Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Marcelo Rosenbaum: "Vejo o design como um catalisador para um novo mundo"

23 de abril de 2013 4

O designer Marcelo Rosenbaum será um dos destaques da etapa Sul do Movimento HotSpot, que reúne novos talentos do RS, SC e PR. Rosenbaum participa de uma roda de conversa, gratuita, sobre ocupação do espaço público neste sábado (27/4), das 15h às 17h, na Usina do Gasômetro. Com ele, um representante do Vila Flores, o complexo arquitetônico dos anos 20 assinado por Joseph Lutzenberger que está se tornando centro criativo e contemporâneo, e o pessoal do Coletivo Fora do Eixo.

Rosenbaum acredita na transformação do mundo pelo coletivo. Recém- chegado de Milão, onde apresentou o projeto realizado junto a uma comunidade indígena do Acre, batizado de Yawanawá – A Força da Floresta, Marcelo conversou com o blog  por telefone, de São Paulo:

– Foi bárbara a apresentação na Itália, o trabalho com a comunidade indígena despertou o nacionalismo nos próprios brasileiros que estavam lá. A relação dos índios com o fazer é a própria definição de economia criativa. Os visitantes de outros países também ficaram impressionados com o processo do fazer dos índios.

E o projeto não termina com a exposição do que foi feito – em apenas 20 dias:

– Há uma sequência no projeto, que é fazer acontecer de verdade, acompanhar o empreendedorismo junto às comunidades. É um movimento maior de permanência cultural de nossas origens. Estamos em 2013, mas o Brasil ainda não conhece e não cultiva o Brasil.

Visionário de um mundo no qual o coletivo terá maior poder do que o que é feito com foco no individual, Rosenbaum diz que vê o design como um catalisador para uma nova realidade, e não apenas um gerador de objetos.

Ele é responsável pelo projeto A Gente Transforma, que percorre o Brasil trabalhando o design e o artesanato em comunidades ricas em cultura, porém esquecidas na imensidão país. Da união desses saberes surgem coleções originais e autênticas, esteticamente avançadas e que valorizam o design de raiz. São produzidas em parceria com comunidades que guardam séculos de conhecimento. Do ponto de vista econômico, sua principal característica está em atender os requisitos da Nova Economia: inclusiva e sustentável.

Rosenbaum tem um pensamento crítico em relação ao crescimento dos centros urbanos. E define:

– O ser humano tem que ser incluído no projeto de urbanização. É preciso pensar como as pessoas vão conviver e interagir na cidade. Acho uma pena a cultura de não-preservação, de desprezo da cidade como espaço de movimento. É preciso pensar como as pessoas vão se comunicar, viver e interagir nos grandes centros urbanos.

O designer, que se tornou popular pelos sete anos em que participou do quadro Lar, Doce Lar, do programa Caldeirão do Huck, no qual transformava casas de pessoas de comunidades carentes, esteve poucas vezes em Porto Alegre. Mas a impressão é clara:

– O centro da cidade me oprime muito, ao mesmo tempo, é uma cidade que tem zonas residenciais deliciosas, arborizadas, e, é, claro, o rio.

O MOVIMENTO HOTSPOT

Entre 26 e 28 de abril, Porto Alegre será palco para um dos maiores festivais de incentivo a talentos criativos de todo o Brasil, o Movimento HotSpot. O festival apresenta trabalhos de música, fotografia, filme, arquitetura, design gráfico, ilustração, cenografia, beleza, moda e design na Usina do Gasômetro. São 303 criativos selecionados em todo país, sendo que 74 da região Sul (RS, SC e PR), em uma grande exposição multimídia de artes integradas que chega agora à capital gaúcha junto a uma série de atrações paralelas.

A programação é aberta ao público e busca conectar essa produção nacional e seus autores com a cidade, criando um elo e uma interessante troca de conceitos e interpretações entre profissionais renomados e iniciantes, entre culturas de diversas regiões do Brasil, entre múltiplas formas de arte e criação.

Para Rosenbaum, é uma oportunidade rara de descentralizar os talentos das grandes cidades:

– Esse projeto proporciona que a gente descubra processos criativos de forma coletiva, o que é ainda mais rico. Co-criar é uma experiência valiosa, e isso a gente vê nos índios. Nada pertence a eles mesmos, tudo é pensado e trabalhado para o coletivo, ainda que esse processo passe pelo esforço individual. Mas o indivíduo é apenas um canal.

Mais informações sobre o HotSpot: www.movimentohotspot.com.br

Comentários (4)

  • Tai diz: 23 de abril de 2013

    Olá,
    Vi a chamada na TV sobre a reportagem que sairá amanhã na Zero Hora e encontrei as informações que precisava sobre o evento em que o Marcelo Rosenbaum estará aqui.
    Tenho apenas duas contribuições bem importantes sobre o artigo acima: primeiro, ele não é arquiteto como mencionado e sim designer, sendo que faz questão de sempre esclarecer isso quando há o equívoco; segundo o link para o evento está digitado errado, então não funciona (houve a inversão da posição da letra S).
    De

  • milena_fischer diz: 23 de abril de 2013

    ok, arrumaremos

  • Dani Bertoti diz: 24 de abril de 2013

    Bom dia! Moror em Capão da Canoa,e gostaria de saber como faço para participar da palestra do Rosembaum?? É gratuito? É apenas direcionado para publico especifico?? Aguardo contato,obrigada.

    Att,

    Daniela Bertoti.

  • milena_fischer diz: 24 de abril de 2013

    É aberta ao público, a entrada é franca. Abraços.

Envie seu Comentário