Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Quando chega a hora de voltar ao trabalho

28 de junho de 2010 2

A vida em pausa. A vida recomeça com outro sentido. São percepções comuns da maternidade. A dedicação é quase total para aquele serzinho totalmente dependente – por sinal, o mais dependente da natureza. O período de licença-maternidade pode durar dois, quatro ou seis meses. Independentemente do tempo, a volta ao trabalho é um suplício para boa parte das mães. Apesar de dolorosa, a separação é importante para a dupla – mãe e filho.
Confesso que retornei ao trabalho com o coração partido. Senti a separação muito mais do que a Antonela. A pequena está sendo bem cuidada pela Roselaine Severo, babá há 22 anos (na foto acima, com a Antonela). O largo sorriso da pequena ao vê-la pela manhã… O jeito carinhoso com que a babá a trata… Tudo isso me deixa extremamente tranquila para ficar algumas horas tentando me desligar de casa.
Para o psicólogo especialista em desenvolvimento infantil Cesar Bridi, confiança e segurança são sentimentos que a mãe tem de passar para o filho quando retoma as atividades profissionais.
– É preciso escolher bem a creche ou o cuidador, seja ele parente ou não.
Bridi afirma que a criança sente toda a insegurança ou frustração da mãe. Para as mamães que amamentam, o ideal seria fazer intervalos pela manhã e à tarde e dar o mama em casa. Se isso não for possível, é preciso ter cuidado para não tentar compensar demais o tempo fora e superproteger os pequenos na volta do trabalho.
– A mãe precisa ter vida além do filho. Deve continuar fazendo coisas sozinha, como ir ao mercado, às compras. Não deve chegar em casa do trabalho e ficar o tempo todo grudada na criança.
Alguns bebês sentem mais do que outros a separação. Eles podem apresentar estado de irritação, falta de apetite e até febre. Normalmente, essa fase de adaptação dura, em média, uma semana.
Teoria à parte, fico com a frase de uma experiente mãe que encontrei esta semana.
– Tive três filhos. Achei que me acostumaria no segundo. Depois, no terceiro. Nunca me acostumei. Saía de casa com aquele aperto no coração.

Coluna Em Nome do Filho, publicada no Diário de Santa Maria desta segunda-feira, dia 28, por Ticiana Fontana. Com foto de Lauro Alves

Comentários (2)

  • Marcia diz: 28 de junho de 2010

    É isso aí Ticiana, sei que vai criá-la independente e SUPERPODEROSA como Vc mesma…..

  • lia tereza rauber da silva diz: 28 de junho de 2010

    Ticiana, descobrir este blog e compartilhar nossa experiências é muito gratificante.
    Já poderia ser avó, pois meus filhos tem 33 e 31 anos, mas ao ler os textos de vcs, relembro tudo que vivenciei como mãe ,e as muitas incertezas ao ter que trabalhar e deixá-los aos cuidados de outras pessoas.Na maioria das vezes acertei!
    E vais te sair bem também!!!
    abraço

Envie seu Comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...