Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Resquícios do passado

30 de janeiro de 2015 2

Atração: Museu Municipal está aberto à visitação e integra roteiro para se entender parte da história de Caxias do Sul. Foto: Celso Tissot, divulgação

Dando sequência aos espaços que concentram parte da história de Caxias do Sul, destacamos hoje o Museu Municipal, o Museu Ambiência Casa de Pedra e o espaço localizado junto à cripta do Monumento Nacional ao Imigrante. Todos estão abertos à visitação pública e são uma opção para as férias de verão na cidade.

Túnel do tempo na Visconde

Visitar o Museu Municipal é retornar ao passado histórico e cultural de Caxias do Sul. Residência da família Morandi-Otolini no final da década de 1880, o prédio de alvenaria de dois pavimentos imediatamente destacou-se entre o casario de madeira predominante naqueles primórdios da colonização.

Em 1894, a casa foi arrematada em leilão pelo poder público. Abrigou a Guarda Municipal e a Delegacia de Polícia. Já em 1913, agregou o funcionamento da Escola Complementar.

Em 1919, após aquisição de uma área contígua, o local recebeu a administração pública, então denominada Intendência Municipal – a sede da prefeitura permaneceria no prédio até 1974.

Prédio abrigou a antiga Delegacia de Polícia e a Intendência Municipal nos primórdios do Século 20. Foto: Domingos Mancuso, acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação

Foto: Diogo Sallaberry

Foto: Ricardo Wolffenbüttel, banco de dados/Pioneiro

Foto: Ricardo Wolffenbüttel, banco de dados/Pioneiro

Atualmente, cerca de 11 mil peças compõem o acervo, às vistas do público ou armazenado na reserva técnica. A exposição permanente de objetos – entre utensílios de trabalho, mobiliário e referências comerciais – permite o reconhecimento da cultura local, desde os primitivos habitantes indígenas até os desdobramentos da imigração e colonização europeia, com predominância italiana a partir de 1875.

Foto: Ricardo Wolffenbüttel, banco de dados/Pioneiro

Foto: Daniela Xu, banco de dados/Pioneiro

Foto: Daniela Xu, banco de dados/Pioneiro

Ícone do Atelier Zambelli: “Alegoria Primeira ao Imigrante” (ao fundo) foi encomendada em 1890 pela Intendência Municipal. Foto: Daniela Xu, banco de dados/Pioneiro

Foto: Daniela Xu, banco de dados/Pioneiro

Foto: Paquito Masiá, divulgação

Programe-se:

O que: Museu Municipal
Endereço: Visconde de Pelotas, 586, Centro
Visitação: terça a sábado, das 9h às 17h. Recebe visitas de escolas e grupos especiais.
Contato: (54) 3221.2423 e 3215.4445 ou museumunicipal@caxias.rs.gov.br

Casa de Pedra: símbolo do bairro Santa Catarina. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Entre pedras e barro

O casarão de pedra símbolo do bairro Santa Catarina é uma amostra do modo de vida dos pioneiros colonizadores em suas pequenas propriedades. Inicialmente, foi a moradia do italiano Giuseppe Lucchese, na então denominada 9ª Légua de Caxias. A partir de 1913, esteve sob o domínio de Jacob Brunetta, proprietário até 1946, quando tornou-se propriedade de David Tomazzoni.

A Casa de Pedra em meados dos anos 1960, quando o bairro Santa Catarina não passava de um arrabalde. Foto: acervo pessoal de Hildo Boff, divulgação

A construção – em pedras assentadas e rejuntadas com barro, aberturas em pinho falquejado e janelas afixadas em tijolos artesanais – abrigou ao longo do tempo atividades como abatedouro de suínos, armazém e ferraria.

Com a expansão urbana, o espaço chegou a ficar ameaçado, mas em 1974, com a proximidade do centenário da imigração italiana no Estado, a prefeitura negociou o espaço com a família Tomazzoni, tornando-se proprietária da área. Surgia aí o Museu Casa de Pedra, inaugurado em 14 de fevereiro de 1975, durante a Festa da Uva.

Na área externa, um parreiral relembra a principal cultura agrícola dos imigrantes. Do outro, um forno confeccionado artesanalmente com tijolos e barro evoca a gastronomia caseira – assim como o rústico fogão encravado na pedra, as grandes panelas e os utensílios para produção de alimentos típicos como a polenta, a massa e o pão.

A cozinha e os utensílios domésticos para a preparação dos pratos típicos. Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

No primeiro pavimento, a sala destaca a mesa com muitos lugares, apropriada à família numerosa, os quadros e imagens de santos católicos de devoção. E no andar superior, o quarto, com poucos e indispensáveis móveis.

Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

Foto: Antonio Lorenzett, divulgação

A área histórica é complementada pelo Monumento aos Tiroleses, inaugurado na pracinha ao lado em 1977.

O que: Museu Ambiência Casa de Pedra
Endereço: Rua Matteo Gianella, s/nº, bairro Santa Catarina
Visitação: terça a domingo, das 9h às 17h
Contato: (54) 3221.2423 e 3218.6114 ou museumunicipal@caxias.rs.gov.br

Museu do Monumento ao Imigrante: espaço para se entender a epopéia de todos os imigrantes que chegaram à Serra. Foto: Ricardo Wolffenbüttel, banco de dados/Pioneiro

Aos vários imigrantes

Inaugurado em 1954 pelo presidente Getúlio Vargas, o Monumento Nacional ao Imigrante reverencia não só os imigrantes italianos, mas todos os que vieram para o Brasil e ajudaram a construir uma nação plural e miscigenada. É exatamente esse contexto misto o atrativo da cripta, denominada Espaço Cultural Antonio Caringi (escultor responsável pelo monumento).

A instalação do Monumento ao Imigrante em janeiro de 1954. Foto: acervo pessoal de Hildo Boff, divulgação

Além de painéis, imagens e objetos abordando a imigração no contexto internacional, nacional e regional, uma exposição permanente detalha a criação das estátuas em documentos fotográficos.

A cripta: espaço recebe visitas de terça a domingo. Foto: Ricardo Wolffenbüttel, banco de dados/Pioneiro

Acervo: malas, baús, certidões e passaportes de outros tempos. Foto: Ricardo Wolffenbüttel, banco de dados/Pioneiro

Foto: Ricardo Wolffenbüttel, banco de dados/Pioneiro

Foto: Jonas Ramos, banco de dados/Pioneiro

Foto: Jonas Ramos, banco de dados/Pioneiro

Foto: Jonas Ramos, banco de dados/Pioneiro

Homenagem: moldes de Antonio Caringi para as estátuas compõem o acervo. Foto: Ricardo Wolffenbüttel, banco de dados/Pioneiro

Conforme a diretora da Divisão de Museus da Secretaria Municipal da Cultura, Marta Slomp, um novo projeto de iluminação abrangeu todo o conjunto. Também foram restauradas as placas e a porta de bronze. Já a edificação foi integralmente higienizada com produtos especiais, recebendo camada de proteção para melhor conservação.

O entorno também conta com estacionamento.

O que: Espaço Cultural Antonio Caringi, junto ao Monumento ao Imigrante
Endereço: BR-116, s/nº
Visitação: terça a domingo, das 9h às 17h
Contato: (54) 3221.2423 e 3218.6114 ou museumunicipal@caxias.rs.gov.br

Comentários (2)

  • Adauto Celso Sambaquy diz: 30 de janeiro de 2015

    Rodrigo,
    Meu avô materno ADAUCTO JOAQUIM DA CRUZ foi intendente em Caxias. Muitas vezes eu entrei no prédio da Intendência e depois Prefeitura Municipal. Eu estudei na Escola Normal Duque de Caxias, ao lado do prédio e todo os dias subia e descia as escadaria da Intendência Municipal. Tempo bom.

  • Maria Helena Muratore diz: 19 de maio de 2015

    Lindas Homenagens aos IMIGRANTES que muito fizeram pelo desenvolvimento
    do nosso Brasil e da nossa querida Região Italiana. Os Museus são a “memória viva ” dos nossos antepassados . Caxias do Sul mantem esses espaços culturais ,dedicando a eles cuidados especiais para o resguardo da nossa Histórica Colonização . Parabéns a todos que mantem, cultuam , visitam e admiram esses locais.

Envie seu Comentário