Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de setembro 2011

Há outros ficha suja no governo?

30 de setembro de 2011 5

A demissão do ex-prefeito Altamir José Paes da presidência da SC Gas provoca outro fato politico: a aplicação da Lei Estadual da Ficha Limpa em outros comissionados que estariam ocupando cargos no governo Colombo.
Na Assembléia Legislativa a relação conta com pelo menos tres estrelas da constelação peemedebista.

Jailson propõe transferência direta dos recursos federais às prefeituras

30 de setembro de 2011 1

Deputado Jailson Lima da Silva (PT) propôs ao presidente da Comissão de Seguranca Pública da Assembléia, deputado Kennedy Nunes(PSD) uma audiência com o governador Raimundo Colombo para tratar dos recursos federais das enchentes.
Presente na reunião dos ministros Ideli Salvati e Fernando Bezerra, no Palácio do Planalto, testemunhou as reclamações dos prefeitos com a intermediação destas verbas pelo governo do Estado. A maioria dos queixosos é da base do governo. Eles querem que os recursos sejam transferidos diretamente às prefeituras. O ministro Bezerra deu sinal verde.
A medida pretende agilizar a liberação do dinheiro agora autorizado por Brasilia.

Professor Paraná lança candidatura à Reitoria da Ufsc

30 de setembro de 2011 2

Professor Carlos Alberto Justo da Silva (Paraná) compareceu à reunião do Conselho do Centro de Ciências da Saúde para apresentar sua candidatura à Reitoria, junto com a professora Vera Bazzo, do Centro de Ciências da Educação (CED).
– Preferi começar pelo meu Centro – justificou Paraná. Com as pessoas que me olham além do candidato. Sempre busquei legitimidade com quem convivia, respeitava e devia explicações.
Citando pontos de sua trajetória, o professor Paraná – que deixa de ser vice-reitor a partir da próxima semana, para poder se dedicar à campanha – falou da expectativa que a comunidade tem da UFSC. “O compromisso do reitor, antes de tudo, é tentar realizar sonhos. A UFSC realizou todos os meus: um lugar para estudar, para trabalhar, para sustentar minha família. A Universidade tem que dar sustentação para que os sonhos das pessoas sejam realizados, e que essa tarefa possa transbordar para toda a sociedade”.

A Policia Civil e a crise na segurança pública

30 de setembro de 2011 25

De um Delegado de Policia de Santa Catarina, devidamente identificado, mas mantido em reserva por motivos óbvios, sobre a situação da Policia Civil e da segurança pública, via e-mail:
“Prezado Moacir,

Escrevo em razão das repercussões dos recentes movimentos de policiais civis catarinenses, pleiteando melhoria em seus salários. Os vencimentos de agentes, escrivães e delegados da Polícia Civil catarinense são, notadamente, uns dos menores do Brasil. Esse fato é mascarado pelo governo estadual com a maquiagem de alguns abonos e outros penduricalhos, mas não modificam a situação de penúria a que estão submetidos os servidores públicos da segurança pública de SC (civis e militares).
O governo insiste em alardear notícias infundadas e falsas, para minimizar os impactos da completa falta de política de segurança no Estado, mas é cristalino o descompromisso do Estado com a segurança da população.
Santa Catarina não é um estado seguro! Não se investe em segurança, não se investe nos policiais, não se valoriza os policiais e, consequentemente, não se respeita a sociedade. O efetivo da PCSC é o mesmo (se não menor) desde 1984. Neste período a criminalidade aumentou em 180%. Os salários estão defasados, sem reajuste, incompatíveis com a reponsabilidade da função eo custo de vida. Ainda assim somos cobrados diarimente, por respostas que, muitas vezes, não temos condições de dar.
Segurança pública custa caro, sim. Mas é o preço que todos pagamos por não se ter, desde tempos passados, uma política séria neste setor. Para “arrumarmos a casa” são necessários investimentos, ou a situação só tende a piorar. Se o governo estadual não passar a se preocupar com a questão da segurança pública, certamente descambaremos para a total e real insegurança (já que a sensação já é de total insegurança).
Parece piada, mas o governo se preocupa apenas com imagem, e não com soluções de fato.
Para ilustrar, me escoro em situação ocorrida ontem em Balneário Piçarras, comarca da qual sou Delegado Titular da Delegacia de Polícia (apesar de afastado temporariamente por estar desenvolvendo trabalhos em outra região). Lá, ontem, tivemos uma situação de roubo a residência, com tomada de reféns. Cinco indíviduos armados tomaram como reféns um casal, trocaram tiros com a polícia e conseguiram fugir. Na fuga sequestraram outro homem e seu caro, abandonando-o horas depois. Crimes como esse tem se mostrado comuns na região, e apesar das inúmeras reclamações pela falta de estrutura e falta de policiais, nenhuma das solicitações por melhorias tem sido atendidas pela “cúpula”.
Mas, o que é pior, o Delegado de Polícia que me substitui durante o afstamento, apesar de contatos sucessivos, não conseguiu sequer obter apoio de outras unidades da Polícia Civil para responder ao ataque dos criminosos. Esse descaso culminou com a fuga dos ladrões. Os policiais não tinham equipamento adequado (sem coletes balísticos e armamento eficiente), e correram risco ao enfrentar a tiros os criminosos.
Contrastanto com esse desinteresse institucional, alguns dias atrás foi colocada uma faixa na Delegacia de Penha (que faz parte da Comarca de Piçarras) mencionando as dificuldades salariais (fato mencionado em seu blog). Rapidamente, em menos de 20 minutos, o helicóptero da PCSC foi ao local para “investigar” a manifestação e instruir o procedimento de corregedoria. Ou seja, para reprimir uma manifestação justa se desloca uma aeronave para fins meramente correicionais, mas para atender um assalto com reféns não se move uma palha.
Infelimente esse é o retrato da Polícia Civil catarinense, e esse é o tratamento que o policial merece do governo. O mesmo tratamento que retrata o descaso com a segurança da população.
Cordialmente, ..Delegado de Policia.”

Nova Diretoria do Sindicato dos Jornalistas emite nota oficial

30 de setembro de 2011 1

Na véspera de assumir o comando do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, a nova Diretoria, presidida pelo jornalista Valmor Fritsche, emite “nota oficial’, intitualda “Em defesa da democracia e da decisão dos jornalistas de Santa Catarina, com contundentes críticas à gestão anterior, dirigida pelo jornalista Rubens Lungue. Confira o teor:
“A diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, empossada no dia 27 de setembro, torna público seu repúdio à atitude da gestão anterior que, no estertor de seu mandato, utilizou-se de publicação oficial da entidade, o Papel Jornal, para, além de desrespeitar a vontade e a inteligência dos jornalistas que participaram do recente processo eleitoral, desferir um ataque de baixo nível e sem possibilidade de contraponto à nova diretoria do SJSC e à direção da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ).
Através de uma publicação expedida pelo correio no dia 26/09/2011, a gestão do SJSC que se encerrou no dia seguinte – e que se negou a realizar um processo de transição transparente com a nova direção, que foi respaldada por votação amplamente majoritária da categoria -, dedicou uma página do “Papel Jornal” para, sob o manto de uma “ANÁLISE DA DIRETORIA”, fazer disputa política reprovável após a eleição, expor “sua” leitura equivocada do processo eleitoral, propagandear inverdades, e, num vergonhoso choro de derrotados, terminar seu mandato com a truculência que caracterizou boa parte de seu transcurso.
Não coadunamos com tal postura. A decepção com tal atitude, já manifestada por alguns colegas em redes sociais, é compartilhada pela atual direção do SJSC.
Cabe destacar que a reprovação da categoria à gestão terminada no dia 27 de setembro foi maiúscula e que, mesmo após mais 3 anos de mandato, de manipular a estrutura da entidade a seu favor, de definir o processo e ter maioria na Comissão Eleitoral, a antiga diretoria sequer foi capaz de repetir a baixa votação que recebeu na eleição do SJSC ocorrida em 2008, quando concorreu como chapa única.
É inadmissível a “leitura” que a gestão anterior tenta impor sobre o processo eleitoral e as diferenças entre as duas chapas, buscando imputar à chapa vencedora, à direção da FENAJ e à Associação Catarinense de Imprensa (ACI) posições que não correspondem à realidade.
Todo o conteúdo da página 5 da edição 59 do Papel Jornal é uma demonstração cabal de que a gestão que se encerrou no SJSC não entendeu e não absorveu o resultado da eleição ocorrida nos dias 25 e 26 de agosto. E ele foi simples: a categoria reprova processos de exclusão e de manipulação de informações, reprova a falsa divisão entre os jornalistas da capital e do “interior”, ou mesmo o desrespeito às resoluções de suas instâncias deliberativas nacionais, como abraçar-se ao patrão e escancarar as portas do Sindicato para jornalistas precários.
É público e notório que a decisão do STF de extinguir com a exigência do diploma para o exercício da profissão – naquelas funções onde tal requisito é imperativo – atendeu a pedido de SINDICATOS PATRONAIS de São Paulo, que veem na regulamentação profissional dos Jornalistas um impeditivo para sua sanha de desqualificação da profissão, exploração ainda maior do trabalho dos jornalistas e de mercantilização do Jornalismo. Quem se rendeu à decisão do STF, pode se maquiar com os argumentos que quiser, mas não consegue esconder que sua posição faz a alegria do patrão.
Concepções de sindicalismo classista que se assentam na mentira, na manipulação e no autoritarismo são, na verdade, manifestações de esquerdismo infantil, inconsequente, pseudo-classismo. E aí reside uma das maiores diferenças entre as duas chapas que disputaram o processo eleitoral do SJSC. Quem não respeita a DEMOCRACIA, cumpre um desserviço à classe trabalhadora e expõe sua falta de representatividade.
A despeito de tudo isso, a nova direção do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina conquistou amplo respaldo no recente processo eleitoral da entidade com a realização de uma campanha ética, um programa de resgate da ação sindical voltado para os interesses dos jornalistas – construído coletivamente em debates em diversas cidades de Santa Catarina – e com uma nominata que buscou assegurar a participação dos diversos segmentos da categoria em nosso Sindicato. Os jornalistas decidiram e o mínimo que se pode esperar é respeito a esta decisão.
Vamos Juntos trabalhar pela valorização de nossa profissão e dos profissionais. Vamos buscar trazer de volta para nosso Sindicato muitos colegas que se afastaram ou foram excluídos pelas práticas equivocadas que imperaram em nossa entidade nos últimos anos, além de trazer novos colegas dispostos a fortalecer seu Sindicato e reconhecedores de que o caminho para novas conquistas e vitórias se faz com democracia e com a luta coletiva dos trabalhadores.
Florianópolis, 30 de setembro de 2011.
Diretoria do SJSC.”

Altamir Paes esteve na Procuradoria de Justiça

30 de setembro de 2011 6

O presidente da SC Gas, Altamir Paes, esteve duas vezes hoje pela manha com o presidente do PMDB e vice governador Eduardo Moreira, tratando de seu futuro no governo. Paes comunicou que esteve no Ministério Público Estadual levando informações ao promotor Aor Miranda. E vai segunda-feira falar com o segundo promotor a pedir seu afastamento, Alceu Rocha.
No inicio da tarde, Paes foi informado da decisão de substitui-lo. Vai prestar os esclarecimentos que julga necessários ao Ministério Público e depois se despedirá do cargo.

Segurança é tema de monografia

30 de setembro de 2011 2

Jornalista João Carlos Mendonça Santos, da assessoria de imprensa da secretaria da Segurança Pública, teve sua monografia aprovada com nota máxima no curso de gestão em Segurança Pública da Unisul. A pesquisa analisou o segmento de assessoria imprensa na área de segurança pública, e sugeriu um modelo ideal para os gestores públicos. A banca estava formada pelos professores mestres Paulo Calgaro de Carvalho e Aloísio José Rodrigues, que deram nota 10 para o desempenho do aluno.

Sesquicentenário de nascimento de Cruz e Sousa

30 de setembro de 2011 Comentários desativados

Câmara Federal vai realizar sessão solene no dia 22 de novembro, comemorativa dos 150 anos de nascimento do poeta simbolista João da Cruz e Sousa. Proposta feita pelo deputado Esperidião Amin e aprovaa por unanimidade.

Moreira emite comunicado sobre SC Gas

30 de setembro de 2011 1

O vice-governador Eduardo Pinho Moreira emitiu “comunicado” hoje sobre a substituição do presidente da SC Gas, Altamir José Paes. Leia:
Em razão das informações divulgadas nos últimos dias, envolvendo o atual presidente da SC Gás, Sr. Altamir José Paes, vimos a público manifestar-lhe total apoio e reafirmar nossa confiança em sua correção e espírito público. Por uma decisão de caráter pessoal, tomada na manhã desta sexta-feira (30), Altamir Paes anuncia seu desligamento da presidência da SC Gás, cargo que ocupa como representante da Celesc, acionista majoritária da empresa. Contudo, não será de imediato. O presidente permanecerá no cargo por mais alguns dias e terá a oportunidade de, junto ao Ministério Público de Santa Catarina, esclarecer os fatos que lhe imputam incorrer na Lei Estadual da Ficha Limpa.
Atenciosamente, Eduardo Pinho Moreira-Vice-governador do Estado de Santa Catarina.”
“Por uma decisão pessoal…Altamir Paes anuncia seu desligamento”?
A velhinha de Taubaté acreditou!

Colombo muda presidente da SCGás

30 de setembro de 2011 5

Decidido: o ex-prefeito de Otacílio Costa vai ser substituído na presidência da SCGás. Reunião rápida que acaba de terminar, entre o governador Raimundo Colombo e o presidente do PMDB, Eduardo Moreira ficou definida a saída de Altamir José Paes da presidência da estatal.

Ele fica no cargo até segunda-feira. Vai ao Ministério Publico Estadual prestar esclarecimentos aos dois promotores que recomendaram seu afastamento imediato do cargo, por enquadrá-lo na Lei Estadual. Da Ficha Limpa. O novo presidente será também do PMDB.