Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 14 janeiro 2010

Um novo susto...

14 de janeiro de 2010 0

Na quinta acordei e fui ler jornal na sala. Quando levantei sentia a calcinha molhada. A noite anterior havia sido tumultuada com dores abdominais e nas costas. Na hora pensei, a bolsa rompeu. Liguei para a médica e fui ao consultório dela.
Antes de sair mostrei para o pai da Antonela onde ficavam minhas coisas para banho, roupas e pedi para ele agilizar as roupas da pequena que em função do susto da semana passada estão sendo levadas na casa das duas avós. Orientações preventivas em casos de nascimento precoce da pequena. Coloquei um absorvente, pequei uma toalha em caso de dano maior e fui para a consulta.
Após o exame, o alívio… Não havia rompido a bolsa coisa nenhuma, era uma inflamação que é normal em algumas gestantes e aumenta a umidade interna. O remédio para evitar as contrações foi trocado pela terceira vez em função das dores que não cessam…
Mais uma vez percebi a necessidade de agilizar os preparativos para o nascimento. O quarto ainda não chegou, mas as moças da loja prometeram para até o fim dessa semana. O carrinho também chegará até o fim dessa semana. Pedi para a minha mãe trazer da casa dela um moisés que ficará no meu quarto no primeiro mês de vida da pequena. Encaminhei ao hospital o pedido para o pai assistir o parto. Ainda falta o pediatra… A resposta ficou para o início da próxima semana. As lembrancinhas devem estar prontas em quinze dias.
Enquanto isso, nós duas seguimos firme no nosso repouso em casa. A pequena me prometeu que apesar de estar muito ansiosa para vir, vai esperar a “hora certa”.

Ah, se o vermelhuxo falasse...

14 de janeiro de 2010 0

Sempre que víamos um carrão, daqueles importados de encher os olhos passava pela estrada, fazíamos a pergunta para o pequeno:
– Bruno, que tal trocar o nosso por esse, hein?
– Ah, gente, eu prefiro o nosso vermelhuxo mesmo.
O vermelhuxo é o apelido para o nosso Gol vermelho 1998, o primeiro carro da família, o veículo que nos livrou dos longos anos das desgastantes viagens de ônibus Santa Maria-Santa Rosa nos tempos de faculdade, que nos libertou os braços de tantas sacolas de supermercados no dia do “rancho” do mês, que nos garantiu a real liberdade de ir-e-vir.
Conduzidos por ele, vivemos grandes alegrias: a do nascimento do Bruno, a primeira viagem até a casa da avó, o primeiro dia na escolhinha… Também a bordo dele, foram dois acidentes de trânsito. Mas o vermelhuxo, coitado, foi vítima em ambos e segurou firme a peteca. Escapamos com ferimentos, mas com a vida preservada.
Pois de tanto ouvir os pais falarem na necessidade de ter um carro maior, mais amplo para carregar todas as tralhas, o Bruno começa a se convencer que é tempo de despedida do seu vermelhuxo. E um fato foi preponderante para convencê-lo de vez: a bicicleta nova, por milímetros mesmo, não entrou no carro no último Natal, na viagem para a casa da avó materna. E não mostrá-la para a vó seria muito doloroso para ele, já que ela é que fez a encomenda para o Papai Noel.
Por isso, estamos em fase de desapego do vermelhuxo. São tantas as lembranças, mas temos de ser práticos… Só desejo que seu novo dono tenha tantas alegrias como a que nós vivenciamos a bordo dele. O primeiro carro, a gente nunca esquece (e, quando chegar a hora da despedida, restará a foto acima, que minha cunhada me “obrigou” a registrar na época da compra). Lembro não só do primeiro carro dos meus pais – um fusca azul, mas também das inúmeras brasílias, de várias cores diferentes, que estão eternizadas nas fotos dos álbuns de família.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...