Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Corrupção causa revolta

30 de junho de 2011 18

“Caro Moacir Pereira.
Venho através de este proclamar minha revolta diante de tanta corrupção, fui diretora no ano de 2010, indicada pelo PMDB, como o atual governador foi eleito pela triplice-aliança, fui conversar com o presidente dos democratas, demonstrando minha vontade de permanecer na direção, já que as coisas estavam funcionando bem e sendo professora da unidade escolar há sete anos. Em janeiro de 2011 as escolas receberam uma normativa para as escolhas de diretores com alguns critérios. Os critérios da normativa eram os seguintes: estar efetivo 20 ou 40 horas semanais, ter curso de pró-gestão, ser professor na unidade escolar, esse último item poderia ser ignorado caso nenhum professor da unidade escolar estivesse interessado. Como minha unidade escolar tinha professor interessado, o critério deveria ser respeitado, o partido da minha cidade indicou uma professora de outra unidade escolar, sem curso de pró-gestão e efetiva com 10 horas semanais. Ignoraram completamente a normativa, fiquei indignada de como eles podem ignorar as leis, mandei um e-mail para a secretaria de educação perguntando por que mandaram uma normativa se os partidos não estavam respeitando, não obtive resposta, liguei para o responsável da minha regional, também não soube me dar uma explicação. Caro Moacir, deixo a pergunta a todos que souberem me responderem, todos os anos somos obrigados a trabalhar nas escolas sobre corrupção, como trabalhar com nossos alunos sobre corrupção? O que dizer a eles? Se todos os dia vemos a corrupção dos nossos governante e nada podemos fazer? Quem se cala diante da corrupção, faz parte dela……..
Senhores governantes! Por que mandaram uma normativa com critérios para a escolha de diretores aos partidos? Sendo que os partidos não respeitaram nenhum critério, e nada foi feito!
Att. Professora Marlene……”

Comentários

comments

Comentários (18)

  • Valtecir Marion diz: 30 de junho de 2011

    Querida professora Marlene,

    Acredito que és uma ótima gestora; preparada para a gestão escolar – administrativo e fundamentalmente pedagogica.

    Porém, no seculo 21, ainda as direções serem indicação politica é uma afronta a democracia. Logo, aceitar direções de

    escolas nesta conjuntura é ser conivente com a corrupção. Aí, o que ensinar aos alunos? Falar de carater conta?

  • Marcelo diz: 30 de junho de 2011

    Cara Prof. Marlene. Suas perguntas, ainda que pertinentes, estão conceitualmente equivocadas. A grande questão é: por que infernos a prerrogativa para definição de um diretor escolar é político-partidária e não uma avaliação de competências e carreira? É por isso que devemos lutar.

  • cinthia diz: 1 de julho de 2011

    cara professora marlene,
    nao sei se dou risada ou se lhe explico.
    vou tentar lhe explicar. cara professora, diretor de escola indicado via partido politico e resquicio maldito do regime militar. como a praxis do mesmo nao resoeitava nenhum escrupulo a mesma logica se da no uso dos atores sociais. havia provavelmente alguem mais intere$$ante politicamente do que a senhora. mas, me desculpe a sra, para o tipo de pessoas que a sra se encontrava envolvida a sra se sirpreende??? bem vinda ao mundo real ( sem cargo comissionado!)

  • cinthia diz: 1 de julho de 2011

    ps : ELEIÇÔES DIRETA PARA DIRETOR DE ESCOLA ESTADUAL JÀ!!

  • Eliane Scremin diz: 1 de julho de 2011

    Não dá para ser imparcial numa história dessa, me desculpem!
    Senhora ex.diretora e agora professora, quando aceitasse ser cargo comissionado, rezaria na cartilha dos políticos.
    Quando na escola a senhora lutou por gestão democrática, a senhora sabe o que é isso? A senhora concorda que a escola seja loteada por um partido político ou mais? Porque a senhora a sete anos atrás não convocou uma reunião na escola entre professores, pais, APPs, Conselho Deliberativo para escolher um professor em comunhão com a comunidade escolar para assumir não um “cargo” e sim a gestão da escola? A senhora pode ter sido uma boa diretora, não sei, mas sei de uma coisa, tá na hora de acabar com essa politicagem nas escolas. Até troca de partido para se manter nos cargos existe e o pior, muitos acham que é uma prática descente.
    Essa prática deteriora, acaba com a função social das escolas. No mínimo o gestor tem que ser da escola, tem que conhecer a escola, está em comunhão com todos na escola. Isso não vem acontecendo.
    Somos culpados por aceitar essa prática na escola. A escola, digo, a comunidade escolar é que tem que definir seus rumos. Temos que achar uma maneira de acabar com os cargos comissionados e escolher de uma forma democrática os nossos gestores.

  • Indignado diz: 1 de julho de 2011

    Cara professora Marlene.
    O que voce relata, em nada me impressiona.
    Nunca fui Diretor e nunca quero ser, mas duas diretoras amigas minhas confidenciaram-me que receberam uma proposta de determinado Deputado no inicio de uma gestão de Governo que era a seguinte.
    “Vocês podme continuar sendo diretoras, caso colaborme com R$ 5.000,00 reais na minha Campanha Politica”. este mesmo deputado fez a mesma proposta para uma advogada que atua na Capital, pois se ela quizesse continuar trabalhando em Determinada secretaria, o valor que deveria “colaborar”na campanha Dele era de R$ 17.000,00.
    LOGO MINHA AMIGA, ISSO É BEM DA ESTIRPE DE POLITICO SAFADO.
    Profe Loco

  • luiz saulo diz: 1 de julho de 2011

    Esta senhora está falando de corrupção? e foi indicada pelo PMDB? Nossa!!! Deu errado, passaram uma rasteira nela e se acha injustiçada? O que ela esperava do PMDB? Quem se mistura com esta gente é farinha do mesmo saco. O critério do PMDB todo mundo sabe qual é. Até eu que não participo de partido nenhum sei qual o critério desta gente. Perdeu uma ótima oportunidade de não colocar a b …. na janela.

  • Marlise Arlete S. Konig diz: 1 de julho de 2011

    Colega Marlene!
    “Quem se cala diante da corrupção, faz parte dela”!!!
    Quantas vezes no ano passado o Sinte denunciou várias coisas que julgava incorreto…merenda terceirizada, uniformes fabricados fora do estado, Kit escolares,….,…,…ect, ECT, ECT…
    Por que será que o SINTE luta por ELEIÇÃO PARA DIRETORES?
    O ano passado você era diretora e provavelmente ajudou eleger nosso digno governador… ele se elegeu no 1º turno… foram feitas carreatas, festas… foi inédito isso… assinamos o massacre para mais 4 anos… O ex- governador Luiz Henrique, o Sr Bauer fizeram o que fizeram, deixaram a educação no caus que está e tbem se elegeram… mais festas… O problema é que quando nos convém, não importa o coletivo… “se eu tenho vantagens próprias, pimenta nos olhos dos outros,não arde”.. e às vezes aprendemos com nossos próprios erros.
    Agora só nos resta lutar e ficarmos firmes para que o prejuízo não seja ainda maior…
    Caros colegas… agora não é hora de recuar… o prejuízo na educação está grande, pois lutávamos somente para que se cumprisse a lei e armaram todo esse circo…meteram a mão nos nossos direitos, querem tirar ainda mais de nós.
    Dependendo da resposta do governo, hoje, temos que permanecer firmes.. Queremos voltar a trabalhar, mas sem perda…
    Profª Marlise
    Sinte Regional de Maravilha

  • José Wilson diz: 1 de julho de 2011

    Salve…
    Salve…
    Cara colega Professora Marlene,
    A grande maioria dos Diretores e Assessores (ainda tem o velho discurso: – Eu apenas estou no cargo, mas continuo professor…) e Assistentes de Educação (estes pensam que são cargos gratificados e políticos) defendem esses governos corruptos, que não tem como prioridade a educação, saúde, segurança (nas obras é mais fácil superfaturar). Por esse motivo os partidos que apoiam esses governos indicam quem eles querem descumprindo todas as leis. Não se preocupe Professora, isto é “normal” aqui na terra Barriga Verde.
    Paz e luz… (se for possível neste momento)
    Abraços serranos.
    Professor Zé Wilson
    Urupema

  • ZELIA DELLA GIUSTINA GUINZANI diz: 1 de julho de 2011

    Professora Marlene, sua resposta ,está na atual conjuntura. A lei do STF , aquela do PISO NACIONAL, foi cumprida?
    O direito constitucional de greve está sendo respeitado? O que são portarias diante de leis maiores. Papéis que nos tiram direitos , mas que para políticos plantonistas e carreiristas são ignorados com aval de quem governa o estado e amparado pela secretaria de educação que neste casos em particular emitiu as portarias e deu. um jeitinho para passar a dos “amigos”. Não é consolo professora mas se ouviu muitos casos semelhantes.

  • Jairo Pessoa Guimarães diz: 1 de julho de 2011

    Prestem atenção:

    Olhem aí o depoimento.
    Para ser Diretor de Escola, precisa ter anuência de partidos.
    Com regras e sem regras, não adianta reclamar.
    Sendo política é tudo “furado”

    Enquanto vigorar esta ordem de coisas, com as pessoas buscando se enquadrarem na ordem da política, vai tudo pro brejo.
    Merecimento, dedicação, competência, concurso, preparo, ética e por aí vai, é o que deve nortear a ordem das coisas.
    Fizeram disto tudo, um salve-se quem puder, para abocanhar cargos e funções.
    Dá no que dá.
    Triste mas é a realidade.

  • Ana Bárbara diz: 1 de julho de 2011

    Se tivesse ELEIÇÃO pra diretor não haveria essa palhaçada. Pra ver como as coisas são ridículas: O QUE SABE UM PARTIDO SOBRE A COMPETÊNCIA OU NÃO DE UM DETERMINADO PROFESSOR PARA ELE SER DIRETOR???? É que na verdade não importa se o cara é bom ou não. Trabalhar bem pela escola é o de menos, desde que estejam obedecendo as ordens certinho, o resto que se exploda. E VIVA A PROVÍNCIA DE SANTA CATARINA.

  • waldemar krajeski filho diz: 1 de julho de 2011

    Para que os partidos políticos não interfiram na educação e os diretores não se transformem em simples cabos eleitorais como são hoje, é que o SINTE defende eleição direta para diretor de escola. É um absurdo as pessoas ficarem mendigando cargos a padrinhos políticos, aí ficam com o rabo preso prejudicando o bom andamento das escolas. Está na hora de certos diretores “vazarem”, como dizem nossos alunos, estão com o prazo de validade vencido. O cargo de diretor não é vitalício. O que os diretores fizeram até agora nesta greve? Claro, muitos foram legais, são nossos amigos, são professores acima de tudo, mas tinham que ficar assitindo tudo, por que o partido está acima de tudo e o cargo fala mais alto. Se fossem eleitos teriam compromisso com a categoria e a greve não se estenderia por tanto tempo.

  • guilherme diz: 1 de julho de 2011

    Te consola menina!
    Você pelo menos teve a oportunidade de dizer eu quero ficar na escola.
    Houve escolas em que simplesmente mandaram o novo diretor, encarregado de dizer eu sou o novo diretor.
    É corrupção sim, eles não respeitam nada, o importante …

  • Analu Burigo Haushahn diz: 1 de julho de 2011

    A corrupção, ao contrário do que se pensa, já começa “por baixo”, ou seja começa dentro da própria escola. Esta situação de indicação política faz com que nossas escolas sejam corruptas, mascarando a suja e triste realidade escolar. Estou a pouquíssimo tempo na Educação (tem um professor que me chama de adolescente na Educação por conta disso). Porém, muita corrupção já foi percebida. Fiz uma Pós-graduaçao em Gestão escolar e, portanto conheci ATPs, AEs, Orientadoras e Diretoras de várias escolas do Estado e o discurso era sempre o mesmo: a direção tem que seguir as normas para não perderem o cargo. Então o “jeitinho brasileiro” sempre aparecia: rifas, festas, tirar dinheiro do próprio bolso para colocar o mínimo dos mínimos nas escolas abandonadas. Tentando sempre tapar o sol com a peneira para dançar conforme a música e se manter em seu cargo!!! Diretores de escola do estado deveriam fazer como o diretor da penitnciária: “sem respostas positivas do governo ao pedidos de soluções, pediu demissão!” Mas cadê a coragem???

  • juliano diz: 1 de julho de 2011

    Isso é para aprender que: POLITICO VENDE ATÉ A MÃE PARA CONSEGUIR O QUE QUER!
    VC TRABALHOU EM UMA CAMPANHA PENSANDO NO SEU CARGO. DEVERIA TER VOTADO NO MELHOR CANDIDATO.
    BEM FEITO.

  • Jairo Pessoa Guimarães diz: 1 de julho de 2011

    Sinceramente!

    Este não foi um depoimento, foi uma verdadeira confissão. Diria que foi uma dupla “entregação”: Falou do pecado do outro e confessou os seus próprios.

    Estes comentários me fizeram lembrar da letra de uma música que dizia mais ou menos assim:

    … você veio buscar lã e saiu tosquiada,
    ovelhinha da manhã,
    sou o lobo da madrugada.

    Então é isso, aproveitem o momento e mudem as coisas erradas.

  • Aline diz: 1 de julho de 2011

    Prezada professora,

    Em meio a uma greve, onde estamos lutando por nossos direitos, entre eles gestão democrática nas escolas,
    a meu ver é cômico q a senhora faça um comentário desses no blog mais visitado pelos professores do nosso estado.
    Devo-lhe sim meu respeito por ser professora, mas p mim a corrupção já começa com o fato de que os partidos, seja qual for, indique professores para as direções de nossas escolas, ou seja, a senhora foi cúmplice de tal ato de corrupção. Se isso não acontecesse a educação catarinense seria a melhor do Brasil, pq tds trabalhariam em prol dos alunos, das escolas, dos professores, ENFIM DE UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, sem distinção pensando q o partido A ou B poderá não gostar de determinada atitude tomada pelo diretor indicado. Desculpe o desabafo, mas não me contive.