Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de dezembro 2009

Nossa 2ª sessão de fotos

31 de dezembro de 2009 1

Foto Izabel MelloA primeira sessão de fotos do Bruno em um estúdio foi com ele ainda dentro da barriga. E lá se vão 4 anos e pouco… Nunca me gostei em fotos, mas que o barrigão me transformou, isso não dá pra negar. A-m-e-i o resultado, e acho que a maternidade deixa a gente mais bonita mesmo… Ou seria menos exigente?

Minhas primeiras fotos de mãe são parte das minhas relíquias… Depois de o Bruno nascer, não fiz mais fotos em estúdio. Confesso que, como jornalista, prefiro aquelas fotos não-posadas do guri, flagradas pelo pai ou pela mãe que não largam a digital. Lembro da história de cada uma, do momento de cada clique… Não que eu não ache lindíssimas as fotos feitas nos estúdios, mas não é o meu estilo preferido. Foi diante da insistência da avó materna que levei o Bruno para o estúdio da Izabel Mello, uma profissional de Santa Maria de mão cheia, pacienciosa como ela só. A vovó tinha fotos “produzidas” dos dois outros netos, e faltava só a do neto do meio, no caso, o Bruno…

Na chegada, o guri revelava a típica timidez dos primeiros minutos. A Bel não precisou pedir muito, e o pequeno já estava para lá de ambientado… Queria escolher as poses, subiu na garupa da fotógrafa… E os pais já iam ficando sem jeito diante, digamos assim, de tanta espontaneidade.

O resultado, também desta vez, impressionou-me. O guri saiu muito bem, mesmo diante de tantas caras e bocas. Rendeu-me um gasto extra, afinal, a gente sempre acaba ficando com mais fotos do que gostaria. Mas também com um baita orgulho da família linda e amada que, agora, costumo exibir por aí.

Aproveitando a foto acima, que eu amei de paixão, desejo a todos nossos leitores um ano, no mínimo, maravilhoso. De preferência, com mais tempo ao lado dos nossos filhos, nossos verdadeiros e mais preciosos tesouros. Se conseguirmos, será, com certeza, o melhor ano das nossas vidas…

Contrações...

31 de dezembro de 2009 0

Mãe de primeira viagem é uma viagem… Há uns dois ou três dias, vinha sentindo uma “dorzinha” no chamado “baixo ventre” (bem embaixo na barriga). Eram pequenas ferroadas que aumentavam principalmente à noite, após o trabalho ou depois de uma atividade física mais intensa.
Como nunca dei muita bola para dor, a não ser quando intensa, achei que era normal. Pois na quarta à tarde, ao fazer um exame de rotina, a médica detectou que eu estava com contrações e não tinha percebido…
A obstetra recomendou uma medicação para reverter o problema, tomada a cada seis horas e muito repouso…
Apesar da preocupação com as contrações, não há motivo para pânico porque a pequena não está empurrando “lá embaixo” ou fazendo qualquer tentativa mais efusiva de nascer.
O que provocou as contrações?
Pode ser uma série de motivos apontados anteriormente, como agitação da mãe, esforço físico exagerado, preocupações e incômodos etc.
Por isso, a cabeça pode ser uma aliada ou uma inimiga no fim da gestação. Tentar manter a tranquilidade e evitar qualquer tipo de estresse é fundamental nessa hora. Por coincidência, estou saindo de folga e vou tirar mais uma semana de férias…
A médica não vetou a minha intenção de passar uns dias no litoral norte gaúcho, mas orientou muito cuidado.
A partir desta quinta-feira até a volta, a recomendação é ter uma vida contemplativa com direito a muito sono, evitar qualquer tipo de incômodo ou estresse, exercícios físicos (adeus às caminhadas na areia) e curtir a vadiagem…

Nosso filho virtual

30 de dezembro de 2009 0

Amados leitores deste blog, O Em Nome do Filho, nosso rebento virtual, que veio ao mundo em 24 de julho de 2009, vai ganhar asas em 2010. Nascido para brilhar, esse leonino só tem nos dado alegrias, desde seu primeiro minuto de vida. E ainda antes de chegar aos seis meses, ele ganhará um novo ninho. A partir de janeiro, teremos uma grande surpresa online para vocês. Continuem nos lendo aqui, e aguardem a novidade. Estamos orgulhosas da trajetória que assumirá o nosso filho virtual. E você também é responsável por essa alegria, que, em breve, vamos compartilhar com vocês. Das mamães (orgulhosas como nunca), Fabi e Tici

Cordialidade e tolerância

30 de dezembro de 2009 0

Sentimentos como tolerância e cordialidade normalmente são direcionados às futuras mamães. Pessoas desconhecidas a íntimas geralmente tem uma palavra ou um gesto gentil para com a gestante. Seja num simples sorriso, num olhar de admiração em direção a barriga ou na iniciativa de ceder um lugar…
Só percebo o mesmo tipo de receptividade direcionada a profissionais, como, por exemplo, bombeiros. Pode parecer absurda a comparação, mas os mais atentos talvez tenham a mesma impressão.
Com a proximidade do fim do ano, mesmo que inconscientemente, boa parte das pessoas passa por um momento de avaliação e renovação de promessas ou sentimentos. Alguns fazem um check-up na saúde, outros reorganizam as finanças, traçam novos objetivos…
Esse ano está sendo, evidentemente, especial para mim. Passo por uma nova fase. Gero uma nova vida e quase diariamente vivo uma espécie de fim de ano. As grávidas estão constantemente repensando a vida, fazendo check-up na saúde, projetando o futuro, traçando novos objetivos e até reorganizando as finanças…
O meu desejo é que em dois mil e dez possamos ter sentimentos nobres com todos, independente da profissão, condição física, financeira, etc. Quero ser mais tolerante e cordial…

De bicicleta nova

29 de dezembro de 2009 0

O Papai Noel desceu da lareira e deixou embaixo da árvore de Natal um bicicleta de fazer o guri ficar com os olhos parados por alguns intermináveis segundos. Azul, laranja, amarelo e preto eram as cores da exuberan te magrela de aro 16, que vinha até com capacete.
A alegria foi tanta que o menino Bruno conseguiu convencer o pai e levá-la para o feriadão na casa da avó materna. Muito suor, ajeita aqui, empilha ali, e o novo veículo do guri de 4 anos entrou, enfim, dentro do carro, disputando o lugar com tantas outras bugigangas, presentes e também com o companheiro Zulu, que não poderia perder o amigo secreto da família (ganhou um osso de brinquedo, que não largou durante a viagem de volta).
Mas voltando ao presente do gordo Papai Noel. A bicicleta rendeu muitas alegrias, e o primeiro tombo no mesmo dia do test-drive. O pequeno não venceu a curva da calçada e esqueceu do freio. Resultado: foi parar numa das tantas roseiras do jardim da avó.
- Mãe, socorro, me ajuda aqui – choraminga ele, sem largar a bici, estatelado no chão.
A roseira não economizou arranhões pelo corpo do guri. Nos braços, nas pernas e na barriga… Mas sem traumas. No mesmo dia, mais tentativas de “domar” a danada. E, na volta para casa, a surpresa:
- Bruno, o que tu tá fazendo andando com essa motoca aí? E a tua bicicleta nova?
- Ah, mãe, é que me deu saudade…
Vai entender, né?

Na 30ª semana

29 de dezembro de 2009 0

Fotos Charles Guerra e montagem Fernando Campos

Os mais atentos já perceberam. A barriga está grande e redonda… O crescimento semanal impressiona. Sinto-me como personagem de desenhos, que come uma melancia e a barriga adquire o formato da fruta. O peso da pança é sentido em vários momentos do dia e da noite. Seja na dificuldade de posição confortável para dormir, na falta de ar mediante um esforço maior ou nas dores nas pernas no fim do dia. No fim da tarde de segunda, fomos fazer um novo ultrassom (lembram: na semana passada, o médico tinha esquecido de gravar o DVD e pediu para voltarmos para um mini-exame cortesia). As imagens em 4 D – na realidade são três dimensões em movimento – não mostraram muita coisa. A pequena, como de praxe, resolveu não aparecer. Parece ironia, o médico brincava dizendo que tem bebês exibidos e outros não (caso da Antonela). A segunda opção prefere dar o ar da graça apenas quando sai da barriga da mãe. Primeiro, a Antonela apareceu com um bracinho tapando metade do rosto. Na maca, mudei várias vezes de posição na tentativa de estimulá-la a se mexer e revelar a “carinha”. Porém a pequena fez tudo ao contrário, ao invés de tirar o bracinho, acabou colocando o pé junto e não foi possível ver como vai ser a fisionomia da pequena. Do pouco que deu para enxergar do rosto, foram parte dos lábios carnudos, orelha e nariz pequenos e um pouquinho de cabelo molhado. A danada quer fazer surpresa na hora do nascimento…

Bendita colônia de férias

28 de dezembro de 2009 0

Passa protetor no corpo todo. Veste a sunga no guri e coloca na mochila: roupão, toalha, chinelos, touca de natação, escova de cabelo… Tenho de me concentrar para não esquecer de nada. É o “material” que o Bruno precisa para curtir suas férias na colônia oferecida pela escolinha.

Foi a minha salvação, já que eu teria de providenciar alguém para ficar com o pimpolho nesse recesso escolar. E, com a colônia, além de eu ficar totalmente tranquila, ele ainda aproveita de montão para brincar, brincar e brincar… Dá mais trabalho organizar os pertences que o pequeno precisa levar em relação às aulas normais, mas a satisfação é muito maior…

O guri tá aproveitando os banhos na piscina térmica, já que nem sempre o clima permite colocar os pequenos na piscina ao ar livre. Mas, pro meu pequeno peixe, pouco importa. A diversão é a mesma… O que ele ainda espera é poder brincar na tartaruga da piscina infantil, o sonho de consumo dele e dos coleguinhas … Mas haverá tempo pra tudo, inclusive para muitos passeios previstos.

Além de poder brincar à vontade, o guri tá entusiasmado com a troca de professoras. E chegou contando a novidade: “não é a profe Neusa, mãe, é a profe Di” ou então “Hoje, foi a profe Ana Flávia, mãe”. Eu acho a iniciativa ótima porque, desde cedo, os pequenos são acostumados a conviver com várias profissionais, e, quando terão um professor por disciplina, nem sentirão tanto a mudança.

A colônia só entra em férias entre o período de Natal e Ano Novo e na semana do Carnaval. Conciliar as férias dos pais com os dos filhos nem sempre é possível. E quando não há jeito, dá um certo alívio saber que o pequeno está se divertindo. Pelo menos a consciência fica menos culpada de não poder estar junto com os pupilos nas férias deles. É relaxar… e brincar.

Para quem não conseguirá ficar todo o tempo das férias junto com o filho, aí vão dicas que podem ajudar e foram publicadas recentemente no site da Revista Crescer:

- Se a sua faxineira/empregada não vai à sua casa todos os dias, veja se ela tem disponibilidade de ir de segunda a sexta durante as férias. Combine com ela um valor a mais e tente se organizar para almoçar com o seu filho alguns dias também;

- Se a sua irmã, cunhada ou algum parente próximo está de férias (e que, de preferência, tenha criança), verifique a possibilidade de seu filho ficar alguns dias na casa dele;

- Se os avós moram fora de sua cidade, veja a possibilidade de o seu filho ficar alguns dias na casa deles. Além de aproximar as crianças do convívio com a família, vai ser outra experiência bacana para ele;

- Veja um dia da semana em que a rotina do seu trabalho esteja mais tranquila e leve seu filho para conhecer o local onde passa o dia;

- Ainda no trabalho, tente algum acordo. Por exemplo: você trabalha uma hora a mais de segunda a quinta e, na sexta, faz apenas meio período, para poder aproveitar a tarde com as crianças. Em tempos de celular e internet, é fácil você se manter em contato;

- Sabemos que não é a solução ideal mas, se for preciso, que tal sair de férias com uma semana de diferença do seu marido/companheiro? Vocês ficam três semanas juntos e cada um ainda tem uma semana sozinho com os filhos. Assim, eles ficam uma semana a mais com vocês;

- Se você é separada do pai do seu filho, combine com ele de tirar férias em meses diferentes;

- Lembre-se: crianças de férias em casa merecem atenção redobrada para evitar acidentes domésticos

- Nunca, jamais, em hipótese alguma deixe seu filho sozinho em casa.

Postado por Fabiana Sparremberger

O custo de um filho

28 de dezembro de 2009 0

Outro dia recebi um artigo sobre a necessidade de fazer também um “planejamento financeiro” antes de ter um filho. No texto há alguns dados impressionantes que foram feitos a partir de uma família de classe média que teria uma renda mensal em torno de R$ 4 mil (um ganho bem superior ao da maior parte da população e da realidade da própria “classe média”).
A orientação do educador e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos* é para os futuros pais “guardarem” cerca de 20% dos ganhos dois anos antes do nascimento e continuar economizando depois – investindo em uma aplicação mais adequada ao perfil do casal (mundo ideal).
A partir do nascimento, um “rebento” abocanharia em torno de 40% da renda dessa família de “classe média”. Para educar um filho durante 25 anos, o gasto ficaria em torno de R$ 509 mil.
Domingos afirma que as exigências da nossa sociedade alteraram profundamente ao longo das últimas décadas e se tornou muito mais dispendioso educar e manter um filho.
- Antes, os gastos com educação eram muito menores, os pais colocavam os filhos em escolas públicas que tinham grande qualidade, hoje, para que o filho consiga passar em um bom vestibular, com raras exceções, é preciso que estude em uma escola particular – e por aí vai… Comentando que o custo também aumenta com novos apelos de consumo, do gasto com diversão…
Estava refletindo sobre o texto e obviamente que não podemos negar que um filho agrega muito custo às famílias, mas será tanto? Conheço várias famílias com rendas menores ou muito inferiores que conseguem manter dignamente uma ou mais crianças…

* Reinaldo Domingos – Educador e terapeuta financeiro. Autor do livro “Terapia Financeira” e criador da Metodologia Disop – Educação Financeira – Presidente do Disop Instituto de Educação Financeira (www.disop.com.br)

Recordista em presentes

27 de dezembro de 2009 0

A Antonela nem saiu da pança e virou recordista de presentes da família. O nome dela foi o que mais apareceu entre as dezenas de presentes que ocuparam praticamente toda a sala da casa da avó materna.
A noite da véspera de natal foi agitada. O primo chorava tanto que o papai Noel teve de ir embora antes mesmo de concluir a entrega. O calor era tão insuportável que ao invés de beijos, os presentes eram agradecidos com palavras e gestos.
A pequena que seguiu recebendo presentes nos dias seguintes… Chegava a dar vergonha de tanta coisa que ela recebeu.
Fico imaginando o que as crianças pensam do natal… Obviamente, a data perdeu muito de seu sentido religioso e virou uma festa do consumo… Os pais podem ajudar a recuperar um pouco dos saudosos rituais e tradições…
Em resumo, a data serviu para confirmar uma doce certeza. Literalmente viramos uma barriga e todas as atenções são para os pequenos… Imagina no ano que vem quando a Antonela estiver presente em “carne e osso”…

10 mandamentos para os pais

26 de dezembro de 2009 0

1 – Amarás os teus filhos acima de todas as coisas

Amor espontâneo…que brota de dentro. Amor maduro, visando o próximo. Amor autêntico, altruísta, capaz de todas as renúncias. O amor é o alimento da alma! Ensinar a amar significa transpor as fronteiras do mundo material e atingir o espiritual, num encontro com o Criador.

2 – Não assumirás a paternidade em vão

A educação deve ser consciente e deve partir de um sentimento de qualidade. Não poderás fazer dos filhos objeto de teu uso. Eles são seres humanos e querem ser felizes. Terás que reconhecer e atender seus direitos. Os pais lhe devem fidelidade.

3 – Guardarás tempo para eles

Por mais comprometida que esteja a tua agenda, sempre deverás ter tempo para os teus filhos. Em todos os dias, todas as horas e todos os minutos a preferência é deles. Lembra-te que terás uma única oportunidade em cada instante de suas vidas. Valorize cada minuto de tua companhia junto a eles. Faça destes momentos um tempo ímpar, de qualidade e prioridades, de dedicação exclusiva.

4 – Honrarás filhos e filhas com bons exemplos

Exemplo de vida no lar, no trabalho, nas atitudes, no autodomínio, na fé, na alegria, na paciência, na perseverança, na perfeita escolha e realização dos objetivos. O exemplo é a maior arma que dispões para uma perfeita transmissão de valores.

5 – Não agredirás

A violência é nossa mais infeliz e degradante herança! Urge que nos libertemos desse tão antigo quão pernicioso “métodos de educação”. A violência deve e pode ser substituída pela firmeza e pelo diálogo. No dia em que alcançares, de teu filho, adesão em lugar de obediência e admiração em lugar do medo, não precisarás lembrar a cada instante a tua condição de pai.

6 – Não fugirás da educação sexual

Nem tabus, nem permissividade! Aqui é necessário muito equilíbrio e franqueza. Com compreensão e amizade conquistarás a sua confiança. Só assim obterás deles a abertura necessária para a revelação de suas dúvidas a fim de dirimi-las.

7 – Não exigirás deles nada em troca

A vida caminha para frente. Tudo o que fizeres por teus filhos eles terão que fazer pelos filhos deles! Qualquer coisa que quiserdes tirar de teus filhos em troca do que fizeres por eles, construir-se-á um indisfarçável furto…

8 – Nunca mentirás a eles

É dolorosa, triste e humilhante a hora da verdade! Só evitarás que caia a tua máscara se nunca usares!…Sê sincero, coerente e humilde. Ninguém é infalível. Teus filhos preferirão pais autênticos com falhas aparentes, a essas imagens austeras, supostamente perfeitas mas internamente corrompidas.

9 – Não desejarás filhos diferentes. Deverás aceitá-los como são

Cada filho é aquilo que é. Não existe nem exestirá outro igual. Deves aceitar a sua personalidade, fruto, inclusive, do ambiente que lhe proporcionaste e deve respeitar sua individualidade

10 – Não invejarás suas qualidades

Na olimpíada da vida, teus filhos começarão onde tu terminaste, é desejável, portanto que eles te superem. A competição, o ciúme, a inveja entre pais e filhos são fruto da imaturidade dos pais. Deverás proporcionar todas as condições para que teus filhos te ultrapassem.

Esta será tua maior vitória em matéria de educação.

Autor: Aluísio Saggin

Publicado na revista Escola de Pais no Noroeste do Rio Grande (edição de novembro 2009)

Postado por Fabiana Sparremberger

Pelas roupas da criançada

25 de dezembro de 2009 0

Natal, Ano Novo e muitas crianças brincando sem parar. E, por consequência, sujando como nunca as roupas. Confira abaixo truques que podem ajudar a remover aquela sujeira quase impossível de tirar. As dicas de Rejane Nascimento, gerente da rede de lavanderias 5àSec: Chiclete, foram divulgadas no site da Revista Crescer.

Chiclete

Envolva uma pedra de gelo em um plástico e passe no local onde a goma grudou. Outra dica é colocar a roupa em um saco plástico e deixá-la no congelador por três horas. O chiclete vai ficar duro; aí, é só raspar o tecido para retirá-lo 

Graxa

Molhe o tecido com água e passe um solvente, como acetona. Deixe-o agir sobre a mancha e depois lave com sabonete branco e bastante água

Gordura

Se a mancha ainda estiver fresca, passe sabonete branco sobre ela e retire com água fria. Detergente incolor também pode resolver. Basta aplicá-lo e esfregar o tecido

Tinta de caneta

Não tem jeito mesmo. O máximo que você pode conseguir é clarear a mancha em peças brancas. Passe álcool e sabão em pó e esfregue bem. No couro, no jeans ou em roupas coloridas, a mancha não sai. Passar álcool fará o tecido desbotar

Suor

Lave o tecido só com água e depois passe sabão em pedra na mancha amarelada. Deixe-o ao sol por algumas horas e enxágue

Postado por Fabiana Sparremberger

Dar ou não o bico?

25 de dezembro de 2009 0

Até pouco tempo, os especialistas não indicavam “dar bico” aos pequenos. Hoje alguns pediatras não só aceitam, como recomendam. É óbvio que o acessório prejudica a dentição. Porém, por outro lado, o bico serve como uma espécie de calmante.
O ideal seria utilizá-lo por pouco tempo, não se sabe ao certo o período exato indicado para evitar que prejudique a dentição. Outro dia escutava uma mãe relatando as dificuldades em desmamar o filho que passou de um ano de idade.
- Fiz de tudo que o médico recomendou para ele largar a teta. Acho que se usasse bico poderia ser mais fácil a adaptação – comentou a genitora. Talvez ela tenha razão.
Outra mãe relatou que o bico serve para acalmar e incitar o sono.
A manha de chupar bico é bem-vinda em momentos em que o bebê está estressado ou para se adaptar a uma nova fase de desenvolvimento.

O melhor presente, só você pode providenciar

24 de dezembro de 2009 0

Divulgação

Mães, pais e filhos do mundo inteiro estarão juntos na ceia natalina desta quarta-feira à noite. Comigo, que deixei este texto pronto há alguns dias, não será diferente.

Para minha alegria, estarei, mais uma vez, confraternizando junto com a minha família (pelo menos parte dela, já que o casal precisa se dividir entre o Natal e o Ano Novo) esta data tão importante para a humanidade. Se o nome não fosse Natal, talvez seria Dia do Amor.

O nascimento do Grande Mestre representa o que de mais puro pode existir em se tratamento desse sentimento. E se a data é para celebrar o amor é preciso que providenciemos os melhores presentes. Afinal, merecemos, não?

E esses mimos não podem ser trazidos pelo Bom Velhinho nem comprados de última hora em uma loja qualquer. Eles só estão disponíveis num único lugar: dentro de nós.

Se queremos ser mais felizes neste Natal e no ano que se aproxima – e fazer mais felizes nossos filhos, temos de agir. Se você ainda não providenciou seu presente, comece a fazer isso agora.

Declare seu amor. Diga ao pai, à mãe, ao filho e à filha: “Eu te amo e sou mais feliz porque tenho você ao meu lado”. Quantos chegam ao fim da vida sem terem dito o que sentem. E passaram a vida inteira perdendo essa oportunidade. Se você estava esperando um momento significativo em sua vida, poucas datas são tão especiais quanto o Natal

Agradeça ao Grande Mestre por ter a oportunidade de passar a data junto com quem ama. Agradeça pelo imenso amor que o cerca, pela chance de mais um encontro de amor. Quantos passam mais tempo pedindo do que agradecendo pelas imensas bençãos que recebem todos os dias

Perdoe a quem não te entende ou que falhou contigo. Se você está preocupado em ser uma pessoa melhor, não ocupe nenhum centímetro do seu coração com mágoas. Quantos passam mais tempo julgando os outros do que melhorando a si mesmo (e como temos o que melhorar…)

Procure a espiritualidade e o verdadeiro sentido da vida. Concentre mais tempo no “ser” do que no “ter”, que todos os demais desejos virão “de brinde”

Esses presentes podem fazer toda a diferença em nossas vidas. Se não fizer isso por você, faça em nome do seu filho. Lembre-se sempre que ele vai se mirar em você, em seu exemplo de vida. Se queremos filhos felizes e realizados no futuro, precisamos construir nossa felicidade, edificada nos valores que realmente valem a pena nessa vida.

Muito amor, muita paz e muita saúde a todos.

UM ABENÇOADO NATAL

Postado por Fabiana Sparremberger

Inesquecíveis natais

24 de dezembro de 2009 0

Histórias tristes ou alegres fazem parte das lembranças de natal de quase todo mundo. Acho que o clima melancólico é propiciado geralmente pela falta de alguém ou de algo que fizeram parte do passado – principalmente na nossa infância.
Relembro com saudades dos natais na casa dos avós maternos em Cachoeira do Sul. Saudades sim, melancolia não. Particularmente considero uma data alegre, um dos raros momentos em que por pouco tempo somos mais cordiais e tolerantes com todos, dos próximos aos distantes.
Na infância tinha a expectativa de rever os parentes, brincar com os primos, ter contato pessoal com “bom velhinho” (que sempre estava presente nos natais da família) e, é claro, ganhar muitos presentes.
O tempo foi passando e já adulta mantinha a mesma ansiedade em curtir a família. Os dois avós maternos se foram e as festas cessaram na velha e aconchegante casa em Cachoeira.
Por ser a irmã mais velha, a minha mãe, que tem mais três irmãs e um irmão, virou uma espécie de “nona” da família de origem alemã “Engel”.
As festas foram transferidas para a casa dela em Itaara. A animação pode não ser mais a mesma, o pessoal foi envelhecendo e as festas acabam mais cedo, alguns não aparecem mais (ausência sentida, mas compreendida por hoje dividem a atenção com outras famílias), mesmo assim o espírito de amor dessa família permanece vivíssimo e a cada ano está sendo renovado.
Novas famílias compartilham com a gente como a do pai da Antonela e a da mãe do Luca (meu sobrinho querido).
A agora nova “velha” casa de Itaara foi toda enfeitada e preparada para a festa de natal. Os parentes começam a chegar aos poucos e vão lotando a moradia que neste ano resistiu bravamente a um temporal de granizo que a deixou destelhada e a um alagamento. Assim como o tempo, a vida é cheia de surpresas. A família cresce e se renova. A mais nova integrante participará de tudo na barriga. Espero que a Antonela, o primo Luca e outros que virão possam sentir essa mesma alegria de renovar o incansável amor familiar a cada natal.

Alerta para os fofinhos

23 de dezembro de 2009 0

Muitas guloseimas se tornam irresistíveis nesta época do ano/Divulgação Lacta

As crianças podem consumir até 4 vezes mais calorias do que o recomendado no fim do ano. Quem alerta é um estudo feito na Inglaterra e divulgado no site da Revista Pais & Filhos. E diante da obesidade infantil, os pais – principalmente os que têm filhos acima do peso - são convidados a cuidar dos excessos no Natal e no Ano Novo.  

A reportagem do site dá um exemplo. Somando as refeições do dia com o jantar da ceia de Natal, incluindo entrada, prato principal, bebidas e sobremesas, o resultado pode ser um consumo de 6 mil calorias _ 3 vezes mais do que o limite recomendado para um adulto e 4 vezes mais do que as 1.500 calorias que uma criança de 5 anos deve consumir.

Segundo os especialistas, o ganho de peso nesta época pode ser difícil de ser perdido. O recomendado para quem filhos mais fofinhos em casa  é maneirar nos outros dias e fazer atividades ao ar livre.

 

Postado por Fabiana Sparremberger

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...