Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "CAU/SC"

3° Encontro Anual do CAU/SC debate sobre o ensino de arquitetura

08 de dezembro de 2015 0

Você sabia que Santa Catarina é o terceiro Estado do Brasil com maior número de cursos de arquitetura e urbanismo? O tema é pauta de discussão no 3° Encontro Anual do CAU/SC, que será realizado nos próximos dias 10 e 11 de dezembro, em Florianópolis. A proposta é debater sobre as práticas pedagógicas inovadoras no processo de ensino e aprendizagem.  

Além de compartilhar as boas práticas das escolas brasileiras, o Encontro possibilitará a troca de experiências entre instituições de ensino de outros países como Argentina e Equador.  O evento será realizado no Centro de Inovação ACATE Primavera, Rodovia SC 401 Km 4, no bairro Saco Grande.

No dia 11 de dezembro, logo após o 3° Encontro Anual, será entregue o 3ª Prêmio para Estudantes de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina. Essa é uma premiação destinada a estudantes formandos nos cursos de Arquitetura e Urbanismo do Estado de Santa Catarina, realizada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/SC) e organizada pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Santa Catarina (IAB/SC). Serão premiados até 5 (cinco) trabalhos selecionados pela Comissão Julgadora e cada um receberá R$
3.000,00. O objetivo também é trazer para o debate profissional os trabalhos e as práticas acadêmicas, fazendo uma ligação entre a teoria, o ensino e a prática profissional.

Na solenidade, haverá ainda uma palestra sobre atuação profissional, a exposição dos trabalhos e confraternização.

image001

Pesquisa revela que mais de 80% dos brasileiros fazem obra sem arquiteto ou engenheiro

13 de outubro de 2015 0

Pesquisa_CAUBR

No mês em que a ONU comemora o “outubro urbano”, o Brasil toma conhecimento de dados preocupantes em relação a obras particulares de suas cidades. Pesquisa inédita realizada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) e pelo Instituto Datafolha mostra que a maioria das reformas ou construções particulares no Brasil é feita sem a assistência de um profissional especializado, em desrespeito às leis e normas vigentes no país. Segundo a pesquisa, realizada com 2.419 pessoas em todo o Brasil, 54% da população economicamente ativa já construiu ou reformou imóvel residencial ou comercial. Desse grupo, 85,40% fizeram o serviço por conta própria ou com pedreiros e mestres de obras, amigos e parentes. Apenas 14,60% contratou arquitetos ou engenheiros.

A pesquisa também revela que, entre aqueles que contrataram arquitetos e urbanistas para auxiliar na obra, há um índice altíssimo de satisfação: 78%. E que mesmo com essa realidade preocupante, 70% da população economicamente ativa considera a possibilidade de contratar um arquiteto e urbanista na realização de sua próxima construção ou reforma.

De modo geral, a contratação de profissionais especializados está ligada à renda e à escolaridade. Enquanto 26,2% da população economicamente ativa com nível superior construiu ou reformou com ajuda especializada, esse índice é de 9,50% para a população com nível de escolaridade fundamental. Entre as pessoas de classe AB, o índice de utilização de profissionais tecnicamente habitados é de 25,80%. Apenas entre as pessoas da classe A, essa taxa pula para 55,30%.

A pesquisa CAU/BR-Datafolha também investigou a percepção da população em relação a uma série de outros temas como: conhecimento sobre as atividades realizadas por arquitetos e urbanistas, importância do planejamento no desenvolvimento e organização das cidades e dos espaços urbanos e conhecimento sobre as atividades do CAU. A pesquisa completa pode ser acessada em www.caubr.gov.br/pesquisa2015.

 

DIFERENÇAS REGIONAIS – A região Sul é a que apresentou o maior percentual de utilização de profissionais tecnicamente habilitados: 25,90%, contra 74,10% que não se valeram de seus serviços. Na região Sudeste, a relação é de 16,40% contra 83,60% – abaixo da média nacional, mas dentro da margem de erro de dois pontos percentuais.

O Nordeste está tendencialmente empatado com o Centro-Oeste. No Nordeste, só 7,120% utilizaram serviços de profissionais tecnicamente habilitados, contra 92,90% que usaram somente mestres de obras ou pedreiros. No Centro-Oeste, os percentuais são respectivamente de 10,50% e 89,50%. Na região Norte, o percentual de utilização de profissionais tecnicamente habilitados é de 10%, contra 90% não preparados.

A falta de um profissional especializado na realização de reformas ou construções particulares, alerta o CAU/BR, pode ocasionar diversos problemas na obra e para a segurança das pessoas. Além disso, a soma de construções malfeitas tem como consequência a piora dos espaços urbanos e da qualidade de vida nas cidades. “É preciso lembrar que a construção é mais um objeto na cidade que vai interagir com as demais, com impactos mútuos. Da mesma maneira que nós precisamos de mais médicos para os hospitais, precisamos também de mais arquitetos para as cidades”, afirma o presidente do CAU/BR. Haroldo Pinheiro.

A pesquisa quantitativa, feita em 177 municípios das cinco regiões brasileiras, foi seguida de outra qualitativa, em seis capitais do país (Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Belém e Goiânia), reunindo 12 grupos de oito pessoas cada. Nessas entrevistas, a maioria das pessoas que utilizou apenas serviços de mestres de obras ou pedreiros mostrou-se arrependida. Falta de planejamento, custos acima do orçamento original, descumprimento de prazos, desperdício de materiais e necessidade de refações de serviços foram as principais razões apontadas.

O levantamento do Datafolha indicou que a principal barreira para a contratação de serviços de arquitetos é o senso comum de que se trata de um trabalho caro. Ao serem informados de que o custo é de cerca de 10% do valor total da obra, a maioria julgou ser uma boa relação custo/benefício. “O projeto é um pequeno percentual da obra. E um projeto bem elaborado, detalhado, especificado com quantidade certa de materiais, cronogramas definidos para entrada e saída de determinado tipo de profissionais, vai ajudar a economizar na maior despesa, que é a própria construção, além da futura manutenção. E tudo isso resulta em ter um patrimônio que vale mais”, diz o presidente do CAU/BR.

 

MAIS DETALHES - Os dados mostraram que construir e reformar estão relacionados a sexo e idade. As chances de ter construído ou reformado aumentam entre os homens e entre as pessoas mais velhas. A reforma de imóvel residencial está mais presente entre a população economicamente ativa do Sudeste e das regiões metropolitanas. Construir ou reformar também está ligado à escolaridade e à classe. Quanto mais privilegiado cultural e economicamente (ensino superior e classes A/B), maior a chance do brasileiro de já ter feito alguma obra particular, em especial reforma.

A solicitação de um profissional, independentemente se mestre de obra/pedreiro, engenheiro ou arquiteto/urbanista, também está diretamente relacionada à escolaridade e à classificação econômica: quanto mais privilegiadas, maior a utilização. A autoconstrução está ligada à escolaridade: mais comum entre aqueles que possuem apenas o ensino fundamental.

 

LEGISLAÇÃO E NORMA - Segundo a legislação brasileira, toda nova edificação deve ser registrada junto ao governo e possuir um responsável técnico, que pode ser um arquiteto ou engenheiro devidamente registrado em seu conselho profissional (CAU ou CREA). Já no caso das reformas, entrou em vigor em 2014 a Norma de Reformas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) que estabelece que toda reforma de imóvel que altere ou comprometa a segurança da edificação ou de seu entorno precisará ser submetida à análise da construtora/incorporadora e do projetista, após o prazo de garantia.

A norma NBR 16.820, recentemente atualizada, determina ainda que o proprietário ou locatário do imóvel encomende laudo técnico assinado por arquiteto ou engenheiro atestando que a reforma não afetará a segurança e estabilidade do imóvel. E o síndico ou a administradora, com base em parecer de especialista, poderão autorizar, autorizar com ressalvas ou proibir a reforma, caso entendam que ela irá colocar em risco a edificação. Entre as alterações listadas, estão à remoção ou o acréscimo de paredes, esquadrias, janelas e até mesmo revestimentos.

Embora as normas da ABNT não sejam leis, se houver algum acidente, o síndico e o morador que fez a reforma serão responsabilizados, já que a jurisprudência, ao longo do tempo, mostra que o caminho “correto” a ser seguido é o de obedecer às normas da ABNT, mesmo que as mesmas não tenham força de lei.

A NBR 16.280, recentemente atualizada, foi publicada pouco mais de dois anos após o desabamento do Edifício Liberdade, de 20 andares, e de mais dois prédios, no centro do Rio de Janeiro, em 25 de janeiro de 2012. O acidente foi provocado por reformas irregulares no Liberdade, causando a morte de 17 pessoas, além de mais cinco desaparecidos até hoje.

 

OUTUBRO URBANO – A ONU, por meio de seu programa Habitat, está promovendo o “Outubro Urbano”, uma série de atividades e eventos para discutir desafios e soluções para o urbanismo em todo o mundo. As atividades começaram no dia 5 de outubro, quando a ONU, comemorou o Dia Mundial do Habitat, tendo como objetivo uma reflexão sobre o estado de nossas cidades e sobre o direito à moradia adequada. Na mesma data, a União Internacional de Arquitetos (UIA) celebrou o Dia Mundial da Arquitetura.

Em 31 de outubro, a ONU comemora o Dia Mundial das Cidades, com o tema “Desenhados para Viver Juntos”. A ideia é promover a união e a harmonia tornando nossas cidades e vizinhanças inclusivas e com convivência. Segundo o programa Habitat, a urbanização planejada maximiza a capacidade das cidades em gerar emprego e renda, e estimular a diversidade e a coesão social entre diferentes classes sociais, culturas, etnias e religiões.

Fonte: CAU/BR – CAU/SC

 

Direitos autorais na arquitetura, um antigo debate

21 de agosto de 2014 0

Curso - Direitos autorais na arquitetura

Regulamentados pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/BR) no fim de 2013, os direitos autorais no setor hoje são obras intelectualmente protegidas, contemplando projetos, obras e demais trabalhos técnicos. Para orientar os profissionais catarinenses neste tema, o Instituto de Arquitetos do Brasil no estado (IAB/SC) realiza no próximo dia 22 de agosto, entre 14h e 18h, na Unisul, centro de Florianópolis, curso que vai esclarecer as dúvidas para proteger os autores e suas ideias.

Ministrado pelo advogado Leandro Flores, autor do livro Arquitetura e Engenharia com Direitos Autorais e consultor do CAU/BR na regulamentação, o curso deve ajudar na valorização dos projetos como peças autorais, resultantes da capacitade técnica e criativa de cada arquiteto. “É  preciso que os profissionais tenham ciência de vários detalhes para não cometerem erros. Muitas vezes por desconhecimento podem violar obras de colegas e também perder direitos caso não se protejam”, afirma, lembrando um exemplo típico de apropriação. “Existem casos de arquitetos que, na ânsia de garantir um trabalho, apresentam projetos sem antes garantir meios para que não sejam copiados”. (texto Palavra Comunicação).

Presidente do CAU-SC sugere novo modelo para conferência do setor

28 de abril de 2014 0
Conselheiros_CAUSC_Fortaleza

Conselheiros do CAU/SC participam dos debates: Cesar Ciarini (Chapecó), Marcos Jobim (Florianópolis), Fárida de Mira (Joinville), presidente Ronaldo de Lima (Jaraguá do Sul), Sonia Roese (Blumenau), Giovani Bonetti (Florianópolis) e André Serafim (Piçarras).

Identidade e Diversidade na arquitetura e urbanismo foram os temas principais do XX Congresso Brasileiro de Arquitetos que encerrou na sexta-feira, dia 25 de abril. Profissionais de todo o país estiveram presentes, com destaque para nomes nacionais e internacionais como Marcos Acayaba, German del Sol (Chile) e Gonçalo Byrne (Portugal). De Santa Catarina estiveram presentes o presidente do CAU-SC, Ronaldo Lima, conselheiro Giovani Bonetti, urbanista Silva Lenzi que apresentou o projeto da Pedra Branca, e Marcos Jobim. 

A I Conferência do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) foi um dos eventos paralelos e fez um amplo debate sobre os três principais eixos do trabalho de arquitetos e urbanistas: o CAU, a sociedade e as políticas públicas; Formação, Exercício e Compromisso Social; e Ética profissional e cidadania. A Conferência do CAU/BR trouxe debatedores como a filósofa Márcia Tiburi e o jornalista Paulo Markun entre outros profissionais de áreas que pensam a cidade de forma integrada. 

O presidente do CAU/SC, Ronaldo de Lima, lembrou que da mesma forma como ocorreu no Congresso Estadual no ano passado, os arquitetos urbanistas puderam ser ouvidos e tomar conhecimento do que já existe em termos de leis e ações no CAU. E ainda sugere um novo modelo para o próximo evento: “a ideia é fazer eventos regionais de onde seriam elaboradas as propostas com mais discussão e onde seriam escolhidos delegados que chegariam ao evento nacional preparados para o debate”

Para Giovani Bonetti, a conferência foi importante para aproximar e colocar em contato os conselheiros e demais profissionais de todo o país, provocando a troca de  experiências e debates sobre as estratégias para o amadurecimento da profissão e do próprio Conselho. “Vendo a realidade de outros Estados podemos analisar erros e acertos e melhorar nossas ações em Santa Catarina em cima dos temas discutidos. O debate incluindo outras áreas é ainda mais produtivo para discutirmos esses assuntos e deve ser ampliado para toda a sociedade”, sugeriu. 

 

No Missão Casa de hoje: resort atualizado, prêmio de arquitetura e checklist da construção

21 de abril de 2014 0
Arquiteta Carla Michel em entrevista ao Missão Casa no resort Ponta dos Ganchos.

Arquiteta Carla Michel em entrevista ao Missão Casa no resort Ponta dos Ganchos.

No Missão Casa de hoje, a partir das 21h30min, mostramos o projeto de atualização do resort Ponta dos Ganchos, em Governador Celso Ramos, na grande Florianópolis. A arquiteta Carla Michel substituiu bambus por outros materiais e deu um toque de cor às áreas comuns. Tem ainda prêmio aos melhores projetos arquitetônicos do estado pelas entidades representativas do segmento: AsBEA e IAB. E uma entrevista com o autor do livro “Como Construir sua Casa”, o empresário Vicenzo Berti, que é arquiteto de formação e decidiu compartilha sua experiência. Ele fez um checklist da construção para os leigos.

Segunda, dia 21, às 21h30min, na TVCOM.

VicenzoBerti_FotoGiselleMaestri (6)

Vicenzo Berti, foto de Giselle Maestri.

capa_comocontruirsuacasa

Editora Caminho de Dentro, o livro também está disponível em versão digital, acesse http://www.construirasuacasa.com.br/

 

Premiação ao arquitetos no Palácio Cruz e Sousa. Foto Mariana Boro.
Premiação ao arquitetos no Palácio Cruz e Sousa. Foto Mariana Boro.

 

CAU abre o debate sobre o Código de Ética e o relacionamento com fornecedores

27 de março de 2014 0

Convite Mesa Redonda CAUSC

Um encontro na próxima sexta-feira, dia 28 de março, amplia o debate urgente e necessário sobre o código de ética e o relacionamento dos arquitetos com os fornecedores.  O evento é promovido pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina (CAU), por meio da sua Comissão de Ética e Disciplina e acontece no auditório da Unisul, no centro de Florianópolis.

O tema é polêmico e merece discussão em várias instâncias de atuação dos arquitetos, incluindo IAB e núcleos de decoração dos quais fazem parte empresas fornecedoras desses profissionais. A sociedade vem cobrando cada vez mais transparência e ética nas relações profissionais. 

O Conselho de Arquitetura deve estimular esse debate e implantar ações começando pela própria formação acadêmica para que os futuros profissionais não deixem os bancos escolares considerando essa prática comum.

“A universidade tem de exigir de seus professores que as questões éticas de cada profissão sejam debatidas em sala de aula, em todas as ocasiões que se fizerem necessárias”, disse a arquiteta Carmem Cassol,  em entrevista ao Boletim do IAB, nº 20, em agosto de 2002. Ela não admite que os profissionais aceitem porcentagem sobre a especificação de produtos.  

Amanhã é um bom dia para começar essa discussão.

boletim iabboletim iab 1

Inscrições para o 2º Prêmio Arquitetura Catarinense prorrogado até 28 de fevereiro

22 de novembro de 2013 0

Presidente da AsBEA-SC, Ricardo Fonseca, informa que as inscrições para o 2º Prêmio Arquitetura Catarinense foram prorrogadas até o dia 28 de fevereiro de 2014. Portanto, ainda dá tempo para providenciar o material necessário depois das festas de final de ano.

O primeiro prêmio foi realizado em 2011, na gestão do arquiteto Giovani Bonetti à frente da AsBEA, e do arquiteto Rael Belli, do IAB. É uma estratégia interessante de divulgação da arquitetura de qualidade e para chamar a atenção para o campo da arquitetura.

As categorias avaliadas pela comissão julgadora são: Residências; Edifício e/ou Conjuntos Residenciais Multifamiliares; Edifícios Comerciais – shopping center, supermercados, lojas de varejo, atacado e outros -; Edificações e Conjuntos habitacionais de interesse social; Edifícios para Hotelaria; Edifícios Institucionais públicos ou privados; Edifícios de Serviços Público ou Provados; Edifícios Industriais; Arquitetura Corporativa; Arquitetura de Interiores; Projetos de Restauro e Conservação de edifícios e sítios e arquitetura paisagística.

As inscrições para o prêmio podem ser feitas através do site: www.sc.asbea.org.br

 

Inscrições para o 2º Prêmio Arquitetura Catarinense termina dia 22

21 de novembro de 2013 0

Este ano acontece o 2º Prêmio Arquitetura Catarinense e as inscrições terminam amanhã, dia 22 de novembro. Iniciado na gestão do arquiteto Giovani Bonetti à frente da AsBEA, e do arquiteto Rael Belli, do IAB, o concurso retorna para expor e premiar os melhores projetos de profissionais e escritórios catarinense desenvolvidos nos últimos cinco anos. É uma estratégia interessante de divulgação da arquitetura de qualidade e para chamar a atenção das pessoas para esse campo.

As categorias avaliadas pela comissão julgadora são: Residências; Edifício e/ou Conjuntos Residenciais Multifamiliares; Edifícios Comerciais – shopping center, supermercados, lojas de varejo, atacado e outros -; Edificações e Conjuntos habitacionais de interesse social; Edifícios para Hotelaria; Edifícios Institucionais públicos ou privados; Edifícios de Serviços Público ou Provados; Edifícios Industriais; Arquitetura Corporativa; Arquitetura de Interiores; Projetos de Restauro e Conservação de edifícios e sítios e arquitetura paisagística.

“Esta é mais uma ação de valorização da arquitetura catarinense, a exposição dos trabalhos e profissionais participantes. É preciso fazer o debate sobre a arquiteura e urbanismo e envolver a sociedade nesta roda. Neste sentido, o prêmio é um reconhecimento e incentivo para os profissionais e escritórios catarinenses e uma forma de evidenciar o portfolio do Estado”, destaca Rael Belli, presidente do IAB/SC. As inscrições para o prêmio podem ser feitas através do site: www.sc.asbea.org.br

CRONOGRAMA

26/11 – Julgamento;

11/12 – Premiação (local: Museu Cruz e Sousa)

Para quem não viu ou para rever o programa, segue link da festa de premiação do 1ª Prêmio Arquitetura Catarinense do qual fomos parceiros.

Homenagem, premiação e propostas para a arquitetura de SC

12 de novembro de 2013 0

Com quase dois anos de existência, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina (CAU/SC) comemora alguns avanços como, por exemplo, as operações de fiscalização. “Queremos promover a solidificação dos ideais e representar os quase 5 mil profissionais do Estado, não esquecendo da nossa missão principal que é a proteção da sociedade”, afirmou o presidente da entidade, arquiteto Ronaldo Lima,  durante o Congresso Estadual de Arquitetos e Urbanistas, realizado pelo CAU/SC com organização do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/SC).

 O congresso realizado dia 8 de novembro trouxe para Florianópolis os delegados eleitos em todas as regiões do estado para a definição de ações para o CAU. Segundo o presidente, foi a primeira oportunidade de ouvir o setor e conhecer melhor a realidade de cada região. O conselheiro federal do CAU/BR, Roberto Simon, definiu o evento como “um evento de união, que é o paradigma dos novos tempos”; o conselheiro do CAU/SC, Jorge Raineski, coordenador do evento, destacou que este é um marco para uma mudança na profissão; e o presidente do IAB/SC, Rael Belli, agradeceu ao CAU/SC pela confiança no Instituto e lembrou que o Congresso era um momento histórico.

Arquitetos homenageados João Preto e Fernando Carneiro. No centro, presidente do CAU-SC, Ronaldo Lima. Foto de Fernando Willadino

Arquitetos homenageados João Preto e Fernando Carneiro. No centro, presidente do CAU-SC, Ronaldo Lima. Foto de Fernando Willadino

HOMENAGEM – Um dos momentos mais emocionantes da noite de abertura foi a homenagem aos profissionais que detêm as primeiras carteiras profissionais de arquiteto e urbanista em Santa Catarina: João Preto, de Lages, e Fernando Carneiro, de Criciúma. Os dois se formaram na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 1958.

PREMIAÇÃO - Ao final, houve a entrega do Prêmio para Estudantes Graduandos em Arquitetura e Urbanismo, realizado pelo IAB/SC e patrocinado pelo CAU/SC. Foram quatro premiados e duas menções honrosas.  

Turma de arquitetos que trabalha pelo setor no estado.

Turma de arquitetos que trabalha pela profissão no estado.

AÇÕES – O momento é de definição de novas possibilidades para a profissão de que arquiteto, de aperfeiçoamento e melhoria da atuação do Conselho no Estado. Depois do debate e análise das propostas, será compilado um documento final para ser entregue na próxima semana. 

Grupos de debates durante o congresso da semana passada.

Grupos de debates durante o congresso da semana passada.

IAB 3

Tietando na noite de abertura ao lado de Rael Belli, do IAB, e Ronaldo Lima, do CAU.