Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Jardins da Praça Dante Alighieri nos anos 1950

28 de agosto de 2015 2

Esculturas vivas: espécies milimetricamente podadas eram destaque no paisagismo central. Foto: Studio Geremia, acervo pessoal de Jacyra Mattana, divulgação

A antiga Praça Dante Alighieri, que de meados dos anos 1940 até 1990 atendeu por Rui Barbosa, é lembrada não apenas pelas roseiras, pelo footing dominical e por concentrar a população antes e depois das sessões de cinema.

Uma característica do paisagismo central eram as plantas esculpidas segundo os conceitos da topiaria – prática de jardinagem que consiste em dar formas artísticas (espirais, cubos, bolas) às espécies. E como típica cidade de colonização italiana, Caxias e sua principal praça seguiram a ornamentação das praças… italianas.

Todo esse detalhado trabalho teve início ainda na década de 1930, durante a gestão do prefeito Dante Marcucci (1935-1947). Na época, o então engenheiro de obras da prefeitura, José Ariodante Mattana, foi o responsável pela remodelação do chamado coração da cidade, incluindo o nivelamento, o ajardinamento e o calçamento dos passeios internos da praça.

Na imagem acima vemos a Dante no início dos anos 1950. Os buxos (ou buxinhos), topiados no formato de cogumelo, e os ligustros milimetricamente arredondados conferiam contraste com a arquitetura dos prédios que começavam a verticalizar as cercanias da praça – cenário que até hoje desperta saudade entre os antigos frequentadores.

Praça Dante Alighieri em outros tempos.

Confira um vídeo com imagens raras da Praça Dante em 1957.

As rosas da praça e o horto municipal nos anos 1960.

Detalhes

A foto acima traz outros detalhes: o novo prédio do Banrisul recém havia sido inaugurado, na esquina da Marquês do Herval com a Av. Júlio; o Clube Juvenil ainda não havia ganho o terceiro andar (surgido em 1965); e o busto de Dante Alighieri impunha-se sobre a vegetação. Inaugurado em 15 de novembro de 1914, ele completou exatos 100 anos no ano passado.

A imagem destaca ainda o Cine Guarany e o prédio que abrigou os antigos hotéis Mimoso e Menegotto, demolido nos anos 1980.

Abaixo, a praça captada a partir da Av. Júlio em meados dos anos 1940 – para muitos, o período auge da área central. Os buxos topiados costuravam as alamedas que conduziam aos monumentos de Dante Alighieri e Júlio de Castilhos.

Clique nas imagens para ampliar.

A praça vista das alturas da Metalúrgica Abramo Eberle.

Pura nostalgia: a praça e suas espécies verdes minuciosamente esculpidas por volta de 1947. Foto: Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

A origem

As chamadas esculturas verdes remetem ao renascimento italiano e à criação dos jardins do Palácio de Versalhes, obra do paisagista barroco André Le Nôtre, em Paris, em 1662.

As formas cônicas e piramidais evoluíram posteriormente para esculturas arredondadas, meias luas, arcos, corações e uma infinidade de animais.

Quem não lembra, por exemplo, do filme Edward Mãos de Tesoura?

Jardins impecáveis: árvores “esculpidas” estavam por todas as alamedas e canteiros da praça nos anos 1940 e 1950. Foto: Reno Mancuso, acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação

O processo

“Esculpir” uma planta é um processo lento e trabalhoso. Quanto mais detalhadas as formas, mais anos de intervenções com estacas e armações para guiar o crescimento são necessários.

Talvez por isso, a técnica da topiaria na principal praça de Caxias do Sul tenha sido abandonada há tempos…

Jimmy Rodrigues e a antiga praça das rosas.

Praça Dante Alighieri e arredores nos anos 1930 e 1950.

Em 1965: a menina Tereza Marta Zugno, filha do engenheiro agrônomo da prefeitura José Zugno, em meio às lendárias roseiras e esculturas vivas que dominavam a praça. Foto: José Zugno, acervo pessoal de Ricardo Zugno, divulgação

Comentários (2)

  • Maria Helena Muratore diz: 28 de agosto de 2015

    Uma praça linda , de belas recordações .encantavam a todos que dela desfrutavam.

  • Vini diz: 28 de agosto de 2015

    Indiscutivelmente mais bonita no passado, jardim que remete ao de castelo, espécies lindas (nem comparada a hoje), árvores e flores bem cuidadas e podadas pelo serviço de jardinagem, impecável, e excelente ponto de encontro com bons frequentadores, sem se preocupar com a segurança. Esse tempo não volta mais, quem viveu, viveu e meus parabéns por isso.

Envie seu Comentário