Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Hotel da família Paternoster em 1924

15 de dezembro de 2014 3
Foto: reprodução do livro Cinquentenario Della Colonizzazzione Italiana Nel Rio Grande del Sud

Hotel Recreio, surgido em 1911, foi um dos primeiros empreendimentos da Av. Rio Branco. Foto: reprodução do livro Cinquentenario Della Colonizzazzione Italiana Nel Rio Grande del Sud

O imigrante italiano João Paternoster chegou ao Brasil em 1876 com espírito bastante empreendedor. A profissão de panificador e confeiteiro propiciou a ele formar uma sociedade em Porto Alegre.

Posteriormente, já estabelecido em Caxias do Sul, ele colaborou na constituição da Associação dos Comerciantes (atual CIC) em 1901, da qual integrou a primeira diretoria. Também foi subdelegado da Intendência Municipal, fiscal de obras e colaborador da paróquia de São Pelegrino.

Com a inauguração da ferrovia, em 1910, Paternoster percebeu a possibilidade de investir em um hotel para atender a crescente demanda de visitantes e homens de negócios. Surgia em 1911 o Hotel Recreio, cuja proposta proporcionava aos hóspedes desfrutar de saborosos jantares e conviver no então bucólico e tranquilo ambiente da Avenida Rio Branco, no bairro São Pelegrino.

O hotel, aliás, foi um dos primeiros empreendimentos a se instalar na via, quer concentrou ainda diversos outros estabelecimentos clássicos da cidade. Entre eles a Igreja São Pelegrino, a Vinícola Mosele (onde hoje situa-se a Receita Federal), a Sociedade Brasileira de Vinhos, o quartel – onde foram realizados os festejos do cinquentenário da imigração italiana –, a Padaria Rio Branco e a Igreja dos Capuchinhos.

A foto do hotel (acima), registrada em 1924, foi publicada no livro Cinquentenario Della Colonizzazzione Italiana Nel Rio Grande del Sud, obra que faz uma balanço acerca do cinquentenário da imigração italiana no Estado.

Foto: reprodução do livro Homens e Mitos na História de Caxias do Sul, de Ângelo Ricardo Costamilan

A família de João Paternoster em 1912. Foto: reprodução do livro Homens e Mitos na História de Caxias do Sul, de Ângelo Ricardo Costamilan

Um retrato em 1912

A saga do italiano João Paternoster está registrada em dois capítulos no livro Homens e Mitos na História de Caxias do Sul, escrito por Ângelo Ricardo Costamilan. No retrato acima, de 1912, vemos os filhos Graciema, Angelina, Adélia e Dante (atrás) e Ignes e Ida, filhos do primeiro casamento de João com Maria Sartori Schlabrendorff.

O menino Pery, junto ao casal, é o único filho de João com a segunda mulher, Marietina Sartori.

Pery foi gerente no Lanifício São Pedro. Dante deu continuidade na administração do hotel, que, na década de 1950, adequou-se para funcionar como pensão.

Foto: reprodução

Anúncio de 1913 destacava o estabelecimento “próprio para famílias”. Foto: reprodução

Cardápio refinado

Situado no bairro São Pelegrino, em uma área nobre da cidade, o Hotel Recreio era uma referência recreativa na sociedade caxiense da época. Além disso, a proximidade com a estação férrea e o centro facilitava o trânsito dos hóspedes. Famílias e amigos se encontravam no final de semana para almoçar, fazer piqueniques, jogar cartas e conversar na varanda.

Com formação em gastronômica na Itália, João Paternoster tinha consciência de servir pratos e bebidas de excelente qualidade aos clientes.

O anúncio acima, veiculado em 1913, salientava o caráter familiar e refinado cardápio, acompanhado por bebidas nacionais e importadas.

No local do antigo hotel, hoje situa-se o Edifício Paternoster (foto abaixo), construído após a demolição do casarão, em novembro de 1990.

Foto: Roni Rigon

O Edifício Paternoster, erguido nos anos 1990 e situado no mesmo terreno. Foto: Roni Rigon

As informações desta coluna são uma colaboração do repórter fotográfico Roni Rigon.

Comentários (3)

  • Zeferino A. Carneiro diz: 15 de dezembro de 2014

    Morei por 20 anos na Rua João Paternoster no Bairro Rio Branco e não tinha conhecimento dessa trajétória desse Sr. Interessante conhecer a biografia do mesmo e saber que quem deu o nome àquela rua foi uma pessoa nobre, parabéns ao jornal e ao jornalista por recuperar essa parte da história de nossa cidade.

  • Nilva Maria Rossato diz: 16 de dezembro de 2014

    moro em São Pelegrino toda minha vida e me lembro desta casa pois moro atras, na La Salle.

  • Humberto Stumpf diz: 16 de dezembro de 2014

    Estudei no antigo Colégio Pena de Morais, localizado no início da Av, Ro Branco, e tenho lembranças do Hotel, que ficava ao lado do então chamado Grupo Escolar Pena de Morais, nos idos dos anos 50.
    Parabéns pelo resgate de nossa história.

Envie seu Comentário