Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Endereços para recordar da história de Caxias do Sul

29 de janeiro de 2015 2

Prédio do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami abriga boa parte da história de Caxias do Sul. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Período de férias também é oportunidade para conhecer melhor ou, em alguns casos, descobrir aqueles locais que guardam histórias preciosas de Caxias do Sul.

Museu Municipal, Arquivo Histórico, Museu dos Pracinhas, Memorial Atelier Zambelli, Museu da Casa de Pedra, Monumento ao Imigrante, Museu da Uva e do Vinho, entre outros, estão de portas abertas e aguardam por sua visita.

Na coluna de hoje, detalhamos três deles. Programe-se e boa viagem no tempo…

Ícone da Av. Júlio

A história de Caxias do Sul devidamente documentada e organizada “mora” no Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami. O acervo chega a aproximadamente um milhão de documentos de origem pública, 500 mil de origem particular, 600 depoimentos gravados, 5 mil livros, 300 periódicos e mais de 200 mil fotografias.

Entre os núcleos mais importantes da coleção estão os cerca de 100 mil negativos do atelier de fotografia de Ulysses Geremia, que documentou a fisionomia da cidade e suas transformações ao longo de várias décadas e, o acervo do Escritório da Diretoria da Colônia Caxias, atuante aqui entre os anos de 1876 a 1906.

Estão ali os registros da imigração e colonização da antiga Colônia Caxias, num total de 12 mil páginas de documentos, cujos originais foram digitalizados e estão disponíveis para pesquisa.

Casarão remete aos primórdios da colonização na Serra. Foto: Roni Rigon, banco de dados/Pioneiro

Acervo está dividido por setores em três pavimentos, incluindo o subsolo. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Espaço oferece mesas e terminais para pesquisas e consultas do público. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Foto: Roni Rigon, banco de dados/Pioneiro

Tombado pelo Patrimônio Histórico do Estado desde 1986, o prédio é um atrativo à parte e tem sua trajetória atrelada ao lendário estabelecimento comercial de secos & molhados de Vicente Rovea e ao antigo Hospital Carbone, do médico Rômulo Carbone.

Confira a história do prédio e veja mais fotos clicando AQUI.

O que: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami
Endereço: Av. Júlio de Castilhos, 318, esquina com Humberto de Campos, bairro Lourdes
Atendimento: segunda a sexta-feira, das 10h às 16h (horário alternativo mediante agendamento)
Contatos: (54) 3901.1318 e 3218.6114 ou arquivohistorico@caxias.rs.gov.br

Vista noturna do Jesus Terceiro Milênio e do acesso ao Memorial. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Arte sacra em destaque

O Memorial Atelier Zambelli, junto ao Parque da Festa da Uva, é endereço fundamental não apenas para fãs da arte escultórica, mas para se entender a forte vocação religiosa da cidade desde o final do Século 19.

Em meio a leva de imigrantes italianos que chegaram a Caxias a partir de 1875, Tarquínio Zambelli (1857-1935) foi um dos que logo ganhou notoriedade com peças esculpidas em madeira. Diferenciando-se dos agricultores, os Zambelli traziam conhecimentos adquiridos na Academia de Belas Artes de Milão, na Itália. E, logicamente, os filhos Michelangelo, Annunzia, Mario Cilo, Estacio e Raffaelle seguiram aprimorando suas habilidades, em maior ou menor proporção.

Há exatamente um século, em 1915, Michelangelo montava seu próprio negócio, o Atelier de Escultura de Michelangelo Zambelli e Cia Ltda, dando início à produção de imagens sacras e de ornamentos.

Referência em todo o Rio Grande do Sul por décadas, o casarão de madeira, situado na Av. Júlio, 815, porém, adentrou o novo século fragilizado. Em 2004, as condições precárias do imóvel e questões envolvendo a venda e demolição culminaram com uma intervenção do município – todo o material remanescente foi adquirido por meio de uma parceria entre a Secretaria da Cultura e a Festa Nacional da Uva.

Desde então, o espaço interno do Monumento Jesus Terceiro Milênio, nos Pavilhões, abriga esculturas e moldes de imagens sacras e ornamentos para igrejas, capelas e residências, totalizando cerca de mil peças.

Acervo contabiliza cerca de mil peças. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Espaço nos Pavilhões completou 10 anos em 2014. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Peças do lendário Atelier de Escultura de Michelangelo Zambelli & Cia Ltda. são um convite à contemplação. Foto: Felipe Nyland

Maria Bambina, um dos destaques do acervo. Foto: Felipe Nyland

Peças do antigo atelier evocam a forte religiosidade e a importância do atelier Zambelli no contexto histórico do município. Foto: Felipe Nyland

O que: Memorial Atelier Zambelli
Endereço: espaço Interno do Monumento Jesus Terceiro Milênio, nos Pavilhões
Visitação: terça a domingo, das 13h às 17h
Contato: (54) 3221.2423

Leia mais sobre os 10 anos do Memorial Atelier Zambelli, comemorados em 2014, clicando AQUI.

Museu dos Ex-Pracinhas surgiu em 1976. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Registros de guerra

No ano em que são lembrados os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, o Museu dos Ex-Combatentes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) é outro roteiro obrigatório. Entre 1944 e 1945, 163 soldados de Caxias do Sul, e da região Nordeste do Rio Grande do Sul lutaram na Itália durante sete meses e 19 dias, em batalhas como as de Monte Castello e Montese.

Para valorizar essa participação, foram criadas entidades associativas dos veteranos combatentes em diversas cidades do país. A de Caxias ganhou impulso a partir da instalação, em 1976, de um espaço próprio, composto por museu e centro cívico.

Peças, indumentária, fotos e armamentos compõem o acervo. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Fotografias, documentos, objetos de uso pessoal, armas, uniformes e equipamentos doados pelo ex-combatentes formam o conjunto de aproximadamente 1.170 elementos expostos no primeiro pavimento. A contextualização histórica _ em âmbito internacional, nacional e regional _ é realizada por meio de fotografias, textos e trechos de depoimentos pessoais, além da exibição de documentários.

No subsolo encontra-se um espaço de convivência carinhosamente denominado “Casamata do Pracinha”. É ali que se realiza a confraternização mensal dos ex-combatentes, no tradicional almoço da primeira quarta-feira de cada mês, reunindo amigos e familiares.

Palestras, aulas, visitas e encontros com os ex-pracinhas são algumas das atividades realizadas no espaço.

Peças, rádios e artefatos de comunicação também são um atrativo para se entender o dia a dia dos soldados na Segunda Guerra Mundial. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

O quê: Museu dos Ex-Combatentes da FEB na 2ª Guerra Mundial
Endereço: Rua Visconde de Pelotas, 249, Centro
Visitação: terça-feira a sábado, das 9h às 17h (horário alternativo mediante agendamento)
Contato: (54) 3901.1422

Comentários (2)

  • edi paulo dalbosco diz: 2 de fevereiro de 2015

    O prédio do Arquivo Histórico Municipal foi construído pelo meu bisavô Giovanni Dal Bosco.

  • Katia Noe mi Loss Campagnolo diz: 17 de abril de 2015

    Muito bom Rodrigo. Agradeço em nome dos pracinhas vivos nove da nossa região e dos familiares dos já falecidos. Uma parte destes parentes ainda se reúnem uma vez por mês aqui no Museu da FEB demonstrando a perseverança dos nossos heróis, únicos na História do Brasil a participar da Segunda Guerra Mundial, 467 deixaram suas vidas em nome da democracia.
    Imagens do Contexto de Caxias na época da Segunda Guerra Mundial complementaria o tema “70 Anos da Vitória Aliada na Segunda Guerra Mundia” 163 saíram da região colonial italiana

Envie seu Comentário