Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Rumo ao litoral: uma aventura nos anos 1930

16 de dezembro de 2014 1
Foto: acervo pessoal, divulgação

Victorio Diligenti (primeiro à esquerda) e um grupo de amigos na beira da praia em Torres, em meados da década de 1930. Foto: acervo pessoal de Celina Dal Prá, divulgação 

A história do litoral gaúcho é repleta de curiosidades no que se refere aos costumes e peculiaridades de cada época. E a praia de Torres possui um vínculo muito forte com os veranistas de Caxias do Sul.

Na década de 1930, por exemplo, um grupo formado pelas famílias de Victório Diligenti, João Vial, José Dal Prá, João Nicoletti e Guerino Rigon, todos moradores de Galópólis, enfrentava anualmente o desafio de rumar ao balneário para as tão sonhadas férias.

A locomoção era feita em caminhões adaptados e ônibus com carroceria de madeira. Já o itinerário, que passava por Canoas e Osório, demandava cerca de dois dias de viagem.

Foto: acervo pessoal, divulgação

Victório Diligenti (o primeiro à direita, em pé) com um grupo de amigos e seus familiares na Praia Grande, em Torres, durante um veraneio na década de 1930. Foto: acervo pessoal de Gentile Felippi, divulgação

Conforme a professora Maria de Lourdes Diligenti Comerlato, 79 anos, seu pai, Victório Diligenti, era proprietário do antigo Cine Operário, em Galópolis, e tinha o hábito de aproveitar o verão para banhar-se no mar de Torres. Naquela época, Victório acreditava que o iodo na água do mar possuía propriedades benéficas para a saúde do corpo.

Na foto abaixo vemos, a partir da esquerda, Victório com os amigos João Vial, um veranista não identificado, José Dal Prá, João Nicoletti e Guerino Rigon (à frente).

Foto: acervo pessoal, divulgação

Veraneio nos anos 1030: a partir da esquerda, Victório Diligenti, João Vial, um senhor não identificado (careca), José Dal Prá, João Nicoletti e Guerino Rigon (à frente). Foto: acervo pessoal de Celina Dal Prá, divulgação

A infância em Torres

Maria de Lourdes Diligenti Comerlato aprecia os encantos da praia desde que tinha cinco anos – as viagens de férias ao litoral remetem a inesquecível convivência com suss pais, Rosina Massignani e Victório Diligenti (1898-1968).

Maria de Lourdes achava o máximo hospedar-se no hotel, que dispunha apenas de velas e lampiões para iluminar o restaurante e os quartos.

Em Galópolis, onde mora até hoje, sua residência possuia luz elétrica, abastecida pela hidrelétrica do lanifício São Pedro. Já as roupas de banho eram confeccionadas pela costureira Irma Vial, em fino tecido de lã produzido pelo lanifício caxiense.

A garota Maria de Lourdes Diligente Comerlato (em pé, à esquerda) com parte da família Lorenzi e amigos caxienses em Torres, no verão de 1943.

A garota Maria de Lourdes Diligenti Comerlato (em pé, à esquerda) com parte da família Lorenzi e amigos caxienses em Torres, no verão de 1943. Foto: acervo pessoal de Maria de Lourdes Diligenti Comerlato, divulgação

Evolução e costumes

Até meados dos anos 1950, viajar e veranear em Torres equivalia a permanecer isolado dos grandes centros urbanos.
A lentidão do transporte rodoviário proporcionava uma sensação de enorme distância, e a comunicação por telefonia ainda era uma realidade distante.

Já os trajes de banhos tinham uma função protetiva ao sol. Os modelos reduzidos e coloridos chegaram somente a partir da década de 1960. Em relação ao bronzeado, somente dez anos depois disseminou-se a aplicação dos primeiros protetores solares.

Infraestrutura

A proximidade do caxiense com Torres também ficou evidente nos âmbitos empresarial e turístico. O grupo Kalil Sehbe construiu um hotel no trecho nobre da Prainha, e Mário Polesso investiu em passeios de barco.

Há 40 anos, a empresa Expresso São Marcos mantêm linhas diárias pela Rota do Sol, com passagem pela exuberante Serra do Pinto.

Participe

Você possui fotos antigas no Litoral, entre as décadas de 1930 e 1960? Envie para a coluna.

As informações desta coluna são uma colaboração do repórter fotográfico Roni Rigon.

Comentários (1)

  • Rosa Maria Diligenti diz: 16 de dezembro de 2014

    Recordar é viver !!!Linda reportagem sobre meu avô, Victório Diligenti e sua familia.

Envie seu Comentário