Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Escolas: um depoimento

16 de dezembro de 2011 29

“Prezado Moacir Pereira:
Hoje cedo,ao ouvir a CBN DIÁRIO,o Mário Mota,dizia que o governador Raimundo Colombo,iria acompanhar a destruição de carros,apreendidos pela polícia rodoviária,que viraram sucatas.Então,comecei a pensar na situação das escolas pública, muitas detonadas,arrebentadas e sem a mínima condição de funcionar e o governador,nunca pisou lá, ,para verificar todas denúncias de professores,pais e do sindicato.Senti vergonha, raiva e fiquei perplexa com a falta de respeito com a nossa educação em Santa Catarina. Moacir,estudei sempre em escola pública,fiz universidade sem ao menos ter feito cursinho, pois não tinha condições financeiras.Tive uma boa aprendizagem,sempre passei direto e naquela época as férias eram 30 dias em julho e as aulas começavam em março.Hoje não tem férias em julho,é recesso,muitas vezes de uma semana e as aulas passaram a iniciar em fevereiro.O governador Raimundo Colombo,teve um lindo discurso nas suas campanhas,sempre dizendo que educação seria uma prioridade em seu governo.Se houvesse essa preocupação pela educação ele teria deixado ocorrer uma greve de 62 dias?Tenho certeza que não e toda população do estado também.Foram inúmeras audiências e assembléias,como voce mesmo,relata em seu
livro,que ainda não terminei de ler,porém recomendo,pois relata toda nossa angústia,anseios e expectativas durante nossa luta.
Quando o reajuste salarial é para a classe trabalhadora,eles falam em impacto financeiro
sempre, responsabilidade fiscal entre outras desculpas.Porém eu pergunto:quando o reajuste é deles,os abonos natalinos ,reformas mirabulantes em gabinetes,existe esses impedimentos?Claro que não,sempre dão um jeito e conseguem as gratificações.os abonos as reformas,etc…
Os professores, ficaram durante 62 dias,lutando por uma lei de 2008,que o STF,mandava cumprir e Luiz Henrique da Silveira e Raimundo Colombo,não cumpriram e nada aconteceu.Ora,quem não cumpre a lei,é fora dela,e fora da lei,pelo que eu sei,tem lugar certo…Moacir,a maioria dos professores,para sobreviver,saem de casa pela manhã,com mochilas pesadas,pastas e marmitas,trabalham em 3 escolas,e ainda para poder ter acesso a um simples cafézinho,ou levam o pó de casa ou pagam do seu bolso.Na ALESC é assim?Nos gabinetes,nos demais órgãos público?Deixo mais essa pergunta.Nós do Sinte Regional de Florianópolis,estamos diáriamente nas reuniões de pais,nas escolas,e junto com os professores,todos estão contra irem até dia 6 de janeiro.Moacir,vários professores,entraram de licença médica,por diversos motivos e essas aulas,foram ocupadas por aqueles que tinham que repor.Passamos nas escolas dia 7 de setembro,e chovia muito,e em muitas nem alunos tinham,só profes sores.Dia 15 de novembro,outro feriado,e a poucos alunos,pois queriam aproveitar o feriado para curtir seus familiares,e descansar,visto que muitos,trabalham também.Teve entrega de boletins e reuniões de pais,nos sábados e a tal vivência,criada,para obrigar o professor trabalhar nesses dias.Até aonde sabemos,reposição de conteúdos,nas ausencias de outros colegas e dias que não foram considerados feriados,deveriam contar dias letivo.O que está acontecendo,é que os diretores fizeram o calendário escolar com a comunidade,e a GERED,está devolvendo,alegando que todos deverão ir até o dia 6 de janeiro.Então Moacir,acreditamos que eles não querem reposição,apenas castigar e punir os professores,mostranto toda essa imposição.A opinião da comunidade,dos pais,mesmo com abaixo-assinado,não está sendo levado em conta.Total desrespeito aos pais,que saem de casa,em todas as escolas,se reunem,debatem a educação dos filhos,e não são levando em consideração.Na i dade média,mandavam cortar dedos,orelhas e arrancar unhas,alegando que era punição correta,aos que enfrentavam,desobedeciam ou tinham pensamentos diferentes dos reis ou dos mandantes.Hoje querem deixar o professor trabalhar dia de natal e ano ano novo,sem nenhuma condição para isso.E ainda falam aos quatro cantos,que esse governo prioriza a educação.Deixo aqui toda nossa indignação,aos que comandam a GERED E A SED,ao governo do estado,que como vc fala no livro:não tem sensibilidade nem poder de articulação política.Nós da Regional de Florianópolis,pedimos respeito e sensibilidade a um problema que foi criado por esse governo.O professor esta sendo punido e muito,todos os dias,por ter lutado pelo cumprimento de uma lei.Que nenhum catarinense, esqueça como tratam a educação nesse estado,pois não consideram prioridade, querem manipular sempre o povo.Os carros que viraram sucatas merecem atenção do governo do estado,a educação,terrorismo e punição.Com a palavra Raimundo Colombo e seus aliados.
Rosângela Barreiros
SINTE REGIONAL DE FLORIANÓPOLIS.”

Comments

comments

Comentários (29)

  • rodrigo diz: 16 de dezembro de 2011

    Me respondam o seguinte nobres colegas professores aí da Capital. O nosso SINTE ainda esta funcionando ou ja estão de férias. Pergunto isso pois nunca mais ouvi, li ou assisti nenhuma notícia com relação aos assuntos do interesse da categoria. Muito estranho esse silencio absoluto que paira no ar agora no final de ano onde todos sabemos o que esta sendo feito aos professores. E ao que tudo indica, 2012 será muito pior.
    Ei SINTE caso vocês não saibam tem uns 60 mil professores necessitando amparo. VCS ESTÃO SENDO PAGOS PARA NOS REPRESENTAR E NOS DEFENDER, FAÇAM A SUA PARTE.

  • Maria Aparecida da Silva diz: 16 de dezembro de 2011

    E como fica a LC 0026/2011 com aumento aprovado na Assembléia Legislativa para janeiro/2012 e divulgado pelos deputados e imprensa. Fizeram papel de bobos.

  • Pd. José de Anchieta – 1º educador do Brasil diz: 16 de dezembro de 2011

    Depois de achar que ia continuar tudo como estava, eis que vejo:
    1.A instalação de câmeras de vigilância de alta tecnologia com reconhecimento facial para identificar criminosos, pessoas desaparecidas e monitoramento local;
    2. A instalação de câmeras nas duas pontes com leitura automática de placas para identificar dentre outros, veículos furtados;
    3. A duplicação da SC 401 em tempo record e com custo justo (inédito);
    4. O aparelhamento das polícias rodoviária e militar, com a aquisição de veículos, radares, sistemas informatizados móveis etc.
    O governador já queimou a minha língua. Me parece que ele é bem mais inteligente do que muitos de nós, acostumados com maquiagens governamentais, supomos. Acredito agora que ele está criando os alicerces para futuros projetos, os quais sem esta base sólida provavelmente resultariam ineficazes. Desejo muito estar correto nisso!
    Quanto às SDRs, assunto recorrente em muitos círculos, confesso que não as conheço o suficiente para emitir uma opinião, mas espero que os cargos existentes sejam ocupados por servidores concursados, para eliminar de uma vez com as especulações de que se trata de um cabidão de apaniguados e curral eleitoral. O Governador já provou-se competente o suficiente para não precisar disso.
    Quanto ao que a Sra. representante do SINTE refere sobre a estrutura física das escolas, causa-me apreensão a fala “denúncias de professores,pais e do sindicato”. Dununciaram para quem? É preciso saber como e onde requerer. Me parece que a qualidade da estrutura física das escolas não se trata de reinvidicação de vosso sindicato, tendo em vista as pautas de negociações deflagradas por ocasião da última greve.
    Tem muita gente que gosta de ver o circo pegando fogo para ficar olhando e reclamando. Mas também sei tem muita gente que arregaça as mangas e faz mais do que apenas a sua obrigação.
    Agradeço e parabenizo aos Professores que apesar das dificuldades que encontram no exercício da sua atividade, esmeram-se na instrução de nossas crianças e jovens, que são o nosso futuro e esperança.
    Solicito respeitosamente que o SINTE se manifestasse mais aprofundadamente a respeito desta questão neste espaço democrático que este Jornalista gentilmente oportuniza a toda a sociedade catarinense.

  • aderbal diz: 16 de dezembro de 2011

    o sinte é comprado pelo governojá vi que eles nao se mechem para nada. se nós mesmos nao nos unirmos e esperar pelo sinte, sinto muito, mas será em vão. lutem e não esperaremos que os outros façam por nós. não podemos também nos render a ameaças das gereds, nem de ninguém. LUTEM PELO QUE QUEREM ATÉ O FIM, OU ENTÃO SENTA E NÃO RECLAMA.
    A UNIÃO FAZ A FORÇA..

  • aderbal diz: 16 de dezembro de 2011

    MEXEM* ME EMPOLGUEI E ERREI, DESCULPEM

  • Rosângela Barreiros diz: 16 de dezembro de 2011

    Caro Rodrigo,o nosso sindicato,se vc é professor,deve saber,tem a executiva e várias regionais.Nós aqui em Florianópolis,somos uma equipe que trabalha e muito.Estamos sempre nas escolas e nas reuniões aonde somos chamados.Quanto ao Pd José,não preciso aqui usar codinome,sou Rosângela,da regional de Florianópolis.e se vc acompanhou o blog,a imprensa e os canais de tv,teve milhares de denuncias,por toda Santa Catarina,como falam eles…Durante a greve,principalmente,todos os catarinenses,viram diáriamente o estado que estavam e continuam as escolas pública.As SDRS,quem ocupam cargos,não são concursados,e sim comissionados do governo,com salários bem poupudos,diferente de um professor.E todas denuncias na imprensa,eram lidas diáriamente pela comunidade ,inclusive pelo governo do estado.Sugiro que procure ler o livro do nobre jornalista Moacir Pereira:A HISTÓRICA GREVE DOS PROFESSORES,aonde tem relatos de milhares de professores de todo estado,com depoimentos verdadeiros e comoventes da situação dos educadores.E quanto a se manifestar aqui nesse espaço,temo usado sempre ,pois o apoio desse jornalista,ampliou muito o debate e vinculou bastante os acontecimentos durante nossa luta.Espero sinceramente ter esclarecido as dúvidas existentes,pois nossa categoria,aqui em Florianópolis,tem acompanhado todo nosso trabalho,pois jamais ficamos de camarote,esperando o circo pegar fogo.Quem faz isso,é o governo do estado,quando retira direitos dos trabalhadores e não investe em educação com deveria.Obrigado Moacir
    Atenciosamente:Rosângela Barreiros
    Sinte Regional de Florianópolis

  • leda diz: 17 de dezembro de 2011

    Prezado anônimo, é uma blasfêmia esconder-se atrás desta eminente figura de nossa história, para falar um monte de asneiras. Padre Anchieta não foi pelego.
    Como professora de escola pública, vivendo a realidade caótica do abandono de nossas escolas e o descaso com a educação, dispenso seus cumprimentos e afirmo: professor(a) é profissão, não sacerdócio. Portanto, deixe o Anchieta descansar em paz e o governo que nos pague o que é devido.

  • Luís diz: 17 de dezembro de 2011

    Muito justas estas reclamações quanto ao suposto “castigo”. Se já recuperaram alguns dias em feriados e sábados, não tem porque obrigatoriamente todos irem até o dia 6 de janeiro.
    Mas tem uma coisa que tem me deixado indignado e já postei vários comentários, enviei e-mail para o grupo RBS pelo fato de os repórteres e apresentadores dos tele jornais pronunciarem palavras totalmente erradas, visto que eles, querendo ou não, são formadores de opinião. Falam “treis”, “deiz”, usam o “mais” onde deveria ser “mas” e por aí vai. Dia destes uma apresentadora do JA falou: “mais mais pessoas”…onde o correto seria, “mas, mais pessoas”. Neste e-mail sugeri que cobrassem destes profissionais o emprego do português correto mas não recebi nem resposta do e-mail. Agora leio todo o depoimento da professora Rosângela Barreiros, e no texto todo, nenhum espaço após as vírgulas (e foram várias), e me determinado trecho escreve “mirabulantes”. Nos comentários, outro professor, o Rodrigo, diz que vai fazer uma pergunta e no texto todo não existe um só PONTO DE INTERROGAÇÃO sequer, fora outras atrocidades à nossa língua que corriqueiramente lemos em todos os lugares e em muitas vezes, escrito por professores. Não acredito que escrevam assim por revolta e pelos baixos salários. Eu também, professora, estudei sempre em escolas públicas e sempre também passei direto, nunca pegando uma só recuperação, e procuro sempre escrever corretamente embora não tenha ido tão longe quanto a Sra., pois só concluí o segundo grau e não cursei nenhuma faculdade. Não seria por ganhar R$ 500,00 que eu iria escrever errado ou, escrever corretamente se ganhasse R$ 2.000,00. Enquanto a nossa educação permanecer neste nível, acho que reclamar de salário não adianta. Para justificar um pedido de aumento de salário, tenho que apresentar um bom trabalho ao meu patrão. O nível da educação está cada vez pior e não é com aumento de salário que irei aprender a escrever.

  • Aloisio Antoni diz: 17 de dezembro de 2011

    Rosangela : Sou um apaixonado pela Educação.Apesar de aposentado por outro Estado vivo aqui e convivo diáriamente com meus colegas professores. Viví 36 anos como professor, diretor de escola e por vezes Secretário municipal de Educação.Nas décadas de 60/70 nosso salário era parecido aos funcionários do Banco do Brasil . Eramos os dirigentes de clubes, convidados para as festas mais sofisticadas em nossas cidades, todos os eventos sociais tinham sempre nossa presença.Usávamos terno e gravata no mínimo tres a quatro vezes por mes e nossas “ilustríssimas” e as demais professoras tinha a mesma vida social…Na década de 80 a pipa começou a perder altura, foi caindo, caindo…até que nos dias atuais os antigos líderes são obrigados a fugir de convites, declinar da vida social e levar uma vida de qualidade inferior aos seu alunos.Tive a iniciativa de copiar o teu comentário e mandá-lo com votos de feliz natal para cada deputado de nossa ALESC.Nossa presença na sociedade faa falta. Fomos substituidos por contraventores, operadores de negócios escusos, gente sem envergadura moral…Quem perde somos todos nós, incluindo o governo que nos humilia.

  • Maria Isabel diz: 17 de dezembro de 2011

    Meu povo, o que dizer da normativa 2011/2012 que a SED enviou para gered e p/ escola.
    33 páginas de pura punição, é caso de polícia.
    Sr. Moacir tente pegar uma cópia, o sr. vai ficar aterrorizado.
    Chegaram a colocar que quem não estiver com o diário de classe em dia vai perder parte do pagamento do mês.
    Coitados dos professores das séries iniciais, não tem hora atividade, cade a lei?
    Vários pontos da normativa fere os direitos humanos.
    Como alguém para e elabora castigo contra pessoas que educam,que ensinam.
    Só podia vir de uma pessoa que vai ao banheiro e dexa a porta aberta lá na sed.
    Me recuso a colocar aqui o nome dessa senhora que já vem 12 anos prejudicando a educação de SC e ninguém faz nada contra ela, que padrinho forte, ou o sobre nome pesa?
    É mais um caso que o governador não pode fazer nada , é vaga do PARTIDO, aí tem que engolir.
    ONDE ESTA A JUSTIÇA?
    PESSOAS VÃO SER EXTREMAMENTE PREJUDICADAS COM NORMAS QUE NUNCA FORAM VISTAS NOS ÚLTIMOS 20 ANOS NESSE ESTADO.
    Vejo que 2012 vai ser bem pior, pois a normativa é mais grave do que o descaso com a lei do piso, pois vai mexer diretamente no Psicologico, e aí quem vai trabalhar feliz?
    Se procurarem na história o que vão implantar com essa normativa, só encontrarão na época dos escravos.
    Favor Rei COLOMBO, sua princesa na SED tá com muita RAIVA dos trabalhadores.

  • leda diz: 17 de dezembro de 2011

    Luis, este é o resultado do abandono do ensino público. Mas, a escola pública tem “chefe”, o Estado. Vejo o Moacir postando a “virada” que está acontecendo na Celesc. O mesmo se necessita para o Ensino: um banho de gestão competente. Até agora só se vê desinteresse, má vontade, as mesmas figuras carimbadas, viciadas, relações de compadrio, etc… É notório que o governo quer se livrar deste “fardo”, haja vista o o abandono das escolas, tanto no plano de estrutura de pessoal, como patrimonial e, especificamente, na desvalorização do professor. É só ler o relatório sobre a Educação, encomendado no governo LHS e, convenientemente, engavetado.

  • joao batista diz: 17 de dezembro de 2011

    Moacir sabes que os alunos que não assistiram as minhas aulas no ano de 2011 das sextas series estão aprovados, e qualidade da educação fica aonde?
    o aluno que também não foi avaliado durante o ano também esta aprovado, leis de Raimundo Colombo e sua trupe de Analfabetos.Gostaria de saber sua opinião sobre este fato, OBRIGADO E ATE MAIS!!!

  • rodrigo diz: 17 de dezembro de 2011

    Rosângela, penso que “esperar ser chamado” é muito pouco para uma entidade tão grande e representativa quanto é o SINTE. Sou filiado ao Sindicato e dou total apoio; apenas penso que estão confiando neste governador exageradamente. Esta atitude passional adotada pelo Sinte é arriscada demais. Estão esperando o governo terminar de nos ferrar para depois tentar fazer alguma coisa.
    Ei Luís(pelegão) vá lamber sabão!!! (escrevi certo ou esqueci algum ponto?)

  • Mary diz: 17 de dezembro de 2011

    Desde que começaram as funções do grupo de estudo estive em busca de informações, busca inútil, pois nada encontrei divulgado no site do sinte. existiam boatos a respeito da nova forma de contratação dos acts, mas não acreditávamos. Nesta quinta feira recebemos a confirmação: vamos ser contradadas por aula, bateu o sinal de entrada das aulas eu começo a ganhar, bateu o sinal para ir embora, paro de receber, hora do recreio não vamos ganhar, pois se eu tiver 10 aulas num dia vou receber 10 aulas, o recreio não estará incluído. Espero ter na escola um armário para guardar o material, não vou levar mais para casa, e o pior é saber que quem elaborou esta normativa nunca esteve em sala de aula e não teve ninguém da área da educação para questioná-lo pois se estivesse diriam à ele que para preparar as aulas da semana qualquer professor que faça um bom trabalho não consegue fazer em uma hora e meia por semana. Já passei muitos sábados e domingos preparando aula, avaliações e correção, tinha convicção de que não ganhava para trabalhar naquele horário, mas agora vou me sentir uma idiota caso volte a fazer isso. De acordo com as novas propostas do governo vou ter que reaprender a dar aulas, usar o livro didático na íntegra, corrigir provas em sala de aula, organizar os diários em sala de aula e outras coisas mais.
    ESTOU FRUSTRADA: entrei numa greve de 62 dias para defender um plano de carreira que não me pertencia, pois este só os efetivos tem, a revisão na lei dos acts de que falávamos na greve, nunca pensei que se tratava da redução do nosso salário. Concordo plenamente quando alguém a cima perguntou onde está o sinte, eu gostaria muito de saber qual foi a posição dos representantes do sindicato no grupo de estudos diante disso, pelo relatório que foi apresentado no site do sinte e da Sede, me parece que só concordaram, pois não apareceu a posição contrária e pior ainda: diz lá que por “sugestão dos representantes do sindicato” o act será avaliado por dois pais, dois professores efetivos, ATP e diretor.
    Neste momento descrevo o meu sentimento como frustração, tristeza e indignação.
    frustração por saber que não conseguirei sobreviver com o novo ganho, dez anos (faculdade e duas pós)jogados no lixo. Vou ter que procurar outro emprego.
    tristeza por ter a ideologia de um mundo melhor, sabedora que isso só será possível se tivermos uma educação de qualidade, e os políticos estão acabando dia a dia.
    Indignação por ver tanta coisa errada, tanto roubo e tenho a impressão que o povo está satisfeito, ninguém faz nada.
    tristeza, tristeza, tristeza…….

  • Edson Zabot diz: 17 de dezembro de 2011

    Ao ler o texto mal escrito da senhora Rosangela, percebe-se que a nossa educação é precária há muito tempo.

  • Lilian Cordova diz: 17 de dezembro de 2011

    Professora Rosangela, suas angústias são nossas também, parabéns pela ousadia de denunciar. #JuntosSomosFortes

  • Renoir diz: 17 de dezembro de 2011

    ÀQUELES QUE NÃO VALORIZAM A ESSÊNCIA DO DITO
    Certos textos são escritos com a pré-ocupação com a grámatica, outros são escritos sem revisão, intuitivamente. Num texto, o mais importante é a mensagem, a pesar da grámatica ser essencial, em certos partes do texto para seu bom entendimento. O texto da nosso amiga Rosângela, “Escola: um depoimento”, nos passa várias informações e questionamentos que nos fazem ficar mais “mente aberta”. Gostaria de pedir mais respeito a essa lutadora, que a muitos, muitos anos está lutando pela melhoria da educação. Ela está aposentada, mesmo assim, é mais ativa nas lutas que muitos professores, aliás, mas ativa que eu mesmo. Tente valorizar mais o ensinamento que está moça nos passa. A história dela vem de longe. Por favor, não este entendam como tentativa de ofensa às pessoas que a criticam, todos têm a liberdade de opinar, mas peço mais respeito e valorização no “sentido das palavras” que saem do pensamento desta guerreira. Só para lembrar. Existe SINTE-Estadual e existe SINTE-Regional. Por favor, peço que não comentem sobre este meu depoimento, nem positivamente nem negativamente. Não quis criticar nem ofender alguêm. Precisamos de união para que a educação nos traga mais felicidades.
    obs: não rivisei este texto. Se há algum erro, já foi.

  • Rubens Luvison diz: 18 de dezembro de 2011

    Rosangela!vc é uma guerreira!deveria ter uma igual a tí em todas as regionais do sinte.

  • Silvia diz: 18 de dezembro de 2011

    É importante nos preocuparmos com o bom emprego da língua portuguesa, é sim. Mas para quem só procurou erro de concordância , gráfico etc. Vou dizer num “português bem dizido” que a educação está abandonada, aluno sabendo ou não, estudando ou não, frequentando ou não às aulas são aprovados “a rodo”, num deboche aos professores que passaram o ano trabalhando, planejando e se preocupando com um bom ensino (Conheço muitos bons professores) .
    Por outro lado o Governo é ditador e coercivo. Quando ao retorno da greve deu autonomia para a comunidade escolar formular o calendário de reposição. A escola que meu filho estuda fez reunião com os pais, registrado em ata e todos concordaram com aulas até 23/12. Trabalharam todos os sábados, feriados, emendas de feriados previstas, conselhos de classe e reunião pedagógicas à noite e fecharam 200 dias até 23/12. Agora a SED exige aulas até 06/01 para o calendário com 192 dias. ABSURDO!
    Meu filho não irá a aula, ele não precisa de DECRETO para ser aprovado , pois sua média anual é excelente, melhor que a do Sr. Governador que o deixou um bimestre sem aulas de Geografia ( não contratou professor). Ele não deixou de aprender pela greve e sim pela omissão do Estado.
    O que será feito com os professores que já repuseram, vão ganhar hora extra?
    Lamento que a imprensa não se preocupou em mostrar essas atrocidades governamentais.
    Parabéns professora Rosângela pela denúncia porque se há algum erro em sua escrita, ´facílimo de entender o recado. Não é interessante ser “IMORTAL da ABL” e ser inerte nos assuntos sociais e educacionais e não saber interpretar um texto.

  • Pd. José de Anchieta – 1º educador do Brasil diz: 18 de dezembro de 2011

    Prezada Profa. Rosângela,
    Agradeço por retomar o assunto. Ficou esclarecido para mim que o SINTE não formalizou reclamação junto aos órgãos competentes.
    Quanto ao Pd Anchieta, era sacerdote. Foi educador por vocação e dom. O educador não é necessariamente um professor. O professor é um educador.
    Desejo sucesso aos professores em suas pretensões.

  • Pasqualle, of course diz: 18 de dezembro de 2011

    Edson, desculpe mas o correto seria “texto mau escrito”. Mau (adj.) é o oposto de bom e mal (adv.), de bem.

  • SOMBRA. diz: 18 de dezembro de 2011

    MEU DEUS DO QUE OS PROFESSORES ESTAO RECLAMANDO…..SIM,DO QUE ESTAO RECLAMANDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO…..SAO VCS MESMOS QUE ELEGEM O GOVERNO ELEIÇAO APÓS ELEIÇAO….E AINDA RECLAMAM……….PROFESSORES,POR FAVOR VCS NAO TEM NEM UM PARA SE CANDIDATAR A GOVERNADOR????????????JUNTEN-SE COM A APRASC E VCS TERAO TD…ATÉ NOSSO APOIO..PQ POR EMQUANTO HÁ “ALGUNS DE VCS,ALGUNS DA APRASC E A MINORIA DOS DEPUTADOS ” ELE O GOVERNO DEITAM E ROLAM DA MANEIRA QUE ELES QUEREM…….MAS PQ VCS OS ELEGERAM……..AGORA É SÓ DEIXAR O TEMPO PASSAR E NAS PRÓXIMAS ELEIÇOES VOTAR NOVAMENTE PELO CONTINUISMO.

  • ElieteMMartins diz: 18 de dezembro de 2011

    Professora Rosângela, continue realizando suas atividades. Parece que estou vendo a senhora, em frente ao computador escrevendo com raiva e indignação. E escrevendo de qualquer maneira, como se estivesse psicogravando. Se a senhora tivesse revisado seu texto, talvez não tivesse o mesmo efeito, pois iria ponderar em alguns momentos, retirar algumas frases e talvez até lhe faltasse coragem para enviar. Não se intimide! Só nós professores sabemos o tamanho de nossa dor e indignação. Continue lutando !!!! Sua mensagem foi passada!

  • Edson Zabot diz: 19 de dezembro de 2011

    “Pasqualle”, você está completamente equivocado. Então, para você, o texto é “mau escrito” ou “bom escrito”? Por favor não use o dome do prof. Pasqualle em vão.

  • ElieteMMartins diz: 19 de dezembro de 2011

    CORRIGINDO: PSICOGRAFANDO

  • Luís diz: 19 de dezembro de 2011

    “Edson, desculpe mas o correto seria \”texto mau escrito\”. Mau (adj.) é o oposto de bom e mal (adv.), de bem.”
    quá, quá, quá, quá…professor????

  • Edson Zabot diz: 20 de dezembro de 2011

    Ok Luís, então continue escrevendo “bom escrito” ao invés de “bem escrito”. Eu desisto…

  • Luís diz: 20 de dezembro de 2011

    Caro Edson Zabot, continuarei escrevendo sim. Básico: “bem – mal”, “bom – mau”.
    Você escreveu: \”Edson, desculpe mas o correto seria \”texto mau escrito\”. Mau (adj.) é o oposto de bom e mal (adv.), de bem.\”
    O correto é: “texto mal escrito”, sim! Ou você é daqueles que acha que na estória do Chapeuzinho Vermelho tinha um “lobo mal”?

  • Luís diz: 23 de dezembro de 2011

    Caro Edson Zabot, relendo os comentários, a observação que postei no dia 19 não era para você e sim, para o Pasqualle que está completamente equivocado quanto ao emprego de “bem-mal, bom, mau”. Você quem está correto. Na resposta do dia 20 deveria ter colocado “Pasqualle”, e não o seu nome. Se você perceber, copiei exatamente o post dele então, o quá, quá, quá era pra ele e não pra você. Abraço e Boas Festas a todos!