Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Busto de Dante Alighieri: um ícone da Praça desde 1914

14 de novembro de 2015 0

A jovem Querida Hampe e seu filho, Oswaldo Hampe Sobrinho, contemplando o busto de Dante Alighieri em meados da década de 1920. Foto: Oscar Hampe, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Ícone que dá nome a principal praça de Caxias do Sul, o busto do poeta italiano Dante Alighieri completou exatos 100 anos em 2014, mas a data passou praticamente em branco. Com a ” chegada” da musa Beatrice Portinari, porém, a badalação em torno da dupla só cresce.

Além da entrega oficial de Beatrice à comunidade neste sábado (14), às 18h30min, a segunda-feira, dia 16, reserva o encontro especial Musas, do grupo Órbita Literária, próximo às duas esculturas, às 20h.

Estátua da musa de Dante será entregue neste sábado, na Praça.

A estrutura de Dante foi inaugurada em 15 de novembro de 1914, quatro anos após a chegada do trem e a elevação de Caxias à categoria de cidade – a instalação do busto, logicamente, veio na carona da crescente modernização da antiga vila, agora impulsionada pelo vaivém dos vagões e locomotivas.

Conforme texto do jornalista Duminiense Paranhos Antunes, organizador do Documentário Histórico do Município de Caxias do Sul ( 1875-1950), até o início dos anos 1910, o acidentado terreno da praça ainda não possuía um nome específico. O batismo oficial foi sugerido pelo então intendente municipal José Penna de Moraes – espécie de homenagem aos pioneiros colonizadores italianos.

Logo após a nominação, o médico Vicente Bornancini, representando a crescente população, sugeriu erigir um monumento com a efígie do autor de A Divina Comédia. Surgia aí um dos maiores símbolos da área central.

Executado na Itália pelo escultor Eugenio Belloto, então professor de anatomia artística da real Academia de Belas Artes de Veneza, o busto em bronze mede 3,7 metros. Uma base cúbica de mármore róseo está assentada sobre a coluna em pedra, adornada ainda por quatro águias, uma em cada face. E, em relevo, as inscrições “1321-1921, I caxiensi per onorari L’Altissimo Poeta”.

Na foto acima vemos a jovem Querida Hampe e seu filho, Oswaldo Hampe Sobrinho, contemplando o monumento em meados dos anos 1920. O registro é de Oscar Hampe, ex-delegado de polícia e prefeito de Antonio Prado de 1935 a 1937.

Clique nas imagens para ampliar.

Estátua de Beatrice na praça desperta o interesse pela obra A Divina Comédia, de Dante Alighieri.

Busto de Dante completa um século na praça.

“O Inferno de Dante”, a mais premiada das fotos de Mauro De Blanco. Foto: Mauro De Blanco, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

O Inferno de Dante

Uma das imagens mais emblemáticas do busto foi captada em 1952, durante o incêndio que atingiu a antiga Ferragem Caxiense. E fez a fama do jovem fotógrafo Mauro De Blanco (1924-2010). Ele enquadrou o poeta em primeiro plano, com as labaredas tomando a loja e parte da antiga Casa Minghelli.

A premiada fotografia não poderia ter ganho nominação melhor: O Inferno de Dante.

Um incêndio agita o centro de Caxias em 1952.

Acrobatas alemães dão um show nas alturas da praça em 1957. 

O nome

A mudança de nome da Praça Dante Alighieri para Rui Barbosa deu-se em 22 de maio de 1942, durante uma manifestação da Liga de Defesa Nacional. A principal praça de Caxias só adquiriu seu nome original de volta em 1990, 45 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial.

A mudança de nome da praça em 1942.

Escultura de Beatrice Portinari faz companhia a Dante, 101 anos depois da chegada do poeta à praça. Foto: Felipe Nyland

Escultura de Beatrice Portinari faz companhia a Dante, 101 anos depois da chegada do poeta à praça. Foto: Felipe Nyland

Envie seu Comentário