Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Fiesc quer aumentar matrículas em 54%

28 de setembro de 2012 4

No lançamento do Movimento A Indústria pela Educação hoje, pelo Sistema Federação das Indústrias (Sistema FIESC), já houve a adesão de 40 empresas.A meta é qualificar 795 mil trabalhadores industriais até 2014. A cerimônia de lançamento, realizada em Florianópolis, teve a presença do governador Raimundo Colombo e de lideranças do Fórum Estratégico da Indústria Catarinense que assinaram o documento de adesão ao Movimento e firmaram o compromisso de se engajar na iniciativa.
Nota da Federação traz mais detalhes:
“O presidente do Sistema FIESC, Glauco José Côrte, afirmou que a educação é a saída para auxiliar a indústria a ser mais competitiva. “Temos certeza que vamos contar com o apoio e a adesão firme do setor industrial para melhorarmos a competitividade do setor”, disse, destacando que apenas 7% dos jovens entre 15 e 19 anos frequentam cursos de educação profissional.
“Vamos oferecer quase 200 modalidades de cursos e assumo o compromisso de estruturar as capacitações que a indústria precisar, caso não as tenhamos. Precisamos encher as salas de aula. Necessitamos que a indústria nos ajude a incentivar os jovens e os coloquem à disposição para estudar. Nós vamos qualificá-los”, reafirmou ele, lembrando que um trabalhador americano é cinco vezes mais produtivo que um brasileiro. “Vamos vencer essa barreira para sermos mais competitivos, mas não como um fim em si mesmo, e sim para investirmos mais, para pagarmos melhores salários e para abrirmos mais vagas. Lutamos e trabalhamos para formar um bom profissional e um bom cidadão, comprometido com o desenvolvimento e com a sociedade catarinense”, salientou Côrte.

O Movimento tem dois pilares: investir na ampliação da oferta de programas de educação e
incentivar empresas de Santa Catarina a destinar maior atenção a ações voltadas para a área. A intenção é mostrar os ganhos de competitividade que podem ser obtidos a partir da melhoria dos níveis de formação.

“A educação é o grande desafio da sociedade. Estamos em sintonia com o Movimento que a FIESC faz e temos o maior reconhecimento. A ação da Federação é um reforço grande à abertura de novos caminhos. Essa parceria nos agrada. Me animo quando vejo esse debate. O Movimento ajuda muito o governo e o Estado de Santa Catarina a fazer as transformações necessárias. Qualifica o debate”, declarou o governador Raimundo Colombo.
Segundo pesquisa realizada em 2011 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o problema da falta de trabalhadores qualificados – seja por educação básica ou por formação profissional – afeta 69% das empresas do país. Além de gerar dificuldades de contratação, essa questão também afeta a capacidade das empresas brasileiras de enfrentar seus concorrentes internacionais. Segundo estudo realizado pela consultoria John Snow Brasil, é de 54% a diferença de produtividade entre os trabalhadores que possuem dois anos de escolaridade e os de cinco anos.
Para contribuir com a melhoria do quadro educacional do Estado, SESI, SENAI e IEL – entidades integrantes do Sistema FIESC – pretendem ampliar a oferta de serviços nas área. A previsão é de registrar 795 mil matrículas entre 2012 e 2014, relacionadas principalmente à formação básica, continuada e técnica dos trabalhadores da indústria. Serão investidos R$ 330 milhões no período.
Além das ações do Sistema FIESC, todas as indústrias do Estado também serão estimuladas a fazerem sua parte. Elas serão convidadas a se tornarem signatárias do Movimento e apoiarem ações de educação relacionadas a seus trabalhadores.
As indústrias poderão contribuir, por exemplo, oferecendo infraestrutura necessária para a realização de formaçãodentro da empresa, promovendo o acesso a cursos e premiando os trabalhadores que continuamseus estudos, entre outras ações.
No lançamento, o Movimento já teve a adesão de 41 empresas. Entre as quais Karsten, Buddemeyer, Marisol, Portobello, Battistella, Inplac e Ciser.”

Comentários

comments

Comentários (4)

  • Liaseal diz: 28 de setembro de 2012

    Estão falando do sistema SESI e SENAI? Poderiam começar barateando os cursos e pagando melhor os treinadores/professores que ganham uma merreca e os muito bons já caíram fora. Baita exploração é curso no Senac, mais caros do que muitas escolas privadas. O bom de tais cursos é que não são avaliados por nada nem ninguém, nem MEC, por Saebs, Enems, Pisa, imprensa, Gustavinhos da Veja ou similares. Não são obrigados a educar, somente instruir e treinar, professores não são educadores babás, tias…Aluno que não se enquadra cai fora, se riscar uma carteira tem que lixar e arrumar. Era assim quando fiz aula no Senac uma vez porque o professor lecionava na UFSC e faltava muito, depois ‘recuperava’ as aulas à noite no Senac da Prainha, em vez de dar a matéria ficava fazendo preleções das maravilhas do governo Geisel e dos cuidados com as carteiras do Senac. Era um dos diretores da coisa.

    Nenhum ‘instrutor’ que lecione lá é empresário, a não ser na condição de palestrante. Talvez algum dono de padaria ou oficina de conserto. Se derem a lista dos ‘docentes’ até podemos conferir quem é quem não é empresário.

    Uma coisa que sempre achei curiosa era comparar as duas realidades lado a lado ali na Prainha, por exemplo. Numa esquina o inferno que era a escola Celso Ramos que acabou daquele jeito. Na outra esquina, escola do Senac, um primor de ‘ambiente’, alunos não mandam, nem pais dão palpite, tudo funciona e as vagas são disputadas até em lista de espera para curso de manicure. Mistério profundo, não? Ou nem tanto…

  • Sérgio Dias diz: 29 de setembro de 2012

    Liasel,que maravilha de comentário.Fiquei com inveja de você! Infelizmente,Liasel,nosso Governador esqueceu de citar que,a educação tem como finalidade principal formar cidadãos.Afinal,não é de responsabilida de do Estado a educação dos cidadãos? Portanto,tudo que vejo nesse projeto da FIESC é,antes de tudo,como “adestrar”cidadãos para a competição.E preciso sim,criar cidadãos!Porque em uma sociedade onde a ameaça de “passar”(desemprego) fome é o único incentivo para trabalhar devemos,certamente,olhar com desconfiança tanta bondade.A FIESC cobrou de nosso Governador compromisso do governo com educação?

  • sergio diz: 30 de setembro de 2012

    Muito estranho…..Pensei que as respostas deveriam ser dadas a educação de base.Me parece coisa preparada para alguém faturar em cima desta campanha.Mais uma vez repito que estranho que logo lançada a campanha a Educação precisa de Respostas aparece a FIESC como a grande solução e salvação..Muito dinheiro em jogo neste sistema da FIESC, e querem ainda mais.Digo e repito deveriam intensificar a educação desde as creches onde as industrias não realizam o seu compromisso como as leis pedem, e empurram tudo para as prefeituras..Vamos FIESC nossa educação precisa de resposta e vcs poderiam começar cobrando das industrias tal procedimento.Esta campanha como se diz no meio futebolístico é pura jogada ensaiada..Mais uma vez vai lucrar quem realmente pela educação cobra muito e pela base nada faz…….

  • Daniel – Laguna diz: 1 de outubro de 2012

    Liaseal, Sérgio e Sérgio Diaz, parabéns, nada mais a comentar.