Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

BR-470: "Esqueceram de mim"

29 de setembro de 2012 5

Empresário Carlos Victor Ohf protestou durante reunião do Fórum Estratégico da Fiesc contra o estudo “Sul Competitivo” realizado pela Macrologística. Motivo: a duplicação da BR-470, no Vale do Itajaí, não está incluída entre os 55 projetos prioritários.
Protestou na hora e lamentou: “Eles esqueceram da BR-470”.

Comentários

comments

Comentários (5)

  • Juliana diz: 30 de setembro de 2012

    Justamente a Fiesc esquecer a BR-470??? Que lapso, hein?

  • Fernando diz: 30 de setembro de 2012

    Depois não sabem o porquê dos empresário do Alto Vale não fazer questão alguma de participar da FIESC. Só nos resta lamentar e agradecer ao Sr. Carlos Ohf pela voz solitária, ecoando em meio a tantas outras que nos esquecem.

  • Gualberto Cesar dos Santos – FLN/SC diz: 30 de setembro de 2012

    Conheço o empresário Carlos Victor Ohf – desde quando estive radicado em rio do Sul. Pessoa inteligente, Expressiva liderança no meio empresarial industrial. De outra parte, o Presidente da FIESC – tenho convicção – não se esqueceria do Médio e do alto Vale do Itajaí. O dois são pessoas autênticas e atentas. Dois expressivos valores humanos e intelectuais. Tenho certeza de que esclarecimentos virão no sentido do bem comum.

  • Carlos José da Silva diz: 1 de outubro de 2012

    Chega a ser cômico, a FIESC deixar de lado como uma das prioridades a duplicação da BR 470. Com isso só podemos concluir que este estudo não merece respeito, como não houve com todo o alto vale, planalto catarinense, oeste catarinense, sudoeste paranaense e norte gaúcho… A FIESC só pode estar de brincadeira… Não existe desenvolvimento MACROLOGÍSTICA nestas regiões sem passar pela BR 470… Lamentável… Decepção também de nós Camponovenses que dependemos desta BR, para tudo, exceto para ir a Capital.

  • Aldo Kaestner diz: 1 de outubro de 2012

    A metodologia do trabalho da Macrologística pode até estar correto. Porém o que não se pode admitir que um trabalho desses tenha levado em consideração apenas o transporte de cargas, esquecendo de pessoas. Apoio integralmente e comungo com a revolta do Sr. Carlos Ohf. Afinal se nós não brigarmos pela nossa região e pelas vidas que aqui moram e passam, quem o fará? Temos que nos unir e buscar alternativas para o problema, pois esperar ou acreditar em promessas, isso eu faço a 40 anos, e nada de resultado. Temos que trabalhar por uma alternativa melhor do que 470.