Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Parque dos Macaquinhos nos anos 1960: cenário para uma novela policial

25 de setembro de 2014 2
Foto: Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

O mirante construído em 1958 na Rua Os Dezoito do Forte permitia uma visão privilegiada do parque e do antigo pavilhão da Festa da Uva, hoje sede da prefeitura. Foto: Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

O lançamento do livro Crime e Mistério no Parque dos Macaquinhos, na noite desta quinta (dia 25), é oportunidade para se apreciar não apenas uma bem costurada narrativa de ficção, mas também para saber mais sobre a realidade da Caxias do Sul dos anos 1960, período em que se passa a trama.

Logicamente, o cenário principal, O PARQUE, tem sua história recontada em detalhes pelo autor Valdir Kaiser. Confira abaixo um trecho:

Num dos lagos do parque (Getúlio Vargas) havia uma ilha, para a qual foram trazidos cinco macacos de pequeno porte, em 1958. Quem os trouxe foi o engenheiro agrônomo José Zugno, diretor da Secretaria da Agricultura e também responsável pelo local.

Os macaquinhos ganharam casas nas árvores e balanços para brincar. Juntamente com tartarugas e patos, eram objeto de curiosidade e motivo de alegria das crianças. Visitá-los tornou-se programa quase obrigatório das famílias nos finais de semana. Por isso logo foi batizado como “O Parque dos Macaquinhos”.

Tudo transcorreu bem até 1985, quando uma menina desacompanhada dos pais morreu afogada no lago menor, onde hoje é o parque infantil. Devido à repercussão e à pressão da comunidade, culpando a municipalidade pelo afogamento, o prefeito Victório Trez mandou aterrar os dois lagos.

Os macaquinhos foram levados para Sapucaia do Sul, sob as lágrimas dos zeladores do parque, há 27 anos familiarizados com eles. As tartarugas, os peixes e os patos também sumiram. Canteiros de flores deram novo visual e colorido à paisagem.

Confira fotos do parque nos anos 1970 clicando AQUI.

O parque em 1972. Foto: Valdir Kaiser, divulgação

O parque em 1972, com os macaquinhos e a ilha. Foto: Valdir Kaiser, divulgação

O livro

A novela policial Crime e Mistério no Parque dos Macaquinhos é a primeira incursão do publicitário e fotógrafo Valdir Kaiser pelo gênero. Na trama, a jovem Doroti Maria de Abreu é morta por estrangulamento no parque, e a única pista que norteia a investigação do detetive Norberto Barcellos é um alfinete de gravata feito em ouro e rubi – arrancado do assassino durante o embate e encontrado pela polícia junto à camisa da vítima.

Em 120 páginas, Kaiser conduz o leitor a uma saborosa viagem à topografia cultural, histórica e geográfica da cidade de 50 anos atrás, além de ligar seus personagens a ícones do desenvolvimento econômico, como a Metalúrgica Abramo Eberle, a Gazola Travi & Cia e a Kalil Sehbe Indústria do Vestuário.

O público é presenteado ainda com uma nostálgica radiografia dos estabelecimentos que marcaram o cotidiano dos moradores desde o final dos anos 1950, incluindo aí desde lojas, supermercados e livrarias até postos de gasolina, farmácias, clubes, bares e restaurantes.

Quem tem mais de 40 anos vai adorar recordar…

Obs.: As imagens deste post são meramente ilustrativas do parque e não integram o livro.

Foto: Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

O parque no final dos anos 1950, com os jardins floridos nas escadarias e o lago ao fundo. Foto: Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Um mirante e 253 degraus

O caderno Mirante, publicado pelo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami em 2003, traz mais detalhes sobre a história do parque. Os textos reproduzidos abaixo são de Sônia Storchi Fries:

Até 1960, os caminhos internos foram pavimentados. Também foram construídas rampas e as escadarias junto às ruas Alfredo Chaves e Dom José Baréa e à Avenida Vindima. Na Rua Os Dezoito do Forte, em 1958, foram construídos um mirante e duas escadarias com 253 degraus. Ambas foram separadas por canteiros, nos quais cultivavam-se flores de pequeno porte para não comprometer a visão do parque (foto acima).

O ambiente criado a partir desses dois elementos transformou-se num convite: do mirante o transeunte podia admirar a paisagem e depois descer as escadas e passear pelo parque.

Foto: Studio Beux, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

A cascata, a passarela e os degraus do primeiro lago, localizado nos fundos do parque, em um registro durante a nevada de 1965. Foto: Studio Beux, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

A localização do primeiro lago, com lados mais e menos ensolarados, permitiu que, ao longo dos anos, se formasse uma biodiversidade de espécies vegetais e animais. No final dele, existia uma ponte, onde iniciava-se a formação de uma cascata (foto acima). Numa altura aproximada de sete metros, José Zambom construiu dezenas de degraus, onde a água caía e formava a cachoeira. Lá embaixo, um sistema de drenagem canalizava a água que ia juntar-se ao segundo lago.

Na inauguração do parque, em 1954, os dois lagos foram a grande atração. Entre eles existia uma área infantil, com balanços, escorregadores e gangorras, mas o fascínio das crianças eram mesmo os pedalinhos.

Na ilha do primeiro lago, próximo às margens, foram colocados dois postes com correntes, para os macacos fazerem acrobacias. Aos domingos e feriados, no lanche das crianças, bananas, bolachas e pão para os macacos – e até milho para os patos.

Foto: Studio Tomazoni Caxias, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

As amigas Aracy Costamilan e Lydia Lauer passeando na região dos lagos do então Parque de Exposição Getúlio Vargas, em 1958. Repare nas ilhas com os chorões e as casinhas para os patos e macacos. Foto: Studio Tomazoni Caxias, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

O parque coberto de neve em 1965. Foto: Studio Beux, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

O parque coberto de neve em 1965 atraiu centenas de caxienses para fotos. Foto: Studio Beux, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Agende-se
* Crime e Mistério no Parque dos Macaquinhos, de Valdir Kaiser. Editora Letras Brasileiras – 120 páginas
* Lançamento e noite de autógrafos nesta quinta-feira, dia 25, às 19h. Valor: R$ 20
* Local: Salão Dia de Festa Park (Rua Irmão Anastácio, 45, no prédio ao lado da Igreja do bairro Sagrada Família)
* Dia 5 de outubro, às 17h, a obra terá lançamento também na Feira do Livro de Caxias.

Foto: reprodução

Livro custa R$ 20 e tem lançamento nesta quinta, dia 25. Foto: reprodução

Comentários (2)

  • nilton santos diz: 25 de setembro de 2014

    Parabéns para o Valdir Kaiser.
    Onde encontro em Porto Alegre para comprar.

Envie seu Comentário