Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Cerro da Glória: família de Giuseppe Guerra em 1936

02 de setembro de 2015 0

Giuseppe e Maria Stella Guerra com os 13 filhos em 1936. Foto: acervo família Guerra, Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Doações feitas ao Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami trazem ao conhecimento público histórias e imagens preciosas que, muitas vezes, permaneceriam restritas a familiares e descendentes ou engavetadas.

Morador de Cerro da Glória, na 2ª Légua, o estudante de História Daniel Antonio Guerra recentemente disponibilizou ao acervo algumas imagens da trajetória dos Guerra e do cotidiano da localidade em meados da década de 1920.

A história da família remete a 1890, quando o imigrante italiano Giuseppe “José” Guerra (bisavô de Daniel) chegou ao Brasil. Instalado inicialmente em São Martinho da 2ª Légua, Giuseppe mudou-se para Cerro da Glória a partir do casamento com Maria Stella Dalla Rosa Guerra, nos primeiros anos do século 20.

Foi lá que a família passou a tirar o sustento da agricultura e da pecuária de subsistência – os Guerra cutivavam um pequeno parreiral, mantinham um pomar e criavam porcos, galinhas, bois e vacas leiteiras.

A foto acima, de 1936, traz o casal e seus 13 filhos no lote nº 75 da localidade. Em pé, da esquerda para a direita, vemos Giuseppe entre os filhos Guilhermina , Guilherme, José, Alberto Frederico e Reinaldo Guerra. Sentados estão, a partir da esquerda, as irmãs Angelina Guerra (Zucolotto), Delfina Guerra (Bortolucci), Leonilda Guerra, a matriarca Maria Stella, Arlinda Guerra (Vedovelli), Maria Guerra (Paniz), Rosa Guerra (Tomazoni), Candida Guerra (Mariani) e Sibila Guerra (Polla) – os nomes entre parênteses são os de casadas.

Clique nas imagens para ampliar.

Em 1941: o registro de estúdio do casamento de Alberto Frederico Guerra e Maria Canale Guerra, que vestiu preto. Foto: Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Noiva de preto

Alberto Frederico Guerra (avô de Daniel) e Maria Canale Guerra casaram em 30 de setembro de 1941. Conforme relatos de família, Alberto e Maria saíram de São Luiz da 3ª Légua a cavalo rumo à Catedral Diocesana, onde ocorreu a cerimônia religiosa.

O casal não promoveu festa, mas fez questão de eternizar a união no Studio Geremia (foto acima). Segundo o neto, “a avó não era viúva, casou de preto porque não tinha condições, naquele momento, de comprar um vestido de noiva”.

Maio: mês para recordar dos noivos.

Casamento duplo de gêmeos completa 60 anos em Farroupilha.

Abaixo, um registro do antigo grupo escolar de Cerro da Glória em 1926. Os alunos, de seis a 16 anos, posam junto à professora Guilhermina Guerra (posteriormente Mazzochini, sentada ao centro).

Entre eles estão os irmãos Emílio Lorenzi (o quarto menino em pé, da esquerda para a direita, então com 10 anos) e Severino Lorenzi (o segundo sentado, da esquerda para a direita). A identificação partiu do leitor Gilmar Pedron Lorenzi, filho de Emílio.

Em 1926: Guilhermina Guerra e seus alunos no antigo grupo escolar de Cerro da Glória. Foto: Primo Postali, acervo família Guerra, Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Objetos no Museu

Além das imagens, a família de Daniel Antonio Guerra doou objetos do patriarca Giuseppe Guerra ao Museu Municipal.

Entre eles o pilão e socador datado do início da década de 1920. Fabricado pelo próprio Giuseppe, ela era usado inicialmente para fazer “quirera”. Posteriormente, foi adaptado para descascar arroz.

Outra doação foi a gamela feita por Giuseppe para transvasar o vinho (transferir de um recipiente para outro).

Doações enriquecem acervo do Arquivo Histórico e auxiliam pesquisas.

O casamento de Cebélia Rech e José Guerra, outro dos 13 filhos de Giuseppe, realizado na Igreja de Galópolis em 1944. Foto: acervo família Guerra, Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Doações ao Arquivo

Você possui fotos ou documentos antigos e deseja doar ao Arquivo Histórico Municipal? As doações podem ser feitas na sede, na Av. Júlio de Castilhos, 318, bairro Lourdes.

Após todo o processamento técnico, eles são classificados, codificados e disponibilizados para pesquisa de qualquer pessoa interessada na base de dados virtual. Os originais são acondicionados em caixas, dispostas em arquivos deslizantes e/ou sala climatizada.

Mais informações pelos fones 3218.6114 e 3901.1318 ou pelo e-mail arquivohistorico@caxias.rs.gov.br.

Galópolis ganha uma nova igreja em 1947.

Toni dei Pinitti, o Antônio dos Pinheiros em Ana Rech.

Envie seu Comentário