Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

A Educação e o Relatório da OCDE sobre SC

31 de agosto de 2012 15

“Prezado Moacir

Como oportuna contribuição a discussão que está sendo levantada em torno dos problemas da Educação em nosso Estado, gostaria de recomendar a leitura do relatório encomendado à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos – OCDE, pelo Estado de Santa Catarina, no governo de Luiz Henrique da Silveira, e concluído em 2010. Neste amplo estudo financiado pelo governo do Estado em parceria com a OCDE, são apontadas as deficiências do nosso sistema ensino, ao mesmo tempo em que sugere medidas para saná-las. Estranho que tão importante documento, que não deve ter custado barato aos cofres públicos, não seja mencionado e utilizado nos debates em torno dos “por quês” da má qualidade do ensino público em nosso Estado.
Talvez, cause constrangimentos afirmações constante do relatório, como: “Por determinação federal, todos os estados e municípios devem destinar um mínimo de 25% dos seus orçamentos à educação. (…) embora na prática o Estado gaste em torno de 28%. (p. 31). Ou: “A existência de uma reserva de professores temporários ou substitutos pode ser de grande utilidade para o sistema, mas não quando representa quase metade do corpo docente. É reconfortante saber que a SED lançou um programa através do qual, a partir de 2010, todos os professores temporários deverão prestar um exame formal de admissão. A prova está sendo organizada para todo o estado pela instituição universitária ACAFE.” (p. 242).
Embora extenso, reafirmo a importância da leitura para todos os interessados no debate. Procurar no google sob o título: Avaliação das políticas nacionais de educação – Estado de Santa Catarina, Br
Lenita Raad – professora da rede pública de SC.”

Comentários

comments

Comentários (15)

  • LUIZ CALDAS diz: 1 de setembro de 2012

    “Alguém pode informar onde está o FRANK MAIA?

  • JANETE A DE MIRANDA diz: 1 de setembro de 2012

    Muito oportuna a contribuição, Lenita. É importante que os catarinenses saibam que os governantes sabem dos problemas, pois inúmeros documentos e denúncias já apontaram as mazelas da educação. Enfim, eles apenas fazem de conta que desconhecem; e o pior: tem gente querendo brincar de perguntar! Um abraço, Janete Miranda.

  • Leda diz: 1 de setembro de 2012

    Este relatório é uma leitura obrigatória para todos os segmentos envolvidos em Educação. A comissão que desenvolveu o estudo é formada por renomados especialistas em educação da Europa e América Latina. No decorrer da leitura percebe-se o desmonte da escola pública, os problemas que vivenciamos no dia-a-dia das escolas, as contradições e os dados inverídicos repassados pelas autoridades ligadas à Educação para os responsáveis da OCDE elaborar o relatório.

  • MENDONÇA diz: 1 de setembro de 2012

    VENHO SOLICITANDO FREQUENTEMENTE QUE O ESTADO MOSTRE AO POVO O PERCENTUAL APLICADO NA EDUCAÇÃO. LENITA, ACHO QUE NÃO CHEGA A 20%.
    SE O ESTADO FIZER A TAL DA AVALIAÇÃO PARA OS ACTs, TALVEZ FALTE PROFESSORES. UM GRANDE PROBLEMA É A FALTA DE COMPROMETIMENTO DAS NOVAS GERAÇÕES DE PROFESSORES, MAIS PREOCUPADOS COM OS DIREITOS DO QUE COM OS DEVERES.

  • Liaseal diz: 1 de setembro de 2012

    ”Talvez, cause constrangimentos afirmações constante do relatório, como: “Por determinação federal, todos os estados e municípios devem destinar um mínimo de 25% dos seus orçamentos à educação. (…) embora na prática o Estado gaste em torno de 28%. (p. 31). ”

    Então está gastando mais do que os 25%? Boa deixa pra o governo…Se bem que a lei fala em 25% no mínimo, mas se o governo gasta além do mínimo( provas do dados, quem forneceu?). Pode estar gastando até 50%, mas está gastando mal e colocando no mesmo balaio não só a Educação Básica, que é o que está pegando. Educação abarca até a Udesc? Não é o que interessa, interessa qto arrecada e qto é obrigado a aplicar somente na Educação Básica, sem usar verbas do Fundeb em outras coisas, porque tudo serve como sugadores, até aplicar em nome da Educação coisas ditas ‘culturais’, como o péssimo uso em restaurações de prédios que não são de interesse de todos os contribuintes, são prédios com donos ricos, isentos de impostos, os donos que arquem com restauro e preservação. A título de “educação” vale tudo, pontes , asfalto,até festas e shows.

    O documento foi feito com a participação de todos os interessados ou dos ‘especialistas’ de sempre[ pela nominada, não vi gente que vive a realidade do dia a dia em escolas], algumas famosidades importadas, que nunca puseram o pé nas escolas? Subsidia, mas não é a versão definitiva da verdade, não dá nem para dizer que tem verdades, a desconfiar de quem pagou e quem recebeu para fazer o trabalho… A vida e o trabalho me ensinaram que quando se aposta tudo, ou quase tudo, nas tais ‘autoridades’ em alguma coisa, dá logo aquele arrepio que percorre a espinha e que a natureza desenvolveu para gerenciar o alerta de perigo e acionar a fuga.

  • Daniel – Laguna diz: 1 de setembro de 2012

    Por favor professora Lenita nos passe o endereço de tal relatório. Obrigado.

  • JANETE A DE MIRANDA diz: 1 de setembro de 2012

    Para quem quiser acessar o relatório… (eu encontrei acessando a página da SED)
    http://www.sed.sc.gov.br/secretaria/documentos/doc_download/1464-avaliacoes-de-politicas-nacionais-de-educacao

    Abraços, Janete

  • Lenita diz: 1 de setembro de 2012

    Colegas, obrigada por seus comentários e ao Moacir pela postagem.
    Mendonça, o que se sabe é que não aplicam os 25%, muito menos 28%.
    Daniel, é só postar no google: “Avaliação das políticas nacionais de educação – Estado de Santa Catarina, Brasil”. São 371 páginas de relatório. Segue pequena resenha:

    Avaliações de Políticas Nacionais de Educação
    Estado de Santa Catarina, Brasil
    A educação é uma prioridade fundamental para o Estado de Santa Catarina. Os
    seus responsáveis pela elaboração de políticas estão firmemente empenhados
    no fornecimento de um sistema educacional adequado e eficiente, que atenda
    às exigências da economia global e que possibilite que o Estado ganhe em
    competitividade, tanto em âmbito nacional como internacional.
    Esta análise da OCDE apresenta uma breve visão global do setor da educação
    no Estado de Santa Catarina e das suas recentes evoluções. Realiza uma análise
    do sistema, desde a pré-escola até a educação superior e a aprendizagem
    continuada por toda a vida, e identifica as principais diretrizes para uma reforma
    das políticas à luz dos desafios enfrentados pelas autoridades, comunidades,
    empresas, bem como pelos educadores, pais e alunos. Conclui com um conjunto
    de recomendações principais referentes à estrutura do sistema e sua relevância
    para o mundo do trabalho, ao acesso e equidade, à gestão e administração, à
    pesquisa, desenvolvimento e inovação, à internacionalização e ao financiamento.
    Este relatório será de utilidade para os profissionais catarinenses e de outros
    Estados, bem como para os seus homólogos no plano internacional.

  • Ariana Mendes diz: 1 de setembro de 2012

    Tb li esse documento na íntegra de forma cuidadosa…. No entanto, me espanta que tao renomados especialistas tenham sido contratados para dar seus pareceres e recomendações que para variar nao foram seguidas, como por exemplo, a melhoria salarial… obrigação da qual nosso desgoverno foge o tempo td..

  • marcelocardosodasilva diz: 2 de setembro de 2012

    …porque o DESgoverno columbiforme não cumpre à Lei Federal do Piso Salarial do Magistério Público e o 1/3 de Hora Atividade???…….Porque mantém 20.000 boias-frias(Digo Professores ACTs) + de 50% do Quadro do Magistério Público Catarinense???…….Porque “arrebentou” com nosso Plano de Carreira???…….Porque estes “elementos” não querem um Povo Esclarecido e Culto???………….”Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador.” (Eduardo Galeano)…………..ACORDA POVO CATARINENSE!!!

  • marcelocardosodasilva…pousodagarça diz: 2 de setembro de 2012

    …A Educação é a base da formação de um Cidadão e, por conseguinte, de uma Nação, portanto temos que cobrar de nossos governantes que “cumpram” às Leis e que invistam de forma séria na EDUCAÇÃO PÚBLICA!!!…….ACORDA POVO CATARINENSE!!!………………………….Galera à hora é Agora!!!!!!!

  • Dona Penga diz: 2 de setembro de 2012

    Fessora… posso…
    Fessora… ( dedinho em riste ) quero perguntar… se …
    Credo, em tudo que é lugar ninguém escuta mesmo o velho, pois de canhoto me torno destro e ninguém me deixa fazer a pergunta !!! Credo em cux !!! Exconjuro !!!
    Tem que chamar a equipe de apoio, como os dois judeus um em cada lado de Moisés sustentando-lhe a bênção !!!

  • DE PROFUNDIS ( aprofunda, nao deprime, com amor e arte faz da vida a beleza, como Oscar Walt ) diz: 2 de setembro de 2012

    Alguém já comentou neste blog sobre como os ACTs suplantaram os professores efetivos no Estado, muito interessante usar o próprio blog como pesquisa, e para que servem como estratégia de governos para o desmantelamento do movimento sindical do magistério… Também já falaram, sem maiores percepções nem repercussão, sobre o balaio de gato que é um sindicato que abriga categorias misturadas… Nos fragmentos da mídia em microgotas se manobra o pensamento social, a opinião pública é na verdade perpassada e controladíssima, é um “separatus pensamentus coletivus” – explicando, nada de latim, mera evocação – cada indivíduo não tem verdadeira mente opinião que se sustente, tem idéias separadíssimas umas das outras, é separadíssimo do outro semelhante, segue a cartilha dada do individualísmo na ilusão de ser de fato um indivíduo, um ser pensante individual autônomo e independente. Interessante que o obsoleto é sempre surpreendentemente o minuto anterior, a fragmentação, estratificação social, não limita-se ao corpo, soma, objetivado, materializado… a dor exposta, as feridas abertas, as ” veias jorando da américa latina “… não! É dentro de sí, na consciência, na alma psicológica, e fechando o cerco fatal, letal, na mente das pessoas.
    Destaco em minhas observações sobre essa aparente cruzada pela educação, para agora, esse momento, talvez já passou, ( Não seria um idiota a continuar insistindo em terminar o comentário ? ) duas coisas. Isadora e Moacir. Quero dizer, essas pessoas, este no que de coerente tem haver que política e educação… projeto político pedagógico lembram ? Aquela, gostaria tanto de encontrá-la na rua e conversar dizendo que conheço a fundo o assédio moral, com o agravante de terem sido no meu caso os próprios colegas de sala dos professores. Conheço a fundo essa gente. Na sua mente tem disponível permanentemente uma peneira de tapar o sol… bjs fraternos

  • Daniel – Laguna diz: 2 de setembro de 2012

    OBRIGADO PROFESSORA LENITA

  • Lenita diz: 2 de setembro de 2012

    Liaseal, talvez a grande virtude do relatório que aí está é reafirmar o que já apontamos e que precisa ser corrigido, que as autoridades competentes têm ciência dos fatos e que este relatório dá credibilidade as nossas reivindicações.
    Também serve para causar indignação quando vemos as informações inverídicas que foram repassadas a OCDE. A intenção é polemizar, trazer a tona a discussão neste momento. Como acompanho seus comentários neste blog, volto a recomendar a leitura e acredito que contribuirias muito escrevendo aqui suas considerações. Abraço, Lenita