Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Aristides Bertuol: no tempo das carreteras

13 de junho de 2015 0

Circuito da Boa Vizinhança em 1951: a chegada de Bertuol em Bento Gonçalves. Foto: acervo família Bertuol, divulgação

A trajetória do piloto bento-gonçalvense Aristides Bertuol (1916-1979) ganha destaque nesta segunda-feira, no Vale dos Vinhedos. É quando será dada a “largada” para o projeto Aristides Bertuol – O Piloto da Carretera Nº 4. Trata-se de um resgate histórico que culminará com o lançamento de um livro a ser lançado em 2016, quando Bertuol completaria 100 anos.

Mesmo antes de participar das famosas provas de carreteras – que acabariam por consagrá-lo -, Bertuol já se destacava pilotando um Chevrolet Coupé 1939.

Com esse carro, ele conseguiu em 1951 uma de suas vitórias mais sensacionais. Foi no 1º circuito da Boa Vizinhança, quando percorreu os 500 quilômetros da prova realizada entre Bento Gonçalves/Guaporé/Passo Fundo/Vacaria/Caxias/Bento. Bertuol atingiu uma média de 95 Km/h, marca considerada fantástica na época – a imagem acima mostra o piloto chegando em Bento Gonçalves.

Abaixo, a foto da estreia do Chevrolet 1939, com o qual Aristides Bertuol (de macacão branco) competiu várias outras provas de carreteras. O 1º Circuito da Zona Sul, em 13 de maio de 1950, incluiu a prova de estrada entre Guaíba/Bagé/Pelotas/Camaquã/Guaíba. Bertuol abandonou a corrida após cair num banhado. Junto a Bertual vemos o mecânico acompanhante Giamino Cao.

Clique nas imagens para ampliar.

O Chevrolet 1939 em 1950, quando Bertuol (de branco) e o mecânico Giamino Cao participaram do 1º Circuito da Zona Sul. Foto: acervo família Bertuol, divulgação

O primeiro carro

Na foto abaixo, Bertuol e o carro com que começou a competir, um Chevrolet Sedanete 1948 – era, inclusive, o seu carro de passeio. A primeira competição com o veículo foi a Copa Rio Grande do Sul, em 26 de setembro de 1948, uma prova de estrada de ida e volta entre Porto Alegre e Passo Fundo.

No Autódromo de Interlagos (SP) em 1949: Bertuol e seu Sedanete 1948. Foto: acervo  família Bertuol, divulgação

Com o Sedanete, Bertuol disputou outras cinco provas. Na segunda, em 19 de março de 1949, ele foi a São Paulo participar do IV Grande Prêmio Cidade de São Paulo, no Autódromo de Interlagos. Conquista o seu primeiro lugar, com a vitória na categoria Turismo Força Livre. A imagem acima, com o número cinco estampado na porta, é da ocasião da disputa em São Paulo.

Prestígio

Com o sucesso das carreteras, o prestígio de Aristides Bertuol espalhou-se por todo o Brasil, principalmente após os bons resultados conseguidos nas Mil Milhas de Interlagos, Circuito da Uva e Grande Prêmio Cidade de Porto Alegre.

Na imagem abaixo, por exemplo, vemos Bertuol recebendo o troféu pelo primeiro lugar conquistado na 2ª Mil Milhas Brasileiras, em 23 e 24 de novembro de 1957. Na prova, disputada no Autódromo de Interlagos (SP), Bertuol fez dupla com o piloto gaúcho Orlando Menegaz.

Em 1957: Betuol recebe o troféu pelo primeiro lugar na 2ª Mil Milhas Brasileiras, em São Paulo. Foto: acervo família Bertuol, divulgação

1º Circuito da Uva: Bertuol chega em primeiro lugar à esquina da Rua Saldanha Marinho com a Marechal Deodoro, em Bento Gonçalves,em 24 de março de 1957. Prova de estrada ocorreu entre Nova Prata, Bento Gonçalves e Caxias. Foto: Camilo Pasquetti, acervo família Bertuol, divulgação

Interlagos em 1956: Bertuol e Valdir Rebeschini conquistam o terceiro lugar na 1ª Mil Milhas Brasileiras, em São Paulo. Foto: acervo família Bertuol, divulgação

Campeão gaúcho

Também em 1957, Bertuol sagrou-se campeão gaúcho. Pouco tempo depois, abandonava sua carretera, passando a competir com um Opala. Sua última prova ocorreu em 23 de dezembro de 1969, nas “3 Horas de Guaporé”, na corrida de inauguração do autódromo.

O retorno às pistas em 1969: Bertuol e o Opala com que venceu a prova Vale das Antas, entre Veranópolis e Bento Gonçalves. Foto: acervo família Bertuol, divulgação

Falecimento

Com sua morte, em 1979, o automobilismo gaúcho perdeu um dos nomes mais gloriosos do seu passado, mas as lembranças das sensacionais disputas entre Bertuol e Catarino Andreatta no circuito da Cavalhada-Vila Nova ainda roncam por aí…

Na política

Nos seus 63 anos de vida, Bertuol destacou-se não apenas como piloto de competições, mas também como político, tendo exercido os cargos de vereador e prefeito de Bento Gonçalves, além de deputado estadual.

Medalha

A mais alta condecoração oferecida pelo município de Bento Gonçalves a uma pessoa chama-se “Medalha Aristides Bertuol”. Ela pode ser concedida somente uma vez por ano pela Câmara de Vereadores. O kartódromo de Bento também leva seu nome.

A produção

O livro Aristides Bertuol – O Piloto da Carretera Nº 4 está sendo proposto e editado pelo jornalista e fotógrafo Fabiano Mazzotti, com textos de Guilherme Arruda e auxílio da família Bertuol no resgate histórico.

Envie seu Comentário