Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Encontro da família Barcarollo em Galópolis

05 de fevereiro de 2016 0

Imigrantes italianos Pietro Barcarollo e Maria Maddalena Comin foram dos primeiros a chegar a Caxias, em 1878. Foto: acervo de família, divulgação

Integrantes das diversas ramificações da família Barcarollo/Barcarolo terão a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a história dos antepassados italianos no encontro do próximo dia 28, no salão paroquial de Galópolis. Descendentes das derivações Barcarol, Bacarolli e Bacarol também são aguardados.

A chegada dos Barcarollo ao Brasil remete a finais da década de 1870 e início de 1880, conforme informações contidas no livro Povoadores da Colônia Caxias, de Mário Gardelin e Rovílio Costa. Assim como os demais imigrantes, eles buscavam melhores condições de vida, fugindo da crise e da miséria que assolavam a Itália.

Um dos primeiros imigrantes da família a se estabelecer em solo brasileiro foi Pietro Barcarollo. Ele veio da comunidade de Borso del Grappa, em Treviso, juntamente com a esposa, Maria Maddalena Comin, e os irmãos Anna, Giovanni e Maria, todos solteiros.

Pietro e Maria Maddalena (foto acima) trouxeram os filhos Francesco, Antonio, Evaristo, Marietta e Petronilla – segundo registros, a chegada da família ocorreu em 8 de janeiro de 1878. Nesse mesmo período, fixou-se no Rio Grande do Sul a italiana Antonia D’ Ambros, viúva de Francesco Barcarollo, irmão de Pietro. Antonia trouxe os filhos Luigia, Francisco (mesmo nome do pai) e Giovanni.

Ao chegar ao Rio Grande do Sul, os imigrantes estabeleceram-se no acampamento do Núcleo Colonial de Nova Palmira, hoje pertencente ao distrito caxiense de Vila Cristina. Ali, aguardaram a definição dos lotes de terra para, depois, instalarem-se em Caxias do Sul.

Atualmente, os descendentes dos Barcarollo estão espalhados por cidades como Feliz, Carazinho, Sarandi, Porto Alegre e Erechim, no Rio Grande do Sul, além de Chapecó, Campos Novos e Xanxerê, em Santa Catarina.

Com a colaboração de Alana Fernandes.

Museu de Território de Galópolis: um vínculo comunitário.

Brasão da família faz referências a Portugal, Brasil e Itália. Foto: reprodução/Pioneiro

O brasão da família

No brasão da Família Barcarollo estão representados Portugal, Brasil e Itália. As partes azuis representam o velho reino português. Já os pontos em dourado simbolizam a riqueza e a abundância do Brasil.

A armadura e o escudo homenageiam a Itália. O leão, ao centro, revela a bravura dos imigrantes, e a árvore representa a terra conquistada.

Imigração italiana: encontro da família Dal Bosco.

Encontro da família Fontana em Flores da Cunha.

Registros

A partir dos encontros dos Barcarollo realizados desde 2001, os familiares puderam reunir informações de outros imigrantes com o mesmo sobrenome. É o caso do casal de imigrantes Giovanni Barcarollo e Maria Donazzolo.

Sabe-se que o italiano Giovanni casou-se com Maria em 17 de janeiro de 1894, já em solo brasileiro. Dois de seus filhos mais velhos nasceram na colônia de Alfredo Chaves, atual Veranópolis.

Galoteca incentiva a leitura em Galópolis.

A programação

As atividades do domingo, dia 28, iniciam-se às 8h30min, com recepção no salão paroquial de Galópolis. Haverá café, lanche e chimarrão.

A partir das 9h30min, ocorre missa, exposição da árvore genealógica da família e passeio pelo centro histórico de Galópolis. Após, será servido almoço com cardápio típico. Também estão previstas atividades para quem chegar no sábado.

Para recordar do antigo Cine Operário de Galópolis.

Galópolis, um museu a céu aberto.

Saiba mais

Outras informações sobre o encontro podem ser obtidas com Amarildo José Barcarol, pelo fone (54) 9996.1557, ou pelo e-mail familiabarcarollo@gmail.com.

Também no site www.barcarollo.org e na comunidade do Facebook Família Barcarollo.

Envie seu Comentário