixamento.

O “Bilhete Postal”, conforme grafia no verso, era um dos tantos editados pela Livraria Saldanha, endereço que marcou época dois quarteirões acima, na Júlio com a Visconde. As imagens são uma colaboração da leitora e colunista do Pioneiro Maria Helena Balen.

Clique nas imagens para ampliar.

O palacete em 1978, época em que foi adquirido pelo Banco Nacional S/A. Demolição ocorreu pouco tempo depois. Foto: Scalco, divulgação

O casarão em 1978

Adquirida em 1978 para abrigar a sede própria do Banco Nacional, a área do palacete foi tema de uma matéria no Pioneiro de 16 de dezembro daquele ano, época em que discussões sobre preservação do patrimônio histórico e bens tombados ainda engatinhavam.

O título destacava o endereço: Banco Nacional comprou uma das melhores esquinas da Júlio. O tema patrimônio sequer era mencionado.

“O Banco Nacional S/A – o tradicional Banco do Guarda-Chuva – acaba de comprar uma das mais valiosas esquinas da Avenida Júlio de Castilhos. O negócio, com as Lojas Colombo, foi assinado nesta semana que passou e, desde agora, o Banco Nacional S/A já pensa em fazer da esquina das ruas Marechal Floriano e Júlio de Castilhos a sua sede própria em Caxias do Sul, dentro da política do Nacional de apresentar sempre o melhor para seus clientes. Na foto, a casa da esquina, recentemente adquirida pelo tradicional estabelecimento de crédito com sede em Minas Gerais.”

A matéria publicada em 1978, anunciando a nova ocupação da esquina. Foto: reprodução

Outros prédios do entorno

O casarão, que teve a família de Ari De Carli como última moradora, fazia vizinhança com outros prédios icônicos da esquina: o Palacete Rosa, também conhecido como Palacete das Damas de Caridade (responsáveis pela criação do Hospital Pompéia), e a antiga Garagem Modelo, mecânica e primeira revendedora Ford de Caxias do Sul.

Datado dos anos 1930, o Palacete das Damas de Caridade (à esquerda) foi demolido nos anos 1960 para abrigar um anexo do Hospital Pompéia. A imagem acima foi captada do jardim da antiga moradia do médico Rômulo Carbone e posteriormente da família De Carli, bem em frente ao hospital. Foto: Studio Geremia, acervo Hospital Pompéia, divulgação

A Garagem Modelo

A fachada do prédio da Garagem Modelo, datado da década de 1930, começou a ser recuperada em 2013, mas parte dela desabou durante a reforma. Matérias publicadas na época destacavam um logotipo art-dèco original, descoberto após a retirada das placas publicitárias. Infelizmente, com a queda da parede, as letras também se perderam.

A Garagem Modelo, também na esquina da Júlio com a Marechal Floriano, em meados da década de 1930. Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Envie seu Comentário