Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 5 outubro 2013

Grupo Press lança livro Impressão dos Sentidos

05 de outubro de 2013 0

Certa vez, diante da impossibilidade logística da presidente Dilma Rousseff fazer uma refeição no Press, os chefs do restaurante prepararam os pratos preferidos pela cliente e embalaram em uma “quentinha”. Ela os saboreou no avião, em uma viagem oficial rumo à África.

Histórias como essa poderão ser apreciadas no livro Impressão dos Sentidos, que recupera os 10 anos do Grupo Press Gastronomia, de Jaqueline Meneghetti e Carla Tellini, pelos textos de Paula Taitelbaum e fotografias de Raul Krebs.

Os escritores Peninha, Cláudia Tajes e Letícia Wierzchowski também dão canja na publicação, que será entregue como um mimo aos clientes e amigos das sócias.

Veja as fotos do livro:

Fotos: Raul Krebs, Grupo Press/Divulgação

Maria Casadevall: "Sou o contrário da Patrícia, não ligo para moda"

05 de outubro de 2013 0

Maria Casadevall é dinâmica. E foi nesse ritmo vigoroso que a atriz passou por Porto Alegre na quarta-feira – ficou menos de 24 horas por aqui – para fotografar a campanha da joalheria Safira.

Mesmo fora do estúdio no bairro Floresta, era fácil ouvir as gargalhadas características da artista que conquistou o público com a Patrícia, da novela Amor à Vida.

Despachada, de tênis, calça larga e um prendedor cor-de-rosa nos cabelos, Maria abriu uma brecha de 10 minutos na agenda, antes de ir ao aeroporto, para conversar com a coluna.

Confira:

Você é uma atriz que veio do teatro. O que lhe levou para a televisão?

Na verdade, o teatro de grupo foi a vontade que me envolveu desde o começo, por isso, comecei a atuar na Os Satyros, em São Paulo. Mas, motivada pela paixão platônica e pela curiosidade que tenho pelo cinema, quis explorar todas as minhas possibilidades. É bom ressaltar que sempre mantendo o teatro como a minha casa, a minha base principal, onde eu exercito a minha criatividade da forma mais livre possível. A Satyros é uma companhia que não tem compromisso comercial, então é tudo baseado na pesquisa, na experimentação. Depois, a televisão surgiu de uma maneira muito natural, no intervalo entre uma temporada e outra do teatro, em 2011, no seriado Lara com Z.

E como está sendo o reconhecimento da personagem na novela?

Absolutamente diferente de tudo que eu já tinha vivido. A gente nunca imagina que o personagem vai ter esse alcance todo! Mas é claro que eu esperava e queria muito que isso acontecesse. Então, no pouco tempo que eu tenho de ir às ruas e vivenciar este retorno do público, percebo que é sempre muito caloroso, afetuoso e que as pessoas gostam muito da novela em geral. Adoram o casal Patrícia e Michel (personagem de Caio Castro), né?

A Patrícia tem um jeito moderno de levar a vida. Ela carrega alguma característica própria da Maria?

De uma certa maneira, sim. Todo ser humano tem um substrato comum, e eu acho que a Patrícia carrega um pouco da minha irreverência. Mas a irreverência dela é muito diferente da minha. Ela é mais extrovertida, mais da balada, ligada em moda, antenada nas tendências. Eu, pelo contrário, sou muito mais calma, gosto de estar com os meus amigos em casa e não tenho essa ligação com a moda, que não é muito presente na minha vida.

 

Mas você acabou virando um ícone fashion. A imprensa está sempre de olho no que você está vestindo.

(Risos) Geralmente caindo em cima, né? Porque as pessoas esperam muito que eu seja parecida com a Patrícia, então parece que sempre tem um tom de decepção nos comentários! Brincadeira, eu sei que muita gente gosta de mim.

E como você definiria o seu estilo?

Próprio. Muito subjetivo. Me visto sempre de acordo com o meu estado de espírito. Acho que eu tenho uma maneira um tanto teatral de me vestir. Claro, depende da maneira como eu acordo, mas eu gosto de misturar cores, de brincar com a maquiagem, brincar com o delineador, fazer uma pintinha aqui, outra ali.

É verídica a história de que foi você quem cortou o próprio cabelo?

É verídica. Morei por seis meses em Paris e, quando voltei, meu cabelo estava repicado, mas mais comprido. Eu já tinha mudado tanto a minha personalidade, mas o meu cabelo continuava igual. Fui a um amigo cabeleireiro, e ele cortou um Chanel reto. Cheguei em casa estranhando e vendo que faltava alguma coisa. Coloquei uma música, peguei a tesoura e comecei a cortar, e cortei a franja bem curtinha.

Que peça de roupa não entraria no seu closet e qual nunca faltaria?

Primeiro, que eu nem tenho closet! (Risos) Na verdade, para nenhuma peça, eu diria nunca, tudo eu reciclo, tudo dá para se reinventar. Depende de como você usar, de como você combinar, da maneira que você vestir. E nunca me falta meiacalça colorida.

Fotos: Andréa Graiz/Agência RBS