Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Uma fala convincente

31 de maio de 2011 17

A presidente da Associação Catarinense de Professores Maria de Andrade Silva fez um emocionado e contundente discurso em defesa da educação e da carreira do magistério da tribuna da Assembléia Legislativa. Apelo aos deputados para que rejeitassem a medida provisória 188 por liquidar a carreira do magistério.
Vestindo a camisa verde e amarela com o símbolo da Associação no coração e a frase “educação é investimento”nas costas falou com ênfase da importância do professor na alfabetização e educação das crianças, fez comparativos e mostrou a situação com uma eloqüência singular.
Os deputados ouviram a tudo de olho fixo na tribuna. Os professores e o público nas galerias aplaudiam entusiasticamente.
A professora Maria de Andrade Silva atuou como professora durante 30 anos e preside a Associação como voluntária.

Comentários

comments

Comentários (17)

  • joao gabriel rempel diz: 31 de maio de 2011

    A EDUCAÇÃO PEDE SOCORRO…
    Caro Moacir, venho registra um relato do Gremio Estudantil, da cidade de Pinhalzinho, que ocorreu durante o ato de mobilização no dia 30/05.
    “Em nome de todos os estudantes de Pinhalzinho, queremos agradecer todo o amor com que nos tratam na escola. Muitos de voces professores passam mais tempo conosco qeu os nossos proprios pais. Muitos de voces gastam os melhores anos de sua vida preocupados com nossa formação. Estamos cientes de que o Estado não os valoriza na proproção da sua grandeza, mas tenham a certeza de que, sem voces, a sociedade não tem horizonte, nossas noites não tem estrelas, nossa alma não tem saúde, nossa emoção não tem alegria”.
    Após este relato questionei os representantes do Gremio Estudantil para saber qual deles gostaria de seguir a carreira de professor, qual foi a minha surpresa, nenhum aluno quer seguir a carreira de professor. Desconfiado indaguei novamente, Porque? Para saciar a minha curiosidade a aluna alegou: Professor eu sei que trabalhar com pessoas, orientar para a vida, transmitir conhecimentos, semear sonhos, despertar o senso critico, não é tarefa para qualquer um e ainda mais con esse salário de R$746,00. Ora, por mais nobre que seja a missão de voces professores eu quero ter uma profissão que eu tenha perspectiva de vida, que possa viver com dignidade.
    A resposta da estudante impressionou a todos, a sociedade catarinense sabe quanto ganha um professor, só os deputados, o governador e os representantes do alto escalão do magistẽrio querem ignorar este fato. Valorizar o professor é no minimo oferecer um ssalário que permita viver com dignidade, que estimule a formação progressiva, Por que ser professor é ser um eterno estudante…

  • Luis Carlos diz: 31 de maio de 2011

    Moacir, nada contra o pleito dos professores que é justo, mas existem limitações financeiras do Estado. Isso tem que ser discutido com racionalidade para não prejudicar outros setores.

  • Janaina diz: 31 de maio de 2011

    A voz de todos os professores grevistas ecoa por toda a Santa e bela Catarina. Somos cidadãos ensinando cidadania aos nossos alunos pelo exemplo. Estamos fortes e convencidos de que estamos com a Lei a nosso favor.
    PROFESSORES, continuemos com garra, pois professor que é professor já tem demonstrado que tem isso e é por isso continuamos na profissão. Nenhuma proposta debochada por parte do governo vai nos fazer voltar à sala de aula. Aliás, o sr. governador não fez parte da votação da Lei do Piso Salarial, enquando senador?

  • Janaina diz: 31 de maio de 2011

    A voz de todos os professores grevistas ecoa por toda a Santa e bela Catarina. Somos cidadãos ensinando cidadania aos nossos alunos pelo exemplo. Estamos fortes e convencidos de que estamos com a Lei a nosso favor.
    PROFESSORES, continuemos com garra, pois professor que é professor já tem demonstrado que tem isso e por isso continuamos na profissão. Nenhuma proposta debochada por parte do governo vai nos fazer voltar à sala de aula. Aliás, o sr. governador não fez parte da votação da Lei do Piso Salarial, enquanto senador?

  • Ricardo diz: 31 de maio de 2011

    Caro Moacir. Várias entidades já se manifestaram a favor dos professores. A Secretaria de Estado da Educação, tem em seu prédio a ASSE, Associação dos Servidores dos Servidores da Secretaria de Eduação, que possui em seu quadro de associados, servidores do magistério. Interessante é que estes professores associados ainda não tiveram a manifestação desta entidade em favor do cumprimento da Lei Federal e Estadual, e sequer uma reunião para tratar deste assunto e como a associação ASSE, irá representá-los neste momento. Custo entender o porque da demora.

  • leda diz: 31 de maio de 2011

    Precisamos da força de toda categoria, principalmente, daquelas que já vivenciaram – acredito eu – tempos melhores na educação e, por isso, conseguem perceber a deterioração. Lástima que eu não estava na AL.
    Continuamos na luta! E que não venham com este lero, lero, que não tem dinheiro. É só planejamento: educação, saúde e segurança. Estas são prioridades. E se prepare o nosso governador (que não levou o meu voto, graças a Deus), terminando a greve da educação, inicia o movimento na Saúde. Rapidinho vai aparecer uma “Amanda Gurgel” para representar a categoria.

  • Adriano Silva diz: 31 de maio de 2011

    E se a deputada estiver certa ?

    Colega professor(a),
    A Lei nº 11.738/08, que institui o piso nacional salarial dos profissionais do magistério da educação básica é, com certeza, a maior conquista da educação brasileira. Com ele, conquistamos um piso inicial de carreira, adequação aos planos de carreira e remuneração, valorização do magistério e limite em atividades docentes com carga horária de, no máximo, 2/3 em sala de aula. Portanto, uma luta histórica que resultou na conquista de uma lei aprovada pelos congressistas de diferentes partidos.
    Em SC, desde 2008, quando a lei foi aprovada, várias ações do SINTE e de parlamentares buscaram garantir este pagamento. A própria bancada do PT aprovou na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2009, a inclusão de emenda para que já em 2009 o piso fosse pago. Mas nada aconteceu neste sentido, ao contrário, o governo fez a opção de questionar a legalidade da lei recorrendo ao STF(Supremo Tribunal Federal).
    A lei 11.738/08 foi julgada pela corte brasileira e declarada sua constitucionalidade.
    O governo do estado de lá prá cá, apostou no esvaziamento do debate e no enfraquecimento da luta. O ponto mais cruel deu-se com o envio da Medida Provisória 188/11 à ALESC, na última terça-feira (24).
    Esta MP ”representa um verdadeiro castigo à carreira do Magistério” pois, acaba com a carreira dos profissionais da educação! Um professor que estudou, se capacitou, se aperfeiçoou e dedicou-se na construção de uma carreira, chegará ao final da sua vida profissional ganhando praticamente o mesmo valor de quando iniciou.
    Convido vocês acessarem o meu site – http://www.lucianecarminatti.com.br e analisarem as tabelas que lá estão; a da lei do piso e a da MP que castiga o professor assim como minha manifestação na tribuna e gravada em vídeo.

    Tenho dito que há recursos para o pagamento do piso na tabela (na carreira). Veja que será necessário apenas um acréscimo de 3,15% na folha de pagamento para a implantação total do piso na carreira. A LRF(Lei de Responsabilidade Fiscal) prevê ainda um limite de 46,55% na faixa prudencial e 49% no limite legal. Ou seja, não atingiríamos sequer o primeiro limite.
    Temos ainda o repasse indevido de recursos aos poderes(TJ,TCE,MP e ALESC), que totalizam neste ano 265 milhões de reais. Isto é, se precisamos de 460 milhões para pagar a integralidade do piso, já teríamos 60% dos recursos. Por isso, apresentei na quinta-feira PL 189/11 que “traz devolta para o FUNDEB o que é dinheiro da educação”. Dinheiro da educação tem que ser aplicado na educação.
    Como educadora, sei o que significa este momento para a categoria. Contem comigo.
    Estamos juntos nesta luta! A vitória será dos que sonham, lutam e acreditam na educação!
    Contem sempre com meu apoio.
    Um grande abraço, professora
    Luciane Carminatti
    Deputada Estadual

  • andre diz: 31 de maio de 2011

    IGNORANCIA OU INGENUIDADE
    Ola Moacir, sou professor ACT, formado em filosofia, e leciono no estado de Santa Catarina a 10 anos, me deixa entristecido quando vejo que o governo de Santa Catarina, seja de tal modo “inocente”, para não dizer ignorante, a ponto de dizer para nos professores e para toda a população de Santa Catarina de que tem que conversar com o ministro da educação para ver o que deve, “pode”, ser feito. No mínimo esta nos chamando de ignorantes, se realmente acha que não compreendemos que isto nada mais e que embolação, ganho de tempo, ou o quer que chamemos isso. Porem senhor governado, saiba que alem de sermos educadores, somos brasileiros e brasileiras, amamos nosso pais, o que nos faz termos muito mais força de vontade para encarar esta luta ate o fim. O senhor no período de campanha política usava a frase “as pessoas em primeiro lugar”, saiba que nos também somos pessoas, que também fazemos parte da sociedade catarinense e que somos educadores e amamos nossa profissão, e por isso encarecidamente pedimos que não nos tratem como ignorantes, que não sabem e não compreendem o que esta acontecendo, pois como já dizia um grande educador brasileiro, “educar e um gesto de amor”. Obrigado por este espaço de expressão de nossa indignação, um grande abraço.
    Professor Andre Rossi

  • Lisane Schneider diz: 31 de maio de 2011

    Muitos leitores não concordam com o Luiz Carlos, por que se o governo aplicasse o dinheiro da educação na educação o problema estaria totalmente resolvido. Felizmente a sociedade catarinense descobriu o valor dos professores e tenho certeza que já conhecem o valor dos policiais e dos servidores da saúde. Continuaremos na luta para melhorar a qualidade da educação, da segurança e dos serviços de saúde.

  • Alexandre diz: 31 de maio de 2011

    Caro Moacir,

    A última…enquanto professores fazem greve para forçar o “governo” catarinense cumprir a lei, diretores de escola – indicados politicos – estão em Balneário Camboriu participando de um curso de capacitação…digamos que seja um trem da alegria…

    Escolheram um péssimo momento para agradar os apadrinhados politicos. Eu gostaria de saber quanto estão gastando para manter uma porção de diretores durante uma semana passeando em BC.

  • Éverton diz: 31 de maio de 2011

    Transcrevo um trecho da campanha eleitoral. Está aqui a prova das propostas evasivas, do discurso meloso, afetivo e risonho que agora se revelam em pouca vontade em resolver a situação da educação. Poderíamos denunciar uma propaganda eleitoral enganosa? Vejam vocês http://youtu.be/NvvLizx6ktg

    “Eu acredito nas pessoas, eu acredito que nós temos que ajudar mais quem mais precisa e elas esperam muito de nós e a gente sempre pode fazer mais. Sempre, por mais que as coisas melhorem, sempre dá pra melhorar mais. Por mais que a gente trabalhe, sempre da pra trabalhar mais.” (Raimundo Colombo)

    E agora se queixa que o STF decretou aumento de 22% no piso do magistério para 2012.

  • fernando diz: 31 de maio de 2011

    Caro Luis Carlos , esse papo ja é antigo, e só não a limitaçoes quando o governo quer deixar 3 aposentadorias vitalicias de ex governador como fez Luiz Henrique da silveira, só não a limitações para fazer 36 secretarias regionais que todo mundo sabe que nao funciona só para colocar apadrinhados, só nao a limitações para aposentadorias fraudulentas por todo o estado de santa catarina como estamos vendo atualmente na midia, só não a limitações para aumentos de deputados, obras fraudulentas e desvio de dinheiro, a arrecadaçao de impostos bate recordes em todas as esferas e nunca a dinhero para nada, alguma coisa ta errada, acho que o governo esta sem vontade politica e o que esta ocorrendo é só embromação, la em Brasilia não vai dar em nada é so estao indo para ganhar diaria e tempo, ate porque como todos nós sabemos que a dinheiro sim para o aumento dos professores, pois educação nao é gasto e sim investimento, porem como os governando estao mais preocupados com seus interesses individuas, estamos jogados a sorte, indo de mal a pior , aguardem, pois pelo scenario ainda vai ficar pior.

  • Marcio Garcia diz: 1 de junho de 2011

    Luis Carlos, estudos do Sinte e a fala de alguns deputados estaduais nos dão garantias de que há recursos para o pagamento do piso salarial dos professores, de modo a respeitar o plano de carreira da categoria. Além disso, o Ministério da Educação já sinalizou para os Estados e municípios que não conseguirem pagar o piso, a disponibilidade de recursos para a complementação. O que está pesando é que deve haver provas de que o Estado realmente não pode pagar. Talvez esteja aí o problema para o governo de Santa Catarina, provar que os recursos já destinados à educação, primeiro, estejam sendo aplicados no devido lugar e, segundo, não sejam suficientes.

  • clercio diz: 1 de junho de 2011

    Bom dia, nesses dias tenho observado como nossos alunos precisam adquirir personalidade, vejo em algumas escolas alunos insistindo ir para a escola, tudo bem que tem escolas, onde alguns proferssores estão dando aula, mas o fato do professor não optar pela greve, e em alguns casos fora os de puxa sacos, temos que respeitar, pois muito pagam aluguel, não tem ajuda de pais/parentes, um dia descontado faz falta, porém, percebo alguns alunos indo para escola, não é porque alguns professores estão indo dar aula, que o aluno precisa ir para aula, deixa o professor ir dar sua aula, se não tem aluno, ele esta cumprindo o seu ponto, o aluno precisa entender, apoiar o professor, a maioria dos alunos que estão nas escolas, apenas vão para a escola, vão porque se não os pais não compram o celular da moda, o tênis da moda, vão porque os pais os empurram para a escola, porque em muitos casos querem que a escola eduque e não ensine, e os que persistem em não apoiar os professores, são justamente aqueles que mais encomodam na escola, os pais desses alunos que em plena greve dos professores e greve super justa insistem em mandar seus filhos para a escola, devem ser pais sem personalidade também, nesse momento não cabe a questão, mas meu filho precisa estudar, seu filho precisa estudar com qualidade, e não porque você não suporta ele em casa, fico muito triste por ver pais e alunos que ainda não compreendem o valor dos professores.

  • Renata diz: 1 de junho de 2011

    Prezado Alexandre…
    Caro Moacir…

    Pois é… enquanto diretores (indicados políticos) recebem capacitação em Balneário Camboriu, nós, professores ACT´s, ainda estamos aguardando a liberação de nossa complementação pedagógica para que professores bacharéis de cursos técnicos sejam capacitados. A questão ainda pior é: muitos professores são licenciados em áreas afins ou formados em pedagogia e insistem em nos dizer que não recebemos como habilitados, pois a licenciatura não é em RH, Administração, Contabilidade (situação completamente sem cabimento, para uma secretaria que se diz “da Educação”, Enquanto isso… continuamos com: bacharel, licenciatura, pós… com um piso de 700,00. No meu caso, especificamente, pagando 900,00 de mensalidade/mês para poder concluir o mestrado!

    Situação lastimável….

    Para o Sr Luiz Carlos… quanto à limitação financeira de verbas para outros setores e possível prejuízo aos mesmos… apenas considero…

    Estamos entrando na Era da Consciência e vivendo os discursos do Desenvolvimento Social Sustentável… Acredito que não podemos deixar a educação fora deste contexto!
    Se formos avaliar o panorama histórico remuneração (e de valorização) dos/as profissionais da educação – é possível perceber que o salário da categoria sempre foi péssimo e as condições educacionais precárias. Todavia, em um momento onde a moral ainda prevalecia, no discurso e na prática, a educação e seus profissionais ainda eram considerados “edificadores” sociais. Cito o exemplo de uma mensagem encaminhada pela Secretaria de Educação aos educadores da Rede Estadual na década de 50:
    “Ao início de um novo ano letivo não se pode a Secretaria de Educação e Cultura e, em particular, a Diretoria de Estudos e Planejamento deixar de levar a todos os professores das Escolas Isoladas ou reunidas e dos Grupos Escolares do Estado, a sua palavra de estímulo e conforto. De estímulo, para que não esmoreçam na árdua missão de formar na criança de hoje o homem de amanhã, através de uma educação em que não se olvide nem o FISICO, nem o INTELECTUAL, nem o MORAL, pedras angulares de uma verdadeira formação humana e cristã. De conforto, porque reconhecemos que jamais ganha o bastante aquele que se dedica à árdua missão de criar do barro informe um ser completo e útil à coletividade, qual seja o homem educado.” (TRIBUNA CRICIUMENSE, 1959, p.3)

    Hoje, 60 anos após publicado o discurso, ainda continuamos com a árdua missão, devemos “salvar a pátria”. Mas não a pátria que é formada por cidadãos/ãs éticos/as e responsáveis, todavia – um Brasil formado por pessoas que trocam votos por cestas básicas e são incapazes de compreender que a educação – conforme artigo 205 da Constituição é direito, não dever!
    Por que isso aconteceu?
    Penso que pelo fato de que, cada vez mais, discaradamente, a legislação é utilizada a favor dos mais fortes e a ignorância se tornou (como há muitos) uma grande conveniência! Conveniência esta, que é ditada pelo seguinte lema: Quando os “de cima” perdem a vergonha,Os “de baixo” perdem o respeito!. Ou seja, falta de credibilidade + falta de respeito = Caos! Em termos matemáticos, essa seria a fórmula para explicar a siatuação da sociedade brasileira hoje!

    Em síntese: A falta de investimentos e valorização da educação, levou à triste conveniência do Caos Social!. Dinheiro este, que é realmente investido em muitos outros setores considerados mais importantes. Porém, não se pode esquecer que, sem educação de qualidade, não há outros “setores” – ou, na verdade há, … o retrato diretivo (e de poder) que atuamente vivenciamos – e, em meio conceito, nada tem a ver com o verdadeiro significado de Sustentável!
    E ainda temos a petulância de falar em Quatro Pilares da Educação…

  • Renata diz: 1 de junho de 2011

    Prezado Alexandre…
    Caro Moacir…

    Pois é… enquanto diretores (indicados políticos) recebem capacitação em Balneário Camboriu, nós, professores ACT´s, ainda estamos aguardando a liberação de nossa complementação pedagógica para que professores bacharéis de cursos técnicos sejam capacitados. A questão ainda pior é: muitos professores são licenciados em áreas afins ou formados em pedagogia e insistem em nos dizer que não recebemos como habilitados, pois a licenciatura não é em RH, Administração, Contabilidade (situação completamente sem cabimento, para uma secretaria que se diz “da Educação”, Enquanto isso… continuamos com: bacharel, licenciatura, pós… com um piso de 700,00. No meu caso, especificamente, pagando 900,00 de mensalidade/mês para poder concluir o mestrado!

    Situação lastimável….

    Quanto à limitação financeira de verbas para outros setores e possível prejuízo aos mesmos… apenas considero…

    Estamos entrando na Era da Consciência e vivendo os discursos do Desenvolvimento Social Sustentável… Acredito que não podemos deixar a educação fora deste contexto!
    Se formos avaliar o panorama histórico remuneração (e de valorização) dos/as profissionais da educação – é possível perceber que o salário da categoria sempre foi péssimo e as condições educacionais precárias. Todavia, em um momento onde a moral ainda prevalecia, no discurso e na prática, a educação e seus profissionais ainda eram considerados “edificadores” sociais. Cito o exemplo de uma mensagem encaminhada pela Secretaria de Educação aos educadores da Rede Estadual na década de 50:
    “Ao início de um novo ano letivo não se pode a Secretaria de Educação e Cultura e, em particular, a Diretoria de Estudos e Planejamento deixar de levar a todos os professores das Escolas Isoladas ou reunidas e dos Grupos Escolares do Estado, a sua palavra de estímulo e conforto. De estímulo, para que não esmoreçam na árdua missão de formar na criança de hoje o homem de amanhã, através de uma educação em que não se olvide nem o FISICO, nem o INTELECTUAL, nem o MORAL, pedras angulares de uma verdadeira formação humana e cristã. De conforto, porque reconhecemos que jamais ganha o bastante aquele que se dedica à árdua missão de criar do barro informe um ser completo e útil à coletividade, qual seja o homem educado.” (TRIBUNA CRICIUMENSE, 1959, p.3)

    Hoje, 60 anos após publicado o discurso, ainda continuamos com a árdua missão, devemos “salvar a pátria”. Mas não a pátria que é formada por cidadãos/ãs éticos/as e responsáveis, todavia – um Brasil formado por pessoas que trocam votos por cestas básicas e são incapazes de compreender que a educação – conforme artigo 205 da Constituição é direito, não dever!
    Por que isso aconteceu?
    Penso que pelo fato de que, cada vez mais, discaradamente, a legislação é utilizada a favor dos mais fortes e a ignorância se tornou (como há muitos) uma grande conveniência! Conveniência esta, que é ditada pelo seguinte lema: Quando os “de cima” perdem a vergonha,Os “de baixo” perdem o respeito!. Ou seja, falta de credibilidade + falta de respeito = Caos! Em termos matemáticos, essa seria a fórmula para explicar a situação da sociedade brasileira hoje!

    Em síntese: A falta de investimentos e valorização da educação, levou à triste conveniência do Caos Social!. Dinheiro este, que é realmente investido em muitos outros setores considerados mais importantes. Porém, não se pode esquecer que, sem educação de qualidade, não há outros “setores” – ou, na verdade há, … o retrato diretivo (e de poder) que atuamente vivenciamos – e, em meio conceito, nada tem a ver com o verdadeiro significado de Sustentável!
    E ainda temos a petulância de falar em Quatro Pilares da Educação…

  • Marcia diz: 1 de junho de 2011

    MOACIR obrigada por ser a voz daqueles que muitas vezes foram calados pela lei do relho e do cabresto.
    Na regiao em que moro os coronéis ainda mandam e desmandam. Sou professora efetiva do estado há 22 anos, fiz pós, mestrado e procurei ser uma cumpridora dos meus deveres e lutar por meus direitos. Já estava desistindo, pois se você fala tudo que recebe é perseguição, processo administrativo e etc. O movimento dos professores ocorre um pouco tardiamente, mas ainda bem que acontece, eu estou em greve e vou me manter nela, exponho meus muitos motivos: A escola que trabalho foi reformada duas vezes, sempre a mesma empresa ganhou a licitação, por apadrinhamento politico. As condições de funcionamento são péssimas, no ano de 2010 fiz denuncia com fotos e tudo mais na promotoria em Fraiburgo, ganhei um processo admnistrativo mas o esgoto que corria a céu aberto pelo menos foi canalizado. Para se ter uma idéia atendemos a cerca de 550 alunos e de 1º a 5º ano eles permanecem em tempo integral e não há refeitório os alunos comem espalhados pelo pátio, não há um bebedouro se quer em toda a escola. Esse ano a sala de video e biblioteca que funcionavam juntas, foram transformadas em sala de aula para abrigar mais uma turma de periodo integral por que não há mais salas de aula.
    A sala do SAEDE que atende aos alunos com necessidades especiais de todo o município funciona em uma sala minúscula por que a sala teve que ser usada por alunos matriculados no ensino regular. Sabemos da ilegalidade, sim, sou presidente da APP desta escola, mas assim procedemos por que havia a promessa de uma solução que até agora não veio e também para garantir aulas excedentes aos colegas, caso contrário muitos de nós não consegue sobreviver só com o salario de miséria que recebemos. Nos unimos e juntos APP e CONSELHO DELIBERATIVO, organizamos rifas, brechos, bingos, festas juninas etc, para arrecadar fundos para pagar os encargos das serventes, a contabilidade, o telefone, o material de limpeza e de expediente que não chega até nossas escolas. Essa realidade é vivida por todas as escolas da 8ª GEREI de Campos Novos.
    Para sobreviver eu mesma trabalho 60hs por semana. Vida pessoal, atenção aos filhos, isso é um luxo que PROFESSOR NAO TEM DIREITO. Fico observando quando vejo ou leio as pérolas do ENEM com os erros que os alunos cometem e a culpa sempre é do professor, e as condições de trabalho, onde ficam ou acaso professor é santo milagreiro?
    A GREVE serve pra refletir e para mostrar uma ferida que estava coberta, para tirar uma venda dos olhos de muitos. Engana-se o governo ao pensar que os professores vão recuar da greve, nós já fomos massacrados, pisados, humilhados ao extremo, não temos mais nada a perder, agora é questão de SOBREVIVENCIA.
    O que está em jogo não é apenas o piso na carreira, mas sim o resgate moral, a dignidade de toda uma categoria que é uma das primeira a estar se rebelando contra todo um sistema de opressão historicamente instalado.
    Demoramos para acordar mas tenha a certeza de que em nosso sono fomos semeando sementes, ou o fato da sociedade nos apoiar é fruto do acaso ?
    Senhor governador, um conselho de amiga e de quem já foi vereadora também, quando não se pode com o inimigo junte-se a ele… melhor pagar o piso ainda que seja parcelado, nos faça uma proposta decente … ou vai querer continuar medindo a pressão ???? Nós professores já sabemos viver na miséria, contar as moedas no fim do mês e tantas outras mazelas pelas quais passamos… e o senhor esta preparado para enfrentar todo este desgaste politico ? Será que o seu recém criado partido politico PSD vai querer ter como companheiro um fora da lei que não cumpre o piso e não pode nem mesmo usar o discurso de que a educação é prioridade?
    Outubro de 2012 vem chegando e nós moramos nos 293 municípios de Santa Catarina e como em Lages haviam professores para lhe receber nesses municípios também haverá. Assim como toda a comitiva de deputados que vem a reboque.
    Que prevaleça o bom senso senhor governador, pague o piso na carreira… DE EXEMPLO, RESPEITE E VALORIZE O PROFESSOR ou tenha certeza, O SENHOR VAI ENTRAR PARA A HISTORIA POR SER O GOVERNADOR QUE ENFRENTOU A GREVE MAIS LONGA, MAIS LEGITIMA E MAIS UNÂNIME DE SANTA CATARINA e mais ainda vai ter que pagar nosso piso por que é lei, já foi decretado pelo STF, é só uma questão de tempo. Repito fica o conselho use do bom senso, nos faça uma proposta decente, estamos dispostos a negociar, mas sem perder se quer um de nossos direitos.
    Um abraço senhor governador, quando vier o piso nós nos encontramos para tomar uma cervejinha. quem sabe comece a sobrar uns trocados pra isso.