Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Filmagens de O Caso do Martelo em 1991

05 de maio de 2014 2
Gravações pelo interior reuniram atores e figurantes locais, sob a direção de Paulo José (de barba), em maio de 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Gravações pelo interior reuniram atores e figurantes locais, sob a direção de Paulo José (de barba), em maio de 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Estreia de José Clemente Pozenato no gênero ficção, em 1985, a novela policial O Caso do Martelo ganhou adaptação para a TV e foi ao ar em 4 de junho de 1991, pela Rede Globo, integrando a programação da Terça Nobre. Um mês antes, a equipe de produção, sob o comando do diretor Paulo José, baixou na Serra para as gravações.

Na trama, o delegado Hilário Pasúbio, interpretado por Lima Duarte, chega a pequena localidade de Santa Juliana para investigar a morte do morador Mansueto Gamba, assassinado a marteladas na cabeça. Aos poucos, o investigador descobre que todos no lugarejo de origem italiana possuíam pretextos para o crime. Começa, então, um minucioso estudo das relações familiares e das motivações de cada um dos suspeitos.

Gravação da cena em que o delegado Pasúbio (Lima Duarte) chega ao vilarejo a bordo de seu fusca verde 1969. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Gravação da cena em que o delegado Pasúbio (Lima Duarte) chega ao vilarejo a bordo de seu fusca verde 1969. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Atores Rogério Márcico e Lima Duarte durante as gravações no interior de Caxias. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Atores Rogério Márcico e Lima Duarte durante as gravações no interior de Caxias. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Um flagrante de Lima Duarte durante as gravações em 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Um flagrante de Lima Duarte, o delegado Hilário Pasúbio, durante as gravações em 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Gravações pelo interior reuniram atores e figurantes locais, sob a direção de Paulo José (deitado, com a câmera), em maio de 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Gravações pelo interior reuniram atores e figurantes locais, sob a direção de Paulo José (deitado, com a câmera), em maio de 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Gravações ocorreram em menos de uma semana, em maio de 1991. Especial foi ao ar em 4 de junho daquele ano. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Gravações ocorreram em menos de uma semana, em maio de 1991. Especial foi ao ar em 4 de junho daquele ano. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

O elenco era completado por Elias Gleizer, Ana Kfouri, Rogério Márcico e Ewerton de Castro. O especial também teve a participação de atores e figurantes locais, como João Tonus, Elaine Braghirolli, Inês Zorzi, Antonio Parenti, Alexandre Grazziotin e Daniela Magnabosco.

Três anos depois de O Caso do Martelo, Pozenato viu seu romance O Quatrilho começar a ser filmado em Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Farroupilha. O longa, dirigido por Fábio Barreto, foi lançado em 1995 e concorreu ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

O diretor Paulo José e José Clemente Pozenato durante o jantar de encerramento das filmagens, no salão de festas do escritor, em maio de 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

O diretor Paulo José e José Clemente Pozenato durante o jantar de encerramento das filmagens, no salão de festas do prédio do escritor, em maio de 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

O diretor Paulo José e José Clemente Pozenato durante o jantar de encerramento das filmagens, no salão de festas do escritor, em maio de 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

O diretor Paulo José e José Clemente Pozenato durante o jantar de encerramento das filmagens, no salão de festas do escritor, em maio de 1991. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Lembranças da Serra

Pouco antes de chegar a Serra, em 1991, Lima Duarte havia encerrado a participação na novela Meu Bem Meu Mal. No folhetim, interpretava um milionário que sofia um AVC e permanecia imobilizado em uma cadeira de rodas. Em algumas locações pelo interior, chegou a ouvir “Olha o Dom Lázaro!”

Lima Duarte aproveitou para matar as saudades da Serra, que já havia visitado 30 anos antes. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Lima Duarte aproveitou para matar as saudades da Serra, que já havia visitado 30 anos antes. Foto: Carla Pauletti, banco de dados/Pioneiro

Em entrevista a jornalista Marlei Ferreira, no Pioneiro de 9 de maio de 1991,o ator relembrou a primeira vez na Serra, 30 anos antes:

“Meu primeiro contato com a região foi há mais de 30 anos. Estive aqui com o dr. Assis Chateaubriand. Trabalhava pessoalmente com ele para o lançamento do vinho Velho Capitão, da Dreher. Ficamos uns quatro dias em Bento Gonçalves, numa festa de vinho, onde conhecemos o processo de fabricação de vinho, champanhe e conhaque. Eu trabalha com o dr. Chateaubriand, que era um homem muito doente, e eu falava por ele. Ele era como o Dom Lázaro Venturini agora, e eu era a enfermeira, que entendia como ele falava. Já naquela época eu fui tocado pela beleza da paisagem da região, sem ter podido, em uma semana, conhecer a paisagem humana, como estou conhecendo agora.”

Gravações pelo interior reuniram atores e figurantes locais. À esquerda, os atores Elias Gleizer e Lima Duarte. Foto: Mário Franzen, banco de dados/Pioneiro

Gravações pelo interior reuniram vários atores e figurantes locais. À esquerda, os atores Elias Gleizer e Lima Duarte. Foto: Mário Franzen, banco de dados/Pioneiro

Comentários (2)

  • Beatriz teresa Rossato Finimundy diz: 10 de setembro de 2014

    só agora consigo comentar este especial que foi muito mais que especial para mim. as locações incluiram a casa onde meu pai nasceu em São Marcos da Linha Feijó, o cemitério onde está enterrado com minha mãe, a cantina dos meus primos, um primo no elenco, a Igreja onde estive tantas vzs e a paisagem fabulosa que se vê da torre, além de minha mãe. ainda viva, que estava na equipe que cozinhou para todos os trabalhadores da gravação durante os dias que lá estiveram, conquistando a simpatia de Lima Duarte e os demais. penso que poderia ser reeditado ou reprisado como tb todos os outros especiais que foram muito bons. abraços

  • André diz: 15 de março de 2015

    gostei demais deste primoroso caso policial adaptado do livro para a teledramaturgia! onde posso conseguir baixar esse episódio pela internet? agradeço a quem puder me ajudar! o meu e-mail é andreatl_pr@yahoo.com.br

Envie seu Comentário