Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Caso Marcelino Chiarello será federalizado

30 de abril de 2012 15

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, comunicou ao governador Raimundo Colombo a decisão de federalizar as investigações em torno da causa da morte do vereador Marcelino Chiarello, do PT de Chapecó. A Policia Civil concluiu que o vereador teria se suicidado. Agora, o caso seá apurado pela Policia Federal, a pedido do Ministério Públicp estadual, segundo o ministro.

Comentários

comments

Comentários (15)

  • Paulo Eduardo diz: 30 de abril de 2012

    Quero vê se a PF provar ao contrário da turma do Colombo e do Gruba.
    Se provar que houve farsa na Perícia quem deverá ser punido.

  • Mari Neusa diz: 30 de abril de 2012

    Profundamente lamentável que a polícia civil de nosso Estado seja tão incompetente para lucidar esse caso. Agora, depois de tanto tempo chegaram a essa lamentável conclusão! Êta incompetência!

  • Sérgio diz: 30 de abril de 2012

    Pô !!!Prevaleceu o bom senso.O que,inegavelmente,demonstra uma excelente forma de inteligência.Afinal,até hoje ainda prevalece a tese de suicídio, no caso da morte do Jornalista Vladimir Herzog,morto durante a ditadura.Alguém tem dúvida da tese de “suicídio” do Vereador Marcelino Chiarello? Vamos agurardar.Espero que a PF possa esclarecer todas as dúvidas.

  • FABRICIO diz: 30 de abril de 2012

    Agora vai! Agora sai! Sai o que? Com certeza a Polícia Federal é a que tem mais condições para apurar o caso, investigam um homicídio/suicídio a casa dez anos, pois como se sabe esse crime é estadual e não conheço policiais nem peritos federais com experiência nessa área, mas se o PT quer, fazer o que? Eles que resolvam! Toma a bucha aí Polícia Federal!

  • Eduardo M. diz: 30 de abril de 2012

    Ninguém concluiu que o vereador se suicidou, a conclusão foi por morte por asfixia/enforcamento. Porém, não se concluiu se o enforcamento foi feito por Marcelino por por terceiros.
    Vários jornalistas morreram por enforcamento durante a ditadura, porém, depois descobriu-se que o enforcamento não foi suicídio, e sim homicídio (praticado por terceiros).

  • Giffoni diz: 30 de abril de 2012

    E os raimundianos ficam calados com esse “atropelamento” jurisdicional? Ninguém diz “vírgula” em defesa da perícia polícial estadual? Nem o sr. dessecretário da (in)segurança diz alguma coisa? E o processo será federalizado em função de pedido do MP (moralidade pública) estadual: o que a promotoria sabe que nós, pobre leitores, desconhecemos? E a notícia fica assim, ó, pequenininha no pé de página? Fosse governador de Santa Catarina, o sr. Colombo requisitaria a mídia estadual para defender a integridade do trabalho de sua polícia e de sua segurança pública: calado, passa recibo de incompetente ou, pior, de conivente com algo de maior gravidade. Aguardemos, pois…

  • Osvaldo Peixoto diz: 30 de abril de 2012

    E Deus queira que logo logo se incrimine o mandante do crime, caso contrário ele será candidato ao governo de 2014. Ponto final…

  • “Ele disse que estava com medo pois havia feito várias denúncias” diz: 30 de abril de 2012

    Vereador é encontrado morto e polícia trabalha com homicídio

    Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

    O vereador Marcelino Chiarello (PT), de Chapecó, foi encontrado morto por volta das 11h30 de ontem em sua residência, no bairro Santo Antônio. Seu filho, de 10 anos, e sua mulher, que é professora, chegaram em casa e viram o vereador enforcado numa fita de nylon, amarrada na janela, num quarto de visitas. Mas o que inicialmente parecia suicídio começou a ser tratado como homicídio pela Polícia Civil no início da tarde.

    -Temos indícios que indicam não se tratar de suicídio- afirmou o delegado Augusto Melo Brandão.

    Devido à repercussão do caso na cidade foi criada uma comissão que, além de Brandão, reúne os delegados Alex Passos, Ronaldo Neckel Moretto, Fabiano Toniazzo e Danilo Fernandes.

    O delegado Alex Passos foi o primeiro a levantar a suspeita de que havia sido forjado um cenário de suicídio. Passos viu que a fita estava amarrada muito alto e o vereador não teria como ter amarrado e colocado a fita no próprio pescoço sem o auxílio de um banco, o que não havia no local. Além disso havia muito sangue no quarto, o que é incomum num suicídio. Havia inclusive sinais de sangue nas costas de Chiarello. Depois, na necropsia, foi encontrado um hematoma na parte de trás da cabeça, o que indica que ele levou uma pancada. Além disso o nó da fita tinha uma circunferência de 37,5 centímetros e, o pescoço do vereador tinha 40 centímetros, o que indica que foi amarrado antes de o vereador ser suspenso. O sangue também coagulou no sentido do olho para a orelha, como se estivesse deitado, e não de cima para baixo, como seria num enforcamento.

    Marcelino Chiarello era conhecido por sua atuação combativa no legislativo, onde fazia oposição à atual administração. Os delegados afirmaram que estão sendo trabalhadas várias hipóteses para o crime, tanto pessoal quanto política.

    – Queremos esclarecer o crime o quanto antes – afirmou o delegado Moretto.

    A vereadora Ângela Vitória disse que, no sábado, Chiarello disse que iria pedir escolta policial, mas em tom de brincadeira. O suplente de vereador Euclides Silva disse que recebeu ligações de Chiarello na sexta-feira, no sábado e no domingo, onde ele pedia para assumir o legislativo por uns dias.

    – Ele disse que estava com medo pois havia feito várias denúncias – afirmou.

    Fonte: http://wp.clicrbs.com.br/chapeco/2011/11/28/vereador-e-encontrado-morto-e-policia-trabalha-com-homicidio/?topo=77,2,18

  • Ausência de registros de chamadas telefônicas para o celular do vereador diz: 30 de abril de 2012

    Caso Marcelino Chiarello

    Darci Debona| darci.debona@diario.com.br

    A ausência de registros de chamadas telefônicas para o celular do vereador Marcelino Chiarello na manhã em que ele foi encontrado morto é um dos pontos mais intrigantes. De acordo com o advogado Sérgio Martins de Quadros, essa questão deverá ser uma das bases para convencer o Procurador Geral da República, Roberto Monteiro Gurgel, a solicitar a federalização do caso para o Superior Tribunal de Justiça.

    Quadros lembrou que alunos e professores da escola Pedro Maciel, onde Marcelino deu três aulas antes de ir para casa, afirmaram que ele recebeu várias ligações no celular. Só que não foi encontrado nada no aparelho e nem nos dados encaminhados pela operadora.

    As ligações também não aparecem na conta de pessoas que fizeram ligações para o vereador, como um jornalista e assessores do Partido dos Trabalhadores. Nem uma mensagem enviada pela mulher de Chiarello apareceu.

    O advogado acredita que alguém pode ter mexido no sistema, já que houve uma pane nos celulares da Câmara de Vereadores de Chapecó, entre a sexta-feira anterior ao crime e a segunda-feira em que Chiarello foi encontrado morto.

    O Instituto Geral de Perícias seque analisando o aparelho para ver se consegue dados.

    Fonte: http://wp.clicrbs.com.br/chapeco/2012/02/14/caso-marcelino-chiarello-5/?topo=77,2,18,,,77

  • Marcos diz: 30 de abril de 2012

    A “federalização” em tela não encontra respaldo no ordenamento jurídico. Trata-se de grave violação do pacto federativo, e a Polícia Federal não tem competência para essa investigação. Tudo pode ser questionado e anulado judicialmente. Por fim, por que não federalizaram o caso Celso Daniel ? Será que foi porque a Polícia Civil de São Paulo produziu uma investigação que agradou a alta cúpula petista ?

  • Antonio Marco Silveira Duarte diz: 1 de maio de 2012

    Somente para esclarecer alguns desinformados, ou cheios de má intenção, tal como o Sérgio.

    O Ministério Público Estadual viu sua investigação obstruída pela Polícioa civil e pelo Instituto Geral de Perícia. Então, encaminhou ao Procurador Geral um peedido formal de federalização do inquérito.

    O Procurador Geral da República (que é a função máxima do Ministério Público Federal) considerou fundamentadas as considerações do Ministério Público Estadual, seguindo o que está previsto na Lei, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que permitisse a federalização. O STF deferiu o pedido.

    Assim, quem pediu a federalização do inquérito, foi o Ministério Público. Quem decidiu a favor disso, foi o STF (que é o orgão máximo do Poder judiciário).

    A Polícia Federal caberá somente cumprir tal decisão e investigar.

    Está ttudo nos autos do inquérito.

  • Antonio Marco Silveira Duarte diz: 1 de maio de 2012

    Somente para esclarecer alguns desinformados, ou cheios de má intenção, tal como o Fabrício.

    O Ministério Público Estadual viu sua investigação obstruída pela Polícioa civil e pelo Instituto Geral de Perícia. Então, encaminhou ao Procurador Geral um peedido formal de federalização do inquérito.

    O Procurador Geral da República (que é a função máxima do Ministério Público Federal) considerou fundamentadas as considerações do Ministério Público Estadual, seguindo o que está previsto na Lei, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que permitisse a federalização. O STF deferiu o pedido.

    Assim, quem pediu a federalização do inquérito, foi o Ministério Público. Quem decidiu a favor disso, foi o STF (que é o orgão máximo do Poder judiciário).

    A Polícia Federal caberá somente cumprir tal decisão e investigar.

    Está tudo nos autos do inquérito.

  • marcelocardosodasilva diz: 1 de maio de 2012

    …quem em Chapecó; quem em Sta. Catarina está envolvido no ASSASSINATO DO PROFESSOR MARCELINO CHIARELLO que estava VEREADOR pelo Partido dos Trabalhadores (PT)!!!……………………………….esperança sempre!!!

  • Cynthia Pinto da Luz diz: 3 de maio de 2012

    A decisão do Ministro da Justiça atende a reivindicação de entidades, movimentos sociais e políticos catarinenses, para que sejam oportunizadas melhores condições técnicas na investigação. Todavia, é necessário que o caso de Marcelino Chiarello seja de fato ‘federalizado’, isto é, passando o comando das investigações integralmente à policia e à justiça federal. Tanto para garantir a qualidade quanto a autonomia no processo investigatório, única forma de se chegar à verdade sobre essa morte.

  • sophia diz: 3 de junho de 2012

    Com certeza isso será divulgado após as eleições, alguém duvida??? Eu não, tenho certeza que assim será, ora pois… mas este ano vou de PT, puro protesto, pq a margianalidade se alastra, acelera ai em Chapecó e ninguém faz nada, alás fazem sim no final do mês recebem o salário que garanto pouco não é. Vamos protestar dia 3 de outubro, pela impunidade, a favor da moralidade. Fica a dica.