Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Músicas infantis que grudam na cabeça

22 de novembro de 2011 56


Eu gosto tanto da proposta da turma da Bromélia Filminhos, que produz a GALINHA PINTADINHA, que tenho os dois DVDs lá em casa e toco desde que a minha filhota era pitoquinha para ouvir de vez em quando. Canto junto, bato palmas, brinco. E invariavalmente fico com uma das músicas grudadas na cabeça depois da “sessão-DVD” lá em casa. Sei que não sou a única: todo mundo odeia quando acontece isso da música-chiclé não desgrudar o dia todo, certo?

Pois um dia desses a música que grudou foi justamente a de abertura do dvd Galinha Pintadinha 1.

O verso dizia assim:

“A galinha ficou doente… E o galo nem ligou… Os pintinhos foram correndo pra chamar o seu doutor.”

Pode ser implicância minha, mas achei supermachista!

Olha só: a mulher fica doente, o marido não dá bola e aí os filhos é que precisam buscar ajuda? Feio isso, né…

Postei esse “desabafo” em forma de brincadeira no meu facebook e recebi alguns comentários concordando, portanto resolvi transformar em “post sério” para saber a opinião de vocês.

Exageramos quando achamos que as canções infantis precisam ser politicamente corretas?
Tipo a nova versão do “Atirei o pau no gato”, que também está presente nos citados DVDs da Galinha Pintadinha?

A propósito: hoje é DIA DO MÚSICO!
E indico no link a seguir uma ótima matéria sobre músicas de artistas brasileiros consagrados que compõem para o público infantil.

Comentários (56)

  • Lore diz: 22 de novembro de 2011

    Oi Camila,

    não acho que seja necessário implicar ou modificar as músicas do cancioneiro popular, como as do galinha pintadinha. Elas refletem valores da época em que foram criadas, talvez esses valores sejam inadequados hoje, mas acredito que existem outros meios de reforçar valores mais corretos para nossos filhos, sem precisar censurar a musiquinha.

    Mas, tem músicas bem atuais que deviam ser banidas da face da terra e que nossos pequenos adoram.
    E tem pessoas fazendo música infantil bem legal pra criançada com valores bem politicamente corretos.

    Bjs

  • Daniela diz: 22 de novembro de 2011

    As crianças gostam é do ritmo e da rima.

    Pouco ligam para o que significa. Quem se importa com isso somos nós. Mas acho que canções bonitinhas com alguma mensagem positiva, tbém é legal. Mas sem neuras por isso, desde que não seja um funk rsrs

  • Eliane, mãe do Alan diz: 22 de novembro de 2011

    Concordo que muitas músicas são politicamente incorretas, que durante nossa infância faziam o maior sucesso. Quando criança, nunca liguei para o que significava a letra da música, apenas cantava. Mas hoje em dia que as crianças são muito mais antenadas do que nós eramos, isso me intriga…Li em um site (que não lembro qual), uma critica sobre as canções de ninar, e fiquei pensativa: qual é a criança que vai ter lindos sonhos quando a mãe canta:’nana nenêm, qua a cuca vem pegar…’ ou ‘boi,boi, boi da cara-preta, pega esse menino que tem medo de careta!’, tadinhos, acabam dormindo de tanto medo…
    Eu quando criança, adorava o Sitio do Pica-pau-amarelo, porém não assistia por medo da Cuca, nem as deliciosas “cucas” que a minha mãe preparava eu comia, tremia só de ouvir a palavra cuca.
    Acho que devemos filtrar, mas sem neuras, pois são canções populares e fazem parte do nosso folclore.

  • Adriano diz: 22 de novembro de 2011

    Falta de uma boa pia cheia de louça em Camila, fica te incomodando com músicas que existem desde antes de tu nascer, falo sério se tu que algo diferente vai lá e cria uma música infantil politicamente correta…

  • Jardel diz: 22 de novembro de 2011

    É muita maldade da tua cabeça, talvez por algum recalque. Não venha criar polemica de uma frase tão boba para crianças que mal sabem falar e que muito menos sabem o que é politicamente correto.
    Aaaa faça-me o favor, aproveite esse espaço para os anseios da vida real que devemos ter com as crianças, não va procurar problemas no DVD da “Galinha Pintadinha”.
    Tua filha corre perigo é exposta a uma mentalidade pequena como essa.

    E se um dia tu ficar doente, e teu marido ignorar, garanto que vai querer a ajuda da tua filha!
    hahahahaha
    Ainda não caiu a ficha aqui…
    Poderia ter ido dormir sem essa!

  • wendigo diz: 22 de novembro de 2011

    Claro que não sou a favor de apresentar às crianças peças de péssima qualidade ou que estimulem o preconceito, etc., mas acho que a onda do politicamente correto pode ser muito danosa, por exemplo, impedir o acesso amplo à realidade.
    Cresci vendo TV (não só programas educativos, mas principalmente desenhos animados e seriados com considerável carga de violência – Tom e Jerry, Pernalonga, Jornada nas Estrelas, Galactica, etc.) e ouvindo músicas “incorretas” (na época, rock’n'roll era “coisa de maconheiro”!!!), e nem por isso sou socialmente desajustado ou tenho qualquer trauma psicológico. Pelo contrário: hoje sei diferenciar um filme ou música boa de outra ruim. Se não tivesse tido acesso ao “lado errado”, hoje talvez não soubesse …

  • neka diz: 22 de novembro de 2011

    acho que não podemos levar as coisas tão ao pé da letra, pq na sua época que deve ser a minha a gente cantava alegremente o atirei o pau no gato e nem por isso nos tornamos torturadoras de animais.acho que a mídia de uma forma geral só desperta o que esta dentro de vc.imagina se na nossa época tivesse conselho tutelar ??? com certeza muitas mães iriam presas e nem por isso me tornei marginal, muito pelo contrário…aprendi desde cedo a respeitar os mais velhos e ter educação.coisas e conceitos muito em baixa hoje nessa gurizada que só que saber de morar com os pais até os 40 e trabalhar depois dos 30.acho que tudo deve ser filtrado para não termos tantos jovens com depressão, ansiedade sem ao menos ter chegado ao 20 ainda….

  • Douglas diz: 22 de novembro de 2011

    É a era do politicamente correto. O mundo está se tornando chato!

  • Márcia diz: 22 de novembro de 2011

    Eu não sou do politicamente correto. Ainda canto “Atirei o pau no gato” e gosto de ver com eles Looney Tunes e Pica Pau. Se nós não viramos meliantes por ter acesso a isso quando éramos crianças, os nossos filhos provavelmente também não serão.

  • Stive diz: 22 de novembro de 2011

    Nha, acho besteira..
    nós, adultos, temos que ficar pensando e pensando em como tornar a música “machista”..

    concordo plenamente com a Daniela..

  • Joseph diz: 22 de novembro de 2011

    acho que nao tem nada haver isso, ate porque tem a musica do atirei o pau no gato que eles cantam falando que nao se deve bater nos animais… o mais importante é que meu filho de 1 ano assiste e gosta, sou punido com as musicas gurdadas na cabeça, mas recompensado momeno em que fico sossegado sabendo que ele esta como uma estatua assistindo

  • Rafael diz: 22 de novembro de 2011

    Olhe!

    Sou pai e pensei que seria interessante.

    Foi a primeira e última visita a este blog. Faça meu um favor, implicância com a música da “galinha pintadinha”, nem Chê Guevara tinha tanta imaginação sobre a teoria da cospiração.

    Rafael

  • Caroline diz: 22 de novembro de 2011

    No dvd da Galinha Pintadinha II tem a música “ATIREI O PAU NO GATO” mas a música segue dizendo que isso é ERRADO, me senti mais confortável quando ouvi essa segunda parte, as crianças prestam atenção sim no que elas escutam, acho que é responsabilidade dos pais avaliar e decidir se é ou não saudável.

  • Morgana ( Mãe do Dudu) diz: 22 de novembro de 2011

    A maldade está nos adultos… as crianças vão pelo ritimo, pelo desenho, como disse a Daniela.

    Se for assim, devemos trancar nossos filhos dentro de casa e não deixa-los mais sair..

  • Nelson Rolim diz: 22 de novembro de 2011

    Quanta bobagem…O mundo está se tornando previsível, chato e pouco fértil.

  • Joao diz: 22 de novembro de 2011

    To sabendo dessa história do galo. Parece que ele ficou depois do jogo de futebol bebendo com os outros galos até as 3 da manhã. Ele faz isso toda semana, mas nesse dia encrencou pra ele. A galinha pegou uma gripe e os pintinhos sairam na chuva atrás de um médico. Só que eles não tinham unimed e levaram pelo SUS. O galo apareceu no hospital 4h da madruga. Ja na hora de começar a cantar…. Ficaram uma semana falando disso.

  • Lipe diz: 22 de novembro de 2011

    Ei, Camila, tu não tem o que fazer, tu não tem louça pra lavar, que perda de tempo, ficar se preocupando com a musica da \GALINHA PINTADINHA/, que perda de tempo, uahsuahsuahsuahsuhaushaushuahsu, fica tendo neura por isso, como disse Rafael, nem Chê Guevara tinha tanta imaginação sobre a teoria da conspiração

  • Jorge diz: 22 de novembro de 2011

    Curioso, o Brasil nunca foi tão politicamente correto e nunca houve tanta bandalheira quanto agora, o politicamente correto está eivado de cinismo e hipocrisia.

  • Thalis diz: 22 de novembro de 2011

    Achei de uma falta respeito tremenda de alguns aqui comentando achincalhando a autora do post, “vai lavar uma louça” é dose de ler. Camila, minha opinião de professor que trabalha com crianças – mas ainda não tem filhos – é a seguinte: não vejo problema em mostrar para as crianças estas músicas folclóricas politicamente incorretas, assim como acho válido a criação de versões como a do “Atirei o Pau no Gato”. Se a criança mostra consciência ou não do que está sendo dito na música, quem está com ela (pai, mãe, professor, etc.) é quem deve decidir se é o momento de comentar o assunto da música. Por exemplo, no caso da música do galo, tu pode cantar a música e depois comentar com tua filha: “olha que galo mais danado, não ajudou a galinha”. Comente esta história especificamente, de preferência de uma forma que não fique pesada nem assuste a criança. Não deixe que ela pense que todo galo ou todo homem é mau e não ajuda sua esposa. Se permitimos que as crianças generalizem tudo desde pequenas, quando crescerem poderão sair por aí dizendo coisas do tipo “vai lavar uma louça” quando discordam da opinião de alguém. Minha opinião. Acho que a discussão é válida. Um abraço! E um viva para os músicos (como eu hehe)!

  • Adriano diz: 22 de novembro de 2011

    Ei Thalis vai lava uma louça tu tbm da tua opinião sem te importar com q os outros dizem, tu te acha tão superior e tudo mais mas precisou utilizar meu comentário varias vezes, pra ter um pouco de conteúdo, pra encher linguiça, em vez de se preocupar com músicas mais velhas q todos nós juntos, vão se preocupar com esse bando de marginal e delinquente que estão criando por aí q ñ dão lugar pra idosos em ônibus, e falam o q querem com pais medíocres achando graça das maiores barbaridades que eles dizem e fazem…

  • Claos diz: 22 de novembro de 2011

    Eu vejo essa polêmica com um pouco de tristeza. Sou professor de música e lido direto com essa questão e tenho visto a educação virar comércio e consequentemente as canções infantis tb.
    Essa coleção Galinha Pintadinha e outras tantas usam músicas de domínio público por causa de direitos autorais. Tem um balaio de gravações dessas mesmas canções. São sempre as mesmas. (Borboletinha, A Dona Aranha, O Sapo não Lava o Pé e etc…) E de fato muitas destas canções a letra não acrescenta em nada e por vezes os dizeres são absurdos e sem nexo, mas tem canções bem interessantes tb. De bom fica a riqueza melódica e diversidade dos ritmos folclóricos.
    Temos artistas gravando e compondo belas canções. Basta procurar. Ainda não é uma fartura, mas já é um começo.
    Mas pra quem acha que tanto faz o que a música diz… nossa… é ignorância mesmo… levo pro lado que desconhece o assunto e o poder que as palavras possuem…
    É apenas a minha contribuição para a discussão do tópico…

  • Adriano diz: 22 de novembro de 2011

    Com certeza Claos não discordo que palavras tenham efeito sobre as crianças, mas se for pensar por esse lado coloca a criança em uma redoma de vidro, pq isso é mais fácil q responder o pq do que está sendo dito na música é errado, que na verdade é o básico e chama-se EDUCAR, o que a maioria dos pais de hj em dia esqueceu como se faz…

  • Daniela 2 diz: 22 de novembro de 2011

    Não vou resistir, tenho que escrever que os homens quase nunca comentam nada nesse blog, e quando aparecem é para mandar lavar louça? A questão não é ser ou não politicamente correto, é ser educado para argumentar. Não tem argumento, então manda lavar louça? Eu hein, o que é isso? Que nível, credo!

    Acho o politicamente correto uma chatice, mas a música da pintadinha é machista sim. Inclusive o meu marido comentou isso na primeira vez que ouviu, que imagem era essa do galo que nem ligava se a galinha estava doente. Mas é uma graça, eu adoro e minha filha ama os dvds.

    O desenho do atirei o pau no gato é muito bonitinho, e apesar de eu achar a versão original mais legal, acho sim que dá a entender que é normal atirar o pau no gato.

    Mas acho que não tem que mudar as letras e sim conversar sobre elas.

  • Lore diz: 22 de novembro de 2011

    É uma pena que o post mais comentado por homens aqui no blog seja o mais mal-educado!

    E se vocês acham Galinha Pintadinha ruim, esperem a até a tua princesinha, que tu educou, se esmerou pra só mostrar o que há de bom no mundo fazer 3 anos e pedir pra ver a “música” Barbie Girl da Kelly Key (nem sei se é assim que se escreve). Isso sim, faz uma mãe ficar preocupada, hehehe.

  • cris diz: 23 de novembro de 2011

    “Atirei o pau no gato to to …” é a mais terrível e cruel nas canções!

  • clodoaldo diz: 23 de novembro de 2011

    Sinceramente, não precisamos ficar corrigindo atitudes de personagens infantis, o nosso futuro(as crianças)não precisa analisar tais ações como se fossem interpretar textos!!!Elas tem q rir e se divertir com as musicas e qdo chegarem no momento de saber o porquê ai sim , devemos explicar-lhes !

  • Luís Eduardo diz: 23 de novembro de 2011

    Por favor gente…. o machismo e o feminismo tá na cabeça doente de vocês….! Vocês educam tão mal os seus filhos ao ponto do fato “do galo ou da galinha não ligarem” chegar a influenciar as suas crianças?
    O mundo é muito mais doente que um simples DVD de música infantil….. e cabe aos pais ensinarem o que é certo e errado….e não isolá-los de qualquer opinião contrária…

    Caso fosse o contrário iria ter gente falando em feminismo….

    Caso fosse um casal gay (politicamente correto hoje em dia) iria ter gente falando em apologia à homossexualidade….

    Depois dessa até eu, que não sou “machista”, como vocês tanto gostam de segregar as pessoas, vou ter que dizer!

    VÃO LAVAR A LOUÇA!

  • David diz: 23 de novembro de 2011

    Antes de serem politicamente corretas ou não, essas músicas são infantis. Minha filha tem um ano e cinco meses e adora os DVDs da Galinha Pintadinha, ela já canta junto “cócócó cócócóóócó”… Além da fala eles tem outras mensagens que podem ajudar no desenvolvimentos das crianças sim, mas vejam bem, ingênuos somos se acreditar-mos que somente isto basta… cabe a nós (pais e mães) darmos o rumo da educação de nossos filhos para se tornarem os filhos que queremos, deixando que eles se influenciem na medida certa.

  • Ana diz: 23 de novembro de 2011

    Nao acho que as criancas associam a familia da galinha com a familia de humanos, para elas o clip eh de bichinhos fofos. Agora algumas musicas da turma da Monica podiam ser revisadas. Moro em Londres com minha filha, ela saiu do Brasil com 1 ano e 6meses. Mostrei pra ela a turma da Monica no youtube. Um dia ela me pergunta se o cascao ia morrer, eu disse: nao, claro que nao porque?
    Ela me mostrou a musiquinha do Cascao: ” o Cascao aposto e ganho, ai morrer sem nunca tomar banho…” Eu dei risada desconversei, mas aida hoje esta musica me incomoda, tenho vontade de lancar a campanha “nao morra cascao”. ahahaha

  • Mary diz: 23 de novembro de 2011

    “na verdade é o básico e chama-se EDUCAR, o que a maioria dos pais de hj em dia esqueceu como se faz…”
    que ironia…

  • Daniela diz: 23 de novembro de 2011

    Daniela, minha xará.

    Estou postando denovo só para concordar com vc.
    Usar argumento como esse: falta de louça suja. Triste, muito triste, deprimente.

    Realmente os homens lêem o blog, mas infelizmente é grande a contribuição por parte deles, de comentários que na minnha opinião, são dispensáveis e baseados em nada.

    Não acho a música da galinha pintadinha machista neste trecho: A galinha ficou doente… E o galo nem ligou… Os pintinhos foram correndo pra chamar o seu doutor.”

    Machismo não é isso. O galo mostra é o pouco afeto que tem por sua galinha, pouco interesse, pouca participação na vida dela… Enfim, coisas que vemos muito em alguns maridos. E em alguns pais.

    Fica aí a dica.

    E já que a participação masculina neste post foi maior do que nos outros, gostaria de encontrar os mesmos homens em outros posts para então discutirmos outros assuntos. Mas não sei se eles conseguem passar do falta de louça suja para lavar. Daí não serve.

  • Cacá,o politicamente in-correto diz: 23 de novembro de 2011

    Ei Adriano seu à toa,por que no te calas?

  • Gabriel diz: 23 de novembro de 2011

    Não tenho filhos ainda, mas não acho que devam ser mudadas as letras das músicas infantis. Vejo pelo meu exemplo de quando era criança que ouvia as músicas de meus pais e nunca associei a coisas violentas as letras das músicas. Acho que os pais deve se preocupar com coisas que considero mais importantes como por exemplo impor limite aos filhos, ao invés de mimá-los e “comprá-los” oferecendo bens materiais em troca de atenção e obediência.

  • Eliane, mãe do Alan diz: 23 de novembro de 2011

    Nossaa…
    É só falar em machismo para alguns se manifestarem, com machismo!!!
    Vão vocês cortar a grama do pátio ou arrumar a gavetas das cuecas!!!

  • gustavo diz: 23 de novembro de 2011

    O politicamente correto é chato até para as crianças. Na música do gato a letra nova tira toda graça. Logo vão querer uma música que o sapo lave o pé.

  • Daniela diz: 23 de novembro de 2011

    Na onda da Eliane:

    Ei, Adriano, vai cortar a grama do pátio!!rsrsrsrs (não resisti)

  • Daniela 2 diz: 23 de novembro de 2011

    Daniela,

    Acho que você tem razão, talvez não seja machismo, seja falta de consideração mesmo, o que não melhora muito a imagem do galo. Aliás, acho que eles meio que se preocuparam com isso no segundo dvd, onde o galo aparece todo fofo preocupado com o galinho ou todo carinhoso no alecrim dourado. Ou, sei lá, talvez seja só coincidência.

    Agora o que eu não sei mesmo é como esse pessoal que manda lavar louça consegue (ou acha que consegue) educar os filhos. É desse jeito que ensinam as crianças, se eu não concordo com a opinião do outro, eu xingo ele de idiota? Ou mando ele lavar louça ou fazer coisa pior?

    Dá para dizer que acha o assunto sem importância ou irrelevante de muitas maneiras educadas.

    E logo em um fórum onde, teoricamente, todos se preocupam com educação, chega a ser até meio irônico.

  • Adriano diz: 23 de novembro de 2011

    Cacá,o politicamente in-correto, Daniela, pra vcs dois é muita falta do q faze mesmo, ao invés de se preocuparem com meus comentários, machistas e as vezes infelizes tirem o pouco q escrevi, e que presta pra alguma coisa, e vão educar de maneira correta seus, filhos, sou do tempo em q quando era criança com 5 ou 6 anos minha mãe me obrigava a dar lugar no ônibus para uma pessoa de seus 20 e poucos anos só pq aquela pessoa com certeza trabalhava e devia estar mais cansada q eu, hj em dia vejo mães que deixam seus filhos deitarem nos últimos bancos do ônibus mesmo ele estando cheio e ñ tão nem aí para os q estão ali em pé depois de um dia de trabalho… Então parem de criar futuros “delinquentes” e se preocupem com uma educação de verdade para seus filhos, e se ñ conseguirem fazer isso “vão lavar a louça, e Eliane ñ se preocupe se precisar de alguém pra cortar a grama me avisa…

  • Morgana ( Mãe do Dudu) diz: 23 de novembro de 2011

    É um pena que para esses homens a serventia de suas mulheres são apenas lavar uma louça!!

    Não devem ter filhos, família, convívio social, ou então são homens frustrados por mulheres que optaram em lavar louça do que ficar ouvindo suas baboseiras…

    Eliane, me matei de rir…. cortar uma grama..rsrs

  • Letícia diz: 23 de novembro de 2011

    Este tipo de música são muito apreciada pelos pequenos e se pensarmos a respeito da influência dás mídias sobre as crianças teremos que pensar na apologia ao sexo e/ou a sensualidade que as novelas evidenciam no dia a dia. Vamos ficar paranóicos se pensarmos muito sobre isso!

  • maribel diz: 23 de novembro de 2011

    que baixaria!!sem comentários…..

  • Adriano diz: 23 de novembro de 2011

    Morgana, seguindo seu pensamento provinciano se eu tenho todos esses problemas vcs q me mandaram cortar a grama estão na mesma…kkkkkkkkkkkk

  • Ju Rodrigues diz: 23 de novembro de 2011

    É isso aí!

    Vamos continuar educando as crianças com músicas que incentivam os maus tratos aos animais.
    Vamos continuar deixando nossos filhos olhar desenhos violentos.
    Vamos continuar educando pela palmada e pelo grito.
    Vamos continuar em casa lavando a louça.

    Afinal, pra que mexer em time que está ganhando, não é mesmo?!

    Vamos continuar criando cidadãos mau educados, machistas, que não respeitam o meio-ambiente, que não respeitam os animais, corruptos! Assim é a NOSSA GERAÇÃO!!!

    São de “Adrianos” que o mundo precisa!!!

    ——————————————————————————————-

    Agora, se queremos uma sociedade melhor no futuro, se queremos um mundo melhor para os nossos filhos, vale a pena repensar algumas coisas.
    E o BÁSICO é a educação. E EDUCAÇÃO COMEÇA EM CASA, JÁ NA PRIMEIRA INFÂNCIA!
    E educar, pra quem não se deu conta, inclui TUDO, engloba todas as experiências e influências que a criança recebe, como, por exemplo, o DVD da Galinha Pintadinha.

    E pra finalizar: #vaicortargramaadriano

  • Fernando diz: 23 de novembro de 2011

    Caríssimos, ao invés de se preocuparem se a musica da galinha pintadinha é politicamente correta ou se necessita ser ou se as demais canções e produções infantis o são, tentem ensinar um pouco de valores aos seus filhos. Coisas do tipo, dizer por favor, obrigado, desculpa, não gritar com os demais, não fazerem pirraça no supermercado, não atirar pedra na janela dos demais para quebrar o vidro, não dizer palavrão, não gritar, respeitar os direitos dos idosos, gestantes e portadores de necessidades especiais, não praticar o bullying, não roubar. Grande porcaria que se canta “atirei o pau no gato” ou se “o galo nem ligou” entre tantos outros exemplos. Se você acha que isso não é correto, não mostre para o seu filho e pronto. Gostaria que a população discutisse mais sobre problemas mais sérios como o desemprego, os juros exorbitantes que pagamos nos produtos, a qualidade de mão de obra em nosso país, a péssima qualidade do sistema de saude e transportes, se temos escolas descentes e valorização dos professores (educadores). Vamos combater as fraudes e os impostos absurdos que pagamos. Vamos questrionar porque não temos, muitas vezes, pracinhas, parques e calçadas nos espaços públicos para brincarmos com nossas crianças, ao invés de se preocuparmos com simples musicas infantis. VAMOS TRABALHAR ao invés de nos preocuparmos com esse tipo de coisa.

  • Eliane, mãe do Alan diz: 23 de novembro de 2011

    Adriano.
    Lá em casa temos uma parceria:eu lavo a louça e meu marido seca!
    Se é preciso cortar a grama, nós dois cortamos juntos.
    E sim, nós dois educamos nosso filho juntos!
    FAMÍLIA.

  • Tendel diz: 23 de novembro de 2011

    A polêmica nem é mais a proposta pelo blog, mas sim a absurda percepção da autora sobre a música. É muito má vontade julgar valores policamente corretos, em uma musica tão bobinha. Pior que o machismo é esse feminismo disfarçado.

  • Pitel diz: 23 de novembro de 2011

    Aproveitando o assunto peguei meu filho colocando talco nos pés de um sapo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Alguem adivinha porque?

  • Mary diz: 23 de novembro de 2011

    Pois é, Letícia, vc tocou num ponto super importante. Acho irresponsável quem deixar criança assistir novela. Ou TV em geral, sem supervisão. Uma coisa é deixar ver Discovery Kids, outra é deixar ver o monte de baixaria que passa nos horários que as crianças estão assistindo. No entanto, não acho que seja uma paranóia, acho que é questão de preservar a infância dos nossos filhos. Afinal, é aí que estão construindo o caráter, certo? Hoje em dia, em nome da liberdade, as pessoas estão sendo muito permissivas…

  • Claudio diz: 23 de novembro de 2011

    Quando minha filha nasceu fui imediatamente em busca dos dvds da Galinha Pintadinha, são fantásticos mas da mesma forma como você, percebi sim a mensagem descrita na música citada e é certo que a compositora estava meio da cara na época hehehe, mas creio que o ponto esta em frizar o correto e filtrar o que for possível aos filhos, o problema é que hoje os pais querem que a Tv, Pc ou o livro eduquem e ai esta o grande erro… por exemplo, uma criança sem limites, sem base e sem dissernimento vai ouvir atirei pau no gato e querer reproduzir sim, pois a musica é legal e ela vai fazer igual, coisa mais do que normal de uma criança… porém se tivesse a presença dos pais de forma coerente, pode ter certeza que não iria reproduzir isto pois saberia que não é algo correto, esta tudo neste ponto, em educar de forma presente, mostrando e filtrando, sem stress, mas cumprindo com a função de pai.

  • Adriano diz: 23 de novembro de 2011

    Não bonito é que o tema principal da discussão foi esquecido por um simples \”vai lavar a louça\” q escrevi, percebesse bem que falam eu lavo louça meu marido seca e blá blá blá, e perderam o foco do assunto principal, ñ tem o q fazer vão \”lavar Louça\” sim e continuem criando essa nova geração onde homossexualismo é \”normal\”, se tiver que achar essas baixarias que acontecem hj em dia normal, pra ser politicamente correto. Quero mais é que se exploda o politicamente correto, e Ju Rodrigues não me acha exemplo de nada e nem que o mundo precise de mais Adrianos até mesmo pq tenho muitos defeitos, mas carrego comigo princípios e valores de uma sociedade q mesmo um pouco machista era muito melhor q essa algazarra generalizada que temos hj.

  • Rejane diz: 23 de novembro de 2011

    Nossa, quanto homem mal-educado resolveu se manifestar neste post…..Se são agressivos e ofensivos aqui, posso imaginar como são em casa: devem surrar os filhos e as mulheres de chicote! E nem se deram ao trabalho de ler corretamente o que a autora do post escreveu, porque o que está bem claro é que ela abriu espaço para discussão, perguntando a opinião dos leitores. Lamentável é que muitos aqui não sabem argumentar, apenar xingar e ofender. Ótimo exemplo para seus filhos…

  • Daniela 2 diz: 23 de novembro de 2011

    Os tais princípios e valores que que o tal Adriano carrega, para MIM, são dispensáveis: homofobia, machismo e grosseria. Eu passo.

    Gentileza, gente, mais gentileza. Dá para discordar e ser gentil e educado. Dá para discutir sobre a pintadinha e ensinar a dar o lugar no ônibus, e a respeitar os outros, e a ensinar a não maltratar os animais. Não são coisas excludentes.

    E acho que a gente tem que refletir sobre as pequenas coisas também, porque senão acabamos repetindo os estereótipos como autômatos. E sempre lembrando que o que educa é o exemplo, muito mais que o discurso.

  • Daniela diz: 23 de novembro de 2011

    Adriano

    Obrigada por participar até hoje, apenas deste post.

    Realmente o seu machismo, homofobismo e grosseria não enriquecem uma discussão.

    No mais, adoro ler os comentários do blog e por isso sou leitora assídua. Opiniões contrárias as minhas são super bem-vindas. Adoro diversidades, inclusive de opiniões. Por isso, gostaria que vc maneirasse nos teus argumentos apelativos, para quem sabe trocarmos informações e opiniões de maneira mais inteligente.

  • Adriano diz: 24 de novembro de 2011

    Desculpa Daniela realmente é a primeira vez que opino pois sigo o clic RBS no facebook e vi esse blog através disso e realmente achei medíocre a opinião da autora do post desculpe se me achas grosseiro e machista, agora se o que tu chama de maneirar nos meus argumentos é ter que fazer de conta que acho o homossexualismo normal ou natural desculpa mas não vai rolar, vou ficar a espera de um novo post para que quem saiba possamos conversar em um nível um pouco melhor, pq nesse podem dizer o que quiserem a meu respeito daqui pra frente pq não vou mais me manifestar, mas tbm não irei concordar com o que vcs chamam de “normal” e pra finalizar peço desculpa a todas as mulheres que se ofenderam com algo que eu levei na brincadeira que foi o meu comentário do “vai lavar a louça” assim como levei na brincadeira quando me mandaram cortar a grama. Boa noite a todos do blog e até um próximo post…

  • Daniela diz: 24 de novembro de 2011

    ok, Adriano

    já que está começando agora a participar do blog, seja bem vindo!
    já que somos pais e dividimos do mesmo interesse, é sempre bom debater, né?(ñ sei se vc é pai, ñ lembro se vc disse)
    só não podemos esquecer de nos respeitar.
    um abraço!

  • Adriana Palma diz: 15 de abril de 2012

    Rafael… Adorei sua reposta….!!!
    Pelo amo de Deus !!!!! Discutir essa frase da música da galinha !!!!!
    Nós vamos então criar nossos filhos totalmente despreparados para o dia a dia….
    aí eles se frustarão quando verem que o MUNDO não é uma música infantil politicamente correta….. Aí será tarde demais….
    INDIGNADÍSSIMA !!!!!!

Envie seu Comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...