Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Conhecidos os vencedores da 2ª Olimpíada de Matemática

19 de outubro de 2010 0

Com grande vibração de pais, professores e equipe diretiva das escolas, foram conhecidos na manhã do último sábado (16), no auditório do Sest/Senat, os alunos campeões da 2ª Olimpíada de Matemática das escolas municipais de Pelotas. A entrega dos prêmios contou com a presença do representante do Ministério da Educação (MEC), Raymundo Ferreira Filho, do vice-prefeito de Pelotas, Fabrício Tavares, do secretário adjunto de educação, professor Lino Soares, e do coordenador do Núcleo de Estudos em Ciências e Matemática (Necim) da UFPel, Vitor Hugo Manske.

Foram premiados os seguintes alunos:

1º lugar (5ª série):

- Jennifer da Rosa Rodrigues, da EMEF Dr. Luiz Augusto de Assumpção

- Eduardo Nunes Casarin, da EMEF Garibaldi

- Ygor Campos da Rosa, da EMEF Dr. Joaquim Assumpção

- Bruna Gonçalves Franck, da EMEF Independência

1º lugar (6ª série):

- Vinicius Xavier Tuchtenhagen, da EMEF Dr. Brum de Azeredo (na Olimpíada de 2009 também obteve o 1º lugar)

- Matheus Castro Oxley, da EMEF Cecilia Meireles

1º lugar (7ª série):

- Henrique Campelo, da EMEF Olavo Bilac

- Gabriel Galvão Silveira, da EMEF Saldanha da Gama

- Rodrigo Kuhn Gehling, da EMEF Arthur de Souza Costa

- Lenizia Richardt de Azevedo, da EMEF Deogar Soares

1º lugar (8ª série)

- Stéfany dos Santos Hirdes, da EMEF Dr. Francisco de Campos Barreto, que acertou a prova integralmente.

Também receberam premiação os segundos, terceiros e quartos colocados, totalizando 94 alunos premiados.

A cerimônia de premiação da 2ª Olimpíada de Matemática das escolas municipais de Pelotas integrou as atividades do 6º Simpósio Sul-Rio-Grandense de Professores de Ciências e Matemática e a V Feira Regional Sul-Rio-Grandense de Ciências.

As provas da 2ª Olimpíada de Matemática das escolas municipais de Pelotas, realizadas no mês de agosto, tiveram a participação de 977 alunos, de 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries, de 41 escolas, revelando um aumento de mais de 50% em relação a 2009, quando foi realizada a primeira Olimpíada. O concurso consistiu em uma prova com dez questões sobre conteúdos de matemática estudados em séries anteriores às frequentadas atualmente pelo aluno, com ênfase no raciocínio lógico.

A Olimpíada de Matemática tem como objetivo estimular a curiosidade dos alunos e despertar o interesse e o gosto pela matemática, motivando-os para o estudo.

Lições Inesquecíveis: Exemplo que vem de casa

15 de outubro de 2010 0

Por Tatiane Furtado da Fontoura*

A pessoa que tenho orgulho de descrever conheceu-me antes de eu vir ao mundo! Exatamente quando estava em sua barriga. Pessoa única e insubstituível, minha mãe, Hilda Geneci Taubenheim Furtado.

Professora da vida porque ensinou-me a sorrir, entendeu-me nos choros e resmungos. Teve paciência nos momentos de incerteza e, principalmente: “zelou por meus sonhos, idealizando os seus”. Seus olhos foram minha segurança quando aqui neste mundo cheguei, sua fala minha certeza de que ter vindo para cá teria sido a melhor opção e seus braços o aconchego mais que certo de que Deus é infinito e supremo em sua criação.

O tempo foi passando, eu crescendo e ela como professora de fato, em meio a seus planejamentos de aula, entrelaçava-me a este mundo de letras e números o qual me fascinava, gerando aprendizagem de verdade.

Ler e escrever não foi difícil porque eu tinha em casa a melhor das alfabetizadoras, uma professora das séries iniciais da rede municipal de ensino dedicada, questionadora, criativa, amorosa, minunciosa, brincalhona, humilde, psicóloga, médica, cantora, palhaça, mãe de todos e, principalmente, adulta com alma de criança. Ou seja, foi ela que encantou-me a esta profissão!

Noites mal dormidas corrigindo provas, elaborando aulas, preocupada com o futuro de seus alunos, hoje são, com certeza, lembranças que edificam minha prática como educadora. Educadora que vem de bases sólidas para esta profissão: bases estas, que minha mãe (hoje aposentada) construiu em minha vida e está repetindo com meus filhos!

Professora, mãe de amor infinito, com sabedoria dos anjos, a criação que perfeita: “inegualável”!
Parabéns a todos que ainda acreditam nessa profissão, mas obrigada a ti, minha eterna educadora: minha MÃE, minha incentivadora!

* A história da Tatiane foi uma das inscritas no concurso cultural “Lições Inesquecíveis: Histórias de Professores Exemplares” escolhidas pela equipe de telejornalismo da RBS TV Pelotas para ser transformada em uma reportagem especial que foi exibida no Jornal do Almoço desta sexta-feira (15). Assista em vídeo.

Lições Inesquecíveis: Uma professora que ensinou a sonhar

15 de outubro de 2010 0

Arani Glöckner*

Nós estávamos no enterro de um tio em Canguçu. A igreja onde ele foi velado fica ao lado da escola Rural de Nova Gonçalves, onde estudei, na quarta e quinta séries. Eu estava sensibilizada por que meu tio falecera, por que encontrei pessoas, que há muitos anos não via e também pelas recordações. Minha prima Saíra sentou à minha frente. Quando me viu, virou e transformou a melancolia em alegres lembranças de momentos, dos quais eu quase duvidava ter realmente vivido:

A personagem mais importante: a professora Laira, que há aproximadamente 20 anos não vejo, mas que imagino tão simples e linda, como na época; loira de estatura média, usava sempre saias pelo joelho, blusas e sapatos confortáveis.

Com ela, eu não cresci apenas em sabedoria, mas como pessoa. Foi ela que comprou o meu primeiro shampoo Seda. Chamava-me para lanchar na casa dela, que era perfeitamente limpa e organizada. E apesar da minha extrema timidez, ensinou-me a representar. Nas festas da escola, fazíamos apresentações teatrais e era para mim que ela oferecia o papel mais importante. Quando marchávamos, ela sempre me indicava como porta-bandeira e quando alguém me magoava, ela me defendia, sem nada perguntar.

Sempre quis dizer a ela o quanto receber todo esse carinho, sem nada ter que dar em troca, foi essencial para minha autoestima. Quando minha prima Saíra relatou os detalhes mais importantes e cômicos das minhas apresentações, revi-me naqueles palcos onde comecei a acreditar em meus sonhos e em mim mesma.

Muito obrigada, querida professora Laira Gettens Schubert. Como a amo, por ter me tirado da casquinha e ter me exposto à luz! Muitos beijos carinhosos!

* Este é um dos textos enviados ao concurso cultural ‘Lições Inesquecíveis: Histórias de Professores Exemplares’, realizado pelo site clicRBS Pelotas em parceria com a RBS TV local.

Lições Inesquecíveis: Meu primeiro Dia dos Professores

15 de outubro de 2010 0

Por Natasha Abreu Gonçalves*

Meu nome é Natasha Abreu Gonçalves, tenho 18 anos e por meio deste email conto a vocês a minha história, de uma professora inesquecível que tive e ainda tenho.

Há cinco anos entrei para o curso normal do Colégio Municipal Pelotense e no terceiro ano de curso passei a ter aulas com a Graciane, que dava aulas de didática da alfabetização. Costumo dizer que ela foi uma das responsáveis pelo meu encantamento pela educação. Ela e as outras professoras do curso normal a cada ano me mostraram a mágica de ser professor. Graciane, principalmente, quando nos falava no compromisso que deve-se ter quando se é professor.

As aulas que eu tinha com ela eram fantásticas, pois ela nos dava os dois caminhos de ser professor: aquele que está sempre com os alunos, que constrói junto com o aluno e está sempre estudando e o caminho daquele professor que não está nem aí para nada.

Este ano era o ano mais decisivo para mim, pois era ano de estágio onde tinha que passar seis meses em uma turma, tendo a supervisão de todas as professoras do curso. Eu ganhei uma 3ª série na escola do Barro Duro e era fantástico meu estágio, pois todos os dias eu via todas as lições que aprendi no curso em sala de aula. Muitas vezes quando estava dando aula via a Graciane, pois tudo que ela falava na aula eu conseguia ver no meu estágio. Tinha dias que eu achava que não estava boa a minha aula, então corria direto para a Graciane. Eu precisava de uma palavra, algo que me confortasse, que me desse forças e junto dela eu tinha isso.

No dia 11 de setembro de 2010 me formei no curso normal, com habilitação para as séries iniciais, e a paraninfa era a Graciane. Neste dia uma etapa da minha vida foi concluída: passei a ser PROFESSORA, e minha paixão pela educação aumentou!

E pensam que a Graciane saiu da minha vida? Bem capaz! Ela não dizia que professor deve estar sempre junto, buscando e estudando? Pois é! Agora sou aluna dela na Educação Infantil e espero aprender mais e mais nesta jornada de educação e quem sabe um dia eu seja um pouco parecida com ela…

Gosto muito dela e gostaria de que ela fosse a homenageada, pois é fantástica como professora e realmente faz a diferença. Acredito que ela ficaria muito orgulhosa de ver sua história na televisão. Ela merece muito! E eu ficaria muito feliz também, pois este é meu primeiro Dia do Professor!

* A história da Natasha e da Graciane foi uma das escolhidas no concurso ‘Lições Inesquecíveis: Histórias de professores exemplares’ para ser transformada em reportagem especial pela RBS TV Pelotas. A matéria foi exibida no Jornal do Almoço desta sexta-feira (15). Assista ao vídeo.

Quer homenagear seu professor inesquecível também? Deixe seu comentário!

Lições Inesquecíveis: Recadinho à professora Angélica

15 de outubro de 2010 0

Marly*

O nome dela é Angélica! A minha professora é brincalhona sabe alegrar a turma faz coisas inesquecíveis.
Bom, ela é um pouco brigona… mas nós já se acostumamos! Tem uns dias que ela fica chatinha demais, e outros que ela tá numa euforia, bem feliz da vida. Mas nós falamos a ela que não importa os dias que ela esteja mal ou bem, nós sempre vamos ajudar ela, como ela nos ajuda em tanta coisa… na matéria, matemática, que é a pior coisa do mundo!

Ela é muito linda, simpática, e às vezes vira uma pré-adolescente que nem a gente, e adora dar uma curtida que eu sei! Nós a amamos muito de verdade, sei que nós incomodamos bastante, mas é o nosso jeito e eu não posso mudar!

Dá para acreditar? No começo do ano eu não me dava muito com ela, mas daí nós fomos nos entendendo, e ficamos superamigas. Hoje eu considero ela a melhor professora do mundo!

Uma professora bem mandona…
Mas uma amiga muito especial…
Ela é engraçada, faz palhaçada…
Ela não nos entende, mas a gente dá um jeitinho…
Nós sabemos que ela ama a gente demais e quer sempre o nosso bem!
Quanto mais ela grita pra pedir silêncio mais a gente ama ela…
A gente nunca vai esquecer dos dias de chuva que ela faz palhaçada, das nossas receitas malucas, da nossa recreação física…
E também não dá pra esquecer quando ela dá uns conselhos doidos, que no final sempre dão certo!
Ela é uma segunda mãe pra gente, ela é numero 10!

* Essa declaração de amor à professora Angélica é um dos textos enviados ao concurso cultural ‘Lições Inesquecíveis: Histórias de Professores Exemplares’, realizado pelo clicRBS Pelotas em parceria com a RBS TV local.

Lições Inesquecíveis: Um mestre diferente e nada (in)diferente

15 de outubro de 2010 2

Por Oldair Siqueira Silveira*

Devoto meu carinho e admiração a Homero Vasques, meu professor de História em 1971, ano em que deixei a família na Zona Rural para ser aluna na cidade de Santa Vitória do Palmar, na 6ª série no Ginásio.

Tudo era assustador e frio, o oposto do que vivi por cinco anos onde um professor lecionava da 1ª a 5ª série sozinho, numa escola de madeira à beira da estrada.

O movimento da escola me assustava. Aos poucos fui me adaptando e já ia no bar escolar que vendia doces, entre eles a bala Soft de caramelo.

É neste cenário que este professor teve papel importante em minha vida. Foi ele que mudou a imagem da escola fria que me recebeu com indiferença. Professor Homero, figura incrível que embora eu não percebesse, sabia que eu estava ali e foi capaz de sentir a minha ausência quando após um recreio não voltei à sala de aula. Com sua sensibilidade percebeu algo errado porque jamais me ausentaria sem sua permissão e mandou um colega me procurar. Fui encontrada no banheiro afogada com uma bala Soft. Tive certeza então que aquele professor não era indiferente.

Criei admiração por ele e esse sentimento se intensificou até que outro fato me deu a certeza de que além de professor ele era também amigo e um pouco pai. Alguém que se preocupava com a gente.

Ao aplicar uma prova na segunda, perguntou-me porque estava sem os óculos de grau. Respondi que haviam quebrado na sexta-feira e ficariam prontos na quarta. No mesmo instante me dispensou marcando uma nova data para a prova, pois viu minha tristeza por não ter estudado por causa da minha grande falta de visão.

Foi uma grande demonstração de carinho que recebi. Foi como ganhar colo de mãe. Apesar de ter só 13 anos, estava longe da família, o que me fazia muito triste. Aquele gesto de carinho me marcou tanto que nunca esqueci.

Voltei a encontrá-lo na faculdade e os velhos sentimentos continuavam vivos. Ele é meu referencial de professor e de pessoa, e sempre que dei aula procurei ser compreensiva e justa com meus alunos. Ele me ensinou com seu exemplo e eu honrei o mestre que me orientou e se fez espelho para mim.

* Oldair inscreveu essa história no concurso cultural ‘Lições Inesquecíves: Histórias de professores exemplares’. Ainda hoje – Dia dos Professores – você confere aqui no blog Minha Escola outras histórias de grandes mestres e no Jornal do Almoço você assiste a uma reportagem especial.

Quer homenagear seu professor inesquecível também? Deixe seu comentário!

Lições Inesquecíveis: O encantamento da escola na maturidade

15 de outubro de 2010 0

Paula Rejane Brasil de Azambuja Duarte*

Minha história é sobre minha professora do EJA no UNI Colégio. Ela chama-se Dalvanir, foi minha professora no ano de 2004 quando retomei os meus estudos, pois na adolecência não tive a oportunidade para concluí-los.

Eu teria muitas coisas para contar sobre minha professora Dalvanir, mas tenho que ser objetiva. Pois bem:

Ela foi exemplo de perseverança, mulher guerreira que também como eu retornou aos estudos já na maturidade. Eu, mesmo já com 28 anos de idade, me encantava por ela com se eu fosse uma criança a escutar sua primeira professora. Ela nos dava aula de Artes Visuais e foi assim que fez eu me apaixonar pelas artes. Uma mulher culta, forte e extremamente convicta das suas opiniões.

Foi então que em 2009 prestei vestibular e passei para o curso de Licenciatura em Artes Visuais na UFPel. Tentei reencontrá-lá para lhe dizer desta minha conquista, mas no UNI Colégio me informaram que ela já se aposentou, e não podiam me dar seu endereço ou telefone.

Ela, esta mulher forte e corajosa, me fez acreditar que nunca é tarde para recomeçar e que que dando um passo de cada vez conseguimos chegar ao último degrau. Talvez ela nem saiba da grande diferença que fez em minha vida… Ela me mostrou a arte, esta bela arte que nos faz colorir os dias, esta arte nos faz pensar no colorido do céu e no cheiro do mar!

* A história de Paula foi uma das enviadas ao concurso cultural ‘Lições Inesquecíveis: Histórias de Professores Exemplares’, realizado pelo clicRBS Pelotas em parceria com a RBS TV local. Gostou da história? Tem outra emocionante para contar? Deixe seu comentário!

Lições Inesquecíveis: A professora mora em frente

15 de outubro de 2010 0

Por Janaína Silva Menezes Alves*

Meu nome é Janaína Silva Menezes Alves, tenho 30 anos, e minha professora inesquecível é a da 1ª série: a professora Mara.

Para mim ela é inesquecível porque me ensinou minhas primeiras letras e também por outro motivo: nunca perdi o contato com ela, porque ela mora em frente à minha casa!

Ela se mudou pra cá quando eu era ainda muito pequena. Quando entrei no colégio, tive uma grande surpresa ao saber que a moça que havia se mudado para frente da minha casa ia ser minha primeira professora.

Lembro-me que nesse período eu fiquei muito doente, vivia no hospital, tinha fortes e horríveis dores abdominais que os médicos diziam ser de origem renal. Enquanto eu fazia o tratamento, por muitas vezes fiquei sem frequentar a escola por causa das fortes dores, perdendo muitas aulas, mas Deus colocou no meu caminho a mais dedicada das professoras.

Como era minha vizinha, me trazia todos os dias as lições, me ensinava e graças ao seu esforço eu passei de ano, lendo e escrevendo muito bem. Agradeço a ela e a todos os colegas que também me ajudaram. Além de ser minha primeira professora, é minha vizinha, minha amiga, e acho que poucas pessoas tem esse privilégio de ter essa pessoa especial tão perto. Professora Mara, que Deus te abençoe hoje e sempre!

* Essa é a história da Janaína enviada ao concurso cultural ‘Lições Inesquecíveis: Histórias de professores exemplares’, promovido pelo site clicRBS Pelotas e pela RBS TV Pelotas para marcar do Dia dos Professores. Ainda hoje aqui no blog confira outras histórias inscritas, e assista no Jornal do Almoço a uma reportagem especial.

Quer homenagear seu professor inesquecível também? Deixe seu comentário!

Lições Inesquecíveis: A dentista que detesta matemática

15 de outubro de 2010 0

Por Marise de Castro Carrera*

Quem nunca teve um professor especial? Eu tive. Mas o que fazer quando o professor é especial e a matéria detestável? Esse foi o meu caso.

Há uns trinta anos conheci a professora Glaci Freitas dos Santos, professora de matemática. Logo eu que odiava matemática! Mas, com essa professora eu aprendi muito mais que cálculos e outras coisas “insuportáveis”. Aprendi a ter concentração, paciência, determinação… Virtudes essas que me valeram para a vida profissional.

E, como todos nos sabemos, o mundo dá muitas voltas…

Um belo dia, ao chamar o próximo paciente do meu consultório, quem estava lá? Ela mesmo! Minha amada
professora, só que agora estávamos em outros papéis: ela como paciente e eu como sua dentista.

Pude, naquele momento, pôr em prática tanto ensinamentos de vida que ela me deu, e se eu estava naquele lugar um pouco devia a ela também.

Continuo até hoje sendo sua dentista e sou muito grata por ter tido uma professora severa e exigente como ela. Aprendi muitas coisas com essa mestra, menos a gostar de matemática!

Meu nome é Marise de Castro Carrera, sou cirurgiã dentista, e essa é a minha historia e uma forma de homenagear todas as professoras que passaram pela minha vida e pela vida das minhas três filhas. Quem sabe o destino nao me reservara uma filha professora de matemática?

* Marise inscreveu essa história no concurso cultural Lições Inesquecíveis: Histórias de professores exemplares, realizado pelo site clicRBS Pelotas e pela RBS TV Pelotas. Outras histórias serão publicadas ainda hoje, Dia dos Professores, aqui no blog Minha Escola. No Jornal do Almoço, confira uma reportagem especial.

Quer homenagear seu professor inesquecível também? Deixe seu comentário!

Lições Inesquecíveis: Do 'terror pedagógico', lições de amor

15 de outubro de 2010 0

Por Zildo Pacheco de Ávila*

Sem pretenções, é óbvio, mas gostei da iniciativa da TV Tuiuti em abrir este espaço, “Lições inesquecíveis – Histórias de professores exemplares” porque permitirá legar a posteridade uma passagem vivida há mais de meio século.

Minha professora chama-se “Dona” Eda Sousa Cedrez e começou no magistério neste município (Pelotas) há 70 anos, mas mesmo hoje ao passar por um de seus setuagenários alunos, se não ouvir um sonoro “bom dia”, fica introspecta a se perguntar: “Onde foi que eu errei na educação deste guri?”

É hoje minha grande amiga, todavia marcou minha infância estudantil pelo seu terror pedagógico, já que eu apanhava em sala de aula porque era sinistromano, porque a letra era feia, ficando também horas ajoelhado sobre grãos de milho porque não sabia a tabuada ou era conduzido ao quadro pênsil por uma orelha para aprender a dividir. Ufa! E quão bom aluno eu era, porque jamais apanhei de palmatória como infortunados colegas.

Eu, claro, jamais bati num aluno, embora tido como professor durão. Ainda assim, agradeço a “Dona” Eda, porque com certeza sem essa passagem lúgrube, teria o destino de meus amigos infantis cujos pais julgavam as letras supérfluas e fúteis.

* Essa é a história de Zildo Pacheco de Ávila, 65 anos, ex-aluno da Escola Municipal Joaquim Caetano da Silva e sua professora Dona Eda. Outras histórias enviadas ao concurso cultural ‘Lições Inesquecíveis: Histórias de professores exemplares’ serão publicadas ainda hoje – Dia do Professor – aqui no blog Minha Escola. No Jornal do Almoço, assista a uma reportagem especial.

Quer participar dessa homenagem coletiva? Registre no espaço para comentários deste post seu recado ao(s) seu(s) professor(es) preferido(s)!