Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de fevereiro 2013

Museu de Arte do Rio integra projeto de revitalização da zona portuária

28 de fevereiro de 2013 0


Museu de Arte do Rio inaugura sexta, dia 1º de março.


Inaugura na próxima sexta-feira (1/3) o Museu de Arte do Rio (MAR), um complexo que une museu e escola em 15 mil m² e inclui oito salas de exposições divididas em quatro andares, a Escola do Olhar e áreas de apoio técnico e de recepção, além de serviços ao público. Localizado na Praça Mauá, o MAR é uma iniciativa da Prefeitura do Rio de Janeiro e da Fundação Roberto Marinho e representa um dos marcos do Porto Maravilha, projeto da Prefeitura de revitalização da zona portuária do Rio, com investimentos também da iniciativa privada.

Com arquitetura de Thiago Bernardes, Paulo Jacobsen e Bernardo Jacobsen, o prédio tem lighting design assinado pelo Estúdio Carlos Fortes, com colaboração de Gilberto Franco. A partir da proposta arquitetônica de manter a fachada do Palacete Dom João VI, em estilo eclético, o lighting designer criou uma iluminação de dentro pra fora do prédio para mantê-lo vivo.

“As salas de exposição contam com um sistema de trilhos eletrificados, que proporciona a flexibilidade necessária ao museu, uma vez que a luz deve mudar a cada nova exposição. Os projetores especificados para esse sistema apresentam fachos de luz diversos para atender à variação dos efeitos desejados. A iluminação é integrada a um sistema de automação, que permite em cada sala o controle da intensidade da luz em variadas graduações, proporcionando a criação de diferentes cenas e o atendimento aos requisitos de conservação das obras de arte. A cobertura fluida – em concreto, que integra os dois edifícios, do Museu e da Escola do Olhar – foi iluminada de baixo para cima, a partir do piso, reforçando a ideia de movimento e fluidez sugerida pelos arquitetos”, afirma Fortes.

Museu de Arte do Rio (MAR)

Local: Rio de Janeiro RJ

Projeto de Arquitetura: Thiago Bernardes, Paulo Jacobsen e Bernardo Jacobsen

Projeto das Exposições: Leila Scaf Rodrigues

Lighting Design: Estúdio Carlos Fortes / Co-autoria: Gilberto Franco

Projeto de Restauro: Velatura Restaurações Ltda.


Cheiro de café, e quem resiste...

25 de fevereiro de 2013 0

Assim que inaugurou, conheci a Boutique Nespresso, em São Paulo. Uma experiência bacana, a começar pelo colorido das cafeteiras, das cápsulas de café e das embalagens do açúcar. Gosto de café, mas não nutro uma paixão pela bebida, mas adoro mesmo é o design das cafeteiras que ajudam na decoração. e o cheiro do café pela manhã. O melhor é poder escolher entre os mais de 10 grands crus criados pelos especialistas da marca, com características e perfis aromáticos totalmente distintos.

Quem passa a investir em modelos da Nespresso é a Koka Rigon, da Roka Ideias e Objetos “As primeiras máquinas que chegaram na loja foram vendidas rapidamente. É um produto prático e versátil. A procura é certa e a venda também”, afirma Koka. São oito modelos com preços que variam entre R$400 e R$1.000,00.  A máquina mais simples, por exemplo, oferece controle manual do volume de café, bomba de alta pressão, elemento de aquecimento thermoblock, fácil inserção e ejeção de cápsula usada. Daí para cima, as qualidades se acentuam, assim como o acréscimo do valor. Outro ponto alto é o shape, bem moderninho e com opção de cores em alguns modelos. A peça pode ser usada em casa ou no escritório, complementando a decoração.


Eli Heil vai além de uma artista outsider

05 de fevereiro de 2013 0

O crítico de arte e professor João Evangelista de Andrade Filho lança os livros Ciranda – A arte corrupiante de Eli Heil e Mão dupla – poesias, na terça-feira, dia 5, às 19h, na Fundação Cultural Badesc, em Florianópolis.

No texto sobre Eli Heil, João investiga como ela se insere no ideário artístico: naïf, expressionista e surrealista são alguns deles. Uma das possibilidades seria classificar Eli como uma outsider. Na opinião do autor do livro, Eli extrapola o conceito de outsider. “Ao mesmo tempo que ela não cede às interferência do mercado, vende pouco e não depende de galeria, Eli tem a preocupação de mostrar sua arte através do Mundo Ovo, sua casa de exposições, ao contrário do outsider, que geralmente não expõe seu trabalho”, considera.

Mão dupla traz 76 sonetos, com alusões a figuras do Candomblé, como Oxum, a deuses gregos. São propositadamente anacrônicos na forma. “Eu procuro ser simples, mas nem sempre consigo”, diz João Evangelista. O livro é uma interpretação do amor, a partir dos trovadores provençais.

João Evangelista é doutor em filosofia pela Universidade de Brasília. É professor titular fundador da Universidade Federal de Santa Catarina e da Universidade de Brasília. Fundador e diretor do Museu de Arte de Brasília. Em dois períodos, foi diretor do Museu de Arte de Santa Catarina. De 1958 a 1963 e de 1998 a 2008. É também curador e historiador de arte.

O quê: lançamento dos livros Ciranda – A arte corrupiante de Eli Heil e Mão dupla, de João Evangelista de Andrade Filho.

Quando: terça-feira, dia 5, às 19h.

Onde: Fundação Cultural Badesc. Rua Visconde de Ouro Preto, 216, Centro, Florianópolis.

Quanto: entrada gratuita.


Mitos e lendas de Jandira Lorenz

05 de fevereiro de 2013 0

“Fazer arte é expressar-se através de símbolos, fazendo que os homens possam conhecer melhor suas próprias emoções”. É nesse conceito de arte que acredita Jandira Lorenz, uma artista fiel ao desenho e a sua própria poética expressiva. Sua recente produção pode ser apreciada na exposição O universo onírico de Jandira Lorenz, com curadoria de Fernando Boppré, e realização do Sesc de Santa Catarina. A mostra reúne 13 desenhos que combinam técnica em nanquim, pastel, aguada e lápis sobre o papel. Seu desenho expressa sua riqueza imaginativa e percepção apurada, alheia aos modismos e às tecnologias digitais. O mundo atemporal de mitos e lendas está presente em seus desenhos e quem sabe poderá estar na parede da sua casa.

O quê: abertura da exposição O universo onírico de Jandira Lorenz
Quando: 7 de fevereiro de 2013, às 19h. Visitação até 15 de março, de segunda a sexta, das 12 às 19h.
Onde: Fundação Cultural Badesc. Rua Visconde de Ouro Preto, 216, Centro. Florianópolis
Quanto: gratuito

Jandira Lorenz