Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Alvino Brugalli e uma vida dedicada ao Quartel

17 de julho de 2014 1
Foto: acervo pessoal de Alvino Brugalli, divulgação

Alvino Brugalli (à esquerda) e os colegas Selênio Raug (centro) e Waldomiro Brandelli defronte ao Pavilhão de Comando, no início dos anos 1950. Foto: acervo pessoal de Alvino Brugalli, divulgação

O militar reformado Alvino Melquides Brugalli, 83 anos, é testemunha de boa parte da história dos 64 anos do 3° Grupo de Artilharia Antiaérea de Caxias do Sul, que serão comemorados nesta sexta-feira, dia 18, em solenidade no quartel.

Número 61 da primeira turma, de janeiro de 1950, Brugalli integrou a Bateria de Comando de Serviço e prestou serviços inicialmente como datilógrafo, no então 1° Grupo do 4° Regimento de Artilharia Antiaérea. Servindo em Caxias até maio de 1971, o jovem soldado Brugalli foi promovido a cabo, 3° sargento, 2° sargento, 1° sargento e sub-tenente. Transferido para Ijuí, reformou-se em 1971.

Foto: acervo pessoal de Alvino Brugalli, divulgação

O jovem Brugalli no Posto de Observação, junto à Pista de Aplicações Militares, nos fundos do quartel, em 1951. Foto: Ary Pastori, acervo pessoal de Alvino Brugalli, divulgação

Nesses 21 anos, participou das mais diversas atividades, treinamentos e homenagens no 3° Grupo, além de testemunhar a passagem de pelo menos nove comandantes, do pioneiro coronel Arcy da Rocha Nóbrega (1950 a 1952) até Décio Barbosa Machado (1969 a 1972).

Mesmo após sair da corporação, Brugalli dedicou-se a pesquisas e à história do Exército em Caxias. Mantenedor de um vasto acervo de fotos e documentos, lançou em 2000 o livro O Quartel, por ocasião do cinquentenário do 3° Grupo.

Confira um ensaio fotográfico do 3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm em 1950 clicando AQUI.

Foto: Jonas Ramos

Aos 83 anos, seu Brugalli testemunhou a história e a evolução do Quartel desde 1950. Foto: Jonas Ramos

Foto: acervo pessoal de Alvino Brugalli, divulgação

Alvino Brugalli no Morro do Aviário, de onde era possível avistar os trilhos e as viagens de trem realizadas no trecho de domínio da antiga Viação Férrea do Rio Grande do Sul. Cercanias do Quartel, no início dos anos 1950. Foto: acervo pessoal de Alvino Brugalli, divulgação

Comentários (1)

  • sergio poggi diz: 20 de julho de 2016

    Rodrigo, encontrei o teu site pesquisando sobre o Quartel de Caxias do Sul. Meu bisavô, Coronel Raul Poggi de Figueiredo foi o responsável por sua construção e gostaria de saber se possui maiores informações sobre esse momento.

Envie seu Comentário