Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Ponticelli defende apoio do PP ao governo Colombo

31 de agosto de 2011 12

O presidente Joares Ponticelli retruca o correligionário dizendo que Esperidião Amin e João Pizollati precisam explicar a situação delicada e constrangedora que criaram dentro do PP nacional com esta disputa na bancada.
– Não vou permitir que tragam a briga federal para Santa Catarina – enfatizou Ponticelli. Eles que resolvam seus problemas em Brasilia. Colocam em risco até a permanência do PP no Ministério das Cidades. Eu não vou dar balcão para eles aqui no Estado.
O presidente progressista informou ter realizado 11 reuniões macro-regionais por toda Santa Catarina. “Não houve uma única contestação à decisão de integrar a base do governo na Assembleia. Até agora só aplausos. Se há alguém descontente, ele(Amin) é o único”.
As manifestações de Joares Ponticelli ocorreram depois da sessão da Assembleia, onde se registraram cenas inéditas. Da tribuna, o deputado Ponticelli disparou contra Tarso Genro, cobrando coerência dos petistas de Santa Catarina. Condenou o governador gaúcho por não pagar o piso salarial aos professores e protelar a concessão do benefício com nova ação judicial. Aproveitou para falar de avanços que identificou no projeto de Raimundo Colombo, que passou a proposta inicial de 12 milhões de reais para 40 milhões, assegurando o piso a todo o magistério. Foi aparteado pelo líder do PMDB, Manoel Motta, com apoio politico e distribuição de confetes ao progressista. Nos oito anos do governo Luiz Henrique, os dois deputados tiveram confrontos acalorados dentro do parlamento.
Joares Ponticelli foi o relator do projeto de lei complementar que definiu o pagamento do piso dos professores. Tem sido alvo de campanha dos professores contra o parecer favorável, juntamente com os deputados governistas que votaram a favor da matéria.

Comentários

comments

Comentários (12)

  • Carlos José Koelln diz: 31 de agosto de 2011

    O deputado Joares pensa que todos são idiotas.
    Hoje em troca de favores políticos apoia o governo de Colombo.
    Tudo o que ele criticou em campanha e nos anos anteriores está cristalizado no governo de Colombo.
    No governo do pmdb ele foi ferrenho opositor, mas agora entendo porque, não pode se benefiaciar politicamente.
    Nó do MAGISTÉRIO não esquecemos a sua traição, infelizmente com suas atitudes está se tornando apenas um deputado, ex-PROFESSOR, hoje apenas professor.
    OBS: as palavras minúsculas são propositais.

  • joao gabriel rempel diz: 31 de agosto de 2011

    TODO CONSENSO É BURRO!
    Caro Moacir, lendo o seu livro sobre a trajetória deste ilustre jornalista e político Aderbal Ramos Da Silva, compreendi o quanto é importante a oposição política. Ora, o governador do estado já possui a maioria politica em sua base de apoio e agora alguns deputados fora da base do governo querem participar da base de apoio. Será que o nobres deputados já consultaram a sua base para verificar se é essa posição que os seus eleitores querem? Fico imaginando que é muito mais confortável para o governo administrar SC com os quatro ‘grande” partidos politicos ao seu lado. Mas, a democracia prevê que tenhamos sempre divergencias politicas e ideológicas. Como diria o famoso frances Voltaire”Posso não concordar com o que você diga, mas lutarei até o fim para que tenha o direito de dizê-lo”. No momento em que o governo não ter uma oposição forte, organizada, defensora de seus projetos politicos, ficará mais fácil fazer o que se quer. A oposição é importante para o governo assuma uma postura. Afinal, eleito para que? Penso que seja urgente alguns representates políticos consultam as suas bases. As divergencias são excelentes termometros para encontrar um caminho a seguir. Por isso todo consenso político dentro de um governo é burro. Qual é o preço? Queremos um legislativo transparente, representativo e independente. que o legislativo atue de fato como a casa do povo de Santa Catarina.

  • jose carlos diz: 31 de agosto de 2011

    e pâo e circo para o povo

  • gilson diz: 31 de agosto de 2011

    O governo ainda não assegurou o piso ao magisterio, Sr Joare. O piso que vocês estão pagando é um piso Frankenstein. Tem um pouco da lei nacional, tem um pouco da lei estadual e tem até um pouco do piso que voces, do governo, imaginam que é o piso. O acórdão foi publicado. Diz que 1/3 da carga horária para a preparação de aulas é obrigatório. Isto não está sendo cumprido.

  • Andresa acf diz: 31 de agosto de 2011

    A permanecer assim, não haverá lugar, dentro das fronteitas deste Estado, para tanto “apoio” (destes partidos) ao (des)governo de Colombo. Só quero ver como isto tudo ficará no próximo ano durante as eleições.
    Vai ser de rolar de rir…

    Lages

  • Evanir Rodrigues diz: 31 de agosto de 2011

    JOARES PONTICELI.
    Pois tive a infelicidade de votar nesse cidadão e era filiado no tal de PP.
    Não posso lembrar nesses nomes JP e PP e o tal de Colombo.

  • Pedro Paulo de Miranda diz: 31 de agosto de 2011

    Boa noite, Moacir Pereira!

    Sei não…quem precisa dar explicações.

    Abraço!

  • silvia diz: 31 de agosto de 2011

    Sr. Joares, não sou filiada a nenhum partido político, pois estes não possuem ideologia, aliás tem sim a ideologia do “que venha a nós” e ao vosso reino nada.
    Meu voto vai analisando o “caráter” do candidato, adjetivo este que o “nobre deputado” desconhece. Portanto, ao invés de se preocupar com os outros estados, olhe para seu umbigo. Lembre-se o Sr. já nos deu sua contribuição e o magistério vai lhe retribuir como merece.
    Outro detalhe: O Sr. tem um mandato por Santa Catarina. Não descobriu ainda de onde vem seu “salário de fome”?

  • João Alfredo – Blumenau diz: 31 de agosto de 2011

    Engraçado, como tenho colegas que se iludiram pelas bestas do PT. Sou professor a 19 anos do Estado e não entendo o que alguns “colegas” estão pensando. Meu salário aumentou 320 reais e vem mais aumento até janeiro. O outro governador em 8 anos me deu 70, como posso reclamar agora? Na minha escola ninguem mais reclama, depois de receber no fim do mês, não somos idiotas como essa turma do PC do B, PSTU, PT, PCB imaginam.

    *Alias, os que falam tanto do Colombo, o que acham da greve do ensino federal????

  • Tania Maria diz: 31 de agosto de 2011

    Senhor Joares
    Deveria se informar melhor sobre o salário dos professores do Rio Grande do Sul. Lá, todos ganharam no plano de carreira 10%.E os senhores Deputados gauchos,não enterraram o Plano de Carreira, como fizeram os inimigos da Educação aqui em Santa Catarina, naquele inesquecível 13 de Julho.
    Continua o nobre Deputado alardeando que tivemos avanços????
    Que bom seria…

  • MARIA APARECIDA PEREIRA DA SILVA diz: 31 de agosto de 2011

    Caro Moacir,é inacreditável os comentários que políticos como o dep.Joarez Ponticelli ainda são capazes de fazer. Dizer que realizou 11 reuniões nas macro -regioês e não teve nenhuma contestação à decisão de integrar a base do governo na Assembléia.Ouviu só aplausos.Isto é um absurdo.Sou filiada ao PP a 15 anos e fui saber deste arranjo político oportunista somente na época da greve do Magistério que foi coroada pela relatoria do citado DEPUTADO que defendeu ferozmente o Projeto assassino do plano de carreira dos professores.Portanto, o caro deputado deve lembrar que nem sempre os eleitores apoiam a decisão de negociatas políticas e que esperamos coerência nas ações. Reafirmo a minha decepção com o referido deputado que muitas vezes assisti na TVAL e admirava a sua postura e atuação. Saber que existem divergências no PP me faz acreditar que nem tudo está perdido!!!

  • Margaret diz: 1 de setembro de 2011

    Moacir Pereira, bom dia,
    Há pessoas que “viajam na maionese”. Quem esse Deputado, Joeres Ponticelli, pensa que engana? Diz-se ex-professor. POFESSOR certamente nunca foi, pois não teria esquecido tão facilmente seu ex-oficío.
    Agora, vem de braços dados com o governo dizendo que este paga o piso ao magistério? Pensam, que pagam o piso. Enganam os que não sabem como funciona o plano de cargos e salários, e como fizeram para implantá-lo.
    Para ter uma ideia, perco em torno de de um terço do meu salário todos os meses. Temos um vale alimentação de R$6,00, podendo ser pago no máximo R$132,00 (22 dias). No mês de agosto trabalhamos 23 dias. Ficamos no prejuízo de R$6,OO. Parece pouco, não é? Mas…
    E enquanto isso… na assembleia, incorporam gratificações…