Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Caxias antiga no Centro de Memória do Legislativo

08 de junho de 2015 1


Boa parte da história de Caxias do Sul está a um clique do leitor, apesar de muitos ainda desconhecerem essa facilidade. Acessando o site da Câmara de Vereadores, o www.camaracaxias.rs.gov.br, link Centro de Memória, o internauta pode tomar contato, por exemplo, com o conteúdo dos dois primeiros jornais de Caxias do Sul, surgidos ainda no final do Século 19: O Caxiense (1897-1898) e o Il Colono Italiano (1898-1917).

Eles são apenas dois entre os 74 títulos de jornais disponíveis gratuitamente para consulta e pesquisa.

De acordo com o documentalista e diretor do Centro de Memória, Eduardo Reis, O Caxiense era de propriedade de Augusto Diana Terra e se intitulava o “Defensor das Colônias Italianas e Órgão Republicano”.

Primeiro periódico editado no município, era dirigido por Júlio Campos e tinha periodicidade quinzenal. O jornal passou a circular na cidade a partir do dia 15 de outubro de 1897 e encerrou suas atividades em 28 de abril de 1898. Conforme consta em sua primeira edição, o objetivo da publicação era provar que o partido republicano promovia o progresso do Estado.

Já o Il Colono Italiano, explica Reis, nasceu como uma resposta ao surgimento de O Caxiense, que era um órgão republicano e maçônico. Os católicos apresentaram, em 1º de janeiro de 1898, o Il Colono Italiano como o segundo jornal editado em Caxias do Sul.

Fundado pelo padre Pedro Nosadini, o Il Colono circulou até 21 agosto de 1917. Escrito em italiano, apresentava-se como Bolletino Cattolico Mensile (Boletim Católico Mensal). Segundo mensagem de abertura da primeira edição, o jornal seria “o advogado dos católicos italianos imigrados em Caxias e nas colônias circunvizinhas”.

Parceria digital

Entre 2008 e 2010, mais de 500 mil páginas correspondentes a 74 periódicos foram digitalizadas por meio da parceria entre a Câmara de Vereadores de Caxias do Sul e o Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

– A disponibilização do acervo com consulta via web é um importante passo no sentido de facilitar o acesso à informação por parte da comunidade e de preservar os originais mantidos sob a guarda do Arquivo Histórico Municipal. Além disso, é um modo de a Câmara disponibilizar informações sobre sua história e sobre os fatos que envolvem a trajetória parlamentar da cidade – explica o diretor de Centro de Memória, Eduardo Reis.

Clique nas imagens para ampliar.

A Praça Dante em 1937, quando sediou a última Festa da Uva antes da Segunda Guerra Mundial. Foto: acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Fotos antigas

O Centro de Memória também disponibiliza imagens antigas da trajetória do Legislativo, de ruas e avenidas, da Praça Dante Alighieri, do patrimônio histórico da cidade e de vistas aéreas, como as duas reproduzidas aqui.

Trata-se da área central durante a Festa da Uva de 1937, quando o pavilhão de exposições situava-se defronte à Catedral Diocesana. Naquele ano também era inaugurado o chafariz.

Outras curiosidades da foto abaixo: a Metalúrgica Abramo Eberle ainda em casarões de madeira e o terreno baldio que receberia o novo prédio da Casa Magnabosco, na esquina da Sinimbu com Dr. Montaury, em 1939.

Caxias em 1937: Festa da Uva ainda ocorria junto à Praça Dante Alighieri, e pavilhão de exposições localizava-se defronte à Catedral Diocesana. Novo prédio da Casa Magnabosco só surgiria dois anos depois, em 1939. Foto: acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Pérolas

Alguns títulos de jornais disponíveis na plataforma digital também chamam a atenção pelo nome. O que dizer de A Encrenca (1914-1915), A Vanguarda (1922), A Luneta (1933) e O Assombro (1937)?





Visitas

O Centro de Memória também está aberto à visitação pública e gratuita, de segunda a sexta-feira, das 8h30min às 18h, no prédio da Câmara de Vereadores (Rua Alfredo Chaves, 1.323). Fone: (54) 3218.1631.

Comentários (1)

  • Vinícius Gatelli diz: 8 de junho de 2015

    Como é bom conhecer uma parte da história de Caxias do Sul. Essa bela história precisa ser valorizada, pois é através dela e de suas conquistas chegamos até aqui.
    Parabéns Rodrigo, mais uma vez…
    Grande abraço…

Envie seu Comentário