Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Bodnar

30 de junho de 2008 3

O juiz federal Zenildo Bodnar, titular da Vara Federal de São Miguel do Oeste, foi o primeiro colocado no concurso internacional de monografias promovido pela União Internacional de Conservação da Natureza (UICN), que teve como tema “O acesso e a efetividade da Justiça Ambiental”.

O trabalho do magistrado tratou de procedimentos instituídos na Vara Federal Ambiental de Florianópolis, onde Bodnar atuou entre julho de 2006 e novembro de 2007, quando foi promovido. O prêmio é a participação no Congresso Mundial da Natureza, que acontecerá de 8 a 15 de outubro em Barcelona, com despesas por conta do evento.

Bodnar ganhou projeção estadual por ter conduzido a Operação Moeda Verde, em 2007. A UINC é a maior entidade do mundo dedicada à proteção do meio ambiente. Criada em 1948, tem sede em Bonn, na Alemanha, e é mantida com a contribuição de vários países.

O concurso foi aberto para juízes de todos os países, divididos em três grupos segundo o idioma: inglês, francês e espanhol/português. Bodnar obteve a nota máxima nesse grupo, seguido da juíza Fabiana Inês Martinelli, da Argentina.

Postado por Moacir Pereira

Comentários

comments

Comentários (3)

  • Maria do Carmo Bauer diz: 30 de junho de 2008

    Só para lembrar que Bodnar, como substituto da 2ª Vara Federal de Itajaí, foi em 2004 o primeiro juiz a determinar o fechamento dos bingos na cidade de maior concentração dos jogos de azar: Balneário Camboriú. Ganhou esta exaustiva e longa batalha, mas deve ter ganhado também muitos inimigos (perigosos inimigos). É um juiz que merece respeito e admiração dos catarinenses por sua conduta séria e transparente. É uma figura que nos faz acreditar que o Brasil tem jeito. Felizmente!

  • márcio diz: 3 de julho de 2008

    Isso é que dá ser competente, honesto e eficaz, foi transferido para São Miguel do Oeste, ou seja, para o fim do mundo no estado!!

  • Maria Aparecida Nery diz: 1 de julho de 2008

    É. Pode ser… mas, vejam só: o juiz Júlio Schatschneider assumiu como titular no lugar do substituto Bodnar e, plaft – pluft! Prolatou uma magnífica sentença colocando ordem na bagunça (expressão dele) de competências que encontrou, notadamente em Floripa. Aparentemente, embora seja especialista em “acesso e efetividade da Justiça Ambiental”, o juiz Bodnar teve dificuldade para deslindar os “complexos meandros” das competências que dominavam os processos.