Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Segunda chance: noite de autógrafos com Gilberto Gerlach

17 de setembro de 2015 0
jesse livro do gilberto

Pintura de Albert Gustav Schwartz , residencia de Carl Hoepcke, Consulado da Alemanha, 1888. Acervo de M. Cristina Scomazzon.

O Clube de Cinema Nossa Senhora do Desterro lança, no dia 17 de setembro, às 19 horas, na Assembleia Legislativa/SC, o livro “Ilha de Santa Catarina – Florianópolis”, de Gilberto Gerlach –  o primeiro lançamento, com a distribuição gratuita de 350 exemplares ocorreu no dia 8 de setembro. A publicação teve o incentivo da Tractebel Energia e BRDE, via Lei Rouanet, do Ministério da Cultura. No lançamento da próxima quinta-feira, o livro estará à venda por R$ 200,00. A obra, em dois volumes, tem 776 páginas, 550 fotografias, 75 pinturas e 110 desenhos – cerca de 20% nunca antes publicados.

Os livros à venda são parte da cota pertencente ao autor e que estão num preço inferior aos custos do mercado. Pela Lei Rouanet, a maior parte dos livros é distribuída a bibliotecas públicas, instituições educacionais e culturais, além da entrega às empresas patrocinadoras e aos colaboradores. A Lei também exige que 10% das obras sejam entregues a pessoas de baixa renda por meio de instituições públicas.

Gilberto Gerlach, 72 anos, é membro da Academia Catarinense de Letras e fundou, em 1968, o Clube de Cinema Nossa Senhora do Desterro, que durante muitos anos funcionou no Centro Integrado de Cultura. Misto de engenheiro, cinéfilo e historiador, foi um paciente, persistente e dedicado pesquisador de conteúdos iconográficos sobre Florianópolis e São José, dispersos pelo país e pelo exterior. Para isso visitou bibliotecas e acervos de colecionadores particulares em Florianópolis, Itajaí, Blumenau, Curitiba, São Paulo, Buenos Aires, Lisboa e Paris.

Para reunir todas essas imagens, contou com a boa vontade de vários colecionadores e muitos colaboradores. Dois, particularmente, o impressionaram pela quantidade e qualidade do material: Apparecido Jannir Salatini, de São Paulo e Monsenhor Jamil Nassif Abib, de Rio Claro (SP). Este último possuía em sua coleção 18 imagens raras produzidas quando da passagem de um navio-escola francês por Florianópolis, em 1903.

Outro exemplo é o do primo do fotógrafo Sebastião Salgado, Jesse Salgado, que possui residência na Lagoa da Conceição, na capital catarinense, e descobriu obras do pintor alemão Albert Gustav Schwartz, que chegou à Ilha em 1868 e aqui residiu cerca de 20 anos. Salgado localizou três quadros do pintor em Buenos Aires e outro na Alemanha, com cenas da Ilha. Chegou, inclusive, a comprar quadros pela internet. No total, já localizou 38 obras do período em que o pintor residiu em Desterro. Entre outros colecionadores, Gerlach cita Ademar Goeldner, Bruno Kilian Kadletz, Marcelo Collaço de Oliveira, Murilo Martins da Silva,  Ylmar Correia Neto, Rolf Gutberle, Sara Regina Poyares dos Reis, Paulo Ricardo Caminha, Antônio Schmidt Oliveira, Osni Machado e Ricardo Wildi.

A paixão por imagem e fotografia levou o engenheiro civil Gilberto Schmidt-Gerlach a construir, durante cerca de cinco décadas, a sua mais importante obra: quatro volumes que totalizam 1.440 páginas de 32x26cm, com mapas, pinturas, fotografias, reproduções de jornais e desenhos sobre a Ilha de Santa Catarina. Os dois primeiros volumes, lançados em 2010, com o título Desterro – Ilha de Santa Catarina, contêm imagens e narrativas desde o século XVI até 1894. Os dois novos volumes dessa imponente pesquisa, avançam até 1950, e incluem reproduções de notícias, poemas, crônicas e anúncios publicitários publicados em vários jornais antigos da Capital.

A coordenação editorial e o projeto gráfico são novamente do designer Renato Rizzaro, parceiro de Gerlach desde o lançamento de São José da Terra Firme, em 2007, obra com 332 páginas e o mesmo formato. Desde o primeiro lançamento, no dia 8 de setembro, foi inaugurada no hall da Assembleia Legislativa uma exposição de 18 fotos 70x110cm, que permanecerá no local até o dia 17 de setembro, quando haverá outra noite de autógrafos.

O livro tem produção executiva da Rede Marketing Cultural, com revisão e tradução para o francês de Carmen Lucia Gerlach. Gilberto Gerlach deve lançar, em breve, outros dois volumes iconográficos, desta vez sobre o município de Blumenau. (texto Celso Vicenzi).

 

Envie seu Comentário